Início » Mobile » O que há dentro do Galaxy S8

O que há dentro do Galaxy S8

Por
14 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

O Galaxy S8 começou a ser entregue aos primeiros compradores. Claro que o iFixit não perdeu tempo e já desmontou o novo smartphone da Samsung para descobrir o que há dentro dele — além de saber quão complicada é a troca de peças em caso de manutenção. As notícias são boas: o Galaxy S8 está mais fácil de reparar que o Galaxy S7 Edge, e vários componentes são modulares.

A construção não mudou tanto em relação à geração anterior. Ainda é necessário esquentar a carcaça para derreter a cola e desgrudar a traseira de vidro, já que não há nenhum parafuso por fora do smartphone. Além disso, as curvas nas laterais dificultam a troca do vidro frontal sem danificar a tela AMOLED, e a bateria, apesar de ser substituível sem tanto esforço, é presa com bastante cola.

Mesmo assim, o Galaxy S8 ganhou pontos devido ao fato de várias peças poderem ser trocadas individualmente. Um dos componentes modulares é o sensor de impressões digitais na traseira: basta aplicar um pouco de calor para desgrudá-lo da carcaça, sem estragar nenhuma outra parte do aparelho.

Por dentro, o novo smartphone trouxe 4 GB de RAM LPDDR4 da Samsung, 64 GB de armazenamento em flash (UFS) da Toshiba, controlador de NFC da NXP e bateria de 11,55 Wh da Samsung. O modelo destrinchado pelo iFixit foi o americano, com processador Snapdragon 835, e trouxe codec de áudio e transceiver de radiofrequência da Qualcomm.

Ele ganhou 4/10 pontos no índice de reparabilidade, que mede quão fácil é consertar o produto e substituir peças – um avanço em relação ao Galaxy S7 e S7 Edge, que ganharam 3/10. Você pode conferir todos os detalhes no iFixit.

Review do Galaxy S8

Leia o nosso review completo do Galaxy S8.

  • Não tendo TNT já tá ótimo.

  • Henrique Queirós

    ainda bem que não explodiu.
    enfim, tanto elogio pra no final ganhar 4/10 chega a ser irônico kkkk

    • henriquecd

      O iFixit não faz um review da qualidade do aparelho mas sim da facilidade para fazer reparos. Qualquer aparelho selado dessa forma costuma ser difícil de reparar e acaba ganhando uma nota baixa nesse quesito. O iPad 5, por exemplo, ganhou 2.

      • Henrique Queirós

        Mas os elogios foram sobre a facilidade mesmo, e no final ganhou nota baixa, isso foi irônico

        • Lucas Carvalho

          Também achei isso, mas essa nota deve ser relativamente alta.

        • Acho que pesou na nota o fato da facilidade de estragar a tela, mesmo sendo de fácil remoção.

  • Arley Martins

    4/10. Isso pra mim quer dizer que pra consertar ele vai ser uma trabalheira baseado nessa nota. Se fosse um 7 ou 8 ai sim seria ótimo.

    Samsung copiando o Iphone até na dificuldade pra consertar. Resumindo, jogue fora e compre outro…

  • CtbaBr

    Quando moleque, eu era como o pessoal do iFixit, desmontava tudo o que via…
    O problema é que raramente eu conseguia montar de novo… Ninguém ficava feliz com isso!

    • tuneman

      E eu acho que desmontei coisas que ainda funcionavam hahhHa

    • kkkkkkkk tipo eu… Desmontava e depois tentava montar…
      Lembro que desmontei uma bike inteira… até as rodas, a raiação, e depois pra montar kkkkkk, quem disse que eu montei né… kkkkktive que descartar a bike toda desmontada, pq pra montar povo queria preço de uma nova kkkkkkk
      E Esse celular deve ser top hein… Quero saber se ele vai ter a DOCK pra ele virar um Pc portatil… Será?

  • O teardown e scratch test do G6 me impressionaram mais

  • Catena’s Beauty Atelier

    É incrível como todo esse poder computacional cabe em um chip tão pequeno (Snapdragon 835)

  • Hemerson Silva

    Que bom que o NFC é NXP. Poderei usar o Ponto Certo Bilhete Único/Cartão BOM.