Futuro_Nintendo_abre

Começo este texto dentro de uma dualidade incômoda: como escrever sobre o futuro de uma empresa que vive do passado? E escrevo isso me colocando atrás de um escudo protetor, sabendo que vai chover ódio na minha direção. Assim que você, fã da marca, se acalmar, por favor, continue lendo. Obrigado.

É preciso dizer inicialmente que eu adoro a Nintendo. Mesmo. De adorar no sentido bíblico. De ter vários produtos, de sempre ficar eufórico a cada “novo” lançamento, de ter em casa e jogar quase que diariamente consoles como o Nintendinho, Super Nintendo, Game Boy, GameCube, Wii e 3DS.

Sou apaixonado por suas principais franquias e as trato como verdadeiros clássicos. Se a Nintendo fosse o Rock and Roll, Super Mario, The Legend of Zelda, Donkey Kong e Metroid seriam Beatles, Rolling Stones, Queen e Led Zeppelin. Dito isso, lembro que nenhuma dessas bandas tem menos de 40 anos.

Todos sabemos que a Nintendo foi, durante muito tempo, o principal nome do mundo dos videogames. Não por isso, quando você faz pesquisas sobre seus consoles antigos e os principais concorrentes da época, ela se sai muito bem. Apenas para ilustrar, veja estes resultados:

Screen Shot 2016-02-03 at 12.53.43 PM

Não é de hoje que ela vem sangrando. E o que foi que aconteceu com essa Nintendo? No mundo todo, as vendas do Wii U vêm caindo a cada mês. Compare os gráficos abaixo:

ps4vsxb1-update.002

console-wars-q1-2015-update6.001-640x480

console-wars-Q3-2015.001-640x480

E mesmo quanto aos jogos, a companhia vendeu apenas 10,5 milhões de unidades nos últimos três meses, período que inclui feriados comerciais como o Natal. Isso é menos do que um jogo para cada console Wii U já vendido até hoje.

Não fossem os excelentes números atingidos pelos Amiibos (que, lembro, são bonecos de personagens de franquias antigas), o cenário seria muito pior, haja visto que eles representaram 71% do total de vendas da empresa no último período fiscal.

yarn-yoshi-amiibo-photo-06_1920.0

megayarnyoshi

O que nos leva a questionar algumas coisas em relação ao futuro da gigante japonesa.

Se a Nintendo vende mais Amiibos, então a Nintendo venderá mais consoles. Certo?

Não necessariamente, e é isso que algumas pessoas ainda não perceberam. Existe uma gigantesca parcela desses compradores que sequer usa os bonequinhos para jogar no Wii U, tampouco no Nintendo 3DS. Como eles são fofinhos e ficam muito bem na estante, muitos os veem apenas como artefato decorativo.

É bem legal utilizar um personagem físico em um universo virtual, mas não é todo mundo que vê nisso o principal atrativo.

A Nintendo se importa com isso? Duvido. Para ela, quanto mais Amiibos vendidos, melhor. Não rola um canibalismo de mercado entre seus produtos, afinal. É só um reforço da marca e mais dinheiro em caixa. Logo, podemos entender que ela deve apostar na venda dos bonequinhos, principalmente no ávido mercado ocidental.

Ela vai focar no mercado mobile?

Imagino que sim. Em outubro de 2015, a Nintendo anunciou seu primeiro game para smartphones, chamado Miitomo (o termo “tomo” se refere a amigo, em japonês). Imagine um bichinho virtual, na pegada do Tamagotchi, mas para os Miis, avatares de jogadores e seus amigos das plataformas Wii, Wii U, 2DS e 3DS.

1495303579910269843

1495303579992957587

1495303580037598611

O game, que será gratuito, deve ser lançado em março de 2016. Mas me pergunto sinceramente se eu quero jogar isso. Você jogaria? Use a área de comentários para deixar suas expectativas.

O que eu posso dizer é que os acionistas da Nintendo não estão felizes com esse momento. Para tentar acalmar os ânimos, a empresa anunciou que o game vai trazer pelo menos um de seus principais personagens. O que podemos entender como “vai ter Mario, ou vai ter o Link, de Zelda”.

Carlos_Lerma

Se isso será o suficiente para segurar os investidores, só o tempo dirá.

Eu ainda não entendi porque é que a Nintendo não lançou um emulador para seus jogos do NES e do Super Nintendo para Android, iOS e Windows, uma vez que outros apps já fazem isso sem que um centavo vá para os cofres da empresa.

maxresdefault-10

Existia uma promessa de que, pelo menos do Game Boy, iria rolar. Inclusive em telas de aviões, além dos smartphones. Eu já fiz as minhas malas. Continuo aqui esperando, tá?

E o que vai acontecer com os consoles?

Lembro quando o saudoso Satoru Iwata anunciou que teremos um novo videogame da Nintendo este ano. Seu codinome, por enquanto, é NX. Ao que tudo indica, ele será completamente diferente do Wii e Wii U, inclusive na usabilidade.

