Início » Legislação » Vereadores aprovam projeto de lei que autoriza Uber em São Paulo

Vereadores aprovam projeto de lei que autoriza Uber em São Paulo

Paulo Higa Por

Os vereadores de São Paulo aprovaram nesta terça-feira (22) o projeto de lei 421/2015, que autoriza serviços de transporte individual privado na cidade, como o Uber. O texto, que passou em primeira votação na Câmara Municipal, é de autoria do vereador José Police Neto (PSD), único vereador que votou a favor do aplicativo de transporte em todas as ocasiões anteriores.

O projeto de lei regulamenta o compartilhamento de automóveis com base no plano diretor estratégico de São Paulo. O inciso II do art. 3 é praticamente uma descrição do funcionamento do Uber: “modalidade de prestação de serviço de transporte individual privado, com condutor, através de locação de veículo por curto período de tempo”.

uber-app

Outras formas de compartilhamento estão previstas no texto, como a modalidade de locação de automóvel por tempo ou distância percorrida; o compartilhamento por pessoa física; e o compartilhamento de viagem por até quatro passageiros. Esse último item viabiliza o UberPool, uma modalidade que existe em outros países e permite que você divida a corrida com outros usuários que desejam ir para o mesmo local.

Segundo o Estadão, a aprovação gerou reações por parte do vereador Adilson Amadeu (PTB), que é contra a liberação do Uber na cidade. Segundo Amadeu, o vereador Police Neto realizou uma manobra política para colocar o projeto de lei 421/2015 no pé de pauta para facilitar a aprovação do texto — outros 106 projetos de lei foram aprovados pelos vereadores na ocasião. Nesta terça-feira (22) ocorre a última votação do ano, quando o orçamento municipal de 2016 é aprovado.

O texto ainda precisa passar por uma segunda votação na Câmara. Se aprovado, seguirá para sanção pelo prefeito Fernando Haddad (PT). Em outubro, o prefeito havia sancionado o projeto de lei 349/2014, que proíbe o transporte remunerado de pessoas por meio de carros particulares, e criou uma categoria de "táxis pretos", que concorrem com o UberBlack, a modalidade mais sofisticada do serviço.

Mais sobre: ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Ricardo Kawanishi
do mesmo jeito que podemos pedir para o presidente sair tambem podemos pedir para o haddad sair pois ele esta prejudicando o povo e o povo nao e so o cidadao comum o povo somos todos nos policiais exercito marinha aeronaltica todos sao so povo e so todos abrirem os olhos e ver que o governo esta prejudicando todos nos...porque nao podemos ter melhores transporte...quer dizer que so eles podem andar de carros bons com motoristas atenciosos.....o povo que decide se e bom pra ele ou nao....
W. Motorola
Mercado ? kkkk É canalhice mesmo.
Caio Henrique
E é o que acontece, nas cidades que a lama da Samarco atingiu, o preço da água multiplicou. Veja o petróleo no mercado internacional, está sobrando oferta e o preço caiu. No verão lotado do Rio de Janeiro a cerveja e o aluguel de cadeiras de praia sobre, num dia chuvoso abaixa. Mercado, é simples.
Tiago Celestino
Também vou com seu pensamento. Se tá caro, procure outra opção.
Tiago Celestino
O cara explicou o "cala boca". Sobre as "regras", aonde que eu encontro? Porque são poucos que devem segui-las.
Tiago Celestino
O problema é que a Veja/Veja SP é ruim mesmo, simples assim. Como confiar em um editorial que "bate" e depois pede desculpas pelo o erro? Isso por diversas vezes. Mas enfim, prefiro não ler nenhuma revista. Alias, leio Época Negócios. ;)
Tiago Celestino
Você acredita na Veja SP? Sério?? Tirando as recomendações de restaurantes, a Veja SP e a Veja(ona) é a demonstração de quanto o jornalismo arcaico vem perdendo espaço e se afudando cada vez mais.
Fabiano Forte
Então, repetindo o que já disse aqui, em outro comentário, nada de torcida, ok? Se eu não vou confiar na Veja, vou excluir toda e qualquer revista como fonte - dela até a Der Spiegel ou qualquer outra revista de qualquer outro país. Mas, independente da fonte, eu acredito que houve, sim, superfaturamento. De qualquer forma, já está feito, mesmo, as ciclovias estão aí.
W. Motorola
Não pras duas propostas. Prefiro que limitem a algo decente como 1.5x.
Firmino Gomes
Ao fim dos táxis, e a total liberação do UBER e outros serviços semelhantes. E, aos que não concordarem, com argumentos que há pais de família e boas pessoas como taxistas, que estes virem UBER. e nos livraremos dos marginais travestidos de taxistas lesando os passageiros com taximetros adulterados e suas Máfias travestidas de rádio-taxi.
Firmino Gomes
não concordo com seu argumento, se o 4X do uber tá caro pra você, e esperar para baixar não é de seu feitio, pegue um táxi.
