Início » Celular » Galaxy Note 5: o sofisticado de tela grande

Galaxy Note 5: o sofisticado de tela grande

Samsung juntou os melhores componentes de hardware do mercado no mesmo smartphone.
Quinta geração do Galaxy Note tem preço sugerido de R$ 3.799 no Brasil.

Paulo Higa Por
Nota Final 8.9

Pouca gente realmente acreditava naquele estranho smartphone desengonçado com telão de 5,3 polegadas e canetinha stylus lançado em 2011 por um preço estratosférico. Mas deu certo. E a quinta geração do Galaxy Note, com display de 5,7 polegadas e acabamento sofisticado, chegou ao Brasil com o melhor hardware que a Samsung pode oferecer.

Com preço sugerido de R$ 3.799, o Galaxy Note 5 traz um dos melhores processadores da atualidade, uma câmera capaz de tirar fotos excelentes e um design caprichado de alumínio e vidro. Vale a pena comprar um? Eu usei o lançamento da Samsung como smartphone principal por uma semana e conto minhas impressões nos próximos parágrafos.

Design e tela

galaxy-note-5-8

O Galaxy Note 5 é quase um Galaxy S6 Edge+ invertido. A curvatura nas laterais, presente no visor do Galaxy S6 Edge+, está na traseira do Galaxy Note 5, colaborando com a pegada do aparelho. Claro que ainda estamos falando de um smartphone gigante, com tela de 5,7 polegadas, que dificilmente será usado com apenas uma mão — mas a ergonomia está melhor que nas gerações anteriores.

Este é o primeiro Galaxy Note desde que a Samsung começou a usar materiais mais sofisticados nas carcaças dos aparelhos topo de linha. O Galaxy Note 5 possui bordas de alumínio e traseira de vidro, que passam ótima impressão. O vidro na traseira, protegido com Gorilla Glass 4, é um ímã de marcas de dedo, mas tem boa aderência e não faz o aparelho esquentar, como acontece em certos concorrentes.

galaxy-note-5-5 galaxy-note-5-6

Ele esbanja sensores: na parte frontal, você encontra os orifícios dos sensores de proximidade e luminosidade (no topo) e o leitor de impressões digitais (no botão de início), que te reconhece rapidamente, sem exigir o deslizamento do dedo, diferente do que ocorria nas gerações anteriores. Na traseira, vemos os sensores para medir batimentos cardíacos, nível de oxigenação no sangue e estresse.

Um ponto de polêmica no design do Galaxy Note 5 foi o compartimento da caneta S Pen. Quando inserida ao contrário, a caneta pode ficar presa e danificar permanentemente o mecanismo de ejeção. Isso foi previsto pela Samsung (há um aviso no manual de instruções), mas é uma falha de projeto; as gerações anteriores não permitiam a inserção ao contrário, e no meu entendimento todo design deve ser à prova de idiotas. Ou amigos bêbados. Ou crianças inocentes curiosas.

Além isso, eu não tive como deixar de notar que a ponta da S Pen fica visivelmente “desalinhada” quando está dentro do compartimento. É um descuido bobo no design, mas que julgo bastante relevante para um smartphone vendido por R$ 3.799 — todo capricho no acabamento é pouco.

galaxy-note-5-3

Se a bonita tela curvada do Galaxy S6 Edge+ não está presente no Galaxy Note 5 (isso não faria muito sentido num aparelho com caneta), toda a qualidade do painel Super AMOLED da Samsung continua aqui. Ele traz possivelmente a melhor tela de smartphone da atualidade. Até eu, que costumo gostar mais das telas LCD por causa do branco mais intenso, estou preferindo o AMOLED dos sul-coreanos.

A resolução de 2560×1440 pixels dispensa comentários, o contraste impressiona (o preto real do AMOLED colabora nesse ponto) e o brilho é fortíssimo. Como de costume, a Samsung permite ajustar a saturação da tela nas configurações para agradar a gregos e troianos, mas você provavelmente não precisará mexer em nada.

