Início » Celular » Facebook reconhece que também está preocupado com bloqueadores de anúncios

Facebook reconhece que também está preocupado com bloqueadores de anúncios

Emerson Alecrim Por

Pelo jeito, os debates acerca dos bloqueadores de anúncios estão longe do fim. O assunto tem gerado cada vez mais preocupação entre empresas de publicidade, veículos online e afins. Você percebe a gravidade do tema quando até gigantes da internet se manifestam: em um relatório para investidores liberado nesta semana, o Facebook reconheceu abertamente, pela primeira vez, que os AdBlocks da vida estão afetando a sua receita.

No documento, a companhia de Mark Zuckerberg explica que os bloqueadores estão prejudicando a exibição de anúncios na versão web do Facebook (para desktops), mas não ao ponto de causar grandes prejuízos. Por ora, o problema é discreto. O Facebook está preocupado mesmo é com o futuro.

Zuckerberg tenso

Tenso

A princípio, parece não haver motivo para alarde. O mesmo relatório mostra que 95% da receita do último trimestre da empresa vieram da publicidade online. Não é pouca coisa: o volume movimentado foi de US$ 4,5 bilhões, sendo que, desse total, 78% são relacionados a dispositivos móveis. Com base nesses números, a disseminação de bloqueadores em PCs realmente não chega a ser catastrófica. O problema é que essas ferramentas também estão ganhando força nos smartphones e tablets.

Podemos encarar o iOS 9 como um marco desse movimento. Com essa versão, a Apple passou a dar abertura para a instalação de bloqueadores de anúncios no Safari móvel (assim como já era possível na versão para OS X). O efeito esperado é o surgimento de cada vez mais opções de bloqueadores para a plataforma. No Android, essa movimentação toda não é diferente, logo...

Para o Facebook, o efeito dos bloqueadores não é recente. Mas, nos relatórios anteriores, a empresa não deu tanta atenção ao assunto. No máximo, a companhia citava "tecnologias novas" que afetavam a receita, mas nunca havia se dirigido diretamente aos bloqueadores como uma causa de perda de dinheiro.

smartphone-mao

O último relatório acaba sendo, portanto, um alerta para os investidores (e para o mercado de publicidade como um todo). O Facebook foi taxativo: "se essas tecnologias continuarem a se proliferar, principalmente no que diz respeito às plataformas móveis, nossos resultados financeiros futuros podem ser prejudicados".

Apesar do sinal de alerta, o Facebook não anunciou nenhuma medida para combater o problema. Das duas, uma: a empresa está esperando alguma reação de entidades que representam o mercado publicitário ou simplesmente está arquitetando uma reação secretamente.

A primeira hipótese parece ser improvável, mas, de fato, a indústria da publicidade tem se articulado nos bastidores para tratar do assunto. É o caso da Interactive Advertising Bureau (IAB), uma das mais importantes associações para assuntos ligados à publicidade online: a entidade vem realizando reuniões há meses para encontrar uma solução, embora nada muito promissor tenha aparecido.

Já a segunda hipótese é mais provável, principalmente se levarmos em conta que, apesar de tudo, o Facebook continua em situação confortável. A maioria dos usuários que acessam a rede social em dispositivos móveis o faz via app. Até é possível bloquear anúncios dentro dos aplicativos, mas, por outro lado, é relativamente fácil mitigar a ação de bloqueadores sobre eles.

AdBlock Plus

Outra vantagem do Facebook é que a companhia pode exibir publicidade em formato de posts. Em tese, é mais difícil bloqueá-los. Isso vale tanto para as versões web da rede social quanto para os apps.

Essa zona de conforto, digamos assim, dá margem para que o Facebook estude bem a situação antes de colocar um plano B em prática. Mas algumas medidas já podem ser tomadas, por exemplo, otimizar os apps móveis: há muitos usuários reclamando (com razão) que os aplicativos da rede social têm consumido memória e bateria demais. Isso pode fazer com que muita gente prefira acessar o serviço a partir da versão web móvel. O problema disso é que, como você sabe, no navegador é bem mais fácil bloquear anúncios.

Para o Facebook, são medidas indiretas como essa que ajudarão a conter os efeitos dos bloqueadores. Sentar e esperar é arriscado. Pelo menos no curto prazo, não há nada que indique que a adoção dessas ferramentas será uma moda passageira.

A Internet sem Ads

030

As razões para o uso do AdBlock e semelhantes frequentemente são legítimas: há anúncios que são invasivos, muitas páginas exageram na quantidade de publicidade, existem temores relacionados à privacidade, o bloqueio alivia o consumo de dados de planos móveis e assim por diante.

Mas há o outro lado: muitos sites e serviços, principalmente aqueles que fornecem conteúdo de graça, dependem dos anúncios para manter suas operações. E agora? Há como equilibrar esse jogo? Discutimos o assunto no Tecnocast 030 para tentarmos descobrir. Clique no play para conferir 😉

Com informações: Business Insider