Firmino Gomes
cara concordava com tudo que você tava falando até citar a (VEJA). Sério isso? você vai usar como referencia a pior escória do editorial para exemplificar sobre superfaturamento?
Douglas Baião
Bom, não sei onde vc mora, mas aqui "cala a boca" é também uma força de expressão (não somente no sentido de ofender). Serve pra dizer tipo "do que que vc tá falando?? Cala a boca". Daí vcs não tem contra-argumentos e ficam dando uma de seres polidos e tentando diminuir toda minha argumentação só por causa disso rs. Isso é desculpa, já que não tem mais argumentos.
Ígor Moreira
Contra ignorância não existe debate.
Vagner "Ligeiro" Abreu
Um bando de babacas não representa a categoria. Um comentarista idiota que pensa que é dono da razão não representa a verdade.
Wallace Dutra
(Para não ofender com o #aceitaquedoimenos, posso agir de forma menos "polarizada"). Feliz 2016!
Wallace Dutra
"Em frente à Prefeitura houve confusão. Jornalistas foram hostilizados durante o protesto, incluindo os repórteres Jean Raupp e Eduardo Gonzales, da TV Globo. Taxistas soltaram fogos de artifício e bombas de São João. No megafone, um dos manifestantes afirmava que a categoria dos taxistas é unida". "É, senhor prefeito. Achou que nao estaríamos aqui hoje? Essa categoria não começou ontem não". Os taxistas abordam colegas no trânsito para convocá-los a aderir ao protesto. Quem não queria aderir era criticado. Um motorista em um carro preto que pediu para a CET multar os taxistas que interditaram o Viaduto foi intimidado por taxistas." http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/12/taxistas-protestam-contra-proposta-da-prefeitura-para-regular-uber.html
Wallace Dutra
Ahan
LessTech
Não entendi a analogia com rotas diferentes. Entendo que este é outro problema... Assim como o preço de corrida tabelado. Sobre a questão das praças, em determinados lugares os taxistas são presos a praças. Considere também que "praça" também corresponde a municípios diferentes. E isso é uma confusão mesmo. A regulamentação dos táxis deveria ser Federal, seguindo regras uniformes (o mesmo deveria ser para o Uber). Esse negócio de cada lugar ter sua regra que gera confusão e abre margem para a formação de máfias. Vamos ver se a regulamentação do Uber sai. Pessoalmente espero que si, mas com as ressalvas que falei anteriormente. Monopólio algum é bom, assim como a deterioração das condições de trabalho.
Vagner "Ligeiro" Abreu
O que implico neste sistema de custo variável é justamente o custo variavel. Se de um lado as pessoas reclamam dos taxistas que fazem rotas diferentes e deixam o valor da corrida mais caro, por outro lado este método de cobrança apenas oficializa este tipo de atitude. Taxistas não são presos em praças, se quer saber, geralmente só os mais antigos ou aqueles que ficam em pontos privilegiados (como lugares de alto movimento) preferem praças. Existem táxis que rodam sem depender de praça. E os aplicativos recentes desvincularam os taxistas das praças. Pelo menos concordamos que o monopólio do Uber é maléfico se não regulado. Agora que o Uber sinalizou que a lei está do jeito que eles querem (acho que no final a prefeitura pegou as regras do Uber e adaptou para poder colocar as taxas de serviço da prefeitura), provavelmente ano que vem a lei será aprovada e veremos se tudo isso que discutimos vai ser como o discutido ou se vai tomar outros contornos. E com isso abrindo o caminho, provavelmente além do Uber, já teremos outros "players", porém com o domínio já do Uber consolidado. Um ponto extra: há os serviços da BláBláCar também, que faz "remuneração de carona solidária". Este tipo de serviço provavelmente deveria ganhar legislação federal.
LessTech
O conceito de "preço baixo" e "equilíbrio financeiro" são relativos, tendo em vista as desonerações que os taxistas conseguem obter em alguns estados. Um motorista do Uber não possui os mesmos incentivos, contudo não são desincentivados por isso. A remuneração, neste modelo de negócio, tem duas bases que muito diferem do táxi comum: 1) O custo da corrida varia de acordo com a demanda e a disponibilidade de carros; 2) O motorista não fica preso a uma praça ou ponto, podendo pegar um passageiro a qualquer momento em seu percurso. Isso possibilita maior flexibilidade na captação da receita. Contudo, como falei, a regulamentação quem que ser feita de forma a proteger esses motoristas da deterioração das condições de trabalho. Um monopólio Uber seria tão maléfico quanto o monopólio do táxi.
LessTech
Isso refere à deterioração das condições de trabalho que mencionei. Por isso é necessária uma regulamentação clara e a entrada de novos players. A entrada exclusiva do Uber incorreria em monopólio, e é exatamente contra isso que sou contra. Com a entrada de novos players e uma regulamentação clara que possibilite o monitoramento da atividade, é possível coibir essas distorções. No caso dos EUA que você menciona no link, o problema é justamente a falta de uma regulamentação que busque o equilíbrio de forças. Na terra do Tio Sam os legisladores promovem um afrouxamento tão escancarado que distorções em forma de bolha se tornaram algo cíclico (vide a crise financeira de 2008/2009).