Software

Screenshot_2015-10-30-16-17-57

O mesmo software que acompanha outros topos de linha recentes da Samsung está no Galaxy Note 5, mas com a adição de funções que aproveitam a S Pen. Assim que você tira a caneta do compartimento, com a tela desligada, o aparelho se encarrega de abrir uma versão simplificada do S Note para permitir que você faça uma anotação rápida. E também há algumas outras funções:

  • Lembrete de ação: para fazer uma anotação rápida, que será salva no S Note e pode ser exibida minimizada na tela inicial. É o post-it da geladeira dentro do celular;
  • Seleção inteligente: salva na galeria um recorte do que estiver sendo mostrado na tela (na ferramenta de seleção inteligente, é possível até mesmo selecionar um ícone com precisão, como no “laço magnético” do Photoshop);
  • Escrita na tela: tira uma screenshot e permite fazer rabiscos na imagem. Tem a mesma utilidade da ferramenta de desenho do Microsoft Edge (interprete como quiser).

Como o restante do software é o mesmo do Galaxy S6 Edge+, minhas impressões também são as mesmas. Se você já leu o review do outro aparelho gigante da Samsung, pule para o próximo tópico. Caso contrário, eis as mesmíssimas ideias:

A Samsung, que sempre foi muito criticada pela interface pesada e aplicativos de utilidade duvidosa incluídos no Android, tem mostrado que aprendeu com os erros desde o Galaxy S6, lançado em março. O Galaxy Note 5 ainda roda a famigerada TouchWiz e não vai agradar os que preferem o Android puro, mas o software dos sul-coreanos está mais refinado: não há aquele excesso de recursos inúteis que deixam o aparelho lento, e as interfaces são bem acabadas.

galaxy-note-5-soft-1

Como parte de uma parceria com a Microsoft, a Samsung integrou o pacote Office (composto por Word, Excel, PowerPoint e OneNote), além dos aplicativos Skype e OneDrive no Galaxy Note 5. Basta entrar com sua conta da Microsoft para receber 100 GB de espaço adicional por dois anos na nuvem da empresa — melhor do que nada, mas bateu saudades da antiga parceria com o Dropbox, onde é mais difícil obter armazenamento extra gratuitamente.

Entre as poucas adições da Samsung, temos:

  • S Health: monitora a qualidade do sono, passos dados e calorias consumidas, além de servir como um hub para os sensores de batimentos cardíacos, oxigenação do sangue e estresse. Talvez você escolha não abandonar seu MyFitnessPal, RunKeeper, Sleep as Android e outros, mas é um software muito bem desenvolvido.
  • SideSync: espelha a tela do Galaxy Note 5 no computador (Windows ou OS X), inclusive permitindo o compartilhamento de arquivos entre os dispositivos, tanto por Wi-Fi quanto por USB.
  • Gravador de voz: tem um modo Entrevista, que usa os dois microfones (um na parte superior e outro na parte inferior do aparelho) para melhorar a qualidade da gravação; e um recurso chamado Nota de Voz, que converte fala em texto, com suporte ao português do Brasil.
  • S Voice: a assistente de voz da Samsung, que pode ser ativada com um comando de voz mesmo quando o aparelho está em standby. Funciona bem, mas particularmente faz pouca diferença na minha rotina, assim como a Siri; é legal para brincar nos primeiros dias, mas como não é proativa como um Google Now, é fácil esquecer que existe.
galaxy-note-5-soft-2

Existem algumas funções escondidas nas configurações do sistema:

  • Acelerador de download: aumenta a velocidade dos downloads ao usar conexões Wi-Fi e 4G simultaneamente para baixar um arquivo (pode não ser uma boa ideia ativar essa opção se você tem um plano de dados limitado);
  • Ferramentas de gerenciamento de energia, como um modo de economia de bateria (que diminui o clock do processador e faz outras otimizações, ou simplesmente transforma seu smartphone num dumbphone para quando a situação estiver crítica e você não tiver um carregador por perto) e um painel que mostra os aplicativos que mais consumiram energia com a tela desligada;
  • Modo Privado: protege com senha (ou impressão digital) as fotos, vídeos, gravações, músicas e outros arquivos que você deseja manter confidenciais.

