Está enganado quem pensa que a luta contra a pirataria havia esfriado: um grupo de produtoras de conteúdo audiovisual formulou uma proposta para o Ministério da Justiça que estabelece a criação de mecanismo de bloqueio de sites com conteúdo ilegal no Brasil.

pirataria

Você disse… torrent?

Como aponta a coluna Radar Online, da revista Veja, sete associações estão envolvidas na proposta, incluindo a Motion Picture Association (MPAA), entidade que representa grandes produtores, como Disney, Fox, Sony, NBC, Universal e Viacom.

O problema é que isso fere o Marco Civil da Internet, que garante ao internauta o direito ao livre acesso a qualquer tipo de informação disponível na rede. Atualmente, a suspensão de acesso a conteúdos ilegais é feita por meio de um requerimento ao próprio site, enquanto o modelo proposto quer que esses sites tenham acesso bloqueado em território brasileiro.

De acordo com a proposta, as entidades alegam que países como Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, México, Portugal e Reino Unido já adotam medidas de combate a pirataria online. Resta saber se o Congresso aprovaria uma emenda constitucional que quebrasse uma das principais questões do Marco Civil da Internet.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Allan Duarte

Retire impostos torne acessível as coisas aqui... Eu não compro coisas pirata porque sou sacana eu compro pois não é cabível o preço dos produtos originais.

Éd Fons
Salário Mínimo no Brasil: R$ 880,00 Valor do Office 365: R$ 239,00 por ano, R$ 24,00 por mês! Hum hum!
Kléber Soulfallen
Não, não, enquanto não ouver limite em tráfego de internet, pq com esses planos de dados limitados (franquias) na internet fixa.... O resto você já sabe.
Kléber Soulfallen
Errrooooouuu!
Blogdobatista
Quando haver paz no mundo, a pirataria na internet vai acabar. Sabe quando isso vai acontecer, NUUUUUUUUUUUUNCA!!!!
Blogdobatista
É só baixar o preço do BlueRay que eu paro de baixar filmes da internet Blu Ray os mercenários 3 44,90, fala sério! baixo mesmo!!!! Tô nem aí!
Tiago Celestino
Se estão aplicando em outros países, pode ser aplicado aqui no Brasil. Olha o pensamento dessa galera "das antigas".
Jonas Rafael Rossatto
Sad but true
Tales Cembraneli Dantas
Concordo contigo cara, roubar é tirar algo de alguém, o que não é o caso, tudo o que pode ser compartilhado, copiado e duplicado sem nenhum ônus não deveria ser considerado crime (no meu modo de ver, não é) Musicos já ganham um valor justo de seu trabalho nos shows e os filmes nos cinemas e TV... Na minha opinião injusto é uma pessoa "lucrar" 30 anos depois com uma musica que ele escreveu lá nos anos 80 por exemplo... o trabalho do cara já foi muito bem recompensado e este pagamento não deveria ser "eterno"...
Elton Alves Do Nascimento
Basicamente quem perde $$$ que odiou. Essa cultura de protecionismo no nosso País tem que acabar, mas vai demorar ainda.
G. Croft
Surge algo contra ele justamente pq dá "direito demais pra sociedade". Certos grupos odiaram a neutralidade estipulada por lei e os princípios de privacidade estabelecidos.
G. Croft
O MCI não foi a base pra bloquear o WhatsApp. Ele proíbe esse tipo de ação. A juíza que determinou o bloqueio deturpou o MCI do jeito que quis e por isso sua decisão caiu logo em seguida.
Marcos Guilherme
E se eu pago Banda Larga Fixa para baixar via torrent, não estaria pagando de qualquer forma o conteúdo disponível na internet? Mesmo que não seja os produtores do conteúdo no site na qual fiz o down? Isso quer dizer que sou pirata também? Assim como o site que disponibilizou? Acho que não, se o dinheiro não vai para os reais produtores isso já não é culpa minha, mesmo que tenha baixado o conteúdo, uma vez que pago pra ter o acesso a qualquer conteúdo disponível na internet.
Antony
uashaushuahsau
Firmino Gomes
Quem "compra" pirataria, não é o cliente usual das grandes corporações. Ou seja. o tiozinho que compra o dvd pirata de 2 contos, nunca seria um cliente potencial de uma loja que vende o mesmo dvd/blu-ray original por 60 reais. O carinha que baixa o joguinho pirata, ou o filme pelo torrent, é o carinha que mora logo alí, que tem a grana contada pra ir de ônibus pro colégio, e vez ou outra merendar. Esse carinha, também não é um cliente alvo, ou usual das produtoras de grande porte e etc... Em resumo, a empresa X que produziu o jogo Y, que vendeu milhões de cópias no dia da estréia, faturou milhões de milhões. Essa mesma empresa pode sim, até ter perdido 5 a 10% da clientela para a pirataria, porém, daqueles caras que baixaram o pirata, 95% não comprariam o jogo independente de ter ou não o pirata, ou pq não tem condições financeiras (vulgo preços no brasil), ou pq simplesmente não são clientes fieis desse conteúdo. e os 5% que realmente podem comprar tal produto, ao verem a merda que fica um produto com crack, sem multiplayer, ou sem o conteúdo extra de gravação no caso de filmes, acaba que por fim, se rendendo e comprando o original de qualquer forma. A pirataria, pelo menos para países emergentes, é a única forma de "facilitar" o acesso a informação e cultura que as autoridades teimam em restringir a nós, reles mortais com impostos abusivos. (agamenonam.wordpress.com)
Exibir mais comentários