Início » Comportamento » Celulares estão tirando cada vez mais a paciência de artistas em shows

Celulares estão tirando cada vez mais a paciência de artistas em shows

Casas de show e teatros vêm usando de lasers a bolsas bloqueadoras para coibir essa prática

Por
3 anos atrás

Se você quiser ver um monte de celulares ligados ao mesmo tempo, vá a shows ou peças de teatro. De uns dez anos para cá, não há espetáculo no mundo que não seja marcado por uma infinidade de telas e LEDs ligados. Esse comportamento incomoda tanto e é tão comum que uma empresa chamada Yondr criou uma bolsa que impede o uso do smartphone durante o show. Estamos mesmo exagerando?

Celulares ao alto

O fenômeno dos celulares ligados e segurados no alto é tão disseminado que, em muitos shows, um aviso é exibido pedindo para que o público mantenha o smartphone no bolso — ou, pelo menos, que não o use tanto. Mas não tem jeito. Os aparelhos permanecem ligados. Tanto que vira e mexe o noticiário relata a bronca de um artista em um fã que não larga o bendito dispositivo.

Normalmente, quando o artista chega a esse ponto, é porque a sua paciência esgotou. Quer um exemplo? Em abril, durante a passagem do Iron Maiden por Chicago, o vocalista Bruce Dickinson esbravejou contra um fã perto do palco que não tirava o celular da mão. “Que merda você está fazendo?” e “por que você se dá ao trabalho de vir a um show?” foram algumas das frases gentis de Dickinson.

Ironicamente, o vídeo da bronca de Dickinson também foi gravado com um celular.

Mas não é só no universo do metal que isso acontece. Em maio, a cantora Adele interrompeu um show na Itália para dar uma bronca daquelas em uma fã que a filmava: “eu estou aqui na vida real. Você pode curtir na vida real em vez de fazer isso por meio da sua câmera”, disparou.

Esses são só alguns exemplos recentes. Há um longo histórico de situações como essas. Se você perguntar para os artistas, sejam eles cantores ou atores, a maioria dirá que prefere que os celulares não sejam tão usados.

Por que os artistas ficam tão indignados?

Sabe quando você está no bar e a pessoa que te acompanha olha para o celular enquanto você fala? Deveras incômodo, não? Você fica se perguntando se o seu papo é tão ruim que a outra pessoa tem que recorrer ao Facebook ou ao WhatsApp.

É mais ou menos isso o que acontece em relação aos artistas. Ainda que os celulares estejam apontados para eles, a sensação é a de que o ato de registrar o evento é mais importante do que a apreciação do show ou da peça em si.

Se um ou outro fã está o tempo todo com o celular na mão, provavelmente o artista não dará bola. Mas se esse comportamento for dominante, que sentido faz estar no palco se as pessoas veem a apresentação a partir de uma tela diminuta?

"Parece que as pessoas em São Paulo assistem ao show pelo celular", disse Thiago Mobilon Mick Jagger na última passagem dos Rolling Stones pelo Brasil

“Parece que as pessoas em São Paulo assistem ao show pelo celular”, disse Thiago Mobilon Mick Jagger na última passagem dos Rolling Stones pelo Brasil

Essa história tem outro agravante: smartphones no alto bloqueiam a visão de quem está atrás, obrigando a pessoa a fazer malabarismos para visualizar o palco. Se esse é um incômodo para quem é alto, imagine para os baixinhos. Não são só os artistas que ficam irritados.

Atenção direcionada

Há lógica no questionamento dos artistas. Você não precisa ser especialista em comportamento humano para saber que o nosso cérebro não é bom em prestar atenção em duas coisas ao mesmo tempo. Ou você curte o show ou se dedica a fazer boas fotos e filmagens. Você até pode buscar um equilíbrio entre as duas atividades, mas em pelo menos uma delas a experiência não vai ser completa.

É aqui que mora o maior problema. Quem fica mais preocupado em tirar fotos ou filmar shows estará sob o risco de se sabotar sem perceber. Como eu disse no post A tragicomédia das selfies, o seu cérebro é ávido por novidades que quebram a rotina, mas se você ficar ocupado com outra atividade, ele não vai dar o foco necessário para aquela experiência.

Você então sairá do show ou da peça sem ter curtido como poderia. Depois de alguns dias, as lembranças do evento serão pobres, como se você nunca tivesse estado lá.

A bolsa da Yondr

“O que mais desfrutamos na vida não é algo que a tecnologia pode melhorar”. É com essas palavras que Graham Dugoni justifica à BBC o produto que move a Yondr, negócio criado por ele: desde 2014, a empresa oferece uma espécie de bolsa que impede o uso do smartphone em shows e afins.

Que se saiba, não é nada muito avançado. A bolsa é equipada com um pequeno chip que a impede de ser aberta dentro de determinada área. Assim, a pessoa pode levar seu celular às apresentações, mas só conseguirá usá-lo se pedir para um segurança desbloquear a bolsa ou passá-la por uma máquina que, geralmente, está posicionada na saída do local.

Yondr

Tem funcionado, viu? A bolsa vem sendo usada desde março pelo teatro Jermyn Street de Londres, por exemplo. Também há gente graúda aderindo à ideia: no mês passado, a cantora Alicia Keys “lacrou” o celular de todo mundo com a bolsa durante um show em Nova York.

Essa bolsa da Yondr pode ser só o começo. Recentemente, a Apple obteve patente para um mecanismo que impede o smartphone de ser usado para gravações de shows. Pode ser que as versões futuras do iPhone sejam dotadas dessa tecnologia. Já pensou?

Alguns lugares, como certos teatros e casas de show da China, estão apelando para um laser “acusador”: se alguém estiver exagerando no uso do smartphone, um feixe é disparado em direção ao aparelho até que a pessoa o guarde.

Precisamos de tudo isso?

É estranho que uma tecnologia tenha que ser usada para bloquear outra tecnologia quando tudo o que gente precisa é de bom senso. Se o uso exagerado do celular durante apresentações é um problema, a sua proibição também.

Por parte de artistas, produtores de shows e afins — com destaque para aqueles que começaram a carreira quando não havia tanta tecnologia —, convém aceitar que os celulares estão em quase todos os momentos da vida das pessoas. Não seria diferente nos espetáculos.

Só que todo mundo tem que fazer a sua parte. Do lado de quem assiste, é essencial dosar. A gente usa o celular para registrar e compartilhar fotos de momentos festivos. É ok, portanto, que façamos isso durante os shows. Uma foto aqui ou alguns segundos de uma música para postar no Snapchat não farão mal.

Celular em shows

Mas ficar a todo momento fazendo isso pela tentação de receber curtidas e comentários de admiração é uma cilada. Você tem a recompensa imediata do prazer da interação com os seus amigos online, porém, dilui todo o bem-estar que a experiência daquele show pode te proporcionar, justamente pelo fato de o seu foco estar em outro lugar.

Gravar todo o show na expectativa de ter aquele momento como lembrança é ainda pior: mesmo os melhores smartphones não conseguem reproduzir a sensação de curtir a apresentação ali, com seus próprios olhos e ouvidos — não tem nada melhor do que guardar isso na memória.

Precisamos refletir sobre isso. Nesse ponto, lasers, bolsas e outras invenções talvez possam mesmo ajudar. Não necessariamente pela eficiência do artefato em si, mas pelo fato de essas ideias chamarem atenção para o problema. Assim, quem sabe, todo mundo passe a se policiar.