Início » Gadgets » TVs de pontos quânticos: por que elas mostram cores bem melhores?

TVs de pontos quânticos: por que elas mostram cores bem melhores?

A Samsung é uma das companhias que apostam nessa tecnologia. Mas o que os pontos quânticos têm de especial?

Emerson Alecrim Por

Se você gosta de acompanhar as novidades que são apresentadas em feiras como a CES, talvez já tenha ouvido falar das TVs de pontos quânticos (quantum dots). Se não, saiba agora que essa tecnologia tem boas chances de se tornar a nova estrela do segmento: há cada vez mais fabricantes apostando em TVs do tipo. Uma delas é a Samsung.

Quantum o quê?

Na primeira olhada, o nome pode fazer a gente pensar em computação quântica ou, sendo preciso, em mecânica quântica. Para simplificar, basta levarmos em conta que a ideia por trás das telas de pontos quânticos é oferecer imagens com mais intensidade de cores e brilho do que temos hoje. Para tanto, as TVs do tipo são baseadas em nanocristais — os tais dos pontos quânticos — que emitem comprimentos de onda de luz muito específicos.

O uso de "nano" aqui não é exagero. Estamos falando de estruturas cristalinas realmente diminutas: o tamanho de cada nanocristal precisa ser inferior a 100 nanômetros. A Samsung explica que as suas TVs mais recentes têm partículas com tamanho entre 2 e 10 nanômetros.

Tela com pontos quânticos (Foto: Samsung)

Tela com pontos quânticos (Foto: Samsung)

Soa como algo bastante sofisticado, não? E é mesmo. Mas não estamos lidando exatamente com uma tecnologia nova: as primeiras referências ao uso de nanocristais para propagação de luz surgiram nos anos 1990. Embora as TVs de pontos quânticos venham ganhando destaque nos últimos meses, produtos do tipo existem no mercado há um tempinho. A Sony, por exemplo, tem TVs com essa tecnologia pelo menos desde 2013: a linha Triluminos.

Funcionamento

Os fabricantes que apostam nas TVs de pontos quânticos ressaltam que a tecnologia é, atualmente, uma das que mais se aproximam do que vemos no "mundo real" em termos de qualidade de imagem: as cores são mais fortes e os níveis de brilho e contraste ajudam a tela a reproduzir detalhes que em outras tecnologias podem até passar despercebidas.

Como isso é possível? Os nanocristais são compostos por materiais semicondutores (normalmente, seleneto de cádmio) que proporcionam um efeito de confinamento quântico, que ocorre quando os elétrons do material ficam limitados a volumes extremamente pequenos — os tão falados pontos quânticos.

O confinamento quântico permite que as propriedades dos nanocristais — aqui, a capacidade de modificar o comprimento de onda de luz (cada cor tem um comprimento distinto) — sejam ajustadas conforme o tamanho de cada um deles. Isso significa que as cores variam de acordo com as dimensões dessas partículas, não sendo necessário usar combinações químicas específicas para a obtenção de tons diferentes.

Quantum dots - power

Parece complicado, né? Mas não se preocupe. Para que você tenha mais facilidade para compreender como os pontos quânticos são usados, pense antes nas TVs LCD convencionais. Nesses televisores, os pixels são iluminados por uma luz de fundo (retroiluminação), com as cores sendo determinadas por filtros para vermelho, verde e azul. As combinações dessas cores, vale lembrar, é que servem de base para as outras.

As TVs LCD mais antigas (ou atuais, mas mais baratas) utilizam lâmpadas fluorescentes como fundo, mas, hoje, é comum encontrar modelos que substituem esses componentes por painéis de LED.

É imprescindível que essa luz de fundo seja branca. Quanto mais branca, melhor. Nos painéis atuais, costuma-se usar LEDs azuis recobertos com fósforo amarelo para obtenção de luz branca. Mas, mesmo nos modelos mais sofisticados, esse branco nem é tão branco assim.

Pois bem, é aqui que os pontos quânticos fazem mágica. Em vez de termos um painel de LEDs azuis com uma camada de fósforo, temos um painel de LEDs azuis com nanocristais.

Todos os nanocristais acabam recebendo, portanto, luz azul pura. Isso significa que a tela só vai emitir luz azul, então? Não. Lembra do trecho anterior que diz que as cores obtidas variam conforme o tamanho de cada ponto quântico? É aqui que está o truque: o painel tem nanocristais específicos para tons de azul, vermelho e verde.

