Início » Negócios » Xiaomi pode desistir do Brasil ainda este ano

Xiaomi pode desistir do Brasil ainda este ano

Vendas de smartphones não decolaram. Oficialmente, Xiaomi nega que pensa em sair do país.

Por
1 ano atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Não está sendo fácil para os chineses que apostaram no Brasil para impulsionar seus negócios. Uma fonte próxima à Xiaomi declarou ao Manual do Usuário que a empresa considera fortemente desistir do mercado brasileiro nos próximos meses. Com vendas baixas, a fabricante teria até interrompido a produção de smartphones no país. Oficialmente, a Xiaomi nega as informações.

xiaomi-mi5-2

O principal motivo da saída é a incompatibilidade da estratégia chinesa com o mercado brasileiro. Já explicamos como a empresa faz para vender barato: ela calcula quanto os componentes se desvalorizariam com o tempo e joga um preço baixo logo no lançamento, com margem de lucro muito apertada. É necessário, portanto, que as vendas sejam altas, o que não vem acontecendo: a estimativa é que a empresa comercialize apenas 10 mil smartphones por mês, pouco perto dos 3,9 milhões de unidades por mês da indústria brasileira.

Estratégia de vendas falhou?

A venda dos produtos da Xiaomi começou exclusivamente online, para cortar a taxa de 30% do varejo brasileiro. Além disso, eles gastam pouquíssimo com marketing e confiam no alcance orgânico de suas redes sociais, principalmente no engajamento dos chamados Mi Fãs, para fazer propaganda. Hugo Barra disse ao Tecnoblog que a base era pequena, mas muito mais engajada que a de qualquer outra marca.

No quinto andar do Shopping Vila Olímpia, onde aconteceu o primeiro evento da Xiaomi, grandes filas eram formadas em frente ao teatro.

No quinto andar do Shopping Vila Olímpia, onde aconteceu o primeiro evento da Xiaomi, grandes filas eram formadas em frente ao teatro.

De qualquer forma, a fabricante não empolgou. Como aponta o Manual do Usuário, a venda direta pela internet ainda é vista com desconfiança pelo brasileiro. Além disso, existe o estigma da fabricante ser chinesa e do aparelho ser muito barato, o que pode deixar alguns consumidores com o pé atrás. O pagamento limitado ao cartão de crédito, no início, também piorava a situação, uma vez que muitos brasileiros preferem o velho boleto bancário.

Sem contar que essa estratégia de vendas online também enfrentou alguns problemas, como erros no site e instabilidades, que irritaram consumidores e sujaram a imagem da empresa. Depois de alguns meses, a Xiaomi cedeu e sua parceria com a Vivo, além da B2W, fez com que pontos de venda fossem acionados no varejo. Com isso, veio o investimento em propaganda fora das redes sociais, o que é raro para a empresa.

Com os resultados decepcionantes, a fábrica da Foxconn em Jundiaí (SP), que atende várias empresas, não produz mais os aparelhos da Xiaomi, segundo o Manual do Usuário. A empresa tem estoques lotados e alguns de seus funcionários já procuram recolocação no mercado. A importação não é uma saída viável, uma vez que o preço subiria consideravelmente.

Irregularidades na Mi Power Bank

xiaomi-redmi-2-abre

Nos últimos meses, quem tentou comprar uma Mi Power Bank, bateria externa da Xiaomi, não conseguiu achar um botão de compra. A fabricante perdeu o direito de vender o produto no Brasil, uma vez que sua homologação está suspensa na Anatel. A agência constatou que os testes internos resultaram em vazamentos e explosões, segundo o veículo.

Além disso, a Xiaomi estaria enfrentando um processo na Receita Federal por classificar incorretamente a bateria no processo de importação, o que se converteu em uma multa elevada para a empresa. Os processos são sigilosos e não há meios oficiais de confirmar essa irregularidade.

Por fim, a fabricante ainda não tem perspectiva de retomar a produção local num futuro próximo, já que parou de comprar memórias e não entrega mais planejamentos sobre a linha de montagem para a Foxconn. De certo, a pequena vida da Xiaomi foi muito conturbada no país, tanto por problemas internos quanto externos, que parecem ter desestimulado a fabricante (e os consumidores) de seguir com a aposta chinesa.

hugo-barra-mi-4

Manual do Usuário diz que o prazo para a tomada da decisão de permanecer ou não no país está bem próximo. Se a fabricante deixar o país, haverá queima de estoque e perderemos mais uma empresa estrangeira que não conseguiu se adaptar ao difícil mercado brasileiro. Durante os próximos meses, saberemos se a empresa vai resistir.