Nintendo_NX_700

O atual presidente, Tatsumi Kimishima, disse o seguinte em entrevista à revista Time: “Se olharmos para o início da nossa conversa hoje, nós falamos sobre a transição do Wii para o Wii U e na dificuldade que foi explicar aos consumidores o que era diferente e inédito sobre o novo hardware. Foi difícil convencê-los a mudar da sua plataforma atual para a próxima.”

nintendo-tatsumi-kimishima-457_1

O que sabemos hoje é que kits de desenvolvimento já foram enviados para diferentes estúdios e produtoras de games do mundo todo. Além disso, rumores indicam que o novo equipamento terá uma base fixa e outra móvel e as expectativas comerciais apontam que o NX chegue a um número entre 10 e 12 milhões de unidades vendidas este ano.

Nunca duvide da Nintendo

Se tem uma coisa que esta empresa demonstrou ao longo de sua existência é a capacidade de se renovar e de criar conceitos completamente diferentes. Quando o Wii foi lançado, foi um fenômeno de vendas e críticas.

Sei que este mesmo sucesso não se repetiu com o Wii U. Mas, a exemplo do que já aconteceu no passado, essa não vai ser a primeira e nem a última vez que a Nintendo sai de uma situação desfavorável para liderar o mercado. Assim espero, no sentido de ter esperança mesmo.

Mas o que vocês acham? Seria a Nintendo capaz de voltar aos holofotes do mundo dos games? Ou daqui, é ladeira abaixo?

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

LuizF

ERROOOU

Temple Run 2

Great! Thanks for sharing the information.
Subway Surfers | Temple Run 2 | Run 3 | Click Jogos

Caio Dias
Estou digitando com os pés, pq com as mãos, estou aplaudindo.
jonathanalis
1- Jogos thirds e da sony e MS geralmente não são evergreen, eles tem um grande pico de vendas no lançamento, e depois caem no esquecimento. Jogos nintendo são evergreen, eles continuam vendendo relativamente bem depois de meses ou ano de lançamento. Por isso que ainda faz sentido pra eles deixar o preço de lançamento. 2- Bem, a vantagem de não ter é que o online é grátis, e isso é uma vantagem em relação aos concorrentes. 3- Bem, as thirds vieram pro wii U no começo. Mas as vendas foram tão baixas que não compensou mais. A proposta inicial do wii U era ser third party friendly(arquitetura igual a do xbox 360 e talz), mas os jogadores que compram jogos third já tinham seus ps3 e xboxes, e nao compensava comprar um novo console pra jogar os mesmos jogos. E como ngm compra jogo third no wii U, as produtoras pararam de fazer. Digo mais, mesmo que a nitnedo venha com todos os thids no próximo console, não vai fazer diferença, pois o público que joga third já tá no ps4 ou one.
Lesphirou

Eu li o artigo todo e se você tivesse uma capacidade de interpretação melhor, teria percebido que eu não critiquei o restante do seu texto, e apenas essa frase infeliz que é sim uma falácia de críticos da Nintendo.

Lesphirou Fronkborsten
Eu li o artigo todo e se você tivesse uma capacidade de interpretação melhor, teria percebido que eu não critiquei o restante do seu texto, e apenas essa frase infeliz que é sim uma falácia de críticos da Nintendo.
Lesphirou

Cara, isso é um gênero específico. Nem todos os jogos precisam ter "narrativas bem elaboradas". Conceitos complexos? Conceitos de que? De gameplay que não é, certo? Porque de todos que você citou aí, nenhum tem essa complexidade. A Nintendo é uma empresa que claramente aposta mais em gameplay do que qualquer outra coisa. Mas mesmo assim ainda possui jogos com narrativas menos simples que as dos jogos do Mario, por exemplo, como em Xenoblade, Metroid e Zelda.

