Travis Kalanick é CEO do Uber e, sem surpresa, usuário regular do serviço. O que ele não esperava é que uma de suas várias corridas fosse se juntar à coleção de polêmicas envolvendo a empresa: no começo de fevereiro, o executivo foi flagrado batendo boca com um motorista do UberBlack que reclamava da baixa remuneração da modalidade. A conversa terminou em um tom nada amigável.

Travis Kalanick

Kalanick entrou no carro com duas mulheres. Ao término do percurso, elas desceram. Foi então que o condutor Fawzi Kamel, plenamente ciente de quem era o passageiro que ficou no carro, aproveitou para se queixar do seu descontentamento com o serviço: para ele, as constantes mudanças no Uber, especialmente as frequentes diminuições de preços, estão prejudicando vários motoristas.

A discussão foi filmada por uma câmera instalada no interior do veículo (começa em 3:50, se você quiser ir direto ao assunto). Kalanick se defende dizendo que os valores do UberBlack não foram alterados, mas logo Kamel rebate afirmando que, em geral, os preços cobrados estão muito baixos.

O CEO do Uber diz então que as mudanças são necessárias para que a empresa possa competir com serviços rivais. Mas Kamel não se dá por convencido. A discussão termina assim (em tradução livre):

– Kamel: O quê? Você se refere ao Lyft? Qual é! o Lyft é irrelevante se comparado ao Uber.

– Kalanick: o Lyft pode ser irrelevante, mas porque já o derrotei. Mas, se eu não tivesse feito as coisas que fiz, eles teriam nos derrotado, pode ter certeza.

– Kamel: Mas a gente [motoristas] já não confia em vocês. Perdi US$ 97 mil por sua culpa, estou quebrado por sua culpa. Sim, sim, sim! Todos os dias vocês mudam alguma coisa.

– Kalanick: Espera um segundo: o que você acha que mudamos no [Uber] Black? O que eu mudei?

– Kamel: Você mudou todo o negócio. Você baixou os preços.

– Kalanick: No Black?

– Kamel: Sim, você baixou.

– Kalanick: Besteira [ele usou um termo mais forte aqui].

– Kamel: Começamos com US$ 20.

– Kalanick: Besteira!

– Kamel: Começamos com US$ 20. Agora quanto custa uma milha? US$ 2,75?

– Kalanick: Quer saber?

– Kamel: O quê?

– Kalanick: Muita gente não gosta de se responsabilizar pelos próprios problemas e prefere culpar outras pessoas. Boa sorte!

– Kamel: Boa sorte para você também, mas você não vai muito longe.

Depois disso, Travis Kalanick, bastante irritado, saiu do carro. Dias depois, o vídeo com o bate-boca foi publicado, colocando o executivo em uma enrascada: muita gente achou que, como líder do serviço, ele deveria ter ouvido a queixa de Fawzi Kamel com mais respeito, afinal, o condutor o abordou sem agressividade.

Diante da repercussão, Kalanick tratou de publicar um pedido de desculpas no site do Uber. Na nota, o executivo, reconhece ter tratado o motorista com desrespeito e afirma que “envergonhado” é pouco para o que está sentindo.

Travis Kalanick

Travis Kalanick

Ele também afirma que, pela primeira vez, reconhece que precisa de ajuda para liderar e que vai buscar esse auxílio. Kalanick termina pedindo desculpas a Kamel, aos demais motoristas do Uber e aos funcionários da empresa.

Se o executivo vai mesmo buscar ajuda para liderar o Uber, precisa fazê-lo o quanto antes. A discussão com o motorista é apenas o escândalo mais recente. Além de reclamações de condutores e clientes, o Uber tem sido alvo de numerosas queixas de assédio por parte de funcionários, tanto moral quanto sexual.

Um dos casos mais divulgados é o da engenheira Susan Fowler, que deixou o Uber no final de 2016 por não ter recebido apoio da empresa após denunciar um gerente por assédio sexual. Kalanick ordenou uma investigação interna sobre a denúncia, mas, novamente, só depois de a história ter gerado bastante repercussão.

Com informações: Bloomberg

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gesonel o Mestre dos Disfarces
@disqus_BK7iisBLvD, OLha aí a eficência de CEOs, rs!
Filipestalen

Amigo. O livre mercado é isso! Se reinventem povo brasileiro. Se a remuneração está baixa procurem outra coisa, criem seu próprio sistema de transporte privado, parem de reclamar. É muito mais fácil reclamar do que achar uma solução. O uber não obriga ninguem a permanecer, é totalmente livre. O beneficiário sempre vai ser o disruptor da ideia, para ele é que vão todos os lucros, não existe moço bom no capitalismo, sejam melhor que esse cara, modifquem seus mindsets