Vagner "Ligeiro" Abreu
Lembrando que tarifas de táxi são calculadas e estabelecidas para tentar dar um razoável equilíbrio financeiro a quem trabalha como taxista. Por isso que infelizmente táxis são caros. Preços muito abaixo também desincentiva o trabalho de um taxista.
Vagner "Ligeiro" Abreu
Entenda que o problema não vai só no fator "maus motoristas", mas sim também na atuação do Uber (vide texto que deixei no link e textos correlacionados) e também no fator de ele tentar virar um monopólio, o mal tratamento que ele dá a alguns profissionais a serviço (Vide este link: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2015/12/juiz-dos-eua-expande-acao-de-classe-de-motoristas-contra-uber.html ) e o fato de defender o Uber por defender de forma cega e não ver o resto é meio que ser fanboy. Não é como você que tenta defender o Uber com argumentos mais claros. Quanto a qualidade, não adianta tirar um táxi fedorento da rua (e isso é fácil de fazer - só ligar no Departamento de Transporte Públicos), e botar um veículo à serviço de um aplicativo que vai durar poucos anos porque o profissional se cansou da empresa onde ele presta o serviço. Um dos vários problemas extras na discussão sobre a permissão do Uber também é esquecer que quem oferece o serviço pode trabalhar no começo até feliz, mas com o tempo, vendo o custo-benefício do trabalho que ele tem, pode ser que ele desista ou aja que nem um taxista relapso. Isso justamente por causa do "canto da sereia" (os preços baratos ofertados ou o "serviço de qualidade", que tem um custo embutido nisso, este pago pelo motorista à serviço do Uber).
LessTech
Eu recentemente ganhei um script de argumentação em loop infinito. Agora posso argumentar e contra-argumentar infinitamente enquanto houver uma resposta. :P
LessTech
Os casos dos maus motoristas do Uber se igualam aos maus exemplos dos taxistas, exceto pelos ataques em grupo contra a outra classe. Como falei, não é um curso ou o pagamento de uma taxa a mais ou a menos que fará um motorista melhor. Não entendo que as pessoas que você considera como "fanboys" vejam o Uber como a salvação ou como o fim da máfia dos taxistas, mas como uma alternativa ao táxi. Apenas isso. O grande ponto em questão é a qualidade do serviço prestado e o custo-benefício. Se os serviços de táxi fossem sempre bons e a um preço proporcionalmente justo, acredito que concorreriam diretamente. O problema é que por mais que tenhamos bons taxistas que prestam bom serviço e conservam seus veículos, há uma grande massa que não segue essa linha. Eu mesmo já peguei táxis desmontando e fedendo a bicho (ou seja lá o que for aquilo) e lhe digo que pagar caro por uma viagem e ganhar de brinde um odor fétido é bem desagradável. De qualquer forma, o Uber exige sim uma regulamentação. Não pode funcionar no limbo atual, sem regras claras que evitem abusos.
Vagner "Ligeiro" Abreu
Em alguns outros países no mundo, houve vários relatos de problemas com motoristas à serviço do Uber. Inclusive estupros também. Há um texto bem mais notório feito no Brasil mostrando os lados negativos do Uber. Eis: https://youpix.com.br/por-que-eu-não-vou-assinar-o-abaixo-assinado-a-favor-do-uber-b84f08a08e02 Enfim, o problema aqui maior, e é o que noto, é como o Uber criou uma comunidade de "fanboys" pensando que o aplicativo é a salvação do transporte, criando "haters de taxistas" de forma gratuita, sendo que muitos nunca nem andaram de táxi. Eu sinceramente não sei qual vai ser a melhor solução. A única coisa benéfica que até hoje vi com a história do Uber foi abrir a "caixa de pandora" dos serviços de táxi e inciar uma nova discussão sobre, com isso até acelerando processos de mudança de sistema, como foi em alguns municípios. Fora isso, a tentativa de entrada do Uber nos mercados do jeito que ele faz não o vejo como benéfico. O ruim nisso tudo é que as pessoas esperam que com a entrada do Uber, isso vire o fim da máfia dos taxistas. Acho que no final vai criar a máfia dos motoristas de Uber, caroneiros solidários e outros. Essa discussão está uma total bagunça e sem uma referência ou estudos de impacto.
Vagner "Ligeiro" Abreu
E depois fala que eu sou pombo enxadrista, sendo que eis aí você c*** e cantando vitória...
Vagner "Ligeiro" Abreu
Quem está como pombo enxadrista é você, o hahaha ali é a cag*** sua cantando vitória.
