Início » Negócios » Escândalos fazem presidente do Uber pedir demissão

Escândalos fazem presidente do Uber pedir demissão

Emerson Alecrim Por

As polêmicas dos últimos meses têm feito vários nomes de peso dentro do Uber deixarem a companhia. O desligamento mais recente aconteceu no domingo (19): depois de seis meses no cargo, Jeff Jones não é mais presidente da empresa.

O até então número dois do Uber — Jones se reportava apenas ao CEO Travis Kalanick — assumiu a função em setembro de 2016 trazendo consigo a experiência acumulada como líder de marketing da Target, uma das redes varejistas mais conhecidas dos Estados Unidos.

Uber

Jones chegou com a missão de substituir Ryan Graves, que ocupava o cargo desde 2010. A mudança não seria fácil. Graves é um dos responsáveis por transformar o Uber em um fenômeno mundial. Não é por acaso que ele permaneceu na empresa para cuidar de projetos específicos, incluindo a divisão de entregas Uber Everything.

A Target executa estratégias de marketing bastante agressivas para manter a sua força nos Estados Unidos, usando inclusive recursos tecnológicos avançados para isso. Por essa razão, Jeff Jones parecia um bom nome para presidir uma companhia que tem um modelo de negócio tão disruptivo.

Entre suas missões, Jones tinha o desafio de reverter o declínio que o Uber vem experimentando. Mas a situação só piorou. Além de motoristas se queixando de mudanças nos valores cobrados e de usuários reclamando de queda de qualidade, o Uber se deparou com denúncias de assédio moral e sexual.

Jeff Jones

Jeff Jones

Um caso bastante emblemático é o da engenheira Susan Fowler. Ela usou o seu blog pessoal para explicar, com riqueza de detalhes, que deixou a empresa por não ter recebido apoio ao denunciar um gerente por assédio sexual. A empresa só viria a iniciar uma investigação depois de o caso ter ganhado o noticiário.

Embora os escândalos tenham feito Kalanick ficar em evidência — como quando ele discutiu com um motorista que se queixou de baixa remuneração —, Jones também vinha sendo pressionado. O executivo até tentou se aproximar dos motoristas para diminuir as reclamações, mas acabou acumulando críticas e mais críticas, muitas delas enviadas diretamente à sua conta no Facebook.

Para piorar a situação, não faz muito tempo que Kalanick anunciou a intenção de contratar um COO (diretor de operações) para ajudar a empresa a sair da má fase. A decisão incomodou Jones, que provavelmente viu nela um sinal de que seus serviços não estavam correspondendo às expectativas.

Travis Kalanick

Travis Kalanick

Mas foi mesmo a escalada de problemas que fez Jones jogar a toalha. Segundo uma fonte do Recode que trabalhou com ele na Target, o executivo nunca gostou de lidar com conflitos — para quem tem esse perfil, o Uber provavelmente é um dos piores lugares do mundo para se trabalhar.

E esse é apenas mais um capítulo da fase conturbada do Uber. Além dos problemas mencionados, a companhia está sendo processada por supostamente “roubar” uma tecnologia de carro autônomo do Google e não está se saindo muito bem nos testes com veículos do tipo: motoristas estão tendo que assumir a direção durante os percursos com mais frequência do que o esperado.

O momento é tão complicado que já há quem aposte que o próximo grande nome a abandonar o navio será justamente o de Travis Kalanick.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Natthan Fruche Terzi
Na minha opinião, o Uber abriu o mercado de taxis para qualquer um explorar, muitos investimentos serão feitos, muita gente vai se endividar para comprar carro novo ou até mesmo desenvolver seu próprio aplicativo, e a bolha vai se tornar auto sustentável. Um exemplo que posso dar é o caso das paleterias, muita gente se endividou para abrir lojas e em menos de 1 ano fechou as portas, o mercado de transportes é maior e pode ser muito bem explorado, mas se todos apostarem na bolha, ela vai estourar.
Mauricélio Mesquita
Aqui no rj tivemos uma reunião com ceo da uber, e o mesmo prometeu mundo a favor do motorista, uma semana depois eles baixaram o preço das corridas em 20 por cento e quebrou geral. Hoje a uber vive os fragalhos aqui no rj.
Ligeiro
Como eu sempre disse: Não adianta, uma hora o Uber cai
Ricardo Cardoso
Até porque é uma cidade cheia de buracos nas rias, trânsito pesado com congestionamentos, raio de chamada de 6 km e uma das gasolinas mãos caras do pais e um valor muito baixo das corridas, manutenção dos veículos muito altas, lembrando que a distribuição da Coca Cola já fechou aqui, porque a Uber tb não pode passar por isto, um parceiro que não que escutar o outro é difícil.
Ricardo Cardoso
Aqui na minha cidade já fiz uma crítica ao valor descontado do motorista de 25%, no valor da corrida e propus que houvesse uma reunião entre os parceiros, mas fui muito mau recebido pela gerente do Uber e a mesma ainda disse que a política deles é não tratar com grupos.
Kleber Santos
Acredito que novos concorrentes vão aprimorar os serviços. É o caso da 4Move, que estreia dia 25/4 em São Paulo. Conheça 4move.me/invite/kfsantos
Caio
O que ele fez foi diferente. Alavancagem não é crime dependendo de como for feita, só é bem arriscada.
Marcus Pereira
A uber sem os motoristas não são nada e só melhorar o mercado de trabalho 50/ dos motoristas vão sair ai quero ver oque eles vão fazer.
Cortana
A Uber sempre foi uma empresa soberba.
Mauricélio Mesquita
Uber sem os motoristas não é nada, eu tive dois carrões no uber rj, hoje tenho um bom carro, e sou muito mal remunerado.
Jack Silsan
Bem, exemplos semelhantes não faltam. O Lobo de Wall Street, Jordan Belfort, fez coisa parecida e amargou alguns anos no xilindró
PPKX XD ?????????
Não num sistema capitalista, LOL, aí depois vêm o governo e salva o mercado da quebradeira
Jack Silsan
Caramba... Imagina se as coisas estivessem nos trilhos
Jack Silsan
Isso também pode ser chamado de crime lol ?
PPKX XD ?????????
Não, pirâmide é outro esquema, isso é alavancagem inescrupulosa mesmo, infle os valores, venda sua parte, e deixe tudo desmoronar
Exibir mais comentários