Início » Segurança » Operação Lava-Jato revela truques tecnológicos usados em esquema de corrupção

Operação Lava-Jato revela truques tecnológicos usados em esquema de corrupção

Por
1 ano atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) é acusado de comandar um esquema de propina no Rio de Janeiro, e documentos da Operação Lava-Jato mostram como os envolvidos usavam diversas ferramentas tecnológicas para se comunicar, incluindo mensagens criptografadas através do finado MSN.

O ex-governador Sérgio Cabral (foto por Pedro França/Minc. Brasil)

O doleiro Marcelo Chebar conta em delação premiada que enviava dinheiro para o exterior por orientação de Cabral, mas os valores aumentaram muito depois de 2007 – quando ele foi eleito governador do RJ. Por isso, foi preciso terceirizar o serviço para outro doleiro, Vinícius Claret, conhecido como “Juca Bala”.

Chebar se comunicava com “Juca” pelo MSN, mas não usando o cliente oficial da Microsoft, e sim uma alternativa chamada Pidgin. O motivo: dessa forma, era possível criptografar as mensagens.

Para tanto, o remetente e o destinatário precisam instalar o plugin de um protocolo chamado OTR (Off-the-Record Messaging). Feito isso, ninguém mais sabe do que se trata a conversa. Para quem está de fora, ela aparece assim:

Segundo Chebar, foi o próprio “Juca” que sugeriu usar o Pidgin devido ao recurso de criptografia. O doleiro recebia reais enviados por Cabral e entrava em contato com “Juca” pelo MSN (através do Pidgin) para fechar a taxa de câmbio. Uma vez definidos os valores, uma equipe ia ao escritório de Chebar no Rio para realizar a operação.

O controle de pagamentos e recebimentos era feito por meio de planilhas de Excel, que eram sempre armazenadas em um pendrive criptografado com o Steganos Safe. Este programa protege seus arquivos com senha, e também permite criar uma partição escondida. Após o uso, os pendrives eram destruídos.

Isso não deve ser usado como um argumento contra a criptografia. É insensato propor brechas propositais em algoritmos de encriptação, já que isso deixaria todo mundo menos seguro – não existem backdoors “do bem” – e porque é possível realizar investigações de outra forma, incluindo metadados (registros de comunicação sem o conteúdo das mensagens em si).

E, no caso do esquema de Cabral, eles nem sempre dependiam de criptografia. O outro truque na manga era usar um e-mail que servia como depósito de arquivos, e que nunca enviava mensagens – dessa forma, elas não poderiam ser interceptadas. Carlos Miranda, apontado como responsável por recolher propinas de Cabral, criou a conta [email protected]gmail.com que recebia arquivos na pasta de rascunhos.

Chebar tinha a senha, assim como Miranda, e ambos trocavam ordens de transferência de dinheiro e até mesmo boletos para pagamento. Em um dos casos, o dinheiro de propina custeou despesas do filho mais velho de Miranda em um curso realizado na New York Film Academy.

Esses detalhes vieram à tona graças à Operação Eficiência, deflagrada em janeiro. Segundo o jornal O Globo, Chebar revelou contas de propina onde estavam escondidos US$ 101 milhões (cerca de R$ 340 milhões); e, desse valor, R$ 250 milhões foram repatriados e servirão para pagar o décimo terceiro atrasado de aposentados e pensionistas no RJ.

Com informações: MPF (1), (2).