Claro que nem tudo é uma maravilha. Por exemplo, não dá para entender a existência de um navegador próprio da Samsung, que não acrescenta nada novo, sendo que existe o Chrome. Além disso, ao deslizar a tela inicial para a esquerda, em vez de acessarmos o Google Now, há uma tela do Flipboard. O serviço é muito bom, mas o Google Now é mais útil (além de também mostrar notícias) e a integração com o Flipboard não está fluida; por várias vezes, a tela é recarregada do zero.

galaxy-note-5-7

As modificações da Samsung também costumam impactar na performance. Embora as animações da interface estejam bastante suaves (é difícil fazer algo que fique travando com um hardware tão poderoso), o desempenho multitarefa é ruim devido ao modo agressivo com que o Android modificado da sul-coreana encerra os aplicativos em segundo plano, um problema que comentarei adiante.

Câmera

A Samsung vem se destacando bastante nas câmeras de smartphones. Eu diria que é a empresa que vem fazendo o melhor trabalho nos topos de linha atualmente.

No Galaxy S6, Galaxy S6 Edge, Galaxy S6 Edge+ e Galaxy Note 5, o aplicativo de câmera pode ser acionado rapidamente (pressione duas vezes o botão de início, inclusive com a tela bloqueada), o foco é preciso e a captura é instantânea — não há aqueles incômodos segundos para processar a foto, comum em vários outros Androids e Windows Phones.

galaxy-note-5-9

Além do software, o hardware também é eficiente. O sensor de 16 megapixels (1/2,6 polegada) e a lente de abertura f/1,9 com estabilização óptica de imagem fazem um bom trabalho em conjunto com o pós-processamento equilibrado. Em boas condições de iluminação, a definição é excelente e não há ruído nas imagens. À noite, a câmera também possui desempenho acima da média.

Algumas fotos de exemplo:

20151018_151957 20151024_084015 20151026_193612 20151027_111249 20151026_193339 20151022_222844 20151018_140147

O aplicativo de câmera é simples para o usuário comum e ao mesmo tempo bastante completo para quem gosta de fuçar em configurações avançadas — tem opções para salvar fotos em RAW, trocar o modo de medição de luminosidade (centro ponderado, matriz ou ponto), como nas câmeras mais avançadas, e ajustar a velocidade do obturador ou ponto de branco, por exemplo.

Para quem gosta de fotografar, não há como errar ao escolher um flagship da Samsung da geração atual.

Hardware e bateria

O Exynos 7420 continua sendo o melhor processador para smartphones Android. A CPU octa-core, composta por quatro núcleos Cortex-A57 de 2,1 GHz e quatro Cortex-A53 de 1,5 GHz, rende muito bem e não sofre dos problemas de estrangulamento térmico que tenho visto em alguns aparelhos com Snapdragon 810. E a Mali-T760MP8 roda bem qualquer jogo.

galaxy-note-5-11

Apesar disso, o desempenho do Galaxy Note 5 é um misto de sensações. Qualquer aplicativo ou jogo que exija muito do processador vai se dar bem. No entanto, no dia a dia, é notável como o smartphone tem desempenho multitarefa limitado. Mesmo com 4 GB de RAM, é comum perceber aplicativos abertos recentemente sendo totalmente recarregados pelo sistema.

Essa matança agressiva de aplicativos em segundo plano é uma decisão da própria Samsung, com o objetivo de economizar RAM — existem até alguns hacks para melhorar o desempenho multitarefa, que consistem em editar um arquivo do sistema. Isso é ruim porque o hardware potente do Galaxy Note 5 acaba sendo subutilizado. Sem contar, claro, que reabrir um aplicativo do zero gasta mais tráfego de dados e processamento (e consequentemente bateria).