Frascos com nanocristais: pontos quânticos maiores geram vermelho; pontos menores, azul

Frascos com nanocristais: pontos quânticos maiores geram vermelho; pontos menores, azul

Este vídeo da Samsung resume bem a ideia:

Vantagens

Essa afirmação de que as cores obtidas com pontos quânticos são mais realistas depende, obviamente, do modelo da TV, mas a ideia é mesmo essa. A forma como o nanocristal é construído faz apenas o comprimento de onda de luz buscado ser alcançado, não havendo variações. Assim, não só o azul é puro, o vermelho e o verde também. Como se não fosse suficiente, a intensidade de luz obtida favorece a construção de painéis que suportam mais brilho.

TVs de pontos quânticos lembram painéis OLED, mas só até certo ponto. Além de conseguir propiciar cores bastante vivas, os nanocristais não estão sujeitos aos mesmos processos de degradação. Componentes OLED são bastante suscetíveis à umidade e à oxidação, por exemplo, coisa que não acontece com tanta intensidade nos pontos quânticos.

O frasco contém um líquido com nanocristais que, quando recebem luz azul, geram a cor vermelha

O frasco contém um líquido com nanocristais que, quando recebem luz azul, geram a cor vermelha (Foto: Samsung)

Outra grande vantagem está no consumo de energia: quando a TV é ligada, a tela não precisa ser inteiramente iluminada. Basta que isso aconteça apenas com os pixels a serem usados. A economia de energia pode chegar a uma faixa entre 30% e 50% na comparação com as TVs LED / LCD que temos hoje.

Disponibilidade

A Sony aparece como uma das pioneiras na produção de TVs de pontos quânticos, mas fabricantes como LG e Samsung também têm telas com a tecnologia. Esta última inclusive já oferece algumas opções no Brasil e lançará outros modelos a partir deste mês com o intuito de disponibilizar opções para quem pretende acompanhar os Jogos Olímpicos.

São TVs com tamanhos que variam entre 50 e 80 polegadas, possuem resolução 4K e profundidade de cores de 10 bits (o padrão atual é de 8 bits). Dadas todas as já mencionadas capacidades das TVs com pontos quânticos, o suporte a vídeos com qualidade HDR é outro atributo destacado pela Samsung.

Samsung JS9500

Samsung JS9500: um dos modelos que já podem ser encontrados no Brasil

É uma combinação bastante apropriada, aliás: o HDR realça as cores dos vídeos, proporcionando correções para imagens excessivamente claras ou destacando detalhes em cenas escuras. Assim, TVs de pontos quânticos acabam sendo uma opção interessante para quem quer curtir vídeos em HDR.