Oficialmente, a Xiaomi nega que pensa em sair do Brasil. Em nota, a empresa diz estar “expandindo os canais através dos quais vendemos nossos produtos, vide as parcerias com Walmart, CNOVA, Webfones”. O próximo produto da fabricante não seria necessariamente produzido no país, porque “os incentivos fiscais oferecidos no Brasil para a produção local ainda estão em discussão”.

Atualização às 15h13.

A Xiaomi enviou nota à imprensa na tarde desta sexta-feira (6) para negar as informações. Segundo a empresa, o Mi Power Bank “jamais apresentou qualquer falha em testes como as levianamente alegadas e tampouco a Xiaomi foi multada por quaisquer irregularidades”. Com relação à suspensão da homologação, a Xiaomi diz que não renovou a licença porque “o modelo inicialmente importado do Mi Power Bank se esgotou e, uma vez que já foi descontinuado do portfólio mundial, não será mais vendido no Brasil”.

Mais sobre:
  • BillyTheKid

    É uma pena, pois comprei um Redmi 2 pra minha mãe logo no lançamento e valeu muito a pena pelo preço de R$500. Acho que ainda hoje é uma das melhores opções nessa faixa de preço.

  • Se eles saírem mesmo é por pura incompetência. Como eles vem pro Brasil e no lançamento trazem apenas aquela bombinha de 1 GB de RAM? Eu estava precisando de um smartphone e esperei 2 MESES pelo evento da Xiaomi, sonhando que ela fosse trazer pelo menos o Mi 4, ou Mi note, e vieram de Redmi 2… Decepção total. Se não vende é porque os usuários que conhecem a marca são os que acompanham sites de tecnologia, e querem algo do intermediário pro High-end. E até que vende, pra mãe, pai, tio, papagaio, irmãozinho, mas ainda assim não é suficiente. Tragam o Mi 5 por até 2.299, que a gente faz as pazes.

    • DiveTechno

      Foi isso mesmo cara eu também pensei que eles chegariam com o top e vieram com mais um intermediário com um bom custo beneficio.

    • Fredson

      Eu também fiquei na espectativa do Mi 4, e me decepcionei com apenas o feio Redmi 2 chegando em terras tupiniquins.

    • Fábio

      Exatamente.
      Sem falar que a marca ainda era bem desconhecida da maioria dos brasileiros, e vendendo apenas on line, logicamente que ninguém iria arriscar.
      Somado a falta de um marketing agressivo e da venda de bons dispostivos, o resultado só poderia ser o fracasso mesmo.
      Além de não ofertarem uma boa rede de assistência técnica

    • Anderson Villaça

      Não é por pura incompetência não! Pode ter incompetência também, mas o mercado brasileiro está uma merda pra qualquer empresa que não seja a Apple e a Samsung. Várias empresas importantes já saíram do país nos últimos anos. Estamos voltando no tempo, nos fechando cada dia mais para o mundo globalizado.
      Duvido que ela venderia muito se tivesse lançado Mi 4, Mi 4, Mi Note, etc.

      • Luiz Felipe

        Anderson venderia sim, eu mesmo trocaria minha frigideira z3 é se arriscaria em um mi4 ou um mi5 sem problemas.

      • Mickael Fernandes

        Estou querendo comprar no fim do ano um G5 ou um S7, se não der por causa do preço – pois me recuso a pagar certos valores – vou de Zenfone. Trocaria-os pela Xiaomi fácil, mas não pelo Redmi Pro2 que, aliás, o Lenovo K5 me parece superior no momento.

        • Bruno Nóbrega

          O Lenovo K5 que não tem nem proteção na tela? Que está com a câmera com péssima estabilização da gravação do vídeo? Procura no youtube o canal do LinuxBRS que fez o teste do aparelho e depois o vendeu, sendo que o cara acabou de comprar o aparelho e na primeira queda trincou o vidro, acho que o Lenovo K5 é um aparelho bonito e apressado da Lenovo, não foi bem feito, de modo que, mesmo com configurações parrudas, não entrega uma experiência satisfatória para o que oferece.

          • Mickael Fernandes

            Queda? Desculpe-me, isso não é comparativo para mim, amigo. Talvez se competissem com o X Force eu ponderaria – lembrando que isso é única e exclusivamente minha opinião.

            De resto, o que concordo contigo é a respeito do desempenho, á que vi vários relatos de engasgos, o que acho estranho pela configuração e por ter 2gb de ram. Mas também vi vários outros relatos elogiando. Amigos meus começaram comprar o aparelho agora e são só elogios, pegarei um para testar em breve.

            Quanto à câmera, não vi problema em lugar nenhum. Se tiver alguma fonte eu agradeceria, além desse canal.

