A Agência Nacional do Cinema (Ancine) anunciou nesta segunda-feira (5) seu primeiro edital para jogos eletrônicos independentes. Serão R$ 10 milhões em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) para a produção de até 24 jogos para consoles, computadores e dispositivos móveis.

“O Brasil é um importante mercado consumidor de jogos eletrônicos, mas são poucos os jogos brasileiros existentes. Com esta ação estamos estimulando o desenvolvimento de mais jogos no Brasil e esperamos contribuir para o fortalecimento dos desenvolvedores brasileiros independentes”, afirmou o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel.

ancine-games

Os investimentos serão distribuídos em três categorias. A categoria A contemplará até dois projetos com R$ 1 milhão cada; a categoria B selecionará até 10 projetos, que receberão R$ 500 mil; e a categoria C oferecerá R$ 250 mil a até 12 projetos.

Assim como nos demais editais do Programa Brasil de Todas as Telas, o regulamento prevê que ao menos 30% dos recursos sejam destinados para projetos de empresas sediadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, e no mínimo 10% para produtoras da região Sul e dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Representando a Abragames, Ale McHaddo, saudou a iniciativa: “Hoje é um dia histórico para quem produz jogos no Brasil. O edital é importante, mas o mais significativo é ver que os jogos foram inseridos na política pública de audiovisual do Brasil. Os jogos são um vetor importante na construção de identidade e temos muito a contribuir com a indústria criativa no Brasil”.

Poderão participar do edital produtoras audiovisuais ou desenvolvedoras de jogos registradas na Ancine como agente econômico brasileiro independente. O valor corresponde a 12,5% do fundo FSA, que visa aumentar todo tipo de produção audiovisual brasileira.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Milton Cesar
Por isso que nesse país somos obrigados a ter os piores produtos, por saberem que estão protegidos e que tem a garantia de que dinheiro será aplicado, vão criar coisas de qualquer jeito, com o dinheiro do povo.Ou seja, vamos gastar mais por produtos de qualidade para financiar um projeto que nascerá sem qualidade, por isso estamos estagnados.
Vitor Hugo

1- A maioria dos filmes de sucesso no cinema nacional são de comédia (uma comédia bem simples, por sinal).
2- Pra mim (e acho que pro resto do planeta também), vale muito a pena fazer um filme bom para aumentar a bilheteria, independentemente do quanto custou a produção: quanto mais lucro, melhor. Ninguém faz filme só pra pagar a produção do próprio filme.
3- Incapaz de andar com as próprias pernas não. Você sabe muito bem que o objetivo dos investimentos públicos são de aquecer o setor, até porque não dá pra "andar com as próprias pernas" sem ter pernas.
4- Só um cineasta/diretor/ator/produtor burro tem vontade de atrelar seu nome a um filme lixo. Só um desenvolvedor/estúdio burro tem vontade atrelar seu nome a um jogo lixo.

Clarion de Laffalot

"Investimento" público é o que garante o fracasso do mercado.

Usando o cinema como exemplo, quando o diretor recebe o dinheiro "de mão dada" do governo, ele perde o compromisso com o público e com o sucesso comercial da sua obra. Pode ficar fazendo filmes "cabeça" ególatras de crítica social clichê como é moda no cinema nacional, sem se preocupar se ninguém além de meia dúzia de inteligentões vai querer assistir. O dinheiro está garantido pelo governo.

Assim o cinema continua eternamente dependente do governo e incapaz de andar com as próprias pernas.

Aguarde vários jogos do saci pererê com jogabilidade meia boca. Porque o desenvolvedor não vai mais precisar se preocupar se o jogo dele ficar um lixo, o dinheiro já tá dado.

Clarion de Laffalot
"Investimento" público é o que garante o fracasso do mercado. Usando o cinema como exemplo, quando o diretor recebe o dinheiro "de mão dada" do governo, ele perde o compromisso com o público e com o sucesso comercial da sua obra. Pode ficar fazendo filmes "cabeça" ególatras de crítica social clichê como é moda no cinema nacional, sem se preocupar se ninguém além de meia dúzia de inteligentões vai querer assistir. O dinheiro está garantido pelo governo. Assim o cinema continua eternamente dependente do governo e incapaz de andar com as próprias pernas. Aguarde vários jogos do saci pererê com jogabilidade meia boca. Porque o desenvolvedor não vai mais precisar se preocupar se o jogo dele ficar um lixo, o dinheiro já tá dado.
Fabio Montarroios
Vc está desconsiderando o mercado de trabalho informal que é vasto no Brasil. Então já há muita gente de fora das leis trabalhistas, sem falar nos pjs e nos profissionais liberais. Ir contra os direitos trabalhistas por uma situação melhor não é o problema... O que pega no seu discurso é colocar o empresariado numa condição "desfavorável". Os micro e pequenos empresários com certeza passam perrengue os mais diversos, agora o empresário q mobiliza bilhões tá de boa enqto esfola as pessoas. O pior é que justamente quando vc dá, o Walmart, virou um símbolo de degradação no trabalho nos EUA... http://bit.ly/1PyMsYp
Alessandro