Vagner "Ligeiro" Abreu
Sim, é. "Aceita que dói menos" é um termo relativo a violência. Significa que se não aceita, a pessoa vai "bater mais", "incomodar mais". O fato de você rir de forma irônica mostra isso, o quão polarizado sua conversa está, diferente do Less Tech que foi menos polarizado e tem melhores consensos sobre o assunto.
Wallace Dutra
Só pra não dizer que não tentei responder de forma educada: o Metrô não funciona 24h por dia, e não chega nem perto de muitos lugares (ou não seria idiota de gastar dez vezes mais com Uber no lugar do transporte coletivo). E, você menciona o Medium, que é uma plataforma moderna, mas acha que #aceitaquedoimenos (com hashtag e tudo junto) é apoio a violência? Meu Deus!
Wallace Dutra
Já tentei também LessTech, tentar usar argumentos lógicos neste thread (nesta "conversa) com este sujeito é o perfeito exemplo da síndrome do pombo enxadrista. Enfim, o “Decreto de Regulação da Exploração Econômica do Uso Intensivo do Viário Urbano” está sob consulta pública e (provavelmente) será aprovado (mais receita pra Prefeitura, menos dinheiro para os taxistas e para os aplicativos - que provavelmente repassarão aos usuários), o "aceita que doi menos" é um sucesso (lol) e até as pedras se movimentam (mas alguns seres humanos não). De qualquer modo, se quiser tentar utilizar mais argumentos, boa sorte LessTech ;)
Wallace Dutra
HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA #facepalm
LessTech
Quebrar uma função original pode ser positivo, como uma quebra de um paradigma. Corrupção seria o seu oposto. O cadastro também poderia ser feito com os motoristas do Uber. Os "cursos específicos" são os que falei de curta duração e de baixa especificidade. Quanto à regulamentação, é o ponto que falta ao Uber. Nenhum desses fatores individualmente ou em conjunto justificam monopólio nos dias de hoje. Lembro de um caso de um motorista de Brasília que pegou uma passageira e a estuprou. Isso é evidência que o processo atual dos taxistas também não garantem bons motoristas. O Uber precisa de regulamentação, isso é claro. Contudo remover todas as regras que regem os taxistas também exigiria uma retirada de benefícios em contrapartida (não há bônus sem ônus, não se pode usar dois pesos e duas medidas). Isenções de impostos que hoje os taxistas possuem teriam de ser retiradas (e sinceramente não acho que eles vão concordar com isso).
Vagner "Ligeiro" Abreu
Eu não me baseio na legislação aqui para definir corrupção por um simples fato: entendo o termo de uma forma mais geral, que vai além da definição de obter vantagem. Corromper é quebrar uma condição anterior, desviando da função original. No caso desta discussão, existe o monopólio dos táxis por n motivos. Controle de oferta e demanda de veículos, necessidade de profissionais cadastrados para evitar abusos, profissionais com estudos específicos da área, além de regulamentação correta para a cobrança da tarifa. Além disso, não é porque tem uma habilitação de condução e um curso que significa que será um bom motorista. Se for para não regular, então que se retire as regras. Sem regras, sem corrupção.
LessTech
Acho que você talvez não tenha entendido meu ponto. Não estou questionando se algo é certo, errado, ético ou moral, mas sim o conceito. Vamos lá: Corrupção: Segundo o Artigo 333 do Código Penal brasileiro, em linhas gerais, trata-se do ato de buscar obter alguma vantagem em detrimento do prejuízo a outrem por meio de negociata. Máfia: Consiste numa organização criminosa que se utiliza da infiltração em instituições e na sociedade civil, com objetivos escusos, liderados por um grupo, em geral em forma que se assemelha a um colegiado. Conceitos colocados, a corrupção pode ser um mecanismo utilizado pela máfia, mas conceitualmente são coisas distintas. Utilizar mídia patrocinada em si não caracteriza corrupção, tendo em vista que não vai de encontro com o disposto no artigo 333 que mencionei acima. O Uber se utiliza do poder econômico para impor sua vontade, o que pode ser moralmente condenável, mas, dentro de determinado parâmetros, é ético (ética e moral são duas coisas que deveriam andar juntas, mas que também podem se diferir muito entre si). Nem todo taxista é ruim, mal ou mafioso. A forma com que os próprios sindicatos se organizam e atuam difere-se muito entre os estados. Há também taxistas que atuam como motoristas do Uber em expedientes paralelos (e até motoristas que deixaram de ser taxistas para se dedicar ao Uber por julgar mais interessante). Monopólio nunca é bom para o consumidor (leia-se todos nós), contudo às vezes também é necessário. O monopólio se faz necessário quando se exige alta especificidade em uma atividade: Exemplo 1 - Infraestrutura: Distribuição de energia, assim como o saneamento, requer alto investimento em infraestrutura de alta especificidade (estática e que só serve para um único fim). Nesse caso, a única forma de se obter retorno sobre os investimentos é a aplicação do monopólio (que também não concordo como é feito no Brasil). Exemplo 2 - Serviços: Médicos e Engenheiros entram nesse grupo. Para exercera a profissão o profissional deve passar por um curso de alta especificidade para exercer uma atividade fim específica. Não há como um bacharel em artes cênicas querer fazer uma neurocirurgia (você confiaria sua cabeça nele?). Para ser motorista, por outro lado, os critérios de alta especificidade não se aplicam. Virtualmente qualquer um consegue tirar a carteira e fazer um curso de curta duração para complementar direção defensiva e padronização de prestação de serviço. É por isso que sou a favor da regulamentação do Uber. Por outro lado, conforme você mencionou, existe o risco de em médio prazo haver uma monopolização do mercado pelo Uber, havendo inclusive a deterioração das condições de trabalho dos motoristas. É por isso que a regulamentação é necessária e a entrada de novos players estimulada. Sobre o "Uber como solução", concordo com você. Não é a solução. Ele ameniza um problema, mas não o resolve. O correto seria investimento no transporte coletivo de qualidade, acessível e com intermodalidade para cobrir melhor as cidades. Contudo, infelizmente, não vejo algo do tipo seriamente viável no Brasil. Nossos problemas começam e terminam com os políticos, e definitivamente eles não dão a mínima para o povo, apesar de ser seu retrato mais fiel (o brasileiro é um povo egoísta).
