Início » Gadgets » Nem a Sony esperava que a decadência dos DVDs e Blu-ray fosse tão rápida

Nem a Sony esperava que a decadência dos DVDs e Blu-ray fosse tão rápida

Sony Pictures sofre perdas de R$ 3 bilhões devido ao declínio da mídia física

Paulo Higa Por

A Sony divulgou nesta segunda-feira (30) que sua divisão de produção e distribuição de filmes vai fechar o último trimestre de 2016 com perda de 112,1 bilhões de ienes, o equivalente a R$ 3,07 bilhões. O motivo? Nem os japoneses esperavam que a decadência nas vendas de mídias físicas, como DVD e Blu-ray, fosse tão rápida.

Segundo o comunicado da Sony Pictures, “a revisão para baixo foi principalmente devido à redução das expectativas sobre o negócio de entretenimento doméstico, conduzida principalmente pela aceleração no declínio do mercado”. À Bloomberg, um porta-voz declarou com todas as letras que “o declínio no mercado de DVD e Blu-ray foi mais rápido que o antecipado por nós”.

Não é o fim do mundo para a Sony: a empresa diz que a divisão de filmes continua sendo importante, e que os lucros da Sony Pictures devem aumentar, já que a companhia tem tomado medidas para expandir seu negócio de filmes e produções de TV. Além disso, a divisão de games, que está gerando mais receita para os japoneses devido ao sucesso do PlayStation 4, deve compensar as perdas.

Enquanto escrevia isto, logo me veio à cabeça uma declaração famosa de Bill Gates, de 2004 (!), quando ele previu que os DVDs “estariam obsoletos em no máximo uma década”. Um ano depois, Gates criticou o esquema rígido de proteção de direitos autorais do Blu-ray (a Microsoft defendia o HD DVD como mídia de alta definição, vale lembrar) e disse que aquele seria “o último formato de mídia física”.

Naquela época, com as nossas conexões discadas ou ADSL de 128 kb/s, era meio difícil acreditar que trocaríamos os discos brilhantes frágeis por um clique num serviço de streaming, mas parece que ele estava certo.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

João Carlos

Para mim não é questão de streaming, netflix e outras, é questão de preço, fora da realidade do brasileiro aliado com a facilidade de se obter conteudo, quem vai querer comprar? Quem realmente gosta de filmes como eu, quer ter o acervo, com capinha e tudo que tem direito, pirata ou oficial, agora que vai ficar perdendo tempo em baixar um arquivo gigantesco, em partes, demora dias e depois descobrir que está corrompido e terá que buscar outra fonte? Quem vai querer fazer tudo isso e depois quando está rodando o filme no telão de 60" a execução é impedida com aviso de "Cinavia" sobre o aúdio não pode ser executado ou então passar pelo acima expôsto, gravar e depois na hora de assistir o danado trava? Claro que o original é mil vezes melhor mas por esses valores náo dá lembrando que filmes industrializados são prensados e não gravados (não tenho muita certeza) mas ainda que não sejam, tem as torres de gravação que produzem um monte de uma vez, ou seja não tem muita mão de obra para fazer então não justifica os preços ainda mais que dvds e blu rays é a "raspa do tacho" já que o investimento se recupera com lucro no cinema.

Tiago Celestino

relativo demais isso!

Tiago Celestino
relativo demais isso!
Leandro Rodrigues

Uma pena o público não está mais valorizando todo o trabalho que envolve na hora de se fazer a mídia física. Sou a moda antiga. Amo ter o produto/capa originais, obviamente, em mãos.

Leandro Rodrigues
Uma pena o público não está mais valorizando todo o trabalho que envolve na hora de se fazer a mídia física. Sou a moda antiga. Amo ter o produto/capa originais, obviamente, em mãos.
ninja

Quando li o título já lembrei do mencionado pelo tio bill. O legal que ele tbm falou que a TV aberta iria para vala depois .devido a programação sob demanda

ninja
Quando li o título já lembrei do mencionado pelo tio bill. O legal que ele tbm falou que a TV aberta iria para vala depois .devido a programação sob demanda
Fernando Vieira

Mais ou menos... eu diria que acima de 300 Gb/mes seria um Heavy User...

Fernando Vieira
Mais ou menos... eu diria que acima de 300 Gb/mes seria um Heavy User...
Ademar

A Sony e as outras grandes do setor ainda vão lucrar muito com a Realidade Virtual e a Holografia. Depois do 3D, virá o 4D, com a ativação de outros sentidos além da visão e audição. Olfato, tato, sensações térmicas e proprioceptivas farão parte de nossas experiências digitais. Imaginem o sexo digital, com sensores e estimuladores por todo o corpo.

Ademar
A Sony e as outras grandes do setor ainda vão lucrar muito com a Realidade Virtual e a Holografia. Depois do 3D, virá o 4D, com a ativação de outros sentidos além da visão e audição. Olfato, tato, sensações térmicas e proprioceptivas farão parte de nossas experiências digitais. Imaginem o sexo digital, com sensores e estimuladores por todo o corpo.
robsonc

Hoje em dia todo mundo é "heavy user". A maioria das famílias de internet banda larga por ai tem filho pai mãe avó e papagaio vendo video no youtube e assistindo Netflix. Baixar no torrent ta sendo cada vez o de menos.

robsonc
Hoje em dia todo mundo é "heavy user". A maioria das famílias de internet banda larga por ai tem filho pai mãe avó e papagaio vendo video no youtube e assistindo Netflix. Baixar no torrent ta sendo cada vez o de menos.
Fernando Vieira

Acho q me expressei mal... o q eu quis dizer, é q "heavy users" que usam muito mais banda do que 90% dos outros usuários, deveriam pagar mais. Senão quem usa menos, paga pelos outros, e isto não é muito justo.

Fernando Vieira
Acho q me expressei mal... o q eu quis dizer, é q "heavy users" que usam muito mais banda do que 90% dos outros usuários, deveriam pagar mais. Senão quem usa menos, paga pelos outros, e isto não é muito justo.
Exibir mais comentários