Início » Internet » É o fim do DMOZ

É o fim do DMOZ

Você ainda se lembra dele, certo?

Emerson Alecrim Por

Se você começou a acessar a web por volta do ano 2000 (ou até mais tarde), talvez conheça o DMOZ — ou pelo menos tenha a sensação de que o nome não é estranho. Trata-se do maior e mais importante diretório de sites do mundo. Ter um site listado ali é obrigatório para um bom posicionamento no Google. Melhor, era: o DMOZ perdeu relevância e, por isso, encerrará suas atividades no próximo dia 14.

O DMOZ nasceu em junho de 1998. Na época, os serviços de busca estavam longe de ter a sofisticação de hoje — o Google só viria a surgir oficialmente três meses depois. Diretórios de links eram bastante importantes se você quisesse encontrar sites especializados em determinados assuntos, portanto.

DMOZ

A criação do serviço se deu pelas mãos de Rich Skrenta e Bob Truel, na ocasião, dois engenheiros da Sun Microsystems. Originalmente, o site se chamava GnuHoo, mas teve que mudar para NewHoo por conta do protesto de membros da comunidade de software livre que alegavam que o projeto não tinha relação com o GNU.

Só o que o novo nome também não serviu: o Yahoo achou o sufixo "Hoo" muito familiar e também reclamou. O “novo novo nome” iria ser ZURL, mas, antes da mudança, a Netscape comprou o serviço e o batizou de Open Directory Project. Em 1999, depois de a Aol ter comprado a Netscape, a denominação passou a ser usada junto com DMOZ, uma referência ao nome Directory Mozilla.

Naquela época, o DMOZ já era bastante relevante. Graças ao trabalho de milhares de voluntários em várias partes do mundo, o serviço já tinha mais de um milhão de sites classificados, em diversos idiomas (incluindo português). Isso tudo apenas um ano após o seu surgimento.

Como esse trabalho era bastante preciso e cobria um volume expressivo de sites, o DMOZ passou a servir de referência para os buscadores. Se você quisesse fazer um site ser bem posicionado nas buscas do Google, tinha, quase como obrigação, que submetê-lo ao DMOZ e torcer para ele ser listado por lá.

O DMOZ permaneceu relevante por muito tempo, mas, nos últimos anos, entrou em uma espiral de esquecimento: quem é que continua acessando diretórios de links? O DMOZ só vinha servindo para estratégias de SEO (Search Engine Optimization), basicamente. Mas Google e outros buscadores otimizaram seus sistemas de indexação de tal forma que, hoje, nem para SEO o DMOZ serve mais.

DMOZ

É compreensível que os buscadores tenham diminuído a importância dos diretórios de links. A web cresceu tanto que, mesmo tendo um número gigantesco de colaboradores — mais de 90 mil pessoas já ajudaram a classificar links no DMOZ —, é praticamente impossível ao serviço não deixar algum site legítimo de fora ou, por falha, incluir endereços ruins (que fazem spam, por exemplo).

Em fóruns especializados, fala-se até em editores do DMOZ que dificultavam a inclusão de determinados sites para atender a interesses pessoais, como evitar que sites concorrentes aos seus fossem listados.

Em 2014, o Yahoo Directory — outro diretório muito importante — foi fechado por razões semelhantes. Era só questão de tempo para o DMOZ seguir pelo mesmo caminho. O serviço deixará de existir em 14 de março, mas pelo menos sairá de cena em grande estilo: foram quase 4 milhões de sites classificados, cerca de 90 idiomas considerados e mais de um milhão de categorias criadas.

Mais sobre:

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

felipeantunes
dmoz era famoso para quem tinha site. era uma ferramenta mais profissional
Ricardo - Vaz Lobo
Valeu, obrigado.
Marcus Araújo
Acessava a internet até antes, em meados/final da década de 90, e nunca ouvi falar.

Até lembro de sites da época com a mesma proposta, mas nem imaginava que ainda hoje houvesse sites desse tipo.

Dito isso, vai fazer falta? Talvez aos outros, mas não para mim.
gabriel
Acabei de descobrir que o superdownloads ainda existe.
gabriel
Saudades do cadê. (na verdade não)

Cheguei mesmo a ter um e-mail @cade.com.br, num curto período em que o site oferecia o serviço. Eu acho.
André G
Diretórios ainda existem e são necessários na deep web
Tiago Celestino
Eu comecei antes e também nunca vi esse negócio. Usava bastante o Cadê e depois o Y! Diretórios (comparam o Cadê)
Arthur Dubeux
Igualmente
SR 71 Pássaro Preto
2.
Anthony Fernando
2.
Bruno
o podcast 99vidas falou disso recentemente. confira lá.
Bruno
sim. cade a altavista 4ever.
DumbSloth87
A gente que é hueBR usava o Cadê? e era feliz.
Caleb Enyawbruce
hahaha! #fato
Ramon Gonzalez
hahaha! #fato
Emerson Alecrim
Sugestões são sempre bem-vindas por aqui. Valeu a dica o/
emersonalecrim
Sugestões são sempre bem-vindas por aqui. Valeu a dica o/
Leonardo Spricigo
Nunca ouvi falar também
Frank V
Metade da lista vai ser ocupada por serviços do Google :v
Frank Vinnicyus
Metade da lista vai ser ocupada por serviços do Google :v
Caleb Enyawbruce
Uma linha do tempo da mortalidade de serviços da internet. interessante...
Ramon Gonzalez
Uma linha do tempo da mortalidade de serviços da internet. interessante...
Caleb Enyawbruce
Estou online desde meados dos anos 90 e nunca tinha nem ouvido falar. R.I.P.
Maurilio Mesquita
Definitivamente nunca ouvi falar de nenhum desses nomes, nem o primeiro, nem o último que o site teve, sendo que eu uso internet desde 1997. Mesmo porque nessa época muitos buscadores da internet eram buscadores dos seus próprios diretórios, como Cadê e Yahoo! (os que eu usava na época para Brasil e mundo, respectivamente).
Agora, quando o TUCOWS morrer de verdade verdadeira (e não só de morte aparente, já que ele ainda existe), aí sim ficarei assustado, porque a relevância dele era imensa na época da internet à vapor, internet-arte, internet de várzea, internet zip-em-4-disquetes.
Ramon Gonzalez
Estou online desde meados dos anos 90 e nunca tinha nem ouvido falar. R.I.P.
Ricardo - Vaz Lobo
Longe de mim querer pautar o TB, mas gostaria de sugerir um necrológico de que foi muito da hora na pré história da web e foi morrendo pelo caminho.
Bruno
Comecei a mexer na internet ali por 95 e nunca tinha visto esse site.
J. Craig
Tem coisas que começam e acabam e a gente nunca ouviu falar. Eu, pelo menos.