Início » Brasil » Modelo pré-pago de banda larga 3G pode popularizar a internet no Brasil

Modelo pré-pago de banda larga 3G pode popularizar a internet no Brasil

Por
11 anos atrás

Ter uma internet móvel pré-paga, apesar de soar como algo moderno, não é nenhuma novidade. Muita gente não sabe, mas já era possível acessar a internet GPRS/EDGE através de qualquer celular pré-pago, basta ter saldo. Mas por algum motivo divino desconhecido (que trataremos aqui por desinteresse das operadoras), o preço cobrado por megabyte transferido é um exagero.

Pedro Ripper, presidente da Cisco no Brasil, diz que é só uma questão de tempo até que a internet 3G comece a ser vendida no modelo pré-pago. Definir um modelo de tarifação é uma das poucas pendências para que isto se concretize. Ele diz que não é possível cobrar por tráfego (também não vejo o porquê), então a saída pode ser tarifar por horas de acesso.

Desta forma, a banda larga móvel se transformaria na internet discada moderna, apesar de eu não acreditar que as tarifas serão tão agradáveis quanto as da rede fixa.

Ainda me lembro quando comprei meu Motorola A1200i, e acessei a homepage do TecnoBlog. Foram transferidos apenas 200 kbytes, e isto me custou mais de dois reais e cinquenta centavos!

Enfim, a idéia com esta internet discada moderna, é atingir as classes C e D. Apesar de internet ser um serviço básico para muitos (eu incluso), há mais de 10 milhões de pcs desconectados no Brasil, e a tendência é que eles contratem algum plano facilitado.

A vantagem no modelo pré-pago, é que caso o usuário esteja sem dinheiro, não é obrigado a pagar nenhum aluguel de linha ou modem.

Mesmo hoje com o 3G funcionando em uma minoria de cidades, e com tantas reclamações sobre a baixa qualidade do serviço, o seu número de usuários já representa 13% do total de assinantes de internet banda larga do Brasil inteiro. São 1,3 milhões de pessoas se conectando através de um modem 3G (celulares não são contabilizados), e mais de 10 milhões de assinantes de banda larga.

Ripper explica que as operadoras não se prepararam para atender tantos clientes em tão pouco tempo, e o que aconteceu foi que as redes ficaram super congestionadas. Algumas ERBs (Estações Rádio Base) estão atendendo cinco vezes mais usuários do que o esperado.

Por causa disso, as operadoras estão segurando as vendas de novos pacotes, enquanto ampliam sua capacidade de atendimento. A expectativa é que tudo esteja resolvido no último trimestre do ano, quando as vendas serão aquecidas novamente.

Extra: Outra alternativa bem econômica será a internet móvel da Embratel de 144kbps, ao custo de R$ 39,90 por mês. Mais informações aqui.

Imagem via: Wicho.