Vagner "Ligeiro" Abreu
Corrupção é quebra de lei / moral existente. Se a lei/moral diz que você não pode agir com violência contra alguém, é corrupto também. Se você cria uma máfia, você cria forças para ocultar corrupções. A máfia do Uber não é tão diferente da máfia dos táxistas, que não é tão diferente da máfia de religiosos (estes que juntam dinheiro, que serve para financiar grupos de mídia... errr... esquece), que não é tão diferente da máfia de comentaristas anônimos :op . Em tempos, eis o problema aqui com todo mundo está generalizando. Eu tenho amigos taxistas, e todos eles repudiaram a violência que muitos táxistas fizeram contra os motoristas de Uber. Eles querem mesmo é que isso seja discutido de forma política. Se o Uber entrar, eles simplesmente querem o óbvio: que o Uber seja categorizado como táxi. TEM QUE SE PARAR DE FALAR QUE UBER NÃO É TÁXI. A FORMA DE OPERAÇÃO E COBRANÇA É SIMILAR. A ÚNICA DIFERENÇA É O USO DE UM PROGRAMA DE COMPUTADOR E UMA CENTRAL DE COBRANÇAS NO LUGAR DO TÁXIMETRO Táxis "Vermelho e Branco" e Rádio-Táxis de luxo operam de forma quase similar. E os apps pioneiros como 99 e Easy operam como a central de cobranças do Uber. Assim como já vi casos de taxistas que também são motoristas à serviço do Uber. Não leu errado: tem taxista que também operar a partir do Uber, com veículo à parte. Como opinião plenamente pessoal, não vejo a entrada do Uber no mercado de transporte como solução. Eu aposto que em até dois anos, as reclamações do monopólio do Uber não serão diferentes do que ocorreria com táxis. Tá na hora de parar de pensar de forma egoísta. Tem que se pensar em transporte coletivo - ônibus, Metrô e similares. Por que os empresários não investem em Metrô e ônibus? Compram briga com os cartéis de transporte já existentes? No final é um bando de egoístas atendendo um bando de egoístas...
Vagner "Ligeiro" Abreu
O fato de usar o termo "Aceita que dói menos" mostra o quão travado você também é, pensando que as tecnologias serão salvadoras do transporte, os carros autônomos serão as melhores formas de transporte (spoiler: não serão tanto quanto parece, e já existem carros autônomos muito mais eficientes. Se chamam Metrô.) A questão principal é sim a mobilidade urbana. Se o assunto é desviado para a influência destes sistemas de mobilidade, estamos falando de lobby e dinheiro. É isso que causa os problemas no transporte brasileiro: se você lê sites sobre mobilidade urbana, deve saber que as empresas de ônibus no Brasil são controladas por famílias organizadas em cartéis muitas vezes. Só que carros autônomos não vão resolver este problema. Transporte pirata existe por ineficiencia e falta de fiscalização da própria população, que da mesma forma que aceita o Uber e age de forma corrupta, age também quando usa um serviço de transporte pirata. Ao invés de se discutir em comentários de internet, deveria sim era nós ir falar com os políticos e pedir prioridade na discussão sobre mobilidade. Alguém faz isso? Não. Toda vez que vejo alguém falar "aceita que dói menos", vejo alguém que apoia violência para resolver os problemas.
LessTech
Não se pode generalizar "corrupção". Máfia é máfia, corrupção é corrupção e monopólio é monopólio. Algumas práticas do Uber também são condenáveis (como eventual deterioração das condições de trabalho em virtude do monopólio) assim como a de taxistas (com sua máfia que agride e mata), mas elas por si só não são "corrupção".
