Início » Ciência » Inteligência artificial é capaz de identificar câncer de pele tão bem quanto um humano

Inteligência artificial é capaz de identificar câncer de pele tão bem quanto um humano

Diego Melo Por

Graças aos recentes avanços em inteligência artificial e aprendizado de máquina, em breve poderemos ter o nosso próprio “médico de bolso” — além, é claro, de podermos continuar vencendo secretamente jogadores profissionais de Go online.

Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, treinaram um algoritmo de reconhecimento de imagem que conseguiu ser tão eficiente em identificar certos tipos de doenças de pele quanto um dermatologista bem treinado.

Foram utilizadas mais de 129 mil fotos de lesões de pele associadas a mais de 2 mil tipos de doenças diferentes para treinar um algoritmo de reconhecimento de imagens criado pelo Google. Depois, os pesquisadores apresentaram novas imagens do mesmo tipo para 21 dermatologistas avaliarem, indicando o tipo de doença e o melhor tratamento.

Nos resultados preliminares, em pelo menos 91% dos testes, os pesquisadores descobriram que a inteligência artificial foi capaz de igualar ou, em alguns casos, até exceder a performance dos diagnósticos dos médicos. Segundo reportagem do New Scientist, a tecnologia poderia ser aplicada em aplicativos de smartphones para auxiliar em diagnósticos preliminares para pessoas que não possuem acesso a planos de saúde.

Apesar de já existirem aplicativos do tipo, um estudo de 2013 mostrou que, dos quatro apps testados, três classificaram de forma errada cerca de 30% dos melanomas avaliados. No entanto, os estudos com os diagnósticos realizados pela IA ainda estão em fase preliminar e, de acordo com os pesquisadores, a tecnologia ainda não foi testada de maneira prática fora do ambiente acadêmico.

Com informações: Engadget

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Hennan Carvalho
Aqui reside todo o problema "a tecnologia ainda não foi testada de maneira prática fora do ambiente acadêmico". Existe uma diferença gritante entre o meio acadêmico e a vida real.
Hennan Carvalho
Aqui reside todo o problema "a tecnologia ainda não foi testada de maneira prática fora do ambiente acadêmico". Existe uma diferença gritante entre o meio acadêmico e a vida real.
Lucas Ambrosio
Não é essa IA que os cara mostravam um metal enferrujado e ela dizia que era câncer? hahahaha
Lucas Ambrosio
Não é essa IA que os cara mostravam um metal enferrujado e ela dizia que era câncer? hahahaha