            Enfim, qual recomendaria?

        • Felipe Silva

          Aquele com uma péssima velocidade de escrita na memória interna que perde pra muito cartão de memoria meia boca?

          Capaz do redmi 2 pro ganhar no desempenho em uso cotidiano.

          Da uma lida no review do tecnoblog desse K5
          “Lenovo Vibe K5: quando os números enganam”

          • Mickael Fernandes

            Já li.

    • Brasileiro é um povo trouxa e burro, bastava eles colocarem qualquer modelo por R$ 4.000 que iriam vender que nem água, porque pro brasileiro mediano, quanto mais caro em teoria é melhor, vide o iPhone, que pagam caro por pouco hardware.

    • Deilan Nunes

      Burocracia no Brasil contribui muito pra ela pensar em sair… Seria bem melhor ela fabricar tudo na China e importar pra ca

      • Tiago Celestino

        Acho que nem é tanto a burocracia, até porque outras empresas estão estão aqui. O que faltou mesmo é competência e criatividade no marketing. Tentaram fazer o que fazem na China, se ferraram.

        • Deilan Nunes

          Mas se não tivesse tanto imposto para importação, e essas viadagem da anatel… Ela poderia ter trago mais aparelhos para cá e até a preços melhores

          • Tiago Celestino

            Continuo achando que eles tentaram fazer algo que fizeram na China e que aqui nunca ia dar certo.

    • Burnerman_X

      Bem dito. Veio pro Brasil e só lançou UM modelo mediano ainda por cima, pra poucos meses depois sair uma nova versão deste mesmo modelo que deveria ter sido a versão lançada desde sempre (com 2gb de ram).
      Nunca falaram em trazer outro modelo, muito menos os melhores modelos como o Mi ou o Redmi Note que era o que o REAL público alvo realmente queria, os que conheciam a fabricante pelos seus aparelhos high-end de bons preços.
      Preferiram lançar o Redmi 2 mirando no povão que nunca ouviu falar na marca Xiaomi na vida e que logo iria rejeitar por ser uma marca chinesa que ninguém conhece.

      Fizeram tudo errado.

    • Raphael

      Mesma coisa aconteceu comigo. Fiquei na expectativa de vir algo high-end, não veio, esperei um tempinho e comprei um LG G2.

  • Paulo #

    Que pena… gosto do Redmi Pro e já pensava num upgrade da marca.
    O jeito seria a empresa criar alguma forma de oferecer suporte as brasileiros que importam os aparelhos da China (o problema pode ser aquela proposta da Anatel de bloquear aparelhos não homologados).

  • Rennan Martini

    Lá fora já tem o Note 3, Mi5, Redmi 3 Redmi 3 Pro; aqui só comercializam o Redmi 2 e 2 Pro. Não conseguiu se adaptar porque estamos de olho nas tendências e esses smartphones atuais já estão fora de interesse. É simples, tragam novos modelos que compramos.

    • Isso que ela vende aqui é lixo eletrônico, os TOPs de linha ela deixa lá pelas bandas da Ásia. Hugo Barra pensa que brasileiro é otário e ele está certo.

      • Blind

        mi5 na india, redmi note 3 foi vendido lá tem uns 4 meses no máximo.

        Basta olhar para os mercados fora da china pra saber em como eles vão agir aqui, pois a estratégia é a mesma.

  • Outro fator que corroborou para isso foi o fato da Xiaomi só mandar o lixo eletrônico pra cá. Os aparelhos da linha PRO demoraram a chegar e alguns nunca nem deram as caras. Com certeza ela jogou pra cá só aquilo que já não tinha mais saída no mercado asiático.

    Isso sem contar com aquela SKIN horrenda, que conseguia ser mais poluída que a TouchWiz e a skin da Asus juntas. Soma-se a tudo isso 1Gb de ram e não tem Android que aguente.

    TCHAU QUERIDA!

    • Gertrudes, a Lhama

      Discordo da interface, a MiUI é extremamente modificada mas consegue ser bem limpa. Eu tinha um Nexus 4 e escolhia usar a MiUI ao invés do Android Puro todo poderoso, me julgue

      • Guaip

        Pois é. Eu não tenho um, mas pelo que vi e usei, a interface pode ser tudo, menos poluída.

      • Achei muito infantil, colorida demais. Se preocupa mais em imitar a Apple do que melhorar sua UI.

      • Comediante

        Nos foruns do XDA para qualquer aparelho o que mais se vê é pedido de PORT da MiUI. Não há porque julgar ninguém por querer usá-la.