Wallace Dutra
Em nenhum momento coloquei a palavra "corrupto" nos comentários. A partir deste ponto, pode-se construir ou destruir um diálogo. Sugestões de leitura? Bom, talvez por utilizar meu tempo com esta resposta (no lugar de ler um livro ou ir pro cinema) demonstra meu interesse no assunto. Também utilizo não só o Medium, mas blogs sobre mobilidade urbana, além dos comentários nas redes sociais. E some também o fato de eu já ter utilizado o Uber, quando era o meio mais viável de chegar do metrô a minha casa (na região metropolitana) de madrugada, sem correr o risco de cobranças indevidas ou de riscos ainda piores. A minha indignação é o fato de se criticar tanto o Uber (que não é uma empresa "salvadora da pátria", mas uma "startup" com um lucro bilionário), e existir há DÉCADAS transporte pirata (por exemplo, próximo a rodoviárias e aeroportos) e não se tomar providências EFICAZES (ou, de forma ilegal, agredir os perueiros). A questão principal, infelizmente, não é a mobilidade urbana - seria muito acreditar nisso. O que está em jogo é qual a influência destes sistemas de mobilidade ("car sharing", "carona compartilhada", "transporte de passageiros", o nome que quiser), financeiramente falando. E esse tipo de debate não chegava efetivamente ao Legislativo antes do Uber, o verdadeiro calcanhar de Aquiles. De verdade, só espero o dia dos carros autônomos chegar de fato (pode levar décadas, mas há uma expectativa), e empresas como a Google (lá fora também a Tesla, até mesmo a Apple) entrarem como serviços de transporte - aí sim vamos ver o mesmo fim da datilografia, dos aparelhos de fax, dos pagers e dos juízes que mandam bloquear o Whatsapp #aceitaquedoimenos
W. Motorola
Se tem baixa oferta, é problema da empresa, não do consumidor. Imaginei agora um supermercado vendendo as ultimas unidades de um produto a 5x, super justo.
W. Motorola
isso pode levar meia hora ou mais, de acordo com eles. É melhor não ter mesmo ou limitar a 1.1
Caio Henrique
Outra coisa, o próprio app te dá opção de avisar quando a tarifa dinâmica acaba e o preço diminui, então você pode simplesmente esperar a tarifa alta abaixar.
Caio Henrique
Mas é exatamente por conta da tarifa dinâmica que o Uber funciona, é a forma que a empresa tem de estimular os motoristas a ir para um ponto com grande demanda. Pensa comigo, você é motorista do Uber, mora perto de uma casa de shows e começou a pipocar chamadas no meio da noite, se você já trabalhou de dia você vai continuar dormindo. Mas se aparecer para você que a tarifa está em 2x, você começará a pensar em sair de casa. Ou outra situação, você é motorista do Uber e não tem nenhuma corrida na região, de repente aparece uma região com 2x do outro lado da cidade, você irá pra lá porque compensa o gasto de combustível e tempo para percorrer uma distância grande. Se não tivesse a tarifa dinâmica o sistema do Uber não funcionaria direito em horários de pico e locais de grandes eventos.
Fabiano Forte
Tão válido quanto Carta Capital, Isto é, Época, Exame, Times, Der Spiegel... Cara, isso aqui não é futebol, não, larga de torcida!
Gabriel Tadeu
Ai você me cita a Veja é quer que seu argumento seja válido...
LessTech
Sei lá, não confio em revistas ou jornais. É preciso muito filtro para o que se lê pois não temos jornalismo imparcial, todos pendem para um lado ou interesses específicos (e egoistas). Os políticos são nada mais que um retrato do brasileiro. Ou melhor, é um espelho. Em cidades com uma população mais instruída e politicamente consciente vejo bons políticos sendo eleitos e ruins saindo do sistema. O problema é que o Brasil é um país de distorções e de povo, olhando de forma genérica, egoísta.
Fabiano Forte
A Veja SP fez uma reportagem sobre esse superfaturamento, dá uma olhada no site deles. E, se você conhece políticos honestos, acho isso ótimo, na verdade - eu adoraria estar errado sobre a índole deles (e eu estou falando sério, que fique claro!). Mas eu sinceramente não acredito mais nesses caras!
LessTech
O Uber paga valores também. Eles não são isentos. Vanden regra, operacionalmente falando, se motorista de Uber sai mais carovque ser taxista. Mas isso também vai variar de município para município.
LessTech
Primeiro: Você tem provas de superfaturamento? Se você conhece algum indício ou tem alguma evidência (fofoca não vale) , denuncie junto ao ministério público. Você, como qualquer cidadão, pode solicitar cópias de contratos e mesmo de notas fiscais e auditar os trabalhos feitos, fazendo um paralelo com os valores de mercado. Se não o fez, recomendo que o faça. Você tem o direito e o dever de fiscalizar como estão gastando o seu dinheiro. Segundo: Não defendo políticos. Mas geralmente quando os crítico o faço de forma genérica. Mas para fazer algo direcionado a um em especial me atenho a um arcabouço de argumentos bem fundamentados. Lembre-se que mesmo com um perfil falso você pode ser rastreado e processado (a menos que tome alguns cuidados e saiba o que está fazendo). Se não sabe se camuflar, evite aparecer (isso é uma dica). Não conheço Haddad e não faço questão de conhecer, em especial por causa do partido dele. Mas não posso tirar o mérito dele peitar determinados interesses (apesar de achar difícil ocorrer com táxis por causa da força da máfia). Sobre políticos, entendo que a grande maioria não vale o que faz na privada, mas a toda regra há exceções. Conheço bons políticos (que infelizmente não vejo como crescer dentro das esferas por sua índole reta).
