Início » Computador » Fim próximo da Lei de Moore faz Intel mudar ciclo de atualização de processadores

Fim próximo da Lei de Moore faz Intel mudar ciclo de atualização de processadores

A companhia abandonou de vez o ciclo "tick-tock"

Emerson Alecrim Por

Intel - Wafer

Se você se mantém informado sobre o segmento de processadores, mesmo sem se apegar aos detalhes, provavelmente já ouviu falar do “tick-tock”, um ciclo de atualizações de chips que vem ajudando a Intel a se manter na liderança do mercado. Ou pelo menos ajudava: nesta semana, a companhia confirmou que essa estratégia vai ser abandonada de vez. Esse é mais um indício de que a famigerada Lei de Moore está perto do limite.

A tal da Lei de Moore

Essa denominação, Lei de Moore, não é muito descritiva. Não estamos falando de uma lei, de fato, ou de um regimento que deve ser seguido pelo mercado. A expressão simplesmente faz referência a um artigo “profético” publicado na Electronics Magazine em 1965 por Gordon E. Moore, um dos fundadores da Intel.

No texto, Moore afirma que, por conta da miniaturização, a proporção de transistores colocados nos chips dobraria anualmente por pelo menos dez anos sem que os custos de produção aumentassem. Em 1975, essa previsão foi atualizada: o número de transistores passaria a dobrar a cada 24 meses.

Fala-se que um pouco mais tarde, David House, outro importante executivo Intel, previu que o desempenho dos processadores dobraria a cada 18 meses. Como a performance tem íntima relação com o número de transistores, a declaração acabou sendo associada à Lei de Moore, fazendo muita gente interpretar o ciclo como tendo entre 18 e 24 meses.

Gordon E. Moore

Gordon E. Moore

Mesmo que não sendo totalmente precisa, a Lei de Moore acabou, de certa forma, servindo de norte para a Intel e outras companhias do ramo. Por várias décadas, o ciclo de atualização dos processadores da marca realmente trouxe transistores e desempenho em dobro (ou perto disso) dentro do período previsto.

Só que a Lei de Moore não é eterna: estamos cada vez mais próximos do momento em que será fisicamente inviável (para não dizer impossível) miniaturizar os componentes dos chips. O declínio da “profecia” já vem sendo sentido há algum tempo, na verdade: os processadores continuaram evoluindo consideravelmente nos últimos anos, mas não dá para afirmar categoricamente que os custos se mantiveram no mesmo patamar. A decisão da Intel de não manter mais a estratégia tick-tock é só outro sintoma.

Tick-tock

A estratégia tick-tock funciona (ou funcionava) assim: a Intel implementa uma nova tecnologia de miniaturização — essa é a fase tick; na geração seguinte de chips, a companhia combina esse processo de fabricação com uma nova arquitetura — essa é a fase tock.

Para facilitar a compreensão, tomemos como exemplo os processadores Broadwell, que foram lançados em 2014. Esses chips foram os primeiros da Intel com tecnologia de miniaturização de 14 nanômetros. Já em 2015, a Intel trouxe os primeiros processadores Skylake, que continuam tendo 14 nanômetros, mas possuem como base uma nova arquitetura. Os chips Broadwell são, portanto, tick, enquanto que as unidades Skylake são tock.

Intel "tick-tock"

Intel “tick-tock”

Esse modelo funcionou bem nos últimos anos. A Intel conseguiu manter um ciclo de atualizações que variou entre 12 e 18 meses. Mas a transição para a tecnologia de 14 nanômetros foi mais desafiadora do que os engenheiros da companhia esperavam. Os sinais que indicavam que o ciclo estava prestes a quebrar começaram a aparecer.

Mas o primeiro indício se manifestou mesmo em 2015: se a estratégia tick-tock fosse mantida, a linha de processadores a ser lançada em 2016 seria tick, ou seja, deveria contar com tecnologia de 10 nanômetros. Porém, em meados do ano passado, a Intel revelou que essas unidades, batizadas como Kaby Lake, continuarão tendo 14 nanômetros. Chips com 10 nanômetros (codinome Cannonlake) deverão aparecer, mas somente no segundo semestre de 2017.

Processo-Arquitetura-Otimização

Só agora, em um relatório anual recém-liberado (PDF), é que Intel confirmou que a estratégia tick-tock está sendo mesmo deixada de lado. Em seu lugar entrará um ciclo de três fases que a companhia batizou como PAO, sigla para “Processo-Arquitetura-Otimização”. Na prática, a nova estratégia fará a tecnologia de 14 nanômetros (e, na sequência, a de 10 nanômetros) ser usada por mais tempo:

“Esperamos aumentar o intervalo de tempo que passaremos usando a atual geração de 14 nanômetros, assim como as tecnologias de 10 nanômetros da próxima geração, otimizando ainda mais os nossos produtos e tecnologias de processos para atender à demanda anual de lançamentos do mercado”, diz um trecho do relatório.

