Candy Crush Saga

A Activision Blizzard iniciou a semana indo às compras. Na segunda-feira (2), a companhia anunciou um acordo para a aquisição da King Digital, estúdio responsável pelo viciante game Candy Crush Saga. O detalhe que mais causou espanto é o valor do negócio: a Activision desembolsará US$ 18 dólares por ação, o que equivale a um total de US$ 5,9 bilhões.

O montante é mais do que o dobro pago pela Microsoft na compra da Mojang (US$ 2,5 bilhões), companhia responsável pelo fenômeno Minecraft. Até hoje muita gente se pergunta se a turma de Satya Nadella fez um bom negócio.

Com base nisso, dá para imaginar os questionamentos que a Activision deverá sofrer. Como você deve saber, a empresa é responsável por franquias extremamente populares, como World of Warcraft e Call of Duty, logo, realmente soa estranho tamanho interesse pela King.

Mas, no comunicado oficial (PDF), a Activision dá a sua justificativa: a aquisição ajudará a empresa a se tornar um nome forte em todas as plataformas, isto é, PCs, consoles e dispositivos móveis. Os dois primeiros segmentos a companhia conhece bem — Call of Duty é uma das franquias mais vendidas para consoles, só para exemplificar. Agora é a vez do universo dos smartphones e tablets ser levado a sério.

Por que fazer isso por meio da King? Pelos números impressionantes. Com a aquisição, a Activision passará a ter cerca de 500 milhões de usuários ativos no mundo todo, dada a popularidade que Candy Crush Saga tem. A companhia também está de olho no público feminino: estima-se que as mulheres representam 60% da base de usuários da franquia, proporção que, pelo o que se sabe, nenhum grande jogo para consoles conseguiu alcançar.

Activision Blizzard

Obviamente, o potencial financeiro também interessa. Em 2014, a King obteve US$ 1,33 bilhão em receita apenas com Candy Crush Saga. Só no terceiro trimestre deste ano, o estúdio arrecadou US$ 529 milhões com os seus games. Sob essa óptica, a King é uma máquina de fazer dinheiro.

Agora a Activision só precisa esperar alguns anos para recuperar o dinheiro investido, certo? Não é tão simples assim. Candy Crush Saga continua gerando receita significativa, mas, por ter sido lançado em 2012, é de se esperar que o interesse pelo game caia progressivamente. A Activision terá, entre seus desafios, a missão de manter a relevância da franquia. É claro: aumentar o interesse pelos vários outros títulos da King também faz parte do jogo (com o perdão do trocadilho).

O conselho diretor da Activision aprovou a aquisição. O mesmo deve acontecer por parte dos acionistas da King nos próximos dias. Mas, para ser finalizado, o negócio também precisa receber sinal verde das autoridades reguladoras da Irlanda, país onde a King está baseada. Isso deve ocorrer no segundo trimestre de 2016, segundo previsão da própria Activision.

Pelo menos inicialmente, a King será mantida como uma divisão independente.

Com informações: BBC

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tales Cembraneli Dantas
e eu penso em Pitfall, River Raid, Enduro e Hero kkkk
Keaton
e a turma do Candy Swipe, lançado dois anos antes, ficou chupando dedo...
Douglas B

Um jogo teve quase o mesmo valor de compra da Nokia :O

Douglas Baião
Um jogo teve quase o mesmo valor de compra da Nokia :O
Anakin
Quando falam da Activision só penso em "Cadê jogos novos de Crash Bandicoot?" kkkk
Diogo Mendonça
Candy Crush pode passar, mas os dados, ahhh os dados, gerados pelos 500 milhões de usuários ficam. A Activision tá comprando informação também, e isso vale muito! Ou então eles compraram só pra poderem acabar de uma vez por todas com as notificações chatas do Facebook. É o tipo de coisa que eu, se fosse bilionário, faria.