Fabiano Forte
Duas coisas: se você realmente precisa de provas, pesquise sobre as ciclovias em São Paulo. O que rolou de superfaturamento... Segundo: não defenda políticos. Eles não merecem! Por tudo o que eles fazem com a gente, todos os dias, eles simplesmente não merecem!
Vagner "Ligeiro" Abreu
Cuidado você também com as palavras ao defender algo que aparenta ser "bonitinho" na embalagem, mas esconde muita coisa do público. Pesquise mais sobre o Uber e os problemas que ele causa em muitas cidades. Sobre a falta de apoio da empresa em alguns lugares e a tentativa dele de monopolizar o mercado, o que não é diferente de cartel. Há pessoas criando sindicatos de motoristas de Uber se quer saber. Não vejo políticos corruptos agredindo pessoas, mas eles são tão corruptos quanto quem usa ou trabalha com Uber nas condições atuais. E taxista que pratica violência contra alguém, seja um outro corrupto ou uma pessoa normal é criminoso e merece prisão conforme legislação. Simples assim. O problema aqui é você impor um serviço a força sem estudar o impacto antes. E claro, não lutar contra falhas no sistema atual de transportes. Como eu disse em outro comentário, o problema aqui não é a permissão ou não do Uber (se bem que o fato dele operar e as pessoas apoiarem mostra os problemas que temos aqui), mas sim a falta de discussão sobre a qualidade, eficiência e necessidade do transporte público. As pessoas estão taxando o Uber como "Salvador da Pátria" aqui no Brasil, mas não estão vendo o que ocorre em outras partes do mundo, e também não veem histórias de o porque os táxis se originaram (dica: da mesma forma que o Uber, se quer saber). E a falta de "entendimento" de que o que o Uber faz é o mesmo que o táxi (leva pessoas de ponto A a ponto B com valores afixiados. Se o táxista faz m***a e engana pessoas, para isso existe fiscalização e hoje as pessoas sabem fiscalizar melhor do que antigamente, pegando pessoal "engana trouxa" e tirando a licença deles de táxista. E o Uber? Só as estrelinhas não contam, se quer saber. Existe muita coisa além Uber se quer saber. Só que o Uber quer entrar e dominar o mercado. Sério, leia mais, procure textos sobre os contras do Uber (o Medium tem uma boa seleção lá) e vai entender com mais clareza o que hoje tu defende.
Wallace Dutra
Cuidado com as palavras Vagner, isso não tem nada a ver com corrupção política... Não vejo motoristas do Uber agredindo taxistas, e nem por isso digo que todo taxista é agressor. Aliás, não é o Uber que tem lobby nas Câmaras Municipais (como em Belo Horizonte) ou que para o trânsito do centro das metrópoles (ou em São Paulo ou Rio de Janeiro), nem é o Uber que tem investigação no CADE. Não ganho nem um centavo ao ser a favor do serviço X ou Y, mas, como muitos brasileiros, busco trabalhar de forma honesta. Sobre a réplica: o serviço define como "preço dinâmico", mas independente do nome, o valor é PREestabelecido, e mais, é possível verificar o trecho utilizado pelo condutor (todos estes dados, repito, são recebidos por email). Quero crer que, um turista em outra cidade, terá a mesma segurança com um táxi (não são todos, mas quantos casos de condutores que percorrem distâncias maiores ou usam outros subterfugios pra ganhar mais). A questão da legalidade deve ser discutida de forma aberta, como propôs o vereador Police Neto, em vista do benefício para a coletividade - mais opções para transporte, e menos cartel dos taxistas.
LessTech
A legislação que regula táxis não é igual em todos os estados. Em alguns lugares é mais "fair", em outros é mais mafiosa. Gosto do Uber e o defendo, mas não suporto grosseria gratuita. Se quer ser respeitado, respeite, seu... Brasileiro mal educado.
LessTech
Considerando o histórico de nossa política eu não duvidaria... Mas... Você tem provas ou algo que fundamente essa acusação?
Vagner "Ligeiro" Abreu
Pelo contrário: a tarifação do Uber é oscilante, vai do período e da demanda. A dos táxis é fixa. O que manda no táxi é a quilometragem percorrida. E também é possível contestar, e ainda mais, punir devidamente os táxistas em caso de abusos. Há garantias, o problema é que as pessoas não procuram os departamentos certos. No fundo, acho que quem apoia o Uber é tão corrupto quanto político corrupto. Afinal, apoia um transporte irregular, sem garantias.
