Você chegou a compartilhar arquivos com seus amigos pelo celular quando nem o Bluetooth era popular? Naquela época, as transmissões sem fio eram feitas por infravermelho e demoravam uma eternidade. Mas a mesma técnica pode ser utilizada para criar um Wi-Fi bem mais rápido que o atual — e que tem a vantagem de não ficar congestionado quando múltiplos dispositivos estão conectados.

A tecnologia, apresentada por pesquisadores da Universidade Tecnológica de Eindhoven, nos Países Baixos, é simples: ela consiste em antenas fixadas no teto que emitem luz infravermelho para os dispositivos ao alcance dos raios, como um smartphone, tablet ou notebook.

Nos testes de laboratório, foi possível chegar a uma velocidade de download de 42,8 Gb/s a uma distância de 2,5 metros da fonte, com apenas um raio. Os roteadores Wi-Fi mais caros do mercado sofrem para chegar a um décimo disso, então os primeiros resultados parecem ser bem promissores. Por enquanto, o infravermelho é utilizado apenas para download; os uploads ainda são feitos no método tradicional.

Talvez a tecnologia não substitua completamente o Wi-Fi, porque a luz infravermelho não penetra nas paredes — você precisaria ter antenas espalhadas em todos os cômodos para ter conexão na casa inteira, o que nem sempre é viável. Mas ela é bem mais inteligente que o infravermelho da década passada: as antenas monitoram a localização de cada aparelho para que, quando um deles sair do alcance de um raio, outro raio seja ativado e continue fornecendo a conexão.

Além disso, o grupo de antenas muda a direção dos raios de luz quando o comprimento da onda é alterado (não há partes móveis), então você não precisa ficar alinhando seu celular com o infravermelho para receber dados. Segundo os pesquisadores, não há perigos à visão, porque os raios têm comprimento de onda de 1.500 nanômetros ou mais (frequência de 200 THz!) e não penetram na retina.

A ideia de utilizar infravermelho para transmitir dados gera o inconveniente de ter que espalhar antenas por aí, mas traz boas vantagens. A primeira é que cada dispositivo tem o seu próprio raio de luz — ou seja, eles não compartilham a mesma capacidade e, portanto, seu Wi-Fi não fica lento se você conectar dezenas de aparelhos. A outra é que, justamente por não penetrar nas paredes, a rede do seu vizinho não vai causar interferência na sua (e vice-versa).

Os pesquisadores contam ao Phys.org que a tecnologia deve chegar ao mercado em cinco anos ou mais; os primeiros dispositivos com o Wi-Fi por infravermelho devem ser os que consomem grandes quantidades de dados, como tablets, notebooks e monitores de vídeo. Aguardemos.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Natthan Fruche Terzi
http://www.criarmeme.com.br/meme/meme-33819-hum--interessante-seu-papel-de-trouxa.jpg
Pryderi
No paper, No Science. Show me the paper!
Natthan Fruche Terzi
Pode ficar tranquilo, toda lâmpada incandescente e fluorescente que você já usou até hoje na sua vida emitem IR. As incandescente mais as e as fluorescente só um pouco, já as de LED não sei informar.
Natthan Fruche Terzi
Acho que será um meio termo entre cabo e wifi, por que elimina ter que passar fios para cada equipamento (para a antena deve precisar). Mas não garante toda a mobilidade do wifi
Natthan Fruche Terzi
Na boa físico da NASA, se acha que os cientistas que estão criando essa tecnologia, não pensaram em tudo isso. Com certeza não vai ter interferência pois irão usar frequências altíssimas e o receptor irá saber diferenciar as frequências naturais das artificiais. Os controles remotos até têm IR, mas ninguém vai ficar apertando ele por 30 minutos só pra derrubar a conexão do irmãozinho mais novo né.
Pryderi
Que ótimo saber quantos aqui foram reprovados em Física Infra-vermelho nada mais é do que calor, com um comprimento dew onda grande e baixa energia (o que faz dela uma emanação ruim para qualquer tipo de tráfego de informação). Todo corpo acima do zero absoluto emite radiação infra-vermelha. Taí a sua interferência: TUDO estará interferido. Aí, o que acontece quando uma superfície isolante de calor estiver no meio? Exatamente, nada de propagação. E não. raio IV não causa mal algum. Vocês estão cercados dela como eu falei (não é à toa que Brasil se ferra nos índices educacionais). Exemplo de material que é péssimo condutor de calor? Vidro. Boa sorte com seu blindex ou aquário. Sabem outra coisa que tem IV? Controle remoto. Opa, mais uma coisa para dar interferência! Vai ser lindo numa belo dia de verão, com Sol entrando pela janela e aquecendo tudo esse lindo wifi do inferno indo pra vala. E pessoal achando uma boa ideia...
BassVix
Para quem não sabe seu controle remoto espalha um monte de raios na sala, nem precisa mirar para o aparelho, mire para a parede que vai refletir, imagine o quanto bate em você também. :D
BassVix
Nada de saudosismo, péssimos tempos do Palm m100 e outros da época para esse objetivo de transferência. Mesmo sobre outros dispositivos mais modernos na época ou pouco depois. IrDA era lento, pouco alcance, quase inútil, até a pseudo-redenção do Bluetooth.
Victor Viana
Aí você passa na frente da antena e o sinal cai... Aham, super prático
Ramon Floriano
O controle do Xbox One é Bluetooth amigo e não infravermelho.
Anderson
Mais uma tecnologia para acabar com a nossa saúde
Luciano Cardoso
O controle do xbox one é por infravermelho e o sensor no console fica na parte de trás. Mesmo dentro do rack não tenho problemas com sinal. Parece que esse novo sistema reflete o sinal nas paredes, sem a necessidade de ficar apontando para o console ou para antena, se for esse o caso.
Marsupial radical
Hahahahah Mas, foi justamente por isso eu disse "Praticamente sem delay"!
Zanac_Compile
Muito interessante! Mas com ressalvas ! O WiFi tradicional congestiona pela disputa de acesso a frequencia que ele utilizada para up e down. No Infravermelho isto não aconteceria, mas de qualquer forma, no equipamento que centraliza tudo, vai ter várias conexões Gigabits disputando o acesso a um servidor de streaming da casa (tipo um PLEX) ou pior ainda, a saída da Internet, que na melhor das hipóteses, será de 100Mbps. Enfim, é muito bem vindo. Mas é uma largura de banda a ser parcialmente bem aproveitada somente na LAN onde ela esta localizada. Mas mesmo assim, pelo fato de não ser full duplex (o upload continua no WiFi tradicional), não será nenhuma maravilha definitiva. É mais interessante, do que uma solução definitiva.
palatoqueimado
Tecnicamente toda transmissão de dados por ondas tem delay (seja na escala de nano/microsegundos), haja em vista que elas precisam percorrer um espaço físico entre o transmissor e o receptor de sinal. Sim, eu sou divertido em festas.
Exibir mais comentários