Intel PAO

Não há dúvidas de que essa mudança de planos é efeito da dificuldade de implementação de novos níveis de miniaturização. Caso o modelo tick-tock fosse sustentado, poderíamos esperar para 2018 ou 2019 os primeiros chips com 7 nanômetros. Mas se já está difícil para a Intel chegar em 10 nanômetros…

Provavelmente, a dificuldade primária está nos limites próprios do tratamento do silício, mas há vários outros aspectos relacionados. É necessário, por exemplo, que haja maquinário específico para produção de chips em cada nível de miniaturização. Esses equipamentos são fornecidos por companhias como ASML, que também precisam de tempo para se adaptar tecnologicamente às novas demandas.

Parece ser mesmo o começo do fim da Lei de Moore. Porém, note que essa não é a descrição de um cenário apocalíptico ou qualquer coisa tão dramática quanto: a indústria tomará novos rumos. A IBM, por exemplo, já tem feito pesquisas com processadores de 7 nanômetros e, mais do que isso, está focada em tecnologias sucessoras. Uma delas prevê a criação de chips com nanotubos de carbonos. O material pode resultar no desenvolvimento de transistores menores que os de silício.

Quanto à Intel, bom, a companhia não é de dar detalhes sobre futuras tecnologias para seus processadores, por isso ainda não temos informações precisas sobre o assunto. Mas, convenhamos, seria ilógico a empresa não seguir por caminhos semelhantes.

Com informações: AnandTech

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Lucas Avelino Souza
Ótima matéria, acredito que com a vindoura concorrência entre AMD e Intel, em breve teremos arquiteturas diferentes de processadores.
Lucas Avelino Souza
Acredito que em breve veremos chips de 10 nanômetros no mercado. Se a Intel não consegue dobrar o tamanho, outras irão.
Deilan Nunes

E que nem o Windows phone... A MS tem cabide pra má ter o sistema vivo pro muito tempo... Vai dar certo algum dia? Veremos... Mas acho que a Intel vai morrer junta com a indústria de computadores se não se atualizar e começar a lançar arms

Cristiano Hahn

Mas poderia ser resolvido com multi processador, 2 ou 4 em cada processador exemplo, usando cada um para um processamento distinto!

Pedro Mazuco

Processadores maiores teriam dois problemas:

1- Ele consumiria mais energia, esquentaria mais e consumiria ainda mais energia para mante-lo resfriado. Em outras palavras, o consumo de energia cresceria insustentavelmente.

2- A partir de um determinado tamanho, passaria a demorar muito tempo para partes distantes do chip se comunicarem. Elétrons são muito rápidos, mas chips de silício possuem milhões, bilhões de caminhos a serem percorridos por esses elétrons e, sem que haja tempo o suficiente para que os mesmos percorram todo o chip em cada clock, os mesmos simplesmente não funcionariam, a não ser que você reduzisse a frequência do chip. Logo um aumento do tamanho do chip viria as custas também da velocidade (menor frequência) do mesmo.

Leandro Jorge Junges

Para mim isso e

Edmilson_Junior

Dúvida: Oque impede de criar processadores "maiores"? não digo a peça toda mas o aproveitamento da parte superior dos contatos. Seria a emissão de calor? largura de banda dos pinos?

Trovalds

A Intel tem cacife pra manter o x86 vivo por muito tempo ainda. Vide os smartphones com chips Intel. O problema é a contrapartida do lado dos desenvolvedores.

Trovalds

O problema é a barreira física imposta na miniaturização. Se não houver mudança de materiais, não tem como diminuir mais. Já fizeram milagres com a tecnologia atual, mas chega uma hora que o limite se esgota.

Deilan Nunes
So digo uma coisa... Lance processadores ARM ou morra Intel...
Caleb Enyawbruce

Acho que a Intel ta certa. Uma empresa deste tamanho, com este potencial e com tantos profissionais de altíssimo nível nao pode se limitar por esse tipo de coisa. É uma evolução.

Ramon Gonzalez
Acho que a Intel ta certa. Uma empresa deste tamanho, com este potencial e com tantos profissionais de altíssimo nível nao pode se limitar por esse tipo de coisa. É uma evolução.