Wallace Dutra
No entanto, a tarifação do Uber é mais clara que a dos táxis: quem contrata já sabe o quanto poderá desembolsar, recebe os valores por email, e pode mesmo contestar os valores no aplicativo (sem falar da localização aproximada do veículo e dos dados do motorista)... não há estas mesmas garantias com os táxis.
Vagner "Ligeiro" Abreu
Ao invés da discussão sobre proibir ou banir o Uber, poderia redefinir a conversa para mudar o sistema de transportes. Existe a tal "lei da mobilidade" onde o Uber se apoia. Se esta lei está em validade, deveria se eliminar a lei anterior que conflita, aí sim permitir o Uber, desde que coloque regulamentações para evitar abusos do mesmo, além de remunerar corretamente quem presta serviços a empresa de transportes.
Vagner "Ligeiro" Abreu
Mito. Táxistas pagam taxas para trabalhar (Condutax por exemplo), e dependendo do município e sua regulamentação, os veículos tem regras para serem operados. Outra: a responsabilidade de manutenção do veículo é do táxista, por isso as isenções de valores - para que os valores relativos a impostos seja revertido na manutenção do mesmo. Bons táxistas adotam esta prática. Antes da entrada do Uber, muitas cidades fora do "mainstream" brasileiro já adotaram novas regras para o serviço de táxis. Juiz de Fora, Florianópolis e algumas outras agora tem táxis licitados (e não mais com licença vitalícia), além de regras para condutores (traje, forma de se portar, estado do veículo). São Paulo já tentou por várias vezes mudar a legislação para táxis, trocando o sistema de licenças por licitações temporárias (eliminando as licenças vitalícias). Infelizmente a prefeitura sofreu derrotas do sindicado dos taxistas nos tribunais. PS: educação faz bem. Não mande ninguém calar a boca, isso significa que tu pensa que é dono da razão ;)
Vagner "Ligeiro" Abreu
Por isso que há muita gente contra o Uber, e é um dos motivos para não defini-lo como transporte público regulamentado. O Uber trabalha (infelizmente) com tarifa dinâmica, e não com sistemas de tarifa fixa como táxis (onde você sabe exatamente em quais momentos a tarifa ganha valor maior).
Keaton
E que o Uber venha para Curitiba!
W. Motorola
Tinha que liberar o app, mas proibir essa palhaçada de tarifa dinâmica. porra, tem hora que vai para 4x.
Fabiano Forte
É, a verdade dói, fazer o quê?
Eduardo o Guimaraens
Cortina de fumaça, corrupto... Bastidores? Não vou discutir com maluco, tchau, meu caro...
Fabiano Forte
Não, isso tudo é cortina de fumaça, para a gente não ver as coisas que estão nos bastidores. Ele é covarde e corrupto como todo político. E convém lembrar que ele é contra o Uber - eu ainda acho que ele vai pôr tudo a perder.
Eduardo o Guimaraens
Não vai por não.....O histórico dele mostra que ele é corajoso. Ciclovias, Paulista livre no Domingo e etc...
Douglas Baião
Cala a boca, vc acha que os carros do Uber brotam da terra e começam a rodar por aí? O dono do carro paga todos os impostos para comprar e manter o carro, além de que ele paga impostos no dia-a-dia para ter segurança pública. Já os taxistas... esses tem todo tipo de isenção pra manter seus carros e seu serviço precário. Vc está enxergando a coisa pelo lado que querem que vc enxergue - que é o lado da pseudo proteção patriarcal do Estado que deve agir sobre todo tipo de serviço, sugar recursos com impostos desnecessários e dizendo-se pelo bem do serviço, encarecer o produto e barrar a evolução. Acorda, gente!
Jose Jefferson
Esse cara é totalmente diferente de todos os políticos que conhecemos, anda de transporte publico, é a favor do desejo da população de São Paulo e tem uma mente moderna que pensa no amanhã. Parabéns é de pessoas como o Police Neto que precisamos.
Ígor Moreira
Uso o Uber e apoio a iniciativa, mas tudo que faz uso publico tem que ser taxado, simples assim. E também acredito na reforma do sistema de taxi como esta ocorrendo em NY. O abuso e o absurdo existe dos dois lados.
Guilherme Borges Cunha
Tenho acompanhado o empenho solitário se José Police Neto desde o começo dessa polêmica com o Uber. Parabenizo-o pela iniciativa. Não podemos nos render às vontades de sindicalistas que flertam com o atraso.
Fabiano Forte
Agora, vamos ver se o haddad não vai pôr tudo a perder - pelo histórico dele, vai!
Thiago Sabaia
Moro no Rio e recebo spam desse Police Neto e vejo que ele está empenhado em defender o Uber. Parabéns pela iniciativa
David Diniz
Político se metendo aonde não é chamado só da caca...