Lesphirou Fronkborsten
Cara, isso é um gênero específico. Nem todos os jogos precisam ter "narrativas bem elaboradas". Conceitos complexos? Conceitos de que? De gameplay que não é, certo? Porque de todos que você citou aí, nenhum tem essa complexidade. A Nintendo é uma empresa que claramente aposta mais em gameplay do que qualquer outra coisa. Mas mesmo assim ainda possui jogos com narrativas menos simples que as dos jogos do Mario, por exemplo, como em Xenoblade, Metroid e Zelda.
PRStacker
Cheguei atrasado, só list esse post hoje, mas não vou deixar de comentar. Pra mim, o negocio é o seguinte: A Nintendo precisa primeiramente de um hardware pra bater de frente com os concorrentes. Não estou falando da valorização absurda de gráficos que alguns fazem, mas de enfrentar de igual pra igual (em termos de potencia) a Sony e Microsoft. Com isso, ela poderia voltar a ter parceria com as Third Parties do mundo afora, que não teriam maiores dificuldades em lançar seus "blockbusters" no console da Nintendo. Não adianta, no mercado de hj, as empresas de games necessitam dos GTA's da vida, dos Call of Duty's, Assassin's Creed, FIFA, etc. Evidentemente, junto a maior potencia, ela necessitaria de controles do tipo "normais". Esses controles por movimentos, controles tipo tablet, convenhamos, são uma porcaria e dificultam nos ports dos jogos "padrão" da atualidade. O melhor design de controles da historia foi criado pela Nintendo, que é o controle do SNES, que serviu de inspiração (pra dizer o mínimo, hehehe) pra Sony criar o controle do Playstation, cuja base se mantêm até hj no PS4. Em time que tá ganhando não se mexe (ou melhor, se mexe com cuidado), e a Sony sabe disso... E mais: A Nintendo deveria desenvolver sua rede online de modo a ficar pelo menos no nível das concorrentes. Isso também é essencial no mercado atual. Todas as features que os concorrentes tenham, a Nintendo também deveria ter, tipo: Tocador de Bluray no aparelho, suporte a aplicativos no console (tipo Netflix, Youtube, etc). Antes de virar um jogo, vc precisa primeiro empatá-lo, e acredito que com essas simples medidas a Nintendo poderia começar a igualar o jogo com as concorrentes. De cara, essas mudanças impactariam positivamente na imagem e no faturamento da companhia, e a mesma poderia continuar trabalhando com mais tranquilidade e sendo sempre super inovadora nos seus títulos proprietários (Mario, Zelda, etc) Uma outra questão que considero importante é com relação ao nome do novo console. Acho fundamental que o mesmo tenha um nome de peso... É meio difícil pra mim explicar isso mas... O nome do novo console deve ser também uma demonstração de FORÇA. Por exemplo, lembro que há 3/4 anos atrás, quando vi que o novo console da Nintendo se chamaria Wii U e que teria a potencia gráfica de um PS3/360... Fiquei muito desapontado! Repito, não acho gráficos a coisa mais importante do mundo, mas um aparelho que chega com potencia similar a de rivais com cerca de 6 anos de mercado... Qual imagem esse "novo" console passa? De força ou fraqueza? Desde o Nintendo 64, a Nintendo não lança um videogame com nome de "impacto" e "força". Esses últimos nomes então (Wii, Wii U) são uma merda e convenhamos que hoje só um nome causaria o impacto que todos esperamos: SUPER NINTENDO 2!!!! É isso mesmo que vcs leram, com direito a retrocompatibilidade, remakes de clássicos em HD (igual os concorrentes fazem) mais tudo o que escrevi acima e muito mais coisas revolucionárias que eu não consegui imaginar aqui rsrs. Imagine vc vendo um teaser de um novo console da Nintendo e, no final do vídeo, o nome Super Nintendo surge na tela... Eu não sei vcs, mas eu acho que infartaria na hora de emoção... Com o enorme sucesso do 1° Playstation o que a Sony fez? Mudou o nome do seu console? Claro que não, o manteve e assim o mundo conheceu o videogame de maior sucesso até hj: O Playstation 2! E a Microsoft, mudou o nome do seu console? Por isso digo: A Nintendo deveria resgatar o Super Nintendo. O mundo AMA o Super Nintendo e tenho certeza que todos adorariam seu “retorno”.
jonathanalis
Mas e a promessa de vender várias milhões de unidades do nx no lançamento? se falaram isso, é pq vai ter um hardware, nao?
jonathanalis
por isso foi atrás da DeNa pra fazer o serviço pra eles.
jonathanalis
O que vende mais não é o que gera mais lucro... a época do wii, ela lucrou como nunca, foi a melhor época. Hoje apenas lucra normal. isso devido mais a venda de jogos do que de amiibo. (pois o lucro de jogos é bem maior)
johnnywell
O problema é que a Nintendo não manja nada de rede.
André Luís Lopes
Eu me considero jogador casual. Tenho um console da geração passada, mas mesmo esse foi pouquíssimo utilizado, reconheço. A maioria das vezes que jogo (são poucas mesmo), acabo jogando algo antigo em emuladores (geralmente algum Mario). Ou seja, no meu caso, não vejo muita vantagem em ter um console da geração atual. Seria somente mais um caso de gadget adquirido sem ponderar muito sobre sua utilidade e abandonado sem muito uso logo em seguida. Sinceramente, o único motivo que me faria adquirir um outro console seria um outro console da Nintendo. Estou acompanhando as notícias sobre o NX, aguardando ansiosamente por maiores informações. O que sempre me atraiu na Nintendo nunca foram as especificações de hardware, pois realmente nunca foram as melhores, mas sim os jogos exclusivos. Os personagens sempre foram bem pensados, a história sempre foi boa e os jogos sempre foram divertidos, o que é o principal para mim em jogos, já que não vejo muito sentido em jogar algo que não seja divertido. Eu sinceramente tenho pensado bastante em adquirir um WiiU ultimamente e só não o fiz porque estou aguardando por maiores notícias sobre o NX, já que não seria muito inteligente comprar um console agora quando o novo console que irá substituí-lo está logo a frente batendo na porta. No pior caso, se o NX não for á essas coisas (bate na madeira), ao menos tenho a esperança de, com o console novo no mercado, o preço do WiiU diminuir um pouco, pois ainda tenho vontade de jogar os jogos exclusivos que existem para ele.
Felipe Fernandes
Sobrevive a base de Pokémon e Mario, esse segundo menos que o primeiro.
Exibir mais comentários