Início » Web » Google e Bing fecham acordo para esconder sites piratas nas buscas

Google e Bing fecham acordo para esconder sites piratas nas buscas

Por
1 ano atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Google e Microsoft uniram forças para tornar a vida de quem baixa conteúdo ilegal via P2P mais complicada: várias ações serão executadas por ambas as companhias para evitar que páginas de torrents e afins sejam encontradas nos resultados do Google e do Bing.

Sim, isso já acontece. Se pesquisar por um filme, por exemplo, mesmo que não queira baixá-lo, é bastante provável que você encontre nos resultados um aviso dizendo que determinada página foi retirada do índice devido a violações de direitos autorais. Mas, agora, o plano é tornar o bloqueio mais abrangente.

Inicialmente, essa coalizão atuará apenas no Reino Unido. O governo de lá está bastante empenhado no combate à pirataria, tanto que criou uma espécie de código de conduta em relação ao assunto. Além de Google e Microsoft, o documento foi reconhecido pela Motion Picture Association (MPA) e pela British Phonographic Industry (BPI), associações que regulam a distribuição de conteúdo em vídeo e áudio.

Basicamente, o acordo prevê que Google e Bing respondam mais rapidamente às solicitações de remoção de conteúdo ilegal dos resultados das buscas. Dessa forma, um processo de bloqueio que demora semanas passará a ser executado, no máximo, em poucos dias.

Pirataria digital

Buscadores, companhias de telecomunicações e associações que representam a indústria do entretenimento também deverão trabalhar em conjunto para reforçar a identificação de usuários que baixam conteúdo ilegal e, quando for o caso, notificá-los.

Se essas e outras ações relacionadas funcionarem no Reino Unido, a parceria deverá ser levada a outros países. Será o fim da pirataria na web? Certamente, não. Na verdade, o objetivo parece ser apenas o de frustrar as ações dos sites ilegais — todo mundo sabe que é ingenuidade falar em fim da pirataria.

Isso fica evidente logo no segundo parágrafo do documento publicado pelo governo do Reino Unido: Google e Microsoft concordaram em tirar links considerados ilegais da primeira página de resultados, não necessariamente de todo o índice.

Para Steve McCoy, presidente da MPA, já é um avanço: “hoje, é muito fácil encontrar sites ilegais por meio de buscas, logo, agradecemos a boa vontade das partes de melhorar essa situação”.

Com informações: The Guardian