Início » Gadgets » Os produtos mais interessantes da CES 2016

Os produtos mais interessantes da CES 2016

Jean Prado Por
4 anos atrás

Você já viu o que a CES 2016 tem de mais exótico, mas não é só bizarrice que aparece pela feira. Tudo bem que há a concepção de que cada vez mais a CES é um lugar para as fabricantes apresentarem coisas ousadas, enquanto os produtos finais são anunciados fora ou depois do evento.

Mas, apesar de ofuscados por tanto barulho que todos os lançamentos fazem, muitas fabricantes apresentaram produtos interessantes. Reuni os meus preferidos nos próximos parágrafos.

EliteBook Folio e Razer Blade

Para não deixar de fora dois dos melhores notebooks anunciados na feira, aqui vão algumas informações sobre o EliteBook Folio, da HP, e o Blade Stealth, da Razer. Ambos ganham destaque pela portabilidade, mas têm públicos-alvo bem diferentes.

hp-elitebook-folio-ces-2016

O EliteBook Folio é conhecido por ser o notebook corporativo mais fino do mundo, com apenas 12,7 mm de espessura, pesando apenas 0,9 kg (!). A tela tem 12,5 polegadas com resolução 1080p e o processador é um Core M da geração Skylake, com as versões m3, m5 e m7. O consumidor também pode escolher um SSD de 128 GB a 512 GB, mas ficará preso a duas portas USB-C ao lado do aparelho (parece um MacBook que eu conheço).

razer-blade-stealth-ces-2016

Já o Razer Blade Stealth é basicamente um ultrabook que pode ser utilizado como um PC gamer. Ele até que é fino e tem um processador i7, além de um teclado com cada botão iluminado por LED. Ao conectá-lo por USB-C no Razer Core, como se fosse uma caixa para GPU externa, ele vira um computador "de verdade". Com isso, a portabilidade do notebook é mantida, assim como a performance quando você quiser usá-lo para algo mais pesado.

Drone que leva pessoas

Já vimos todo tipo de lançamento de drones, mas, como um veículo não tripulado, nenhum envolvia transportar humanos. Até agora. Isso porque a chinesa Ehang anunciou o 184, drone que pode transportar uma pessoa, ideal para curtas distâncias e áreas que sofram com trânsito intenso, por exemplo.

EHang 184

O desempenho, no papel, não parece decepcionar. O Ehang 184 atinge até 500 metros de altura, alcançando uma velocidade de até 100 km/h com autonomia de bateria de até 23 minutos. Não é como se alguém fosse usar isso para viajar pelo país, mas já deve ajudar no transporte da casa ao trabalho, por exemplo.

Aliás, essa é a intenção da Ehang: disponibilizar uma frota de aeronaves para interligar vários pontos pré-determinados (e com várias possibilidades de uso corporativos). O acabamento do drone parece bem feito e o visual lembra muito o de um helicóptero. Mais informações aqui.

Compute Stick com Skylake

A Intel também apresentou a nova geração do seu computador que mais parece um pendrive. O minúsculo PC foi atualizado para suportar a família de processadores Skylake, última geração lançada pela Intel. Batizado de Compute Stick, ele agora tem duas versões: uma que usa processador Atom atualizado e outra que conta com um processador Core M. Ambos vêm com o Windows 10 de fábrica.

A versão com Atom trocou o antigo Bay Trail Z3735F pelo Cherry Trail X5-Z8300 com quatro núcleos a 1,44 GHz, que tem desempenho melhor e é significativamente menor, com 14 nanômetros. O dispositivo agora possui Wi-Fi 802.11ac e continua com 2 GB de RAM, além de 32 GB de armazenamento interno. Só que agora custa US$ 10 a mais, estando disponível por US$ 159.

intel-compute-stick--ces-2016

Já o novo modelo, que vem com o processador Core M, tem 4 GB de RAM, 64 GB de armazenamento interno, além de vir com 3 portas USB em vez de apenas duas. Há uma versão do dispositivo que tem processador Core m3 com dois núcleos a 900 MHz e outra com um Core m5-6Y57 com o mesmo número de núcleos a 1,1 GHz.

Como aponta o ZDNet, a variante 6Y57 inclui a tecnologia Intel vPro, que é voltada para os usuários corporativos, trazendo um SSD criptografado e uma proteção contra malwares a nível de hardware. Com esse reforço, o Compute Stick com Core m5 não vem com software instalado e custa US$ 499.

