Início » Internet » A estreia da EnterPlay, plataforma brasileira que reúne filmes, canais de TV e músicas pela internet

A estreia da EnterPlay, plataforma brasileira que reúne filmes, canais de TV e músicas pela internet

100% brasileiro, serviço promete concentrar em uma plataforma só várias modalidades de conteúdo

Emerson Alecrim Por

EnterPlay

Canais de TV abertos e fechados, filmes e séries, músicas, transmissões esportivas e até alguns joguinhos. É com a oferta de tudo isso e mais um pouco que a EnterPlay espera conquistar uma generosa fatia do mercado de entretenimento no Brasil. Para tanto, a companhia aposta na concentração de TV digital, IPTV e conteúdo sob demanda em uma única plataforma que, oficialmente, começou a funcionar nesta quarta-feira (9).

Trata-se de um concorrente para a Netflix? De certa forma, sim. E de um serviço que rivaliza com empresas de TV por assinatura como Sky e NET? Também. Algo que pode fazer frente ao conteúdo de vídeo do Google Play? Certamente. Um rival para o Spotify ou o Deezer? Não necessariamente, mas já explico o porquê.

Para resumir, a EnterPlay pode ser entendida como um hub que concentra várias modalidades de conteúdo de vídeo e áudio, com a maioria delas sendo transmitida pela internet e podendo ser acessada por dispositivos de diferentes tamanhos: TVs, smartphones, tablets, laptops e por aí vai.

TV sobre IP

A plataforma é uma só, mas os principais serviços — TV via internet e streaming de vídeos sob demanda — são assinados separadamente. No caso dos canais de TV, a EnterPlay oferece três planos: Web TV, Básico EnterPlay TV e Completo EnterPlay TV.

O primeiro, Web TV, custará R$ 19,90 por mês e dará acesso a 15 canais em alta definição, com esse número devendo aumentar com o passar do tempo. As opções não me pareceram muito interessantes, porém: entre os canais disponíveis estão Fish TV (sobre pesca), Super Sport 1 (sobre esportes nacionais) e Cine Brasil (oferece apenas produções nacionais).

Já o plano Básico EnterPlay TV oferece 50 canais (42 em HD) por R$ 74,90 mensais. Entre as opções de canais estão ESPN Brasil, TCM e Discovery Channel. O pacote Completo EnterPlay TV é, como o nome indica, o mais extenso, oferecendo 86 canais (72 HD) por uma mensalidade de R$ 114,90.

EnterPlay

É evidente que os planos Básico e Completo são mais interessantes, mesmo porque o usuário pode escolher quais canais incluir em sua assinatura (respeitando o limite de cada pacote, obviamente). Mas há um detalhe muito importante aqui: ambas as opções só podem ser assinadas junto a provedores regionais parceiros da EnterPlay. A lista deles será liberada em breve. Somente o plano Web TV pode ser contratado diretamente no site do serviço.

Há duas razões para isso. A primeira é o fato de que a EnterPlay só pode dar acesso aos principais canais por assinatura se estiver associada a provedores. A segunda é que esse também é um modelo de negócio: a EnterPlay está de olho nos provedores de internet menores que têm dificuldades para competir com os “combos” disponibilizados pelas principais companhias de telecomunicações; com a EnterPlay, os provedores pequenos têm a chance de oferecer pacotes de TV em complemento aos seus planos de acesso à internet.

Em todos os casos, o assinante também poderá incluir pacotes adicionais de esportes. Haverá uma opção voltada apenas para futebol pelo preço de R$ 25 mensais e outra sobre esportes olímpicos que custará R$ 15 reais por mês. O foco em canais esportivos não é mero acaso: segundo Jorge Salles, COO da EnterPlay, a empresa dará atenção especial às transmissões esportivas que não são muito exploradas (como as séries B e C do Campeonato Brasileiro).

Video On Demand

Esta é, provavelmente, a modalidade que mais atrairá assinantes. Pagando R$ 19,90 por mês, o usuário terá acesso a um acervo que, na fase inicial, contará com cerca de 2,5 mil títulos entre filmes, séries e documentários.

Aqui também há acréscimos. É possível assistir a produções mais recentes no pay-per-view pagando valores que vão de R$ 3,90 a R$ 18,90, além de adicionar à assinatura coleções de títulos separadas por temas (filmes clássicos, cinema europeu, conteúdo adulto, etc.). Os preços das coleções variam entre R$ 4,90 e R$ 14,90 por mês.