Tudo isso tem um preço, é lógico. E que preço! No site da Samsung, a opção mais barata, o modelo SUHD JS7200 na versão de 50 polegadas, custa R$ 6.499. A TV mais cara é a SUHD JS9500 de 88 polegadas, que sai por R$ 84.999.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Ricardo
Oi. Esse efeito de "queima de fósforo" também ocorre nas telas ou painéis de leds orgânicos. As telas de tvs convencionais e as de plasma usam fósforo para conversão dos raios iônicos ou ultravioleta em luz visível, mas sofrem desgaste precoce se deixarmos uma imagem estática por longo tempo. Houve evolução nessa tecnologia e esse risco de queima diminuiu bastante. Nas telinhas de leds orgânicos essa queima também acontece, mas não é por causa do fósforo, que nem possui, mas por outro material, que não me lembro agora do nome, que se degrada muito mais precocemente que o fósforo. Meu Nokia N8, que atualmente ainda o ligo só pra matar saudade, apresenta uma imagem bastante cansada e a marca permanente dos itens de um gps que usava. Aparentemente, esse oled também é sensível a luz do sol. Em comparação com a tv de plasma Panasonic do meu pai, que com mais de 8 anos de uso ainda apresenta imagem brilhante e impressionantemente melhor que qualquer lcd ou de led ou ponto quântico vendida atualmente.
Gabriel Bringmann
Aqui tá tudo com tamanho de título....
Higo
Não se trata de dinheiro, e sim de investimento das teles. Assino Netflix, posso comprar uma TV dessas, posso pagar por uma internet de 50 Mbps. Mas moro afastado da região metropolitana do RJ e lá só tem Oi. E a Oi acha q 10 Mbps, que funciona no máximo a 7 Mbps na maior parte do tempo, está muito bom para mim. Só que não.
Marcvs Antonivs
É quantum heim?...
Trovalds
Já vi 4k funcionando... é lindo, de fato. Agora PRA MIM qualquer coisa acima de 32" a não ser que tu tenha uma sala grande, é desperdício de dinheiro.Como eu disse e repito: quem gosta de ir no cinema e sentar na primeira fila?
BeTauM
Até porque quem tem dinheiro para comprar um tv 4K dessas boas se não possuir uma internet decente é para acabar mesmo.
Keaton
correção: Vai ser MUITO caro.
Luciano
O conteúdo estrangeiro no YT é muito grande em 4K. Quase todos os vídeos de lá são atualmente gravados em 4K. O Netflix é que ainda peca na oferta desse tipo de conteúdo.
Luciano
Exatamente. O nível de preto é bastante importante para pessoas exigentes e que gostam de assistir conteúdos em ambiente escuro. O OLED possui o nível de preto infinito e não tem como superar isso. E sua taxa de brilho, quantidade de cores e sua saturação estão muito próximos aos melhores produtos com a tecnologia quantum dots que a Samsung fabrica. Assim, para mim, o OLED ou Super Amoled são o futuro dos painéis.
Luciano
Eu duvido que tenhamos tv aberta e a cabo no Brasil em 4K. Elas estão perdendo muita audiência e não devem investir em equipamentos e unidades transmissoras para comportar o sinal em 4K. O que elas devem fazer é transmissão em 4K pela internet, o que sai muito mais barato para elas.
Luciano
Exatamente. E se assistir conteúdo extrangeiro, a oferta é bem alta.
Dan Morais
Pra você não é momento para pensar em mudar, mas sua realidade não é a de todos. Creio que quem investe em TV 4K atualmente tem plena noção do limite do conteúdo, já sabe de onde o retirará e tem internet pra isso já quê TV paga via satélite vai demorar um bom tempo pra disponibilizar isso. Inicialmente vai ser só pela internet mesmo. Mas concordo que a tecnologia ainda não está no ponto para a popularização, mas vejamos que no início do Full-HD existia o mesmo problema e isso não impediu ninguém de comprar para assistir DVD na tela grande.
tuneman
ou compra uma TV ou um Gol AP em bom estado.
BeTauM
Essa série da Sammy tem o preto tão ruim quanto as tv's da LG com painel IPS. Já os OLED's da LG são outros mundo, mais preto impossível. www.rtings.com/tv/reviews/s...
BeTauM
Se você está esperando por tv aberta ou a cabo vai esperar muitos anos para ter conteúdo 4K. Já na internet a fora, tem de sobra conteúdos em 4K.
BeTauM
De que adianta essas cores "fantásticas" com essa uniformidade de preto horrível, igual aos painéis IPS da LG? Prefiro as OLED's ainda. www.rtings.com/tv/reviews/s...
Albanir Filho
para eles o importante era o tamanho e não o que era mais lógico. Pegaram alguma promoção esses "muito"(s)
Albanir Filho
tem que assistir virando a cabeça pra poder acompanhar ou, então, colocar a cadeira pendurada fora do apart!
Albanir Filho
tá guardando o dinheiro no colchão!
ochateador
Por enquanto não temos isso, mas é algo que devemos ter medo.
ochateador
Pode ter certeza que esse "muito" sabem qual é a noção de ter uma tela gigante em ambientes pequenos/médios. Mas eles só descobriram isso após comprar e instalar a tela ;)
Arthur Fortes
li isso tudo e só entendi que:- Melhora cor- Vai ser caro
Michel Vieira Pinto