      • Anakin

        estou te julgando muito, alias quero muito que seu smart trave agora. rs
        mas falando sério, a MiUI é boa, mas melhor que o android puro? ai não dá pra te defender. rs

    • Rubens Mello

      Skin?
      O sistema é totalmente modificado, não é só uma skin… e é o que mais gosto nos aparelhos da Xiaomi, a MIUI é a única modificação do android que realmente funciona.

      • Blind

        Exato, é um ECOSISTEMA inteiro.

    • Guilherme Borges Cunha

      Eu já testei a MIUI em aparelhos não Xiaomi e eu achei ela excelente.

    • Heitor89

      Cara, eu tenho o Redmi 2 Pro e a Miui 7 é bem leve e nunca deu uma travada sequer comigo. O ruim é que demora pra se acostumar, já que tem muitas opções de configuração. Mas estou gostando bastante até agora, a interface é bonita. A TouchWiz em qualquer aparelho com o Snap 410 se torna um lixo de tão pesada. Daí se tira que a Xiaomi é competente e a Samsung incompetente.

    • Blind

      Redmi 2 MIUI 7.1 estável rodando liso.

      Antes disso: LIXO bugado.

  • Hugo Pereira

    Eu comprei esse Mi Power Bank logo que eles começaram as vendas no Brasil. Até o momento não tive problemas, aliás o produto é muito bom.
    Espero que não exploda haha

    • Leon

      Idem! É [2]

  • Breno

    A Microsoft também não manda seus novos Lumias para nós.

    • DiveTechno

      Mas também a galera não ajuda. Lumia 950 Continuum ao invés de falar do continnum que é a maior evolução até hoje em um smart os sites de tecnologia no brasil fazem comparativos com iphone e com galaxy e tem comentário que não tem app sendo que com o novo visual studio tudo vai ser compativel. A galera nem entendeu a filosofia.

      • Anakin

        tadinha da microsoft né?

        • DiveTechno

          Não é tadinha é o povo que não entende . Tipo antes citei o smart agora cito que tem cara que quer comparar Ipad com Surface nem de longe é a mesma coisa mas fazer oque né.

          • Anakin

            não seria então falta de investimento em publicidade? afinal, ninguem conheceu o ipad do nada, a Apple bateu muito nessa tecla, iphone a mesma coisa… óbvio que hoje em dias, os produtos apple se vendem sem precisar de tanta publicidade assim, porque no passado eles investiram pesado.

          • DiveTechno

            Não é falta de publicidade não é mais falta de conhecimento em informática mesmo e um pouco de fã boy ismo rs rs rs ( esta palavra existe ?? ) . Acredito que os produtos atuais da Microsoft estão mais voltados para o publico mais técnico e profissional. O continuum é bem interessante em alguns escritórios tipo rola de desenvolver Software abrir o Visual Studio através de um Lumia 950 um DOC Continuum e um Monitor isso está bem mais avançado que qualquer outro concorrente na verdade não têm como você comparar isso com nenhuma outra fabricante. O surface é um tablet que eu conecto o teclado e o mouse e vira um notebook e posso rodar o Visual Studio e minha pele fica salva pois corrigi o código ali mesmo.

  • Thalys Dos Reis Guimarães

    Ao meu ver, erro de estratégia. Eles até têm a tal base “que é pequena, mas engajada”. Mas essa tal base é fã de tecnologia e NUNCA ia ficar contente com essa rotina estúpida de lançar aqui o lixo eletrônico que não podem descartar mais na China. Se lançassem os flagships a um preço aceitável pra um flagship no Brasil, talvez teriam uma sobrevida maior.

    • Guilherme Borges Cunha

      Exatamente, disse tudo. Eu acompanho a Xiaomi faz uns anos e minha expectativa era ver aparelhos com muito baratos para competir com aparelhos top de linha e intermediários, não aquele Redmi 2 que compete no máximo com o lixo do Galaxy Gran Prime.

  • caio.

    Quando chegaram aqui teve alguma pré-venda que vc precisava se cadastrar pra ser avisado que o sistema liberaria a loja pra quem se cadastrou mas apenas em um dia específico da semana, algo assim… terças-feiras se não me engano. Posso estar completamente enganado mas me lembro de algo parecido com isso.
    Os smartphones disponíveis aqui não me prenderam tanto a atenção pra ficar com essa frescura na pré venda. A Mi Band sim, me chamou atenção, mas nunca estava disponível… meses depois que me cadastrei pra receber email quando a pulseira chegasse, a versão 2 já estava disponível nos DX/aliexpress da vida, enquanto isso a divulgação deles aqui ficava com esse suspense.
    Não, obrigado.

