Início » Internet » O recurso do Facebook que alerta sobre notícias falsas ainda não funciona muito bem

O recurso do Facebook que alerta sobre notícias falsas ainda não funciona muito bem

Paulo Higa Por

O Facebook apresentou em dezembro um recurso que alerta quando uma notícia é falsa: a rede social mostra uma faixa dizendo que o conteúdo do link publicado por um amigo foi “contestado” por uma ou mais agências de verificação de fatos. Mas a tecnologia ainda não funciona muito bem.

Uma notícia falsa envolvendo Donald Trump informava que o Android do presidente dos Estados Unidos foi a fonte de vazamentos recentes da Casa Branca — ele utiliza um Galaxy S3, smartphone lançado em 2012 que não recebe mais atualizações de segurança. O The Seattle Tribune publicou a notícia falsa no dia 26 de fevereiro. No entanto, segundo o Recode, ela ficou cinco dias sem nenhuma contestação.

A notícia já possui mais de 81 mil curtidas, compartilhamentos e comentários. A primeira contestação veio somente no dia 2 de março, por parte da Snopes. Uma segunda verificação foi feita pela Politifact na tarde de 3 de março, seis dias após a publicação original — tempo suficiente para que a notícia falsa se espalhasse pelo feed de notícias de muita gente.

Essa lentidão já seria um problema, mas há outra questão: o The Seattle Tribune é um site que produz apenas notícias falsas. A própria publicação informa que se trata de um site de entretenimento e que “todas as notícias contidas no The Seattle Tribune são ficcionais e presumivelmente satíricas”. É um site com a mesma proposta do Sensacionalista: não havia nenhuma possibilidade da notícia ser verdadeira.

O alerta do Facebook é muito dependente de humanos. Para que uma notícia receba o selo de “falsa”, ela primeiro deve ser reportada como boato pelos usuários. Depois, o link é enviado para as agências parceiras do Facebook, com humanos que verificam as informações publicadas. Por fim, se (e somente se) a notícia for contestada por duas agências, o selo de contestação é exibido.

Faz sentido que o Facebook seja cauteloso para que a ferramenta de notícias falsas não acabe virando um instrumento de censura. Mas fica a dúvida se a rede social não deveria agir mais rapidamente nessas situações, digamos, óbvias.

Atualização às 17h16. O Facebook entrou em contato para informar que o aviso de notícias falsas ainda não está sendo testado no Brasil. Além disso, a empresa ressaltou o caráter informativo do recurso, que apenas alerta aos usuários que um conteúdo é potencialmente falso antes que eles cliquem ou compartilhem a publicação, sem impedir o acesso à notícia.

Mais sobre: ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Ramon Gonzalez
Putz, uma black list então já resolveria
Adriano
Cara, essa sua indagação é absolutamente pertinente no entanto, para 99% das pessoas, soa como paranoia, teoria da conspiração. As pessoas só enxergam aquilo que querem enxergar. Se a mídia já afirmou que é para o bem de todos, então é para o bem de todos e ponto final. Quanto a resposta que te deram, eu com certeza não conteria o riso também, e riria muito.
palatoqueimado
Antes de confiar cegamente nessa ferramenta, já parou para se perguntar para quem essas "agências de verificação" trabalham? Me responderam uma vez: "à favor da verdade e da democracia". Não contive o riso.
Juan Lourenço
Os sites que geralmente são verdadeiros podem ficar na regra dos 2 strikes aí pra receberem o aviso de falso. Talvez um meio termo fosse legal também, pegando onda na sua ideia: sites confiáveis precisam de 2 strikes, e quem não está nessa lista já recebe o aviso com 1 strike. Afinal, a gente tem que confiar nessas agências que analisam a veracidade. Se uma disser que é potencialmente falso, já deveria aparecer o aviso pra agilizar.
Diogo Nóbrega
E uma lista de sites de notícias verdadeiras também seria útil (embora que, muitas vezes, eles são vítimas de notícias falsas também).
Henrique Picanço
Não pensou-se, à época da criação da ferramenta, uma lista onde sites satíricos seriam colocados e sempre receberiam um selo dizendo que é uma notícia ficcional? Parece-me uma falha no projeto.
Juan Lourenço
Eles precisam pelo menos de uma lista de sites de notícias falsas (como Sensacionalista) pra terem sempre o alerta ativado...