Início » Ciência » Este rapaz viveu mais de um ano sem coração

Este rapaz viveu mais de um ano sem coração

Com coração artificial levado na mochila, Stan Larkin pôde ter uma vida quase normal enquanto aguardava transplante

Emerson Alecrim Por

Stan Larkin

Stan Larkin, 25 anos, gosta de jogar basquete. Na quadra, o rapaz se comportava como qualquer outro jogador, exceto por um detalhe: ele usava o tempo todo uma mochila. Quando as pessoas descobriam o motivo ficavam ainda mais espantadas. Ali dentro estava o SynCardia Freedom, coração artificial que o mantinha vivo.

Assim como seu irmão, Stan Larkin foi diagnosticado com miocardiopatía dilatada, condição que, como o nome indica, causa dilatação progressiva do coração. As paredes das cavidades do órgão vão se tornando espessas de tal forma que o bombeamento de sangue acaba não sendo mais feito de maneira eficaz.

Se a enfermidade não estiver muito evoluída, é possível tratar os sintomas com medicamentos para controle de pressão ou com mudanças no estilo de vida, por exemplo. No entanto, a miocardiopatía dilatada é uma das principais causas de insuficiência cardíaca, razão pela qual muitos pacientes acabam tendo como uma única opção o transplante de coração.

SynCardia Freedom

Era o caso dos irmãos Larkin. O problema é que as filas para recebimento desse órgão são grandes em todas as partes do mundo e, assim como acontece com tantos outros pacientes, a espera poderia ser fatal para eles.

Jonathan Haft, professor de cirurgia cardíaca da Universidade de Michigan, recebeu a missão de tratar os irmãos Larkin. Como os casos eram muito graves e não havia coração disponível, o médico ofereceu uma opção temporária pouco usual: colocar Stan Larkin e o irmão entre as primeiras pessoas a usarem o SynCardia Freedom Portable Driver.

Você pode entender o aparato como um dispositivo que usa ar comprimido para bombear sangue para o corpo. As cavidades artificiais que fazem as vezes do músculo cardíaco ficam dentro do tórax. Já o compressor é um equipamento de seis quilos alimentado com duas baterias recarregáveis que, obviamente, fica do lado de fora. Daí a necessidade da mochila.

Stan Larkin com o SynCardia Freedom

Funciona?

E como! Os irmãos passaram pela cirurgia para implantação do SynCardia Freedom em dezembro de 2014. O irmão conseguiu um transplante poucos dias depois. Stan Larkin, porém, ficou muito mais tempo com o equipamento: ele só conseguiu um coração para ser transplantado em maio deste ano.

O SynCardia Freedom foi criado justamente para servir de solução temporária para pacientes em situação crítica na fila de transplante de coração. Mas nem os médicos esperavam que o rapaz pudesse passar tanto tempo com o coração artificial.

Há uma série de complicadores aqui. O fato de dois tubos saírem do corpo para conexão a um equipamento externo pode favorecer um quadro de infecção, por exemplo, mesmo havendo bastante cuidado com a higiene. Além disso, há a questão de o SynCardia Freedom ser um equipamento novo e, portanto, sujeito a problemas não detectados na fase de desenvolvimento.

Mas deu tudo certo. Larkin usou o equipamento por quase 18 meses — 555 dias, para ser exato — e, dentro do que é possível fazer com uma mochila que pesa seis quilos e dois tubos saindo do corpo, ele pôde viver uma vida normal — até jogar o seu sagrado basquete o rapaz conseguiu, para espanto dos médicos.

Um mês após receber um coração de verdade — o transplante foi realizado em 9 de maio —, Larkin segue se recuperando. Ele teve que dar uma pausa no basquete, é claro, mas está em seus planos voltar a jogar e até conhecer a família do doador para agradecê-la pessoalmente.

Partiu do próprio Larkin a decisão de compartilhar o caso publicamente. David J. Pinsky, diretor do Centro Cardiovascular Frankel, elogiou a iniciativa: para ele, a história do rapaz pode ajudar a aumentar as doações de órgãos.

Com informações: CNET

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Fernando Jorge Mota
Estava lendo a matéria e fiquei pensando "Putz, como faz para recarregar/trocar a bateria? Já que este cara literalmente não conseguiria viver se a bateria acabasse?". Aí me deparei com isso na página oficial: "The Freedom® portable driver is powered by two lithium-ion batteries that are re-charged using a standard electrical outlet or the cigarette lighter adaptor in a car. This allows patients to recharge their batteries while traveling and at night while they are sleeping." Realmente, parece bem bolado. Parabéns aos criadores dessa invenção que, acredito eu, pode tem muito potencial para MUITAS vidas mesmo. :)
Lucas de Lima
Grande coisa, meu professor da faculdade tá há mais de 50 anos sem...
Genumano
Em breve todo esse equipamento será reduzido e ficará dentro do tórax, aguardem. Aí os problemas de coração terão fim.
Paul

Eu estava pensando:E se ele morasse aqui no Brasil,como é que ia ser?
Imagina,se roubam a bolsa dele..

Paulo Nunes
Eu estava pensando:E se ele morasse aqui no Brasil,como é que ia ser? Imagina,se roubam a bolsa dele..
Keaton
As pessoas que precisam vão ter de pagar. É tecnológicamente recente. Funciona. Analisando esses 3 pontos: DEVE SER CARO PRA CARAMBA.
Gaba
hm....
Jairo ☠️

Realmente meus parabéns , o sujeito se superou.

jairo
Realmente meus parabéns , o sujeito se superou.
Will

Acho que deveria ser obrigatório as pessoas quando morressem doar todos os órgãos, a não ser que a pessoa não quisesse, mas infelizmente é o contrário. Eu mesmo já disse par aminha família que quero doar todos os meus órgãos.

Weller Santibanez
Acho que deveria ser obrigatório as pessoas quando morressem doar todos os órgãos, a não ser que a pessoa não quisesse, mas infelizmente é o contrário. Eu mesmo já disse par aminha família que quero doar todos os meus órgãos.
Caleb Enyawbruce

caramba, que caso de superação! Espero que o corpo aceite bem o novo coração e ele se recupere totalmente!

Ramon Gonzalez
caramba, que caso de superação! Espero que o corpo aceite bem o novo coração e ele se recupere totalmente!
LessTech
Isso sim é ser uma pessoa sem coração. =P