  • Amarildo

    Não é estranho o desfecho da Xiamoi no Brasil, com uma estratégia desastrosa de entrar e permanecer no mercado brasileiro durante 1 ano com apenas dois produto de entrada…O que tem de gente que estava aguardando aparelhos tops da marca, ela não faz ideia…Até eu aguardava um modelo com configurações mais decentes, mas ela desastrosamente não ouviu o público. Tchau, querida!

  • abraaocaldas

    Acabei comprando Redmi Note 3 vindo de fora, porque se fosse esperar pela xiaomi aqui….

    • Renan™

      Comprou em qual site? pagou taxa de importação?

      • abraaocaldas

        Comprei no mercadolivre, tem uns com pronta entrega no brasil por R$1500 ~ R$1600

  • João Paulo Mesquita

    A Xiaomi não lança seus topo de linha por aqui. Como ela queria gerar algum buzz?

  • h1ghland3r

    Com a estratégia de venda deles é de se espantar que não tenham ido embora. Quem acompanha a Xioami quer seus mid/high end e não velharia que mandaram para cá.

    • Wes Ollie

      Olha nossa economia cara……. High xiaomi iria vender muito em zZzZzZZ

      • h1ghland3r

        Quem acompanha a Xiaomi se interessa nos Redmi 3 pra cima. Aí eles vem com velharia de Redmi 2 pra cá.
        Se tivessem lançado de início somente o Redmi 2 Pro e alguns meses após tivessem trazido aparelhos mais novos, tenho certeza que as vendas iriam aumentar ao ponto de competir com a Asus no Brasil. Mta gente baba nos aparelhos da Xiaomi, mas não compram porque não teriam garantia importando.

        • Wes Ollie

          Mas não adianta cara, a LG não trás tops pra cá, a Microsoft também não…. Não adianta, o problema não é das fabricantes e sim do nosso país.

          • h1ghland3r

            LG trás a maioria, não trouxe o V10 e o G5 será capado, mas ainda faz sua parte mesmo diminuindo a participação de mercado aqui. Microsoft é lixo de mercado no mundo mobile, sempre foi irrelevante em vendas.

          • Wes Ollie

            Pode ser irrelevante porém tinha uma opção pra quem não quer a travaçao do android e os preços ridículos dos iphones. Agora nem isso temos.

          • Wes Ollie

            E nao tenho lumia e nem sou pago pela Microsoft kkkkk

          • h1ghland3r

            Nunca usei aparelho de entrada, então esse mercado é pouco importante para mim. Talvez seja para Samsung que precisa de venda em massa grande para manter os lucros.

          • Wes Ollie

            Pra empresa tem que visar todos ué…. Vender celular de 3mil em uma país falido é igual da um tiro no pé.

          • h1ghland3r

            Por isso acho que a Xiaomi deveria ter mirado na Asus. Ela oferece para os três mercados e trás aparelhos atuais. Mas não, ela veio e ofereceu um entrada e um médio, mas ambos de linha defasada.

  • Leozeradf

    O seu insucesso, entre outras coisas, se deve muito ao fato de não ter lançado os melhores smartphones da empresa no Brasil. Eu mesmo, esperei durante um bom tempo o lançamento da linha Redmi Note. Uma pena, os seus produtos são de qualidade e faziam uma boa concorrência de preço.

  • Jayme Prado

    Acabei de comprar um Redmi 2 Pro pra minha mãe, espero que essa decisão não suspenda o cumprimento de garantia e dos direitos do consumidor por aqui.

  • Pstale

    Tenho um PRO e é excelente!!! Fica Mi <3

  • Guilherme Borges Cunha

    Faltou divulgação e tirar o preconceito dos brasileiros sobre a Xiaomi ser uma marca chinesa. E acima de tudo, falou aparelhos realmente interessantes. Eu mesmo não comprei porque Redmi 2 e Redmi 2 Pro não me interessam. Se tivesse o Redmi Note 3 aqui eu já teria comprado faz tempo.

  • Rubens Mello

    Tomara que seja apenas um rumor, já disse inúmeras vezes que só volto pro android se for pra um aparelho da Xiaomi. A organização que gosto do iOS só encontro na MIUI, mas não posso voltar pro android já que ela não traz os aparelhos high end pro Brasil.
    Enfim, vale uma mudança de estratégia, parem de trazer aparelhos defasados e apostem de verdade no Brasil! Cheguem com tudo! Tragam o Mi5 e Mi Note Pro! Venham pra competir e dominar o mercado de verdade!

