Início » Mobile » Com fim da Lei do Bem, Motorola aumenta preço de Moto G e Moto X

Com fim da Lei do Bem, Motorola aumenta preço de Moto G e Moto X

Por
2 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Não está sendo fácil para ninguém: em meio à crise econômica, o governo federal decidiu cortar os benefícios fiscais da Lei do Bem, que reduzia a zero as alíquotas de PIS e COFINS para diversos produtos, incluindo smartphones, tablets e computadores. Começando o ano sem os incentivos, a Motorola aumentou os preços de vários smartphones da linha Moto G e Moto X.

motorola-style-play-abre-alt2

Confira os novos valores:

  • Moto G 2015 (1 GB de RAM, 16 GB de armazenamento): R$ 1.149
  • Moto G 2015 (1 GB de RAM, 16 GB de armazenamento e TV digital): R$ 1.199
  • Moto G Edição Turbo (2 GB de RAM, 16 GB de armazenamento): R$ 1.419
  • Moto X Play (16 GB): R$ 1.699
  • Moto X Play (32 GB): R$ 1.789

É perceptível que o reajuste foi salgado, principalmente quando levamos em consideração o preço sugerido no lançamento dos produtos: o Moto G com 1 GB de RAM e 16 GB de armazenamento foi anunciado por R$ 899, enquanto o Moto X Play de entrada custava R$ 1.499. O aumento foi de 28% em apenas seis meses de lançamento, no caso da versão básica do Moto G, influenciado tanto pelo fim dos benefícios fiscais quanto da disparada do dólar.

Outras categorias não receberam reajuste, pelo menos por enquanto. O Moto E continua custando a partir de R$ 495. Já os topos de linha Moto X Style e Moto X Force ultrapassavam o valor máximo de R$ 1.500 para a desoneração de impostos da Lei do Bem e, portanto, não recebiam incentivos fiscais.

Leia também: O governo aumentou os impostos de smartphones. O que isso muda, além dos preços?

A Lei do Bem foi criada em 2005 com objetivo de estimular a produção nacional de computadores. Ao longo do tempo, outras categorias de produtos também puderam se beneficiar da redução de impostos. Era previsto que o benefício cessasse no final de 2014, mas o governo havia prorrogado o programa para o fim de 2018 antes das últimas eleições presidenciais. Depois, por meio de medida provisória, a isenção foi revogada pela presidente Dilma Rousseff.

Mais sobre: ,