Início » Gadgets » Financie isso: Bluelux é o projeto brasileiro que quer deixar as lâmpadas da sua casa inteligentes

Financie isso: Bluelux é o projeto brasileiro que quer deixar as lâmpadas da sua casa inteligentes

Por
1 ano e meio atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Bluelux

Sistemas inteligentes de iluminação já existem, assim como lâmpadas espertas (vide a linha Philips Hue). O problema, pelo menos no Brasil, é o preço elevado desses produtos. Mas uma opção mais acessível desponta no horizonte: uma startup mineira está buscando no Kickante financiamento para o Bluelux, um adaptador universal capaz de transformar lâmpadas convencionais em lâmpadas inteligentes.

O projeto é fruto do trabalho de três empreendedores de Belo Horizonte: Tiago Loureiro, Wellington Soares Junior e Vinicius Loureiro. A ideia do trio é permitir que você tenha uma forma mais prática de controlar a iluminação da sua casa e não dependa apenas dos interruptores nas paredes.

É fácil fazer a instalação da novidade: basta colocar o adaptador no soquete e, na sequência, rosquear a lâmpada ali. A parte mais interessante é que o Bluelux não depende de lâmpadas especiais. Dá para usar qualquer lâmpada incandescente, fluorescente ou de LED, desde que ela esteja no padrão E27 (um dos mais comuns).

Bluelux

A partir daí, você pode controlar a lâmpada por meio do seu smartphone. O Bluelux tem app para Android e iOS. A coisa toda fica mais divertida se você tiver várias lâmpadas inteligentes: é possível controlar todas na mesma interface.

Se estiver em seu quarto, por exemplo, você pode descobrir pelo aplicativo que a lâmpada do banheiro ficou acessa e apagá-la remotamente. Caso a lâmpada seja dimerizável, você pode diminuir a intensidade do brilho na sala para deixar o ambiente mais aconchegante. Se você tiver lâmpadas próximas no mesmo cômodo, não tem problema: o app também controla lâmpadas em grupo.

Também batizada como Bluelux, a startup promete ainda compatibilizar o adaptador com o Android Wear. Assim, você também poderá controlar a iluminação a partir de um smartwatch. Tem mais: uma API a ser liberada em uma fase posterior permitirá que desenvolvedores externos integrem o Bluelux a outros produtos.

Bluelux

Não é só isso que torna o Bluelux inteligente: o aplicativo também conta com uma função chamada Timeflow que ajusta automaticamente a iluminação da casa ao longo do dia. Por exemplo: de manhã, as lâmpadas ficam apagadas, a não ser que você precise iluminar um ambiente que permanece escuro mesmo durante o dia; de madrugada, apenas a lâmpada do corredor ou do banheiro pode ficar levemente acessa.

Esse projeto chamou a minha atenção por oferecer uma opção relativamente acessível de controle de iluminação para ambientes internos. Porém, ao meu ver, o sistema será mais relevante para quem tem uma casa ou um escritório grande — com vários cômodos, é mais fácil esquecer uma luz acessa, por exemplo. Como os próprios idealizadores fazem questão de destacar, o Bluelux também pode ser útil para pessoas com restrição de mobilidade.

Para quem mora em um apartamento pequeno, como é o meu caso, talvez — talvez — só o controle de brilho seja uma vantagem real. Aí convém fazer uma análise mais criteriosa da relação custo-benefício.

Mesmo que não sirva para todo mundo, o projeto tem potencial, tanto que já conseguiu superar os R$ 15 mil da meta de arrecadação: na publicação deste post, o Bluelux acumulava pouco mais de R$ 20 mil (faltando 24 dias para o fim da campanha).

Por que é legal? O Bluelux permite que você controle toda ou parte da iluminação da sua casa a partir do smartphone. Você pode acender, apagar ou alterar o brilho das lâmpadas rapidamente pelo aplicativo. A fácil instalação também soma pontos.

Por que é inovador? Porque o Bluelux torna a iluminação da sua casa ou escritório inteligente sem que você tenha que ter lâmpadas especiais para isso ou fazer adaptações na rede elétrica.

Por que é vanguarda? Sistemas inteligentes de iluminação frequentemente são caros. O Bluelux se baseia em tecnologias acessíveis, o que ajuda a controlar os custos.