  • Nicolas

    O problema foi trazer um aparelho que não tem hardware pra rodar android de uma forma satisfatória e ainda no mesmo preço do aparelho da motorola com o mesmo hardware mas que é uma marca muito mais conhecida por aqui.
    Agora trazendo a linha Note ou Mi a um preço agressivo como eles praticam em outros mercados com certeza teriam dominado o mercado nacional

    • Muriel

      Tem também o fator de que brasileiro é trouxa, prefere pagar caro porque assim ele pode falar pros outros que pagou caro.

  • Miguel Amaral

    A Xiaomi acertou ao trazer um atendimento diferenciado para os clientes. Eu nunca vi os eventos, encontros e sorteios que ela faz serem realizados em nenhuma outra marca. Fui um dos ganhadores de um Redmi2, e fui ao evento de lançamento e em outros encontros da Mi. Relacionamento nota 10.

    Porem, falharam em todo o resto. Tentaram fazer o mesmo sucesso que a Motorola fez com o Moto G de primeira geração, mas erraram ao dificultar os meios de pagamentos no início das vendas e nunca forneciam ao consumidor informações sobre retorno de estoque, novos lançamentos, etc..

    Ficaram um ano fazendo marketing para apenas um produto. Me surpreende não terem ido embora antes.

  • Panino, o Manino

    “a venda direta pela internet ainda é vista com desconfiança pelo brasileiro”
    Isso é algo que sempre me surpreende muito, é mais fácil você comprar pela internet, de casa, você encontra mais variedade em 30 minutos de pesquisa e principalmente você encontra preços menores. Mesmo assim, mesmo com todas essas vantagens a grande maioria das pessoas ainda prefere sair de casa e ir até uma loja comprar algo que eles não conhecem, ruim, e mais caro.
    Os aparelhos da Xiami são bons, pelo preço que cobram é quase imbatível, só que eles não conseguem levar os aparelhos até o consumidor, as pessoas não sabem que existem.

    • Vinícius

      Também não entendo esse comportamento

      • ditom

        Acho que isso tem a ver com a alta dispersão de modelos no mercado. As pessoas ficam com dúvida sobre como seria o aparelho “na mão” e se entregam ao vendedor de varejo ou operadora.
        Eu dou preferência à compra pela internet mas entendo perfeitamente o comportamento de quem quer ser atendido “ao vivo”.

    • Por isso que eu falo que o brasileiro é um povo burro.

  • Emanuel Schott

    Comprei uma Mi Power Bank por R$50 no Ali Express e uso numa boa.. #ChupaAnatel

    • Leon

      Como de praxe, a Anatel fodendo com tudo e com todos neste país… 🙁

      • Emanuel Schott

        Nada que uns agrado$ por parte da Xiomi não resolvesse, mas ela não deve ter aceito entrar na brincadeira.

  • #TchauQuerida
    #ByeHoney

  • Silvio Silver

    Eu não quero virar refem de Lixosungs porcos e bateriaridiculasus, muito menos de Alcatelmemoriafraca e Motobomba ou Appleenfiafaca, Microsoft eu não falo nada, porque ja não existe no Brasil, comprei um Redmi 2 pro e foi um dos melhores smartphones com Android que ja usei e se por acaso eles lançarem mais modelos aqui, compro tranquilamente denovo!

    • Heitor89

      Exatamente..o aparelho me surpreendeu, muito bem feito. Será uma pena se saírem. O problema é que brasileiro só compra Samsung, LG e motorola. Até o lixo da Asus (minha irmã teve um Zenfone 5 e sei o quanto aquilo é ruim) vende mais. Desse jeito é difícil a Xiaomi competir. Se ela tivesse vindo bem antes…

      • Russo

        Comprei um Zenfone 5 pra minha patroa pouco tempo depois que foi lançado no Brasil. Como ela não é que nerd de smartphone que nem nós daqui dos comentários, e só usa basicamente pra ligar, whatsapp, instagram e face e pra ela tá tudo bom, mas me dá agonia de mexer nele. É uma tonelada de aplicativo lixo, travamento, pop-up aparecendo no meio da tela do nada, além de ter aquelas bordas gigantes feias. Já desencorajei várias pessoas que queriam comprar ele.

  • Heitor89

    Tenho o Redmi 2 Pro e posso falar…pelo que custou (R$700) é um excelente aparelho, apesar de ser de plástico é muito bem construído, vc vê até pela caixa que é um produto de qualidade. A Miui 7 ´é leve e não percebi nenhuma engasgada até agora, e tem muitas features interessantes. Sinceramente não entendo como um aparelho com um cxb tão grande não foi vendido tanto, achei ele muito bom. O problema do brasileiro é que ele só confia em Samsung, LG e Motorola, não dá confiança para outras marcas. Motorola eu tenho uma simpatia, pois todos os aparelhos que tive me atenderam bem. Agora LG e Samsung são um lixo, principalmente os aparelhos de baixo custo. Modificações inúteis e pesadas, o que não percebi na Miui 7. Nosso mercado é ridículo, parece que formou-se um cartel que impede empresas novas de tentarem conquistar sua fatia. Ou será ignorância do brasileiro? Os dois…

  • Comediante

    Após ler os comentários eu percebi que minha opinião é a mesma do senso geral.
    A falha foi em trazer aparelho intermediário/low.