EnterPlay TV (set-top-box)

Cada assinatura da EnterPlay pode ser acessada por até cinco dispositivos diferentes (mas apenas dois podem receber conteúdo ao mesmo tempo). O principal deles é o set-top-box EnterPlay TV. O aparelho não é obrigatório para quem consome apenas Video On Demand, mas é requisito nos planos de TV mais completos.

Além de permitir que todo o conteúdo da EnterPlay seja acessado na televisão da sala, por exemplo, o set-top-box funciona como conversor de TV digital (ou seja, coloca em sua lista canais abertos disponíveis nessa tecnologia), roteador Wi-Fi e reprodutor de arquivos de áudio e vídeo com suporte a legendas.

Como o sistema operacional do dispositivo é uma versão customizada do Android, também é possível instalar nele jogos e aplicativos, mas somente aqueles que são liberados pela empresa (games que exigem toques na tela, por exemplo, não são aprovados por motivos óbvios).

EnterPlay TV (set-top-box)

EnterPlay TV

É possível comandar o EnterPlay TV por meio do controle remoto que o acompanha ou via aplicativo para Android (uma versão para iOS está em desenvolvimento). Há também um controle vendido separadamente que oferece touchpad, teclado alfanumérico e microfone para controle de voz — função que deverá ser liberada nos próximos meses.

Controle EnterPlay i8

Controle EnterPlay i8

O preço é que não convence muito: o EnterPlay TV já está em pré-venda nos sites do Ponto Frio, Casas Bahia e Extra pelo valor sugerido de R$ 899. Já o controle EnterPlay i8 sai por R$ 179. E olha que ambos os produtos são fabricados no Brasil…

E música?

Se a ideia é considerar vários formatos de entretenimento em uma única plataforma, não poderia faltar streaming de música. A EnterPlay oferece essa opção, mas por meio de parceria com um serviço de streaming de áudio. Qual? Essa é uma parte que rendeu algumas risadas na coletiva de imprensa: a companhia havia fechado uma parceria com a Rdio que, como você deve saber, está dando seus últimos suspiros.

Mas tudo bem. Os executivos da empresa afirmaram que estão em negociações avançadas com um novo parceiro. Eles não revelaram qual, mas fizeram questão de destacar que é um dos maiores do mercado.

Afinal, vale a pena?

É cedo para afirmar. A EnterPlay começou a funcionar publicamente hoje, mas em caráter experimental. Todos os planos só estarão disponíveis de verdade a partir de fevereiro de 2016. Até lá, qualquer pessoa pode se cadastrar no serviço para experimentá-lo gratuitamente — há também uma opção gratuita permanente, vale dizer, mas que é bastante limitada na oferta de conteúdo.

De todo modo, as minhas impressões iniciais foram positivas. A interface do serviço é bem elaborada, os preços estão dentro de patamares aceitáveis (com possível exceção para o set-top-box) e a proposta no estilo hub me pareceu uma ideia consistente.

EnterPlay

Mesmo sendo 100% nacional, a empresa também tratou de estudar bem o mercado brasileiro antes de se aventurar nele. Isso soma pontos. Jorge Salles (relembrando, o COO da EnterPlay) me explicou, por exemplo, que os desenvolvedores da companhia criaram toda a tecnologia que otimiza o fluxo de dados para evitar “congeladas” em conexões lentas ou instáveis.

Esse trabalho levou mais de dois anos para ficar pronto, mas trouxe resultados interessantes: a EnterPlay consegue, segundo Salles, oferecer vídeo em 1080p com um link de apenas 3 Mb/s, assim como conteúdo com resolução SD em conexões que possuem cerca de 700 Kb/s de velocidade. Isso é muito importante em um mercado como o nosso que ainda está repleto de conexões ruins.

Embora esteja colocando seus serviços para funcionar hoje, a EnterPlay não é exatamente nova. A empresa surgiu em 2007 trabalhando originalmente com conteúdo para download e streaming. Todos esses anos permitiram à companhia assimilar as peculiaridades do mercado brasileiro, o que lhe deu margem para desenvolver as tecnologias mais adequadas para as suas operações.