Filipestalen
Pessoal, ganhe R$ 20,00 de desconto com o código filipe232ue Aproveitem e se não funcionar, me cobrem!!
Erick C. Silva
usem 99 taxi cupom ``VAIDE99``de R$20 ilimitado. vcs vao ver que sai mais barato que o uber...
Kessler
A Lei permitir não quer dizer que a empresa permite. O fato de ser legal é motivo para não haver sanções do Estado, mas não necessariamente da empresa. Por exemplo, a Lei não me proibe de dirigir um Fusca, mas a Uber não permite que eu use fusca em seus serviços.
Fabio Montarroios
Eita... Tô dizendo que temos leis e que devemos nos atentar a elas! Isso é o oposto da anarquia, cara, que questiona o Estado e pressupõe o seu fim. E não tem essa de se vc não aceita basta não trabalhar com eles... As pessoas não têm tantas opções assim. A questão é: empresas não podem tudo. Pelo menos aqui no Brasil não podem. Se elas não gostam disso, aí sim vale pra elas irem procurar outro lugar, pq elas podem. Quantas empresas já não deixaram o Brasil? Alegam toda sorte de motivos, mas sabemos que tem relação com as leis tributárias, trabalhistas etc. Se as empresas não recebem privilégios, muitas delas caem fora. Veja a guerra fiscal entre os estados brasileiros, por exemplo. E veja o quanto as empresas se beneficiam com isenções de impoatos que duram décadas... Achar que empresas podem tudo detonam o frágil tecido social.
Marcos
Cara, se tu não concorda com as políticas deles, não trabalha com eles. Simples assim. Mesma coisa a empresa que eu trabalho, não pode trabalhar de bermuda, regata ou chinelo, se eu não concordo, não vou trabalhar com eles. Assim é a vida, manda quem pode, obedece quem precisa. Teu ponto de vista é extremamente liberal, chegando a ser anárquico, é a mesma coisa que tu dizer que não concorda com IPVA e não pagar, infelizmente o governo, assim como as empresas, vão tomar uma atitude quanto a isso. Inclusive esse teu pensamento liberal de não concordar com as regras bate de frente com teu apoio ao SIMTRAPLI, que nada mais é do que um grupo que "te representa" levando uma parte do teu dinheiro.
Fabio Montarroios
Por convenção social toleram os muitas coisas que não deveríamos. Mas mesmo assinando um contrato vc pode questionar justamente por não ter força pra alertá-los. Há muitas cláusulas abusivas ou simplesmente ilegais neles. A empresa não pode fazer o que dá na veneta. Se o fizer serão processados. Como é e vem sendo o caso do Uber. Afinal, pode não parecer, mas aqui não é uma terra sem lei como dizem muitos compatriotas.
Marcos
Não tô zoando não. Pelo teu pensamento, nenhuma empresa pode proibir trabalhar de bermuda e chinelo de dedos ou até sem camisa. Cada empresa tem suas regras e elas devem ser cumpridas, se tu não cumprir tu é demitido, simples assim. Essa questão de não poder câmera está no contrato que tu concorda quando te cadastra como motorista, se tu não concordar, não trabalha com eles. Simples.
Fabio Montarroios
Vc tá zoando, né? Pq, pelo q consta, vc não é obrigado a fazer nada exceto por força de lei. Nenhuma empresa pode fazer o que quiser, cara... Se assim for, eles poderiam proibir negros de trabalhar em com eles? Eles poderiam proibir uso de gasolina ou, sei lá, que os parceiros ofereçam bala de canela? Não... Eles não podem proibir nada disso e as câmeras tb não. Assim como eles não podem proibir quem tem porte de arma de levar uma arma no carro - o caso de um policial, por exemplo. E por aí vai... Eu acho essa mentalidade bem perigosa, de dar todo esse poder às empresas a ponto de acharem que elas estão acima das leis.
Marcos
Cara, é uma empresa privada, eles podem proibir o que quiserem.
Fabio Montarroios
Se não existe uma lei no Brasil que impeça o motorista de filmar a parte interna do carro, o Uber não pode proibir. Tanto é assim que ônibus e metrô filmam os ambientes internos (provavelmente há legislação específica pra isso)...
Ricardo Oliveira
Sim, muito lindo seu posicionamento socialista.. mas a questão é simples.. liberadade para optar por não trabalhar sob o regime da CLT. Porém não temos essa liberdade.. somos roubados todo mês.. ;)
Bruno Pinho
Realmente, para mim e você, pessoas com boa instrução, boa remuneração e um bom trabalho (que nos permite até conversar pela internet em plena quinta pela manhã) a CLT não faz muita diferença. Agora comparar nossa confortável situação com a da maioria dos trabalhadores, que sai de madrugada e volta de noite para casa, que ganha mal para a subsistência alimentar da família é muita falta de noção. Como falar de Tesouro Direto, LCI, CDB, investimento em imóveis com quem está mal conseguindo pagar o aluguel e vê a maioria dos parentes, vizinhos e amigos desempregados? Esse papo de Estado Mínimo é conversa fiada de barão que está de bucho cheio. Talvez se eu fosse um lorde inglês começasse a refletir como os direitos trabalhistas podem afetar a competitividade sistêmica... Mas eu moro é no Brasil e tem muita gente passando fome e precisando sim da ajuda do Estado e de alguém que os defenda perante a fúria das empresas que só pensam no lucro.
Trovalds
CLT é ilusão pra enganar otário. Onera quem emprega e fode com o empregado. Você poderia receber 8% a mais mas tem que fazer uma poupança forçada que não rende praticamente nada (isso em comparação com a poupança que já é ridículo o rendimento), mais 12% pra uma previdência que vai te pagar uma aposentadoria ridícula e por aí vai. MAS nós vivemos na década de 1940 ainda e não podemos deixar os patrões abusar de nós. Só uma dica: se você pegar esses 8% e investir direito vai ver o montante daqui uns 10 anos. O mesmo vale pros 12% da previdência se você investir numa privada. Autônomo FTW. Nada de ser escravo de legislação antiquada que é feita pra te proteger mas que te ferra. A informação está aí pra quem quiser investigar. Só que vivemos no país da preguiça e da ignorância sistematizada e perpetuada pelas "tapas" da "mãe" Estado que diz te proteger. Tenho uma conta inativa do FGTS que tá pra completar 5 anos. O valor dela era uns R$ 240 na época. Hoje? R$ 252. Se tivesse colocado na poupança (que é um dos piores investimentos) teria R$ 341. MAS a CLT é o "must have" para proteger o trabalhador.
Exibir mais comentários