Início » Mobile » Estas são as primeiras imagens do Fuchsia, novo sistema operacional do Google

Estas são as primeiras imagens do Fuchsia, novo sistema operacional do Google

Por
24 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Que o Google está trabalhando discretamente em um novo sistema operacional não é novidade. A gente só não tinha visto a “cara” dessa plataforma. Esse mistério, porém, acaba de ser desvendado pelo Ars Technica: o veículo teve acesso à versão preliminar da interface do Fuchsia OS (nome provisório, aparentemente).

Armadillo

Ao contrário do Android e do Chrome OS, o novo sistema não é baseado no Linux, vale relembrar. O kernel do projeto se chama Magenta e tem como base o LK. A documentação oficial indica que o novo núcleo “tem como alvo smartphones e computadores modernos com processadores rápidos, quantidades não triviais de RAM com periféricos arbitrários fazendo computação aberta”.

É um sinal claro de que o Fuchsia deverá ter suporte para telas de diferentes tamanhos. Apesar de ainda estar bastante “crua”, a Armadillo, codinome da interface de usuário do sistema, dá indícios de que corresponderá a esse requisito.

Armadillo

Armadillo

As capturas mostram, por exemplo, uma lista de aplicativos abertos em formato de cards que pode ser organizada em fila (um item atrás do outro) ou de maneira distribuída (um item ao lado do outro). Além disso, é possível exibir mais de um aplicativo na tela ao mesmo tempo, modo de funcionamento que é interessante para tablets ou laptops, mas que também poderia funcionar em smartphones.

Armadillo

O Google está usando o Flutter para desenvolver a Armadillo, ferramenta que permite a criação de aplicativos para Android e iOS a partir do mesmo código. Por conta disso, é possível compilar a interface, gerar um arquivo APK e executá-lo no Android. Foi assim que o Ars Technica conseguiu conferí-la.

Esse é um detalhe interessante, pois se o Google decidir substituir aos poucos o Android pelo Fuchsia (é pouco provável, mas pode acontecer), os desenvolvedores poderão ser incentivados a usar o Flutter ou eventuais ferramentas similares para migrar seus aplicativos.

Como a Armadillo está em fase inicial de desenvolvimento, vários recursos estão faltando e o desempenho não está otimizado. Apesar disso, o estágio atual é suficiente para nos fazer presumir que o Google está trabalhando na ideia com bastante seriedade.

Se a empresa levar o projeto para frente, é possível que as primeiras informações oficiais a respeito do Fuchsia sejam reveladas na conferência para desenvolvedores Google I/O. A próxima edição terá início no dia 17 deste mês.

Mais sobre: , ,
  • Rod

    Tomara que tenha um modo diferente de atualização, e substitua o Android.

    • Henrique Queirós

      De preferência padronizado pra ajudar a atualizar rapidamente

    • Nícolas Wildner

      Se eles forem espertos, implementam algo similar ao Kpatch do Linux…

      …Mas, sabendo que o Magenta(kernel do Fuchsia) é um microkernel, a chance de que as atualizações sejam mais integradas é grande, já que drivers ficarão na userspace, e só o mínimo necessário do Kernel ficará em uma área que necessitará um “reboot” para aplicar as alterações.

      • Rod

        Não sei como vão fazer, mas espero que separem o sistema da UI, e que ele possa ser atualizado diretamente por eles.

        • Nícolas Wildner

          Ou que possa ser atualizado diretamente pelo OEM, já que pra Google, seria um trabalho hercúleo ter que manter todos os drivers em uma localidade. Ambiente de celular é bastante heterogêneo, e acho que daria mais trabalho que fazer um repositório central de dispositivos como o Windows 10 vem fazendo…

          … aí fica a encargo da Google atualizar toda a parte de UI e Frameworks.

  • Bruno Lucena

    E lá vão os desenvolvedores aprenderem tudo de novo.

    • Gertrudes, a Lhama

      “O Google está usando o Flutter para desenvolver a Armadillo, ferramenta que permite a criação de aplicativos para Android e iOS a partir do mesmo código. Por conta disso, é possível compilar a interface, gerar um arquivo APK e executá-lo no Android.”

      “os desenvolvedores poderão ser incentivados a usar o Flutter ou eventuais ferramentas similares para migrar seus aplicativos.”

      Sem falar que desenvolvedor que não quer aprender coisa nova, não tem que ser desenvolvedor.

      • Leandro

        Odeio Java.

        • Tales Cembraneli Dantas

          Cara, acho que o