    Na época em que a Xiaomi estava para chegar eu avaliava um bom smartphone para minha esposa com boa relação custo-benefício. Como o Redmi2 não empolgava em nada além do preço, minha esposa acabou preferindo o Moto G3 pelo tamanho da tela (o que, no fim das contas foi um tiro que saiu pela culatra também, após a Lenovo liberar um Marshmallow mal lavado para o aparelho).

    Caso a empresa tivesse lançado um bom aparelho da linha PRO, com certeza eu teria um Xiaomi em casa.

    • Panino, o Manino

      Não foi uma trazer o lowend, a falha foi trazer apenas ele. Quem estava informado, sabia da vinda da empresa, sabia como comprar, é um público que procura algo melhor, de midend para cima.
      Somado com os problemas de quem quis comprar o que ela trouxeram, você via mais gente que não tinha conseguido comprar do que aqueles que tinham conseguido, o resultado é esse.

  • Vsoco

    Que coisa. Acho que se lançassem o Redmi 3 e o Redmi Note 3 por aqui, por um preço justo, fariam um estrago. E por que esse medo de lançarem os flagships? Com preço competitivo, a galera ia comprar.

  • Arley Martins

    Tem mais é que sair mesmo. Esse pais é um lixo, so querem cobra impostos e mais impostos e o $$$ arrecadado nunca vai pro lugar certo. Enquanto não mudar a forma de pensar e agir do povo e dos governantes o pais não vai evoluir. Brasileiro em varias partes do mundo é discriminado por causa de sua maneira de pensar e agir. (Quer se dar bem em tudo). Eu não generalizei, porem grande parte é assim.

  • David Diniz

    Até compraria um aparelho da marca se tivesse como eu mexer no aparelho e tivesse aparelho igual ou superior aos concorrentes. Pois esse Mi2 só dá para concorrer com Lumia de entrada. até um Samsung J2 é melhor.

  • LessTech

    Hoje em dia ninguém quer um smartphone de entrada. Foi aí que erraram feio na estratégia. Tem gente que prefere andar de ônibus e morar num casebre para ver um iPhone. Eles deveriam ter trazido a opção high end.

  • Michel Vieira Pinto

    E o fato de trazerem uma bosta de aparelho defasado e ser o unico aparelho vendido no Brasil… ninguém fala.

  • João Eduardo Barioni

    Nem de graça.

  • Renato H. M. de Oliveira

    Motivos para as falhas? Simples, algumas abordadas no artigo e outras nos comentárioa:

    1) Venda exclusiva on-line e cartão de crédito. Os brasileiros não estão acostumados com isso, e muitos nem tem cartão de crédito com limite suficiente para comprar smartphones. Tomo como exemplo minha esposa: se ela não manusear o aparelho ao vivo, ela não compra.

    2) Começou apenas com o RedMi 2 basicão. Se já tivesse desembarcado com pelo menos uns 3 entre RedMi 2 Pro, RedMi Note 1/2 Pro, Mi Note, Mi Note Pro, Mi3, Mi4, Mi4i e Mi4c, todos já disponíveis à época em que eles chegaram por aqui, com preços acessíveis, é claro, teriam tido muito mais chances de sucesso.

    3) Além de não ter começado com maior diversidade de modelos, ainda não trouxeram pra cá os que já foram lançados depois. Mi4s, Mi5, RedMi3/3 Pro, RedMi Note 3/3 Pro, teriam grandes chances caso lançados a preços razoáveis por aqui. A Motorola aprendeu isso, e lança rapidinho por aqui após ançamento mundial, e os mesmos modelos, ao contrário da LG.

    4) Pós vendas ligeiro é essencial. O modelo da XiaoMi é muito adequado à China, mas não ao Brasil, onde as pessoas precisam de um bom pós venda pois ficam com o aparelho por muito tempo.

    5) Problemas no estoque de aparelhos e acessórios, fora o site bugado, também não ajudaram.

    Enfim, não foram muitos erros, mas foram extremamente graves no mercado brasileiro.

  • Fábio Moser

    Cara que péssimo isso!
    Quanto menos concorrência pior pra nós consumidores!
    Espero MUITO que fiquem!

