Início » Legislação » Prefeitura de SP vai cobrar taxa maior de apps de transporte para evitar monopólio

Prefeitura de SP vai cobrar taxa maior de apps de transporte para evitar monopólio

Uber ocupa 90% das 5 mil vagas para aplicativos de transporte individual na cidade de São Paulo

Por
2 anos atrás

A Prefeitura de São Paulo publicou nesta terça-feira (11), no Diário Oficial do Município, uma medida para evitar o monopólio do Uber nos aplicativos de transporte. Até então, o município cobrava das empresas interessadas em prestar o serviço uma taxa de R$ 0,10 por quilômetro rodado. Agora, a taxa será progressiva, chegando a R$ 0,40 para serviços que percorrerem mais quilômetros.

A atividade dos aplicativos de transporte particular é limitada em 5 mil vagas na cidade de São Paulo para evitar o excesso de oferta. No entanto, de acordo com as estimativas da Folha de S.Paulo, 90% das vagas são ocupadas pelo Uber. O resto é dividido entre Cabify, WillGo, EasyGo e outros concorrentes menores.

uber-app

A partir desta terça-feira (11), a taxa cobrada pelo município dependerá da distância percorrida por todos os veículos da empresa no período de uma hora, seguindo a tabela:

  • Até 7.541,67 km por hora: R$ 0,10 por km
  • Entre 7.541,68 e 15.083,33 km por hora: R$ 0,11 por km
  • Entre 15.083,34 a 22.625 km por hora: R$ 0,13 por km
  • Entre 22.625,01 a 30.166,67 km por hora: R$ 0,16 por km
  • Entre 30.166,68 a 37.708,33 km por hora: R$ 0,23 por km
  • Mais de 37.708,33 km por hora: R$ 0,40 por km

Segundo a Prefeitura, cada serviço poderá decidir se repassará o aumento ao consumidor ou não. Com a medida, o prefeito Fernando Haddad diz que “a empresa fica inibida de aumentar muito a frota, porque outra poderá entrar com um preço melhor”. A taxa progressiva impediria o aumento da frota, “que muitas vezes implica em uma exploração da força de trabalho dos motoristas credenciados”, segundo o prefeito.

Em nota, o Uber afirmou que “limites arbitrários criam sistemas ineficientes, fazendo com que os preços subam para o consumidor, o número de viagens diminua para os motoristas parceiros e o incentivo para compartilhar viagens diminua, aumentando o número de carros nas ruas”.

Procuramos o Uber, principal afetado pela mudança, para descobrir se o aumento será repassado ao consumidor, mas ainda não obtivemos resposta. Em caso de repasse, uma corrida de 10 quilômetros, por exemplo, pode ficar até R$ 3 mais cara em relação ao preço atual. A empresa já cobrava do usuário a tarifa do município, de R$ 0,10 por quilômetro percorrido dentro de São Paulo.

Mais sobre: ,
O anúncio fechará em 15 segundos