Vale o investimento? O preço oficial de cada adaptador é de R$ 169. No Kickante, ainda é possível encontrar uma opção por R$ 150 com frete gratuito (há descontos maiores se você comprar pacotes com mais unidades). Se você estiver interessado em um sistema como esse, dá para pensar seriamente no assunto. Os valores podem não ser tão convidativos assim, mas provavelmente você gastará mais se recorrer a produtos de iluminação inteligente já disponíveis no mercado.

Além do Bluelux, há também o Bluelux Pro, um adaptador com a mesma finalidade, mas voltado para lustres, lâmpadas embutidas e fitas em LED. Seu preço oficial é de R$ 219; no Kickante sai por R$ 199.

O envio de ambos está previsto para janeiro de 2016.

A internet das coisas

Arte por Marcel @grigio Müller

Internet das coisas. Você provavelmente vem ouvindo essa expressão há algum tempo, certo? Mas qual o real significado desse conceito? Estamos falando de novos gadgets? De geladeiras que fazem compras e acessam o Facebook? Será que você precisa mesmo disso? Para compreendermos melhor o assunto, discutimos a internet das coisas no Tecnocast 009. Dê o play e confira 😉

  • leoleonardo85

    Muito boa a ideia, usaria no quarto, já que a cama fica de um lado e o interruptor da lampada fica no outro extremo do comodo.

    • Silvio Ney

      O legal pro teu caso era instalar um interruptor auxiliar na cabeceira de sua cama 😉

      • Luiz Claudio Eudes Corrêa

        Eu uso um negocio igual ao da materia, só que menos esperto, mas foi $10 na DX uns 2 ou 3 anos atras, ta funcionando até hoje, tenho 2 aqui em casa e cada um com seu controle remoto

        • Wellington Soares Junior

          Olá Luiz, com o Bluelux e o Bluelux Pro você pode ter o controle simultâneo de diferentes ambientes de sua residência através de um mesmo controle, o smartphone. Além disso, o aplicativo pode atuar automaticamente por você quando desejado.

      • leoleonardo85

        Do jeito que você fala parece simples, nem precisa passar fiação nem nada

    • Yago G.

      Haha.. Bom também se tiver medo de andar na casa toda escura..

  • Matheus Fernal

    Achei muito boa a ideia não fosse por um detalhe. Com esse bocal extra dificilmente vai caber dentro de algum lustre. Já tenho grande dificuldade de achar fluorescentes que caibam porque as mais claras são normalmente mais compridas.

    • Diego

      Eles falam na matéria que tem um adaptador diferente pra lustre, bluelux pro. Acho que resolve seu problema.

  • Adriano Northingan

    olha até gostei da ideia mais como sempre o preço me impedi de fazer investimento

    • McFake

      Impede*

      Se gostou da correção curti curte!

  • Guilherme Borges Cunha

    É bastante barato até. Um conjunto de 4 ou 6 lâmpadas das citadas na matéria Philips Hue podem sair por mais de 1000 reais, e ainda podem queimar com o uso. Vale muito mais a pena investir nesse adaptador.

  • O problema seria desligar a lâmpada pelo interuptor convencional e tentar ligá-la pelo smartphone…

  • Keaton

    “se sua lampada for dimável”
    Pequeno problema… até onde eu lembro, apenas lampadas LED e as antigas incandescentes são. (Me refiro apenas as lampadas “comuns”. Ninguém usa lampada halógena para iluminação doméstica, acho.)
    Já as fluorescente (eletronicas) apresentam comportamento inadequado com o uso de dimmers.
    Bom, como o cara falou em smartwatch, deve ser pro povo que usa led em toda a casa.

    • Wellington Soares Junior

      Olá Keaton, lâmpadas eletrônicas não dimerizáveis não podem ter o brilho regulado independente do dimmer utilizado em conjunto. Neste caso o Bluelux irá funcionar como um switch para ligar e desligar a distância e nos momentos desejados.
      De todo jeito, existem lâmpadas fluorescentes compactas dimerizaveis no mercado também!

  • Adriano Garcez

    Como é mandado o comando do smart para o bocal inteligente?