Início » Gadgets » Primeiro smartwatch com Android Wear e pronto para natação custa R$ 1.599

Primeiro smartwatch com Android Wear e pronto para natação custa R$ 1.599

Por
22 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

São poucos os relógios de pulso inteligentes que podem ser usados durante a natação: a Apple tem o Watch Series 2, e a Garmin tem dois modelos que apenas recebem notificações básicas. Para quem está interessado no Android Wear, a única opção atualmente é o Polar M600 — e ele está à venda no Brasil.

A finlandesa Polar criou seu primeiro dispositivo com Android Wear: o M600 tem uma pulseira de silicone reforçado, GPS embutido e certificação IPX8 — ou seja, é seguro para a natação. Ele é capaz de detectar o tipo de nado (livre, costas, peito ou borboleta); e oferece métricas como distância, ritmo e braçadas por minuto.

Se você não faz natação, tudo bem: claro que o relógio consegue acompanhar outras atividades físicas — a Polar cria relatórios específicos para mais de cem esportes, que você escolhe manualmente. Há um monitor óptico de frequência cardíaca com 6 LEDs na traseira.

Além disso, ele acompanha automaticamente a distância percorrida, passos dados e calorias queimadas ao longo do dia inteiro, com um alerta que vibra após 55 minutos de inatividade; e monitora a duração e a qualidade do seu sono.

Todos esses dados são sincronizados com o Polar Flow, plataforma que reúne seus treinos, atividades e horas de sono. O app é bem mais completo que o Google Fit, e pode ser acessado por um botão na parte inferior da tela. Os dados, por sua vez, ficam disponíveis em um app para Android e iOS, e também na web.

O Polar M600 roda Android Wear 2.0, com uma interface mais intuitiva, apps independentes do smartphone, Play Store embutida e até um teclado virtual com tecnologia preditiva. Você pode sincronizar faixas do Google Play Música nos 4 GB de armazenamento interno.

E quanto ao hardware? Temos aqui uma tela de 1,3 polegadas com resolução 240 x 240 (apenas 260 ppi) e tecnologia TFT transmissiva para ser mais legível sob luz forte. A bateria é grande para um smartwatch: são 500 mAh, com autonomia de dois dias (ou 8 horas com GPS ativado). Este é também o primeiro relógio com Android Wear a usar o processador dual-core MediaTek MT2601.

O Polar M600 pode ser encontrado em lojas de artigos esportivos por R$ 1.599; ele está atualmente esgotado na loja online da empresa.

Não é muito fácil encontrar relógios de pulso com Android Wear em lojas brasileiras: LG, Huawei e Motorola parecem pouco empolgadas em vendê-los por aqui. (A grande exceção é a Asus, com o ZenWatch 2 e o ZenWatch 3.) Isso deixa o mercado aberto para alternativas como o Samsung Gear S2 e Gear S3, que rodam Tizen; e para o Apple Watch.

  • Henrique Queirós

    Quero ver quando essa tecnologia vai cair, que nem os tablets

    • André G

      A diferença é que os tablets já tiveram seu auge e depois foram esquecidos, já os smartwatches nunca foram muito populares, talvez seja pelo preço ou pelo pouco que oferece.
      Eu só recomendo smartwatches para quem pratica atividade física e quer monitorá-las, do contrário acho que não vale a pena, é muita grana para apenas mostrar notificações e otimizar pequenas coisas do dia-a-dia.

      • ridingthestorm

        Concordo com você. Tenho um Garmin Vivoactive HR e não fico sem ele, mas o foco é usá-lo para monitor minhas atividades físicas, principalmente corrida. As funções de smartwatch são básicas mas o necessário. Não vejo muito sentido em ficar respondendo mensagem, vendo cotação de moeda, foto do Instagram, etc. pelo relógio. Aviso de mensagem e ligação e o controle das músicas quando estou correndo é o bastante, o resto é perfume. Além disso usando o GPS pra correr 4 vezes por semana a bateria do Vivoactive HR dura 6 dias. Esse é outro dos problemas dos smartwaches convencionais.

    • Onde se diz que o tablet está em desuso? Não conheço, uma casa, uma família, uma criança, um solteiro sem. A diferença é que tu compra um iPad 2 em 2011 e ainda não precisou comprar outro até hj. A partir do iOS 11, o povo vai começar a sentir a necessidade de trocar o iPad dino lá de 2011.

      Na minha opinião, tablet só não vende tanto qto Smartphone, mas o uso é gigante. O relógio também não vende, Meu Pebble durou de 2012 a 2017, agora o Apple Watch 2, não tenho dúvida que vou estar usando em 2020, quem sabe 2022. O preço vale a qualidade, durabilidade e obsolescência gigante.

      • Henrique Queirós

        Cara, basta pesquisar. tablet teve seu momento de fama que passou em breve, maioria das pessoas parou de usar o tablet. O meu mesmo virou peso de papel

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Cara, não sei outras experiências, mas já no ipad 3 o delay na tela é irritante. tu sobe a página no navegador e o texto faz uma ola cabulosa!

        • Tenho um iPad2, não é mais um modelo de desempenho, mas frente ao tempo de mercado, até que é bastante aceitável. O iPad 3 é de 2011, também não dá pra querer um desempenho liso impecável com iOS10. Eu acho que é isso que justifica a queda de venda dos tablets, a baixa obsolescência. É um dispositivo que tu fica muitos anos, quase igual uma TV que a troca é a longo prazo.

  • André G

    Meu Moto 360 Sport tem escrito na parte de trás “WATER RESISTANT 3ATM”, o que na prática significa que ele deveria aguentar até 30 metros de profundidade, mas na prática não aguentou um banho de piscina de 10 minutos. Eu estava bêbado, se tivesse sóbrio teria tirado, mas só tirei quando ele começou a vibrar sem parar e a tela estava completamente escura, saí da piscina e ele não ligou mais.
    Felizmente a Motorola me deu um novo na caixa, com todos os acessórios novos, mas senti muita falta dele enquanto estava na garantia.

    • Jorge Luis

      já testou o novo na água?

      • André G

        Só lavei na torneira, não vou usá-lo na piscina, pois no manual diz que ele não deve ser submergido na água.

    • Apple Watch Série 2 e o iPhone 7 eu chuto o balde, mergulho direto. Muita foto e filmagem em baixo d’água. Mar e piscina. Garanto que não dá nada apesar dos avisos pra não exagerar.

      • André G

        Apenas o Apple Watch pode ser imerso em água do mar, o iPhone não!
        Eu já tirei muitas fotos embaixo d’água, em 2014 comprei um Xperia Z2 e na época fotos submersas ainda eram novidade. Hoje tenho uma GoPro para isso.

        • Pois é, excesso de zelo. Sou cobaia pra relatar pro povo aqui, hehehe, não dá nada, mergulho direto o 7+ (mergulhava no verão) agora só levo pra baixo do chuveiro vendo rádio band no Facebook de manhã.

  • Tales Cembraneli Dantas

    Quer um relógio top? compre um Phenix 3 da Garmin….Tem tudo oq vc precisa de um relógio e é lindo….