Já a variante que recebe o Core m3, como não tem toda essa proteção, vem de fábrica com o Windows 10 instalado e custa US$ 399, 100 dólares a menos que a versão com Core m5.

Galaxy TabPro S

A Samsung aproveitou a CES 2016 para lançar, próximo ao evento, um novo tablet que não roda Android: ele vem com o Windows 10 e é um concorrente direto do Surface Pro 4.

galaxy-tabpro-s-5

Já publicamos aqui no Tecnoblog um hands-on do aparelho, em que a Samsung optou por usar o menos poderoso Core M de 2,2 GHz, 4 GB de RAM, um SSD de 128 GB ou 256 GB de armazenamento, tela de 12 polegadas com uma resolução de 2160x1440 pixels e apenas uma porta com conexão USB-C, semelhante ao modelo adotado pela Apple no novo MacBook de 12 polegadas. A bateria de 5.200 mAh dura, segundo a Samsung, 10,5 horas longe da tomada.

TV ultrafina da LG com resolução 4K

Uma televisão 4K por si só não é muito impressionante na CES. Quase toda fabricante que faz displays apresenta uma. Televisores curvos e finos também não impressionam; a tecnologia já evoluiu o suficiente para estarmos acostumados com esse tipo de produto.

lg-oled-4k-ces-2

lg-oled-4k-ces-3

No entanto, algumas novidades ainda surpreendem. A LG apresentou logo no começo da feira uma TV que tem a impressionante espessura de dois cartões de crédito juntos, quase 2,57 mm (!). O painel é tão fino que ele não conseguiria ficar em pé sozinho, por isso a LG colocou duas chapas de vidro translúcido ali.

Fora isso, a TV tem uma tecnologia chamada pela LG de HDR Pro, que basicamente combina imagens de várias exposições para iluminar bem todas as cenas da foto (ou seja, como se fosse um HDR comum). O televisor estará disponível nos tamanhos de 55, 65 e 67 polegadas.

Chip da Qualcomm para carros

Outra tendência na feira foi a exibição de carros futurísticos e super tecnológicos, como o FFZERO1, da Faraday Future. Além do exterior e de protótipos que estão relativamente longes do consumidor final, algumas apresentações na CES mostraram tecnologias que não devem demorar muito para chegar ao público comum.

Esse é o caso dos chips automotivos da Qualcomm, que são basicamente variantes dos processadores comuns que ficam dentro do seu smartphone, mas adaptadas para veículos. A fabricante apresentou na feira o Snapdragon 820A, um chip potente para deixar os carros mais inteligentes.

(Foto: Reprodução/The Next Web)

(Foto: Reprodução/The Next Web)

Não há dúvidas que o 820A consegue fazer isso: na demonstração, a Qualcomm mostrou um carro que tinha um tablet 4K no centro do painel para reunir os mais variados comandos, além de dois smartphones e mais dois tablets. Tudo isso graças ao poder de processamento do modelo 820, que tem arquiteura de 64 bits, GPU Adreno 530 e suporta a conexões 4G de até 600 Mb/s.

Com essa integração, a Qualcomm abre inúmeras possibilidades para fazer quase qualquer coisa dentro do carro. Sério: o software passou da exibição de filmes a navegação em 3D no Google Maps sem qualquer engasgo, além de ter um recurso de múltiplos usuários, caso mais de uma pessoa use o veículo.

O vídeo de demonstração do chip mostra ainda mais possibilidades: com tantos dispositivos que podem ser conectados, um dos tablets estava sendo usado como sistema de entretenimento no banco de trás; no painel, também pode ficar um display para mostrar, ao dar ré, a visão traseira do carro. Por fim, o chip também permite um excelente sistema de voz, com cancelamento de ruído em tempo real.

Seguindo a tendência do mercado de carros, o software também poderá ser atualizado quando houver alguma novidade nos recursos do chip. O 820A é compatível com os sistemas QNX, Android Auto e CarPlay, da Apple. Embora não haja previsão para ele chegar ao mercado, o seu antecessor, 602A, deve ser lançado junto com o Audi A5 em 2017.