China tem mais de 1 bilhão de pessoas, e como empregar todo mundo? Baixando os salários, se os empresários tivessem que pagar um monte de "direitos trabalhistas", mais da metade da população de chineses morreria de fome, pois não teriam como trabalhar, outras nos EUA não tem muito desemprego, lá tem mais concorrência, qualquer americano pode entrar em algum mercado como Walmart e sai empregado, mas empregos mais altos tem muito mais concorrência, oque faz ser mais difícil conseguir um emprego, com o salário que você quer... É bem diferente do Brasil, que não tem emprego pro pessoal, porque ao invez de ter que combinar com o empresário, ele tem que seguir uma regra, mesmo ambos não querendo

fallhazzer
China tem mais de 1 bilhão de pessoas, e como empregar todo mundo? Baixando os salários, se os empresários tivessem que pagar um monte de "direitos trabalhistas", mais da metade da população de chineses morreria de fome, pois não teriam como trabalhar, outras nos EUA não tem muito desemprego, lá tem mais concorrência, qualquer americano pode entrar em algum mercado como Walmart e sai empregado, mas empregos mais altos tem muito mais concorrência, oque faz ser mais difícil conseguir um emprego, com o salário que você quer... É bem diferente do Brasil, que não tem emprego pro pessoal, porque ao invez de ter que combinar com o empresário, ele tem que seguir uma regra, mesmo ambos não querendo
Fabio Montarroios
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/11/1834767-e-se-o-iphone-fosse-produzido-nos-eua.shtml
Fabio Montarroios
Cara, desculpe, mas isso não é fonte... isso é a opinião de um cara q leu um relatório do Banco Mundial e fez várias interpretações do q ele acha q está acontecendo. Mas, ok, nada o impede de fazer isso, mas, pense consigo mesmo, vc acha q um problema tão complexo qto esse tem origem em único ponto visto como problemático? Os EUA acabaram de eleger um presidente reacionário prometendo q vai dar emprego aos americanos. Se os EUA são um lugar melhor pq há leis trabalhistas vistas como melhores, o q explica tanto desemprego e tantas queixas por empresários se instalarem em lugarem onde os direitos trabalhistas são pífios? Vc deve ter visto aquela discussão sobre o quão improvável vai ser fabricar iphones nos EUA, certo? O custo trabalhista dos asiáticos é uma fração do q os americanos têm direito. E isso, meu caro, pode ser bom pra quem pode comprar (nos eua muitos mais q no brasil podem comprar um iphone, claro), mas pra quem trabalha é uma merda, pq é simplesmente esfolado. Essa sua visão, simplista, "resolve" a questão numa canetada: "elimina direitos trabalhistas q tudo vai melhorar". Cara, isso se chama mágica e se vc não medir as consequências vai ter sempre uma solução insuficiente. Não estou dizendo q os novos tempos não exijam direitos trabalhistas mais adequadas, mas não caia nessa falácia e nesse arranjo de dados e argumentos q te levam a crer q fazendo X , Y necessariamente acontecerá. Estude as vantagens q a indústria automobilística tem e teve no brasil e vc verá o quão beneficiado eles foram, a ponto de todas as cidades serem moldadas a receberem carros e fazerem as pessoas comprarem carros (se endividando até o talo). Se vc não pagar imposto nenhum, meu caro, as instituições vão pro buraco aí vc ter se virar pra resolver problemas q uma pessoa (ou mesmo um grupo de pessoas) não conseguiria sozinho.
Alessandro
fallhazzer
http://veja.abril.com.br/blog/cacador-de-mitos/economia/por-que-os-trabalhadores-fogem-dos-paises-com-melhores-leis-trabalhistas/
Fabio Montarroios
Manda as fontes dessas experiências êxitosas, por favor.
Alessandro

Mano preço, com menos impostos menor o preço, os jogos ficam mais acessíveis, as empresas veem para casa, geram emprego... não vejo nada ruim nisso, tem um monte de país que não tem direito trabalhista, o empresário e o empregado fazem o acordo, e da super certo

fallhazzer
Mano preço, com menos impostos menor o preço, os jogos ficam mais acessíveis, as empresas veem para casa, geram emprego... não vejo nada ruim nisso, tem um monte de país que não tem direito trabalhista, o empresário e o empregado fazem o acordo, e da super certo
Fabio Montarroios
Grande empresa precisa de isenção? Eles não têm grana? Já fã, em isso, amigo. Grandes empresas têm isenções, concentram renda, estão doidas pra acabar com direitos trabalhistas e vc ainda quer mais? E se nos tornarmos escravos voluntariamente? Não seria melhor ainda?
Exibir mais comentários