Início » Brasil Negócios » 95,5% dos smartphones vendidos no Brasil são Androids

95,5% dos smartphones vendidos no Brasil são Androids

O resto é iPhone

Por
18/11/2016 às 17h41
A nova extensão do Tecnoblog está pronta.Baixe Agora!

O Android continua mais que consolidado nos smartphones vendidos no Brasil, de acordo com os números divulgados nesta sexta-feira (18) pela consultoria IDC. 95,5% dos aparelhos comercializados entre julho e setembro de 2016 rodavam o sistema operacional do Google. Os outros 4,5% eram iPhones.

Segundo a IDC, o mercado brasileiro de celulares voltou a crescer depois de cinco trimestres em queda. Foram 12,556 milhões de aparelhos vendidos no período, sendo 11,1 milhões de smartphones (88,6% do total) e 1,4 milhão de celulares básicos — aliás, esses dispositivos simples têm crescido mais que os smartphones. É um aumento de 7,2% nas vendas em comparação com o mesmo trimestre de 2015.

android-7-nougat

A participação do Android só cresceu no mercado brasileiro nos últimos anos, com o fracasso das terceiras opções. Em 2013, o Android estava em 88,7% dos smartphones vendidos no Brasil, seguido pelo Windows Phone (6%) e iOS (4,7%). No ano seguinte, subiu para 91%. No início de 2016, a fatia do Android já era de 93%. As vendas de iPhones se mantiveram estáveis ao longo dos anos, mesmo com o aumento dos preços.

Falando de dinheiro, a maioria das vendas de smartphones (76,1%) está concentrada na faixa de até R$ 999, mas a demanda por dispositivos mais caros, acima dos 3 mil reais, cresce de forma acelerada. O valor médio pago por um smartphone pelo brasileiro é de R$ 962,96. Entre julho e setembro, as fabricantes tiveram receita de R$ 10,7 bilhões (!) vendendo smartphones no país.

Os últimos meses de 2016, claro, devem ser bastante positivos, por causa da Black Friday e do Natal. Mas, segundo a IDC, o terceiro trimestre já foi surpreendente, porque “os varejistas anteciparam as compras e abasteceram os estoques para a Black Friday, enquanto os fabricantes enxugaram os portfólios de modo a atender a demanda com preços mais competitivos”.

Mais sobre: , , ,