Que o Google está trabalhando discretamente em um novo sistema operacional não é novidade. A gente só não tinha visto a “cara” dessa plataforma. Esse mistério, porém, acaba de ser desvendado pelo Ars Technica: o veículo teve acesso à versão preliminar da interface do Fuchsia OS (nome provisório, aparentemente).

Armadillo

Ao contrário do Android e do Chrome OS, o novo sistema não é baseado no Linux, vale relembrar. O kernel do projeto se chama Magenta e tem como base o LK. A documentação oficial indica que o novo núcleo “tem como alvo smartphones e computadores modernos com processadores rápidos, quantidades não triviais de RAM com periféricos arbitrários fazendo computação aberta”.

É um sinal claro de que o Fuchsia deverá ter suporte para telas de diferentes tamanhos. Apesar de ainda estar bastante “crua”, a Armadillo, codinome da interface de usuário do sistema, dá indícios de que corresponderá a esse requisito.

Armadillo

Armadillo

As capturas mostram, por exemplo, uma lista de aplicativos abertos em formato de cards que pode ser organizada em fila (um item atrás do outro) ou de maneira distribuída (um item ao lado do outro). Além disso, é possível exibir mais de um aplicativo na tela ao mesmo tempo, modo de funcionamento que é interessante para tablets ou laptops, mas que também poderia funcionar em smartphones.

Armadillo

O Google está usando o Flutter para desenvolver a Armadillo, ferramenta que permite a criação de aplicativos para Android e iOS a partir do mesmo código. Por conta disso, é possível compilar a interface, gerar um arquivo APK e executá-lo no Android. Foi assim que o Ars Technica conseguiu conferí-la.

Esse é um detalhe interessante, pois se o Google decidir substituir aos poucos o Android pelo Fuchsia (é pouco provável, mas pode acontecer), os desenvolvedores poderão ser incentivados a usar o Flutter ou eventuais ferramentas similares para migrar seus aplicativos.

Como a Armadillo está em fase inicial de desenvolvimento, vários recursos estão faltando e o desempenho não está otimizado. Apesar disso, o estágio atual é suficiente para nos fazer presumir que o Google está trabalhando na ideia com bastante seriedade.

Se a empresa levar o projeto para frente, é possível que as primeiras informações oficiais a respeito do Fuchsia sejam reveladas na conferência para desenvolvedores Google I/O. A próxima edição terá início no dia 17 deste mês.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eduardo Narciso
É bom, manter sempre atualizado pra evoluir o mercado como um todo
Felipe
Remix OS ? http://www.jide.com/remixos-for-pc
JunioDBL
outra coisa, se você ler o mesmo artigo, existem mutias respostas com data mais atualizada, explicando exatamente o contrario também, o por que muitos gostam.
JunioDBL
artigo de 2002, com MUITAS, mas muitas coisas que não são mais verdades nos dias de hoje. Aprenda mais e volte aqui para discutir os pontos de forma adequada.
robsonc
O uso do "eh" pra denotar acento é antigo na internet, vem da época dos IRC etc quando não dava pra colocar acento. Acabou se difundindo até hoje e ficar implicando com isso é só babaquice e não entender nada do uso da linguagem.
Gertrudes, a Lhama
Sim, sou desenvolvedor. Sei que não é mágico assim. Mas também é diferente de ter que refazer/aprender tudo. Tem dev que parece que não gosta de trabalhar...
Veritas
Você é desenvolvedor? E acha realmente que a ferramenta do Google permite criar algo do mesmíssimo código para uma plataforma que será bem diferente? Se migração de aplicativos fosse algo tão simples ou mágico assim...
Veritas
Na verdade, péssimos programadores acham que JAVA é a solução para tudo.
Henrique Picanço
Seria o Fuchsia o "amadurecimento" daquilo a tempos nós discutíamos, que seria a fusão do Android e do Chrome OS? Porque muita gente sempre achou estranho o Google ter dois sistemas operacionais, e desde que o Chrome OS começou a rodar aplicativos Android (nativamente ou não, disso já não me lembro) que essa bola da "fusão" é cantada.
Nícolas Wildner
Ou que possa ser atualizado diretamente pelo OEM, já que pra Google, seria um trabalho hercúleo ter que manter todos os drivers em uma localidade. Ambiente de celular é bastante heterogêneo, e acho que daria mais trabalho que fazer um repositório central de dispositivos como o Windows 10 vem fazendo... ... aí fica a encargo da Google atualizar toda a parte de UI e Frameworks.
Rod
Não sei como vão fazer, mas espero que separem o sistema da UI, e que ele possa ser atualizado diretamente por eles.
Eduardo Guedes
Poxa, você realmente é "o cara"! Valeu mesmo pelos esclarecimentos. :-)
Nícolas Wildner
Li a matéria por completo. Claro que não há menção do LK no Título porque TÁ NA MATÉRIA e LK ainda é um LINK externo pra que você leia... Se o título tivesse todas as informações mastigadas, pra que fim serviria a matéria? Toma aqui a definicão de TÍTULO de acordo com o dicionário: https://www.dicio.com.br/titulo/ "Na imprensa, dizeres que encimam uma matéria (reportagem, artigo etc.), resumindo em uma ou poucas palavras o assunto nela tratado." Você podia ter deduzido que LK não é Linux Kernel apenas se deixasse de ser preguiçoso e fizesse o dever de casa... ...mas fazer o que né? Estamos na era digital onde gente compartilha matéria só pelo título nas redes sociais.
Eduardo Guedes
Valeu pela informação!
Eduardo Guedes
Quem pelo visto não leu o título foi você, já que no mesmo não há menção nem a Magenta e nem a LK. Antes de ser "o bonzão" reflita sobre seu ataque. Fiz apenas uma indagação sobre o que poderia ser o significado da sigla LK. Se não sabe ou se acha-se bom demais para responder, apenas ignore o post e siga em frente.
Exibir mais comentários