Ou seja, é um caso clássico de melhor hardware que não necessariamente tem o melhor desempenho. Para os interessados em números, aqui vão alguns resultados de benchmarks:

A bateria de 3.000 mAh do Galaxy Note 5 dá conta do recado. Eu não tive problemas para chegar até o final do dia com pelo menos 20% de carga na minha semana de testes. Até por causa do processador e tela mais gastões, a bateria não surpreende tanto quanto outros aparelhos com a mesma capacidade (como o Xperia C5 Ultra), mas oferece autonomia suficiente para a maioria dos usuários.

No dia de testes com uso intenso de dados móveis, tirei o smartphone da tomada às 8h40. Ouvi músicas por streaming no Spotify pelo 4G por cerca de duas horas e naveguei na internet, entre emails, redes sociais e páginas da web, por cerca de 1h50min, também no 4G. A tela ficou ligada por exatamente 2h06min, com brilho no automático. No final do dia, às 22h58, o aparelho chegou aos 20% de carga.

Conclusão

galaxy-note-5-4

O Galaxy Note 5 junta os melhores componentes do mercado num aparelho só. O pacote oferecido pela Samsung é composto por uma das melhores telas, câmeras e processadores da atualidade. É um smartphone que eu teria, apesar de ser adepto dos displays menores.

Com preço sugerido de R$ 3.799, é claro que a Samsung não pensou muito na relação custo-benefício: o foco aqui é ter os melhores componentes para vender para quem tem dinheiro sobrando. Mesmo assim, não dá para desconsiderar os outros aparelhos da marca que custam bem menos e são igualmente bons.

Nunca é uma boa ideia comprar smartphone Android no lançamento, e o Galaxy S6 está aí para mostrar isso: com preço sugerido de R$ 3.299, ele já pode ser encontrado no varejo na faixa dos 2 mil reais, o que o torna um aparelho bem competitivo. E o hardware é basicamente o mesmo, a não ser pela tela menor e pelo gigabyte a menos de RAM — que, como você pode ter percebido, não faz tanta diferença com o gerenciamento agressivo de apps em segundo plano do software da Samsung.

Portanto, o Galaxy Note 5 pode não ser uma opção tão interessante focando no custo-benefício (ou, pelo menos, não enquanto ele estiver tão caro). Mas, se você quiser um bom smartphone de tela grande, esta é uma das melhores opções do mercado — e continuará sendo por bastante tempo. A Samsung fez um trabalho quase impecável.

Especificações técnicas

  • Bateria: 3.000 mAh;
  • Câmera: 16 megapixels (traseira) e 5 megapixels (frontal);
  • Conectividade: 3G, 4G, Wi-Fi 802.11ac, GPS, GLONASS, Beidou, Bluetooth 4.2, USB 2.0, NFC;
  • Dimensões: 153,2 x 76,1 x 7,6 mm;
  • GPU: Mali-T760MP8;
  • Memória externa: sem suporte a cartão microSD;
  • Memória interna: 32 GB;
  • Memória RAM: 4 GB;
  • Peso: 171 gramas;
  • Plataforma: Android 5.1.1 (Lollipop);
  • Processador: octa-core Exynos 7420 de 2,1 GHz;
  • Sensores: acelerômetro, proximidade, bússola, giroscópio, barômetro, oxímetro, batimentos cardíacos;
  • Tela: Super AMOLED de 5,7 polegadas com resolução de 2560×1440 pixels e proteção Gorilla Glass 4.

