Netflix

Definitivamente, 2016 não foi ruim. Não para a Netflix: a companhia encerrou o ano com 93,8 milhões de assinantes no mundo todo, com 7,05 milhões destes tendo aparecido apenas no último trimestre. A empresa quer manter essa hegemonia, é lógico. Para isso, vai continuar investindo pesado em conteúdo próprio. Dinheiro não falta: o orçamento da Netflix para 2017 é de US$ 6 bilhões.

Em 2015, a Netflix liberou 450 horas de conteúdo original. Em 2016, a empresa conseguiu bater a meta de alcançar 600 horas. Para 2017, o objetivo é ainda mais audacioso: atingir a marca de mil horas de produções novas exclusivas.

No meio de tudo isso estarão novas temporadas de séries como Stranger Things (sucesso absoluto em 2016) e Narcos, mas também deveremos contar com mais seriados, filmes e documentários novos. A mais recente aposta, só para dar um exemplo, é a contratação de Jerry Seinfeld — criador do sitcon Seinfeld — para o desenvolvimento de roteiros de novas produções originais, começando por dois especiais de stand-up.

O fato de a Netflix ter presença global atualmente (o serviço está disponível em quase todos os países) também deve ajudar com a meta: a companhia está produzindo conteúdo em vários países, inclusive no Brasil — daqui saiu a série 3% que, de modo geral, teve boa recepção entre os usuários do serviço.

Stranger Things

Para este ano, o orçamento conta com US$ 1 bilhão a mais em relação ao dinheiro disponível em 2016. Só que, desta vez, os investidores estão menos preocupados. Antes, havia o temor de que o foco em conteúdo original não trouxesse o retorno esperado, mas a Netflix conseguiu provar que esse é mesmo o caminho a ser seguido.

Não é complicado compreender o porquê disso. O avanço da Netflix vem fazendo a concorrência se mexer, o que tem dificultado o licenciamento de produções da TV e do cinema. O conteúdo original preenche essa lacuna e ajuda a empresa a enfrentar o problema dos acervos que mudam de país para país.

3%

Há outra vantagem, talvez mais óbvia: quando vem com qualidade, conteúdo original gera repercussão positiva para o serviço, o que ajuda a atrair novos usuários e a segurar assinaturas. Sim, teve material original que não convenceu, mas a maioria agradou.

Isso não quer dizer, porém, que nada pode derrubar a Netflix. Nos comunicados aos acionistas, a companhia é obrigada a destacar os riscos para o negócio. Em uma carta enviada a eles recentemente, a empresa sublinhou a possibilidade de elevação com os gastos necessários para manter o seu alcance global e, sem surpresa, a concorrência, que pode reagir com êxito.

Mas a Netflix só cresceu porque desenvolveu um modelo de gestão agressivo e “pé no chão” ao mesmo tempo. Por isso, os riscos não devem estar tirando o sono de ninguém por lá.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

maestro

Estava sendo irônico, só um revelando o que elas realmente tentam fazer.

maestro
Estava sendo irônico, só um revelando o que elas realmente tentam fazer.
Talison

Nem tudo. Aquele Z Nation (?) e Between são horrorosas. Mas o saldo é extremamente positivo.

Talison
Nem tudo. Aquele Z Nation (?) e Between são horrorosas. Mas o saldo é extremamente positivo.
megacuriosidades
muito top, por isso fiz uma lista dos melhores filmes netflix - http://www.megacuriosidades.net/os-melhores-filmes-netflix/
José Jefferson

Tudo que Netflix faz, é bem feito e tem sucesso na certa, Veja The Crown, que com pouco tempo já levou um Globo de Ouro.

José Jefferson
Tudo que Netflix faz, é bem feito e tem sucesso na certa, Veja The Crown, que com pouco tempo já levou um Globo de Ouro.
José Jefferson

Netflix sabe fazer conteúdo melhor do que muitas produtoras, 3% é um exemplo disso, foi negado por todas as emissoras do Brasil, incluindo a Globo, e hoje o seriado é um dos sucessos do serviço de streaming de filmes. Imagina o quanto elas devem sofrer com esse NÃO. Quando penso nisso me lembro da dor que todas as editoras da grã-bretanha sente quando pensa nos livros do Harry Potter.

José Jefferson
Netflix sabe fazer conteúdo melhor do que muitas produtoras, 3% é um exemplo disso, foi negado por todas as emissoras do Brasil, incluindo a Globo, e hoje o seriado é um dos sucessos do serviço de streaming de filmes. Imagina o quanto elas devem sofrer com esse NÃO. Quando penso nisso me lembro da dor que todas as editoras da grã-bretanha sente quando pensa nos livros do Harry Potter.
Anderson Antonio Santos Costa

Neutralidade da rede é uma das causas para as franquias na internet. Sou contra as franquias na internet fixa, não por causa da Netflix, mas pelo impacto educacional que a rede possui.

Anderson Antonio Santos Costa
Neutralidade da rede é uma das causas para as franquias na internet. Sou contra as franquias na internet fixa, não por causa da Netflix, mas pelo impacto educacional que a rede possui.
palatoqueimado
Prefiro poucas horas de conteúdo de qualidade do que milhares de horas de conteúdo mal feito. Que essa ambição da Netflix não se torne meta somente pra chamar investidor, e sim um plano de criar bom conteúdo.
Leon

Vida longa ao Netflix!

Leon
Vida longa ao Netflix!
maestro

Quero saber o que as operadoras que também fornecem TV-PAGA vão fazer quanto a isso:
Sugiro colocarem franquias baixas para bloquear isso. Vê se pode.

Exibir mais comentários