  • Anakin

    Comprei o Redmi 2 para minha avó e ela ama aquele celular dela, inclusive, meus tios disseram que irão comprar um da mesma empresa quando seus smarts ficarem ruins. Ou seja, os aparelhos são bons e não são caros, ja é um ponto forte pra marca.
    Eu gostava muito da Mi, até que tentei comprar uma Miband, e esperei o lançamento da versão nova deles, e me aprontam de lançar a versão 1 no Brasil como algo inovador e novo, no MESMO dia em que a versão 2 está sendo lançada na China, NENHUMA empresa, nem mesmo a Apple (que demora um pouco a chegada dos novos iphones), mostrou tanto descaso com o Brasil. Se é pra demorar tanto, que nem traga, mas começar a vender o modelo anterior no dia do lançamento da nova versão é sacanagem, desde então, me sentindo otário, desisti com todos os meus planos de compra na empresa, vou para outros rumos. Antes que perguntem, fiz somente meu papel de consumidor, se fico insatisfeito com alguma política de empresa, deixo de comprar produtos dela.

  • Tartaruga Mutante

    É lamentável, mas falta um marketing melhor e principalmente mais aparelhos. Eu considerava muito um Xiaomi como meu próximo smart.

  • Gabriel

    Até hoje tentando ver a cor do Mi Band 1s por aqui. Tentaram vender a versão antiga, acho que o estoque era tão pequeno que não durou um dia.

    Edit 1: Após meses na fila de espera do site.
    Edit 2: Só para corroborar com o que o pessoal do comentário está dizendo sobre lançarem o refugo da marca aqui, eles anunciaram (ou começaram a vender, não me lembro) o Mi Band velho por aqui no mesmo dia que anunciaram o novo Mi Band na China. Joinha.

    • Felipe Silva

      Se tivessem lançado a Mi Band um mês antes eu teria comprado uma, mas fizeram a burrada de lançar no mesmo dia que foi lançada a nova na china, resultado, eu queria a nova não a velha, e acabei não comprando nenhuma delas.

  • Poderia até culpar o “modus operandi” dos impostos pelo motivo, só que a Xiaomi, assim como muitas, não é nenhuma santinha, ela também fez das suas em lançar por aqui só aparelhos defasados, enquanto que na Ásia, os modelos são bem mais robustos. Quem acompanha mercado mobile sabe que a própria empresa tem modelos superiores. E também, o brasileiro não conhece a marca, entre o RedMi e um Samsung qualquer, adivinhem qual será o escolhido..

  • Higo

    O problema da Xiaomi foi o nome… Xiaomi. Esse X no início da palavra já traz toda uma carga de preconceito pq lembra China.
    E concordo que o valor inicial baixo só reforça essa impressão.

    • Miguel Amaral

      Nada a ver

  • Kevin Palmgren

    Isso já era previsto! Só pelo o nome da marca, Xiaomi, nunca ira fazer sucesso no Brasil.
    Brasileiro confia mais em marcas Americanas, Europeis ou no minimo em Japonesas e Koreanas, Mais chinesas vai demorar um bom tempo ainda!

  • Jaime Souza

    A gente que é ligado em tecnologia sabe que a Xaomi é uma boa marca com produtos competitivos no mercado Mundial. Porém o brasileiro, em sua grande maioria, não conhece a marca e fica comedo de arrisca na compra de um Produto que não é bem divulgado no Mercado. Minha humilde opinião, seria fazer uma jogada de marketing mais pesada, patrocinando alguns Youtubers pra falar da marca e etc…

  • Ricardo Monteiro
  • Andriw

    Os cara do manual do usuário são muito levianos para divulgar mentiras assim só para gerar cliques… Lamentável.

  • Andriw

    Apesar de mentirosa a notícia, uma coisa é fato. Para a Xiaomi plantar de vez os pés no mercado nacional precisa antes trazer variedades. Não comprei na largada porque achava 1 GB de RAM pouco, e só peguei o pró esse ano porque meu antigo deu pau. O aparelho é excelente, mas muitas gente não pega pelo design.

  • Fabio Alvez

    Muita conversa e pouco smartphone! MIcou!

  • Maxwel De Oliveira Figueiredo

    Comprei Redmi pro e atende minhas necessidades, não me arrependo, concordo com povo q ta dizendo q deveriam trazer mais modelos e deveriam ter inundado as lojas fazendo agressivo marketing… Assim teriam sucesso. Agora a pergunta, quem comprou vai ficar desamparado? Sem assistência, atualização e etc?

  • Peri Salles

    Se forem embora mesmo, como tudo indica mas não querem/podem assumir de imediato, já vão tarde. Erraram feiamente em tudo aqui no Brasil.