Galaxy Note 5

Prós

  • Design com materiais sofisticados e traseira ergonômica
  • Tela com altíssimo brilho e contraste
  • Uma das melhores câmeras do mercado

Contras

  • Cadê a entrada para microSD?
  • Multitarefa fraco para um aparelho com 4 GB de RAM
  • Falhas de design no compartimento da S Pen
Nota Final 8.9
Design
8
Tela
10
Câmera
10
Desempenho
8
Software
9
Bateria
8
Conectividade
9

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Velho John
Celular da minha esposa pifou. Vou passar um Moto X 2 pra ela que uso (o uso dela é bem básico e o X2 vai sobrar) e pretendo pegar pra mim um Note 4 ou 5. Considerando que ambos estão na mesma faixa de preço, qual vocês recomendam? O Note 4 vai ter suporte ao android 6 e próximos? PS: Já achei promoções do Note 4 a 1899 e do Note 5 a 2300. obrigado.
Matheus S. Bueno
[OFF] Bom... Queria comentar minhas impressões sobre a multimídia do Note 4 e Moto X Style. Em relação ao Note 5 não sei, mas dizem que não é uma evolução significativa nesse aspecto. O que já é batido é a interface do player de áudio e vídeo, tanto do Style quanto do Note 5. As interfaces não são novidades pra ninguém que tenha lido as analises destes devices e daqueles que os precederam. Contudo, as diferenças internas de hardware são, aparentemente, diferentes, pois a qualidade da saída P2 e "potência" de volume são bem diferentes. Não tenho dados específicos dos hardwares e as empresas também não divulgam isso, o que poderia, sim, ser um chamariz de vendas, a final, passamos cada vez mais plugados ouvindo música. Bom, apenas para contextualizar um pouco dos equipos: - Note 4 N910C com fone Philips Fidelio L2; - Moto X Style com fone Philips Fidelio L2; - Apps rotineiros em ordem de frequência: Pocket Casts; Spotfy; Youtube; Players nativos de vídeo da Samsung e Motorola; Google Play; Música (App Padrão da Samsung); Netflix e... louco pra testar o Tidal. OBSERVAÇÃO 1: Importante perceber que a qualidade de cada mídia difere muito (estou chamando genericamente mídia todas forma de conteúdo que saia som), bem como a dedicação do próprio app em oferecer certa qualidade, difere demais. O player da Samsung, por exemplo, equalizam o som e permitem customizações. Existem apps que se dedicam em oferecer padrões diversos de equalizações. OBSERVAÇÃO 2: minhas observações serão um pouco subjetivas, podendo cada um ter uma sensação diferente. Simplificadamente, quando conectado a saída P2 do aparelho, o Note 4 oferece menor potencia de volume em todos os apps, nas mesmas mídias, portanto, mesma qualidade, teoricamente. Nesse aspecto, este fone ajuda no comparativo, pois ele isola bastante os ruídos externos e oferece um bom padrão para referencia. E mesmo em ambientes fechados e calmos, nitidamente o Moto X Style empurra melhor o fone, não precisando esgoelar o volume para se ouvir claramente as vozes e os diversos instrumentos musicais. Notei que no app Pocket Casts, parei de utilizar o recurso "Volume Boost", o que foi ótimo. As vozes ficam mais naturais, sem estridências exageradas do boost e com um volume mais baixo se ouve a mesma coisa. Em ambos os aparelhos, a qualidade de graves era satisfatória. Não é sensível no dia a dia a diferença entre a qualidade das faixas audíveis de ambos os aparelhos. Eles vão bem de altos a baixos, simplificadamente. O Moto X Style, por empurrar um pouco melhor o fone, parece que consegue um melhor incremento nos graves, mas a qualidade da mídia e dos fones, nessa questão, são muito mais determinantes. Vale a pena se investir num fone um pouco melhor, sobretudo pela questão de se ouvir nitidamente as diversas frequências. Isso já está longo por demais. Me desculpem. Abraço.
Doralice da Silva
É muito caro, ainda. Vou esperar as promoções!!
Eduardo Alvim
A letra cursiva no S Note é do Higa? Bela caligrafia.
Adam Lewis Charger
Moto X 2014 por 999,00 hoje