Primeiro vc deveria ver e depois falar algo que preste.Eu tenho TV 4k... ontem assisti mais um jogo em 4k. Alemanha e França... a diferença entre a imagem da net que transmite em 1080 para os 2160 do app 4k da globosat é absurdo! Não tem nem graça.Não invente padrões... veja com seus próprios olhos.A diferença do 4k pro full hd é a mesma do DVD (480p) pro Bluray (1080p).
Trovalds
Pra complementar meu comentário abaixo e não ter que ficar dando reply pra geral.Primeiro: não existe conteúdo 4k o suficiente pra justificar o investimento.Segundo: o Full HD só faz diferença perceptível acima de 40", agora imagina os 4k.A tecnologia parece ser excelente. Mas a resolução é que não me faz feliz. Quem sabe eles lancem modelos full HD e telas menores. Aí sim estaríamos falando de algo pra substituir nossas TVs atuais.
Trovalds
Ainda é pouco conteúdo pra muito investimento.
Trovalds
Fui no apê duma amiga da patroa, ela tem uma 48" na sala. Detalhe: fica a uns 3m do sofá. É um parto assistir qualquer coisa, parece cinema sentado na primeira fila.
Trovalds
Ainda não justifica o investimento. Quando tivermos emissoras de TV (pagas ou abertas) começando a transmitir em 4k aí é hora de começar a pensar em migrar. Veja bem: COMEÇAR A PENSAR.
Bruno
Sem falar na questão principal= a franquia!
Emerson Alecrim
Pra mim também. Moro num "apertamento", então esse tamanho é perfeito.
X-Tudãoᴳᴼᵀ
Ano que vem já deve dar para pegar por uns 4000 reais, se diminuírem o tamanho da tela então vai ficar ainda mais acessível, isso se o dólar não disparar.
X-Tudãoᴳᴼᵀ
Tem filme 4k em torrent para baixar, câmeras fotográficas já filmam em 4k hevc.
Tiago Albuquerque
http://www.americanas.com.b... site da americanas tem por 4K
ochateador
Sem esquecer que em vários casos as pessoas contratam 100 Mbps (teoricamente, velocidade mais do que perfeita para assistir Netflix em 4k), mas a operadora entrega 20- Mbps...
Luciano
Mas com uma conexão de 25Mbps é possível assistir 4K sem nenhum problema de carregamento do video. Mas sei que essa não é uma realidade para a grande maioria dos brasileiros que possuem internet fixa.
ochateador
Continua esbarrando na questão da internet....
Luciano
No YouTube há muito conteúdo em 4K disponível, e não é só de clipes de música. Quase todos os canais de reviews de produtos de tecnologia que eu assino, como o MKBHD, Unbox Therapy e JimsReviewRoom, os vídeos de pelo menos um ano atrás já estão em 4K.
Luciano
Comparando lado a lado, em um ambiente escuro, uma JS7200 com uma OLED LG 55EG9600 elas apresentam altas taxas de cor, mas o nível de preto é maior no modelo da LG, devido a tecnologia empregada, e eu considero esse fato mais vantajoso, principalmente para ambientes com pouca iluminação. O ruim de telas Oled é o efeito burn-in e degradação de seus componentes orgânicos, devido à oxidação, como mencionado na matéria. O que eu apenas não tenho ciência é em quanto tempo essa degradação ocorre, visto que tenho um TAB S há 1,9 ano e a tela Super AMOLED ainda não sofreu nenhum efeito visível até esse momento.
Trovalds
Eita, comentei sem ler. Mas concordo com a questão tamanho. Aliás, pra mim aqui 32" são mais do que ideais.
Trovalds
Infelizmente não existe justificativa pra adquirir uma (ainda). No caso, pra mim.Primeiro, pelo tamanho. Exagerado pra maioria dos mortais (eu incluído). Aqui a 32" atual dá conta do recado, apesar da tela ser sofrível perto das novidades.Segundo, por ser 4K. Não existe conteúdo 4K suficiente pra justificar a aquisição. Não, Netflix não é parâmetro de comparação porque nossa internet é sofrível pra streaming a essa resolução mesmo tendo toda a "mágica" de mirrors e etc da empresa.E o Plasma acaba que sai de cena. Apesar de ter recebido atenção dos fabricantes, evoluído e etc, acabou sendo acessível pra poucos graças à massificação do LCD. E parece que o OLED vai se tornar um padrão que tinha tudo pra dar certo mas... uma tecnologia nova, menos suscetível aos humores do ambiente surge. Agora estou curioso pra ver os Quantum dots e as OLEDs lado a lado. MAS como já afirmado, só mais pra frente pra eu migrar pra uma dessas.
7csP9tkb
Realmente, na próxima copa ja deve dar pra comprar a preços razoáveis.
Emerson Alecrim
Dá para achar mais barato em grandes varejistas, na faixa de entre R$ 4 mil e R$ 5 mil. Levando em conta apenas o tamanho, o preço não é mesmo ruim, mas ainda está longe da realidade da maioria das pessoas. Seria interessante ter opções com tamanhos que começam em 40 polegadas, não só por serem mais baratas, mas também porque dimensões menores são mais adequadas para quem mora em apartamentos pequenos.
Thalles Ferreira
Quando a próxima tecnologia entrar, se eu precisar de uma TV, corro atrás dessa. Pelo menos nessa corrida das necessidades, não entrei de cabeça no 3D, me poupou dinheiro.E o 4K ainda nem barateou o suficiente, então...
leoleonardo85
"No site da Samsung, a opção mais barata, o modelo SUHD JS7200 na versão de 50 polegadas, custa R$ 6.499. "Não achei muito, esperava que os preços iam começar em, 10kNa próxima copa já deve achar por preços bem melhores.