Supercomputador da Nvidia para carros

A Nvidia também apresentou a sua aposta para melhorar o mundo automotivo, especialmente os carros autônomos: o supercomputador Nvidia Drive PX2. Em termos de especificações, ele parece bem parrudo: o processador tem 12 núcleos e a GPU tem mais quatro, tudo refrigerado por água. O poder de processamento é semelhante a seis placas de vídeo Titan X ou 150 MacBooks Pro trabalhando juntos (!).

Como aponta o The Next Web, o foco da empresa na apresentação não foi nem a potência, mas o que a empresa pode fazer com isso. Foi criada uma plataforma de deep learning chamada de DriveNet para o carro continuar aprendendo a identificar objetos e melhorar sempre.

(Foto: Reprodução/Engadget)

(Foto: Reprodução/Engadget)

Essa plataforma, combinada com todo o poder de processamento do supercomputador, acelera de 20 a 40 vezes o processo de aprendizado do carro, fazendo com que a identificação de uma nova situação ou objeto que demoraria um mês para ser feita seja aprendida em apenas um dia.

Os vídeos de demonstração exibidos pela empresa também mostram que o carro processa essas informações em tempo real, sem depender da nuvem. A Nvidia planeja disponibilizar um sistema de entretenimento informativo para mostrar o que o carro "vê", o que pode tranquilizar um usuário que não tem muito controle do carro em que se encontra.

(Foto: Reprodução/Engadget)

O que o carro "vê": roxo (a pista), laranja (outros carros), verde (pedestres). (Foto: Reprodução/Engadget)

Ainda não há previsão para o supercomputador chegar ao consumidor final, mas a Nvidia já está buscando parcerias entre as montadoras para testar a novidade. A Volvo já sinalizou interesse, enquanto Audi e Mercedez-Benz estão testando a tecnologia em veículos customizados.

Roteador ultrarrápido da TP-Link

Não tinha certeza se colocava esse na lista dos produtos mais estranhos ou que merecem destaque. Isso porque ele é um pouco dos dois: apesar de parecer mais um octógono de briga de polegar em vez de um roteador, as especificações do TP-Link Talon AD7200 impressionam.

O roteador foi lançado para se encaixar no padrão de conexão 802.11ad, que utiliza a frequência de 60 GHz em vez das amplamente usadas de 2,4 GHz ou 5 GHz. Uma frequência tão alta, como já é esperado, traz uma abrangência muito menor ao sinal do roteador, mas as velocidades são absurdas.

tp-link-talon-ad7200-ces-2016

Na prática, o Talon AD7200 cobre apenas distâncias bem curtas. Mas a velocidade chega a 7,2 Gb/s, número quase seis vezes maior do que o padrão 802.11ac, que chega a mais ou menos 1,3 Gb/s. Com toda essa velocidade, espera-se uma transferência muito rápida de arquivos grandes, ou até mesmo streaming fácil de um filme em 4K, por exemplo.

Essas especificações me levaram a incluir esse roteador nessa lista de produtos mais interessantes. Além disso, se não houver alcance para uma frequência tão alta, o roteador suporta ainda os padrões 802.11a/b/g/n/ac a 2,4 GHz ou 5 GHz.

Capacete inteligente

Como melhorar uma corrida de moto com um ar futurista? Usando um capacete inteligente, claro. Essa foi a ideia da BMW, que desenvolveu um capacete com um head-up display (HUD), basicamente uma tela transparente no vidro que mostra informações sobre o trajeto e o veículo.

O motociclista que usar o ConnectedRide, como o capacete é chamado, poderá ver informações como velocidade, navegação curva a curva, notificações com as condições do trajeto, chamadas e até a posição de outro motorista.

bmw-connectedride-ces-2016

bmw-connectedride-2-ces-2016

É claro que é necessário tomar cuidado com a quantidade de informações que são mostradas ao condutor, uma vez que é possível confundí-lo ou atrapalhar a visão do que mais importa: a estrada. Ao Engadget, a empresa afirmou que o objetivo do capacete é melhorar a segurança e que o piloto pode controlar a quantidade de informações que são mostradas no ConnectedRide.

Quando o motociclista liga a moto, o capacete também mostra informações básicas, como combustível restante, quantidade de óleo e pressão dos pneus. A bateria do capacete dura cerca de seis horas, segundo a fabricante, e pode ser removida.

O interessante é que a tecnologia de conexão já existe há algum tempo. A BMW tem uma linha de veículos conectados que se ligam ao smartphone; o capacete apenas faz a conexão com a moto.

Mais sobre: ,