Início » Curiosidades » Sua encomenda da Amazon pode vir de um armazém aéreo no futuro

Sua encomenda da Amazon pode vir de um armazém aéreo no futuro

Por
29 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Amazon já começou a testar entregas por meio de drones, permitindo que suas encomendas cheguem até você em questão de minutos. Mas isso não parece ser suficiente: a empresa também patenteou um centro de distribuição aéreo, que pode estocar produtos, lançar drones e tornar as entregas mais rápidas em mais lugares.

patente foi obtida pela Amazon em abril e descoberta nesta semana pela analista Zoe Leavitt. Ela descreve um “centro de distribuição transportado pelo ar utilizando veículos aéreos não tripulados para entrega de itens”. A ilustração mostra um dirigível que ficaria posicionado a uma altitude de até 45 mil pés (13,7 mil metros) e armazenaria parte do estoque da loja, além de servir como base para os drones de entrega.

A novidade permitiria que a Amazon estendesse a cobertura do serviço de entrega por drones. Como esses veículos aéreos têm autonomia limitada, o cliente precisa estar próximo a um centro de distribuição para que o serviço seja viável. A primeira entrega feita por Prime Air, com um Amazon Fire TV e um saco de pipoca, demorou apenas 13 minutos em Cambridge, no Reino Unido, mas só porque a empresa possui um armazém gigante na cidade.

O armazém aéreo da Amazon pode ser reabastecido com estoque e combustível pelos próprios drones ou outras aeronaves de pequeno porte. E como os drones sairiam para entregar um produto para o cliente já no ar (em vez de terem que levantar voo a partir de um centro de distribuição no solo), eles consumiriam menos energia e teriam um alcance maior.

Aliás, a Amazon já pensa em outras maneiras de aproveitar seu estoque no céu, como no caso de eventos esportivos. Sabendo que uma partida de futebol vai acontecer em determinado estádio, a Amazon pode enviar um estoque de alimentos, camisas e outros itens promocionais para aquele local. Os clientes, então, poderiam fazer compras e receber suas encomendas enquanto assistem ao jogo. Já pensou?

 

Mais sobre: , , , ,
  • palatoqueimado

    Acho que não tô preparado pro futuro, porque ainda é bizarro demais imaginar um balão acima da minha casa com um estoque de produtos que eu posso encomendar pelo meu smartphone.

    Acredito que a Amazon tenha a patente dessas ideias pra prevenir que outras empresas lancem primeiro, mas sou cético quanto a ver isso na prática. Coisas como o custo pra manter isso no ar, a burocracia dos governos locais, uma tempestade que pode ocorrer são alguns dos motivos.

  • Ricardo – Vaz Lobo

    É o porta aviões da SHIELD? Não da Amazon.

    • DumbSloth87

      Pronto, já que Elon Musk é o Tony Stark, Jeff Bezos decidiu ser Nick Fury!

      • Ricardo – Vaz Lobo

        rararaaaaaaaaaaaaaaaaaa

  • Gabriel Grützmann Grigoletti

    Paulo Higa é um excelente jornalista, só é um pouco fanboy da Google, e aliás o Pixel com 10.000 problemas

  • Gabriel Grützmann Grigoletti

    Lá no Tecmundo podemos expressar opinião contra a Google sem levar block

  • Igor

    Imagina se cai algo desse troço e acerta alguem…
    Se o pessoal já fica fulo com aviões soltando particulas imagina isso…

  • Anderson Oliveira

    Os clientes, então, poderiam fazer compras e receber suas encomendas enquanto assistem ao jogo. Já pensou?

    Já pensou, tu ta lá assistindo um jogo bem tranquilo no meio da torcida, ai de repente vem um drone no meio da torcida com uma caixa de cerveja, 1) ele até volta, mas com um lençol por cima dele escrito ” bando de FDP” 2) ali na torcida ele fica e já é desmontado mesmo pra servir de munição para atirar na cabeça da bandeirinha 3) ele joga de uma altura de segurança a o pacote direto na cabeça de comprou….rsrs

    • Ricardo – Vaz Lobo

      o time adversário pode ser aquele cujo nome começa com “c” e acaba com “s”?

    • Marcos

      Só no BraZil que fazem esse tipo de chinelagem.

      • Anderson Oliveira

        Bem, então graças ao Marcos já sabemos que caso o serviço da Amazon seja implantado em algum momento o Brasil estará de fora por motivos de “chinelagem”