pedroca
usa sensor da sony?
Lucas Nascimento
Já que eu sou desenvolvedor pouco me importa o que a Samsung quer fazer com o navegador dela, desde de que dê suporte a recursos atuais da web e o mantenha atualizado... eu acho que ela não mantém esse navegador nativo atualizado A nova política de navegador embutido no Android open é ótima, mantém o usuário sempre com as últimas versões do motor do chrome :) Mas, no contexto de usuário deve ser mesmo legal algumas modificações úteis como essa das digitais, pena que depois que o aparelho parar de ser atualizado esse navegador tão legal vai ficar defasado em um par de anos :)
Matheus S. Bueno
Paulo, senti falta dos testes de multimidia!! Sobretudo a questão de áudio com fone de ouvido... :( No mais, excelente review. Como sempre!
Panino, o Manino
Todo navegador tem falha de segurança, é até por esse motivo que o Google abandonou o antigo para ficar com o Chorome como padrão e poder atualizar como um aplicativo comum, porque atualização de sistema cê sabe a dificuldade que é. Enfim, pelo menos no Android 6 criaram o sistema de atualizações de segurança.
Panino, o Manino
Então como é que os Samsung vem com navegador próprio? Como? Ao é o simplesmente o mesmo do Chorome, deve ser baseado no antigo navegador open source do sistema e como disse antes vem com otimizações para ter melhor desempenho no hardware do aparelho. O desempenho dele é bem maior que o do Chorome. Também questiono dizer que "não acrescenta nada" porque o Chorome sendo pelado as fabricantes aproveitam para adicionar alguns recursos extras nesses navegadores próprios. No caso do navegador do Samsung eles vem com a possibilidade de usar o sensor de digitais para fazer login em sites. Só agora no Android 6 que o Google adicionou API completa para sensor biométrico, antes disso as fabricantes tinham que se virar para fazer funcionar, se a Samsung não tivesse feito isso você ficaria até agora sem esse recurso nativo. Enfim, só um exemplo. As vezes se tem o costume de criticar qualquer customização por força do hábito sem parar para pensar direito. Criticam as fabricantes por oferecer opções e criticam o Google por não oferecer as mesmas opções, é contraditório.
Louis
O navegador da Samsung é muito bom, mas, lembro que até o início do ano ela tinha falhas de segurança que nunca testam nos reviews para ver se ocorreram as devidas correções.
Lucas Nascimento
Até antes do lolip esses navedores nativos vinham capados de vários recursos do HTML5, era uma merda dar suporte pra isso... Depois do lolipop o Treco que esses navegadores usam pra renderizar as páginas é o motor do chrome (que inclusive é atualizado pela playstore), então no fundo c pensa que ta usando outro navegador mas alí é um chrome disfarçado kkk
W. Motorola
è só ir em opções de desenvolvedor la no final tem como decidir quantos pode ficar no background.
Alessandro Johnny
Porque não é possível?
Panino, o Manino
Além da implicância com a interface dos Xperia outra coisa que irrita ver, é novamente não é só aqui, é essa ladainha sobre o Chorome. Ninguém é obrigado a usar, existem várias opções, nem deveria vir instalado. Há vários navegadores tão bons quanto ou melhores que ele além da preferência pessoal de cada um, e geralmente navegador nativo é muito bom e funciona muito bom com alguns recursos extras bem vindos. E sabem do principal? Desempenho, esses navegadores vem com otimizações para o SoC do aparelho que não são possíveis de ter no Chorome. Façam o teste de desempenho para ver a diferença. Essa é uma relação em muitos sites internacionais que fazem resenha e teste de desempenho entre aparelhos. Genericamente se usa o Chorome para nivelar, só que entre diferentes sistemas para poder ver do que o aparelho é realmente capaz de fazer na web só mesmo testando com o navegador nativo.
Exibir mais comentários