Início » Negócios Telecom » O futuro do Google Fiber tem menos fibra

O futuro do Google Fiber tem menos fibra

Aparentemente o Google descobriu agora que fibra ótica é um negócio caro

Por
26 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Com a estagnação da expansão do Google Fiber, projeto de oferecer internet ultrarrápida nos Estados Unidos, a Alphabet precisou mudar seus planos. Ironicamente, a nova estratégia inclui usar menos fibra ótica e oferecer mais redes por Wi-Fi, em vez de colocar cabos na casa de todo mundo. Dessa forma, os custos diminuem e o crescimento acontecerá mais rapidamente.

A conexão por fibra ótica tem seus benefícios ― não à toa, é usada para conectar pontos distantes pelo oceano a altíssimas velocidades. No entanto, é cara demais para ser levada para a casa de cada assinante do Google Fiber.

Com a recente compra da Webpass, uma provedora de internet norte-americana, o Google conseguiu bolar outra forma de entregar conexão: redes sem fio. Os pontos de internet poderiam ser conectados à fibra ótica já existente e enviariam dados para os usuários a uma distância menor que antenas comuns.

Segundo a Wired, a Access, nome da empresa da Alphabet que controla o Google Fiber, pediu à FTC (órgão regulador norte-americano de operações comerciais) que abrisse a gama do espectro sem fio que a Webpass pode usar, a fim de acelerar a expansão do Fiber, com mais bandas à disposição.

Operando desde 2010, o Google Fiber ainda cobre poucas cidades. A Alphabet contratou outro executivo, Greg McGray, para elaborar um plano de negócios que continue com a proposta de levar o serviço para todos, sem necessariamente usar fibra. Centenas de trabalhadores da Access foram remanejados para executar os novos planos. A ideia do CEO da Alphabet, Larry Page, é que eles trabalhem na rua, em vez de se fecharem no escritório de Mountain View.

As cidades que já têm a fibra do Google, como Atlanta, Austin, Kansas City, Chicago, Boston e Miami, não precisam se preocupar. Os planos de expansão para Nashville, Louisville e San Antonio também continuam os mesmos. Resta saber se, nos próximos anos, a área de cobertura realmente vai aumentar.

Mais sobre:
  • Trovalds

    É, viram que não é barato a infraestrutura. E de quebra se duvidar a maioria dos usuários fica mais no Wi-Fi que tudo.

    • Daniel San

      Parece que o problema é no ponto final: fazer a distribuição pros prédios. Por isso eles querem a liberação de outros canais wireless. Vão levar a fibra até a porta e roteadores wireless especializados pra fazer a ligação com as residências.

      • Trovalds

        Por isso aqui no BR se tu mora em edifício ou dentro de condomínio se lasca. Nada de fibra ponta a ponta pra você. Exceto se o edifício ou condomínio tenha infra pronta capaz de comportar fibra ótica.

  • Burnerman_X

    É só aumentar a concorrência que resolve

    • André Noia

      Agora fala pra quem quer investir nisso que é viável. Se nem o Google tá conseguindo lucrar com isso, quem dirá a concorrência.

      • A Google não tá conseguindo lucrar com isso por querer oferecer um serviço modelo 100% baseado em fibra. Oferecesse 100% fibra só nos planos mais caros e quem sabe…

    • Exato!

      A concorrência é a melhor ferramenta para solucionar esse tipo de problema.

  • Alberto Prado

    Não tem outro jeito de leva alta velocidade aos usuários se não baixa o valor de confecção da fibra e dos equipamentos de controle. Mais recursos tem que ser investido nesse sentido.
    Por mais que as redes sem fio possam ser mais baratas em um primeiro momento, quando se um grande número de usuários (um bairro ou mesmo um prédio com 500 famílias) os espectros da rede sem fio vai ficar congestionado.

  • Bruno Martins Santana

    Por que não fazem mais ou menos como a GVT Fazia, leva o ponto de fibra até o quarteirão, e desta fibra, converte para a malha comum de cobre, já que a distancia é pouca, quase não há perda, e economiza muito em Fibra Óptica, as fusões das fibras ópticas (que é o mais caro no processo, mais caro até q a fibra dependendo da distancia) e equipamento já que o Link via cobre é mais difundido e barato (tanto que a Vivo renomeou os links da GVT para Vivo Fibra).
    PS: minha GVT o Ping era de 1 ms, coisa q não consiguia com nenhum outro link

    • Eu tenho Tim Live de 90Mb (download) e 30Mb (upload). A Tim opera dessa forma que você especificou no seu comentário.

      Já faz alguns meses que eu assinei. Pra mim funciona muito bem! Conexão estável, ping’s baixos e a velocidade nunca fica abaixo dos 90mb.

    • leoleonardo85

      é o melhor sistema, não existe necessidade de levar a fibra até a casa do cliente.

  • Paulo Mateus Guerra

    Faria muito mais sentido investir em internet 5G integrando em todos os dispositivos eletrônicos do que termos a chamada banda larga por cabos. Estamos caminhando para um futuro sem fio, logo seria muito mais interessante aumentar a infraestrutura de antenas de celular pra suportar todo tipo de conexão.

  • PLC Google, PLC!

    PS: PLC não funcionaria o Brasil por motivos de ninguém leva a sério a distribuição de energia da casa até ela falhar.

  • Bucco

    resumindo: vão oferecer de novo “internet a rádio”. De novo!