Início » Telecomunicações » Operadoras questionam estudo sobre baixa disponibilidade do 4G no Brasil

Operadoras questionam estudo sobre baixa disponibilidade do 4G no Brasil

Para o sindicato das operadoras, a metodologia usada pela OpenSignal tem falhas

Emerson Alecrim Por

O relatório que a OpenSignal liberou na quarta-feira (18) que aponta o que está bom e o que está ruim nas redes 4G no Brasil foi questionado. Por quem? Sem surpresa nenhuma, pelo SindiTelebrasil, sindicato que representa as operadoras de telefonia fixa e móvel no Brasil. A entidade não concorda com as avaliações negativas a respeito da disponibilidade dos serviços.

No levantamento, a OpenSignal afirma que a velocidade do 4G no Brasil melhorou bastante. No período de medição, entre setembro e novembro de 2016, o país obteve média de velocidade de download de 19,7 Mb/s (megabits por segundo) enquanto a média global foi de 17,7 Mb/s. A Claro foi a operadora que apresentou a melhor média: 27,45 Mb/s.

Por outro lado, a pesquisa aponta que a disponibilidade ainda tem que melhorar. Nesse quesito, a operadora que obteve o melhor resultado foi a TIM, com disponibilidade de serviço de 59,21%. A pior foi a Oi, com 43,35%. Para o SindiTelebrasil, essas avaliações têm falhas.

A OpenSignal ressalta em seu relatório que adotou uma metodologia diferente nesse levantamento: em vez de mensurar a cobertura geográfica de cada operadora, a empresa rastreou as porcentagens de tempo que os usuários de seu aplicativo de medição tiveram no acesso às redes 4G.

Eis o ponto falho, na visão do sindicato: “tal premissa [medições via aplicativo] indica a possibilidade de medições em áreas onde não há obrigação de atendimento ou mesmo a oferta comercial do serviço em 4G”, diz um trecho da nota divulgada pela entidade.

OpenSignal - ranking 4G, janeiro de 2017

Como o próprio SindiTelebrasil lembrou, a Anatel exige atualmente que a disponibilidade de serviços 4G seja garantida em pelo menos 80% do território das localidades atendidas. As operadoras afirmam que estão respeitando essa norma.

Para reforçar a contestação à medição da OpenSignal, o SindiTelebrasil destacou ainda que “a tecnologia de quarta geração no Brasil está presente em 1.158 municípios, nos quais vivem 66,4% da população brasileira. Essa cobertura atual supera em quatro vezes a obrigação estabelecida pelo edital do 4G da Anatel, que é de 288 municípios até o fim de 2016”.

É por usar apps que podem ser baixados por usuários em todo o território nacional, inclusive em áreas não atendidas por redes 4G, que a metodologia da OpenSignal está sendo contestada, portanto.

De todo modo, é possível que a empresa já estivesse esperando esse tipo de questionamento, pois a OpenSignal frisou, no relatório mesmo, que tomou o cuidado de evitar que localidades sem oferta de 4G fossem consideradas para a análise da disponibilidade:

“Analisamos todas os dados no nível do dispositivo e calculamos apenas a disponibilidade em determinado aparelho depois de termos verificado que ele consegue se conectar com sucesso a uma rede LTE ao menos uma vez. Isso garante que a nossa métrica de disponibilidade só leve em conta dispositivos com LTE que tenham um plano compatível com 4G”.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rodrigo Fante
Tem função social na visão do governo, de ingênuos, a empresa mesmo só tem um objetivo, lucro, fora isso vai fazer o mínimo necessário.
Ricardo - Vaz Lobo
A informação que não me favorece, mesmo sendo verdadeira, não convém ser disseminada.
Abraão Caldas
Então não fez a lição de casa, retardado mental, continua burro sobre os objetivos do lte.
David Marques Neves
Exato. Aqui sempre é tudo pela metade.
David Marques Neves
Eu fiz, babaca. JUSTAMENTE por isso estou dizendo: Pra economizar não impletaram voz sobre a camada de dados, preferenrindo apenas alternar entre os modos. Entendeu ou quer que desenhe?
Niten D?raku
falar que o sinal existe e funciona bem é a mesma coisa que falar: o estado esta nas favelas brasileiras, nos presídios e nas cidades mais afastadas dos centros urbanos.
Lucas Ribeiro
"a tecnologia de quarta geração no Brasil está presente em 1.158 municípios" ué mas a Tim não diz que tem cobertura em >1200?
David Diniz
SindicatoZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ
Daniel Alencar
Eu tô bem no centro da cidade de SP. Mais especificamente na Luz, e não tem 4G da Claro na minha casa. Quando tem: 2 pontinhos. Enquanto a Tim tem 5 pontinhos ¯_(?)_/¯
Paulo Carinhena
Questionar é uma coisa, provar é outra. E nisso, você vê bem como funciona esse meio, né? Eles se baseiam apenas no que a Anatel "obriga" e não no que o usuário realmente usa. E dai que você paga por 4G, se em até 41% (considerando a melhor delas) eu vou ficar sem 4G? Ja fiz, o que a Anatell pediu, que se lasque o resto!
Eduardo Alvim
Tem empresa — caso dessas que lidam com infraestrutura via concessão estatal — que, além do lucro, tem função social. Pensa nisso.
abraaocaldas
Não é questão de ter pena ou não, uma empresa existe para ter lucro, então é por isso que ela não se instala em lugares pequenos, porque para ela pode não ser lucrativo, estou explicando o porque.
Eduardo Alvim
Eu já trabalhei levando prejuízo muito tempo. Empreendedor tem dessas coisas. Mas não sinto peninha das teles não, você sente?
David Bernardes
Palhaçada descrita pelo próprio "Sindicato" ainda diz que faz mais que a obrigação!
David Bernardes
Isso porque eles não utilizam o serviço todos os dias só pode! Em fortaleza e regiões próximas nunca se tem a conexão 100% do tempo ela é falha em muitos momentos e oscila de mais!
Exibir mais comentários