Descobriremos nos próximos meses se esse modelo de negócio vinga. Eu torço para que sim, afinal, o Brasil precisa mesmo de mais opções para entretenimento online.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Elter Teodoro
O negocio legal seria fazer app ´para Android TV(MXQ,MX9), já possível assistir TV via este aparelhos via lista do Kodi, pela e que as lista são instáveis,tem gente que pagando 15 reais ele liberam lista com pacotes com HBO e Telecine o problema e instabilidade pois usam servidores de terceiros.Sem empresa tivesse seu servidores que aumentaria a velocidade upload com a entrada se usuários seria algo bem mais instável.Então o melhor e ter servidores proprios e comprarem entre 45 a 90 reias mas que isto e ter que comprar um aparelho especifico, fica pouco vantajoso.
Elter Teodoro
Acho que deveriam utilizar como Hardware os MXQ pro tv box, que custam menos de R$200,00 e assim fazer uma APP que voce baixaria e instalasse neste e funcionasse por senha com netflix.
Renato Santos Machado Uchoa
Caio, qual cidade vc mora
Bruno Silveira
axei a proposta interessante(com excessao ao preço do set top box)... Mas o q realmente vai definir o sucesso ou fracasso do produto é a inclusao dos canais globosat e rede fox de conteudo
Mau Reis
Caro demais
gallifreyan
que historia é essa de obrigar o cliente a ficar de 3 a 6 meses na empresa isso esta meio ultrapassa , tem que fazer igual spotify e netflix e usar o pensamento " se sou bom deixo o cliente escolher ficar ou não " confiar no taco
Vitor Fernandes
Poderiam se basear na americana Sling TV. Que não tem essa frescura de ter que comprar o box...
Vitor Fernandes
É só fazer algo parecido com a Sling TV dos EUA. Eles oferecem os planos com os canais e você escolhe em qual aparelho quer assistir, Smartphone, Apple TV, Roku, Amazon Fire TV, Chromecast ou pelo PC...
Tiago Celestino
Eu só uso tv para duas coisas: futebol e jornal. Pra mim é interessante ter que pagar um pouco menos e ter os canais que curto.
Tiago Celestino
Lançando um pacote de esporte, já tenho interesse. Agora, o rdio ia ter uma boa forma de ganhar uma grana, uma triste noticia.
Edmilson_Junior
Prevejo o risco de uma lei de incentivo ao produto nacional que basicamente vai encarecer a Netflix.
Zanac_Compile
Esse controle remoto. Essa fixação em interface de MOUSE. Isso tudo não faz mais sentido. Me desculpem, estão com pensamento no passado recente. Mas isso já passou, não acredito que o produto dará certo. Isso era tudo que se queria em 2010. As coisas mudaram, ninguém quer um monstrinho desses, ninguém usa tanto recurso assim. Olha o controle remoto do Apple TV anterior e esse da nova... Olha o Chromecast... Olha o rumo da simplicidade e facilidade que APPLE e GOOGLE caminham. Só quero o APP de vocês no APPLE TV, explorando todos os recursos que ela tem. Quero o APP de vocês explorando ao máximo os recursos do controle da APPLE TV. Assino a mensalidade e vou usufruir muito de tudo que vocês oferecem de CONTEÚDO. Mas desistam deste hardware monstrinho ultrapassado... vão acabar se afundando e inviabilizando uma bela iniciativa por causa dessa estratégia (pra mim falha) do hardware. Foquem em CONTEÚDO e suporte ao Chromecast e Apple TV.
Marcelo Julião
Concordo 100%!
Zanac_Compile
Desculpa, mas vocês estão ultrapassados. Isso era tudo que se queria em 2010. As coisas mudaram, ninguém quer um monstrinho desses, ninguém usa tanto recurso assim. Olha o controle remoto do Apple TV anterior e esse da nova... Olha o Chromecast... Olha o rumo da simplicidade e facilidade que APPLE e GOOGLE caminham. Esse controle remoto. Essa fixação em interface de MOUSE. Isso tudo não faz mais sentido. Me desculpem, estão com pensamento no passado recente. Mas isso já passou, não acredito que o produto dará certo. **** O FOCO de voces deve ser CONTEÚDO e ótimos aplicativos tirando todo proveito do iPad, da Apple TV, do Chromecast... isso que faz sentido. Ofereçam um APP na App Store, no Google Play. Façam uma interface impecável nos devices móveis que existem. Quero o APP de vocês no Apple TV. Tragam bom conteúdo. Vão estourar, vão dominar o mercado nacional nessa abordagem.
rafamp
Não entendi algumas coisas sobre o Vídeo on Demand... 1) Até quantas pessoas podem assistir ao mesmo tempo usando apenas uma conta? 2) Não há aplicativo? Só dá para assistir pelo navegador? 3) É possível realizar um teste gratuito por 30 dias?
Exibir mais comentários