Início » Inteligência Artificial » Uber suspende teste de carros autônomos após acidente

Uber suspende teste de carros autônomos após acidente

Por
2 anos atrás

Este não está sendo um bom ano para o Uber. Casos de assédio vieram à tona; o CEO foi gravado em vídeo discutindo com um motorista do serviço; o presidente pediu demissão. E no sábado (25), o projeto de carros autônomos da empresa foi temporariamente suspenso após um acidente.

Na cidade de Tempe, Arizona (EUA), um veículo autônomo virou de lado após ser atingido por outro carro que fazia uma curva à esquerda. A polícia diz à Bloomberg que havia uma pessoa atrás do volante no carro do Uber, mas não sabemos se ela estava no comando quando a colisão ocorreu. Ninguém ficou gravemente ferido.

Não é a primeira vez que vemos um acidente com carro autônomo: por exemplo, um dos veículos do Waymo (do Googlecolidiu na lateral de um ônibus. No entanto, a maioria dos casos envolve colisões na traseira, porque os humanos são menos cautelosos que um carro-robô. Enquanto isso, a foto abaixo – do carro do Uber virado na lateral – sugere um acidente de impacto relativamente alto.

O Uber começou a testar carros autônomos em San Francisco, mas sua licença foi revogada pelo DMV (equivalente ao Detran) da Califórnia. O órgão constatou que os veículos estavam furando sinais vermelhos. Segundo o New York Times, o software simplesmente não conseguia reconhecer semáforos e precisava de ajuda humana para tanto.

A empresa decidiu, então, levar seus veículos para Pittsburgh e para o Arizona. No entanto, o software continuou falho: segundo o Recode, um motorista humano tinha que intervir uma vez a cada quilômetro, em média. Agora, os testes foram suspensos no Arizona até que a investigação seja completa, e as operações em Pittsburgh foram interrompidas.

Este projeto de carros autônomos já estava envolvido em uma grande polêmica. O Uber adquiriu a Otto, uma empresa de caminhões autônomos, e ela está sendo acusada pelo Waymo de roubar propriedade intelectual criada pelo Google. Essa será uma disputa judicial acirrada.

E como nota o Recode, a aquisição da Otto teve outros problemas: uma “pequena guerra civil” eclodiu entre os funcionários dessa startup e os membros do ATG (Grupo de Tecnologias Avançadas), que já existia no Uber – ambos são responsáveis pelas tecnologias autônomas. Pelo menos vinte engenheiros deixaram a empresa desde novembro.

Como se não bastasse, a empresa está perdida entre inúmeros problemas internos. Descobriu-se que ela criou uma versão falsa do serviço para despistar autoridades (que aparentemente não será mais usada). E recentemente, uma ex-namorada de Travis Kalanick – CEO do Uber – recebeu uma ligação para tentar abafar um incidente de 2014, em que o executivo e outros cinco funcionários foram a um bar de Seul, Coreia do Sul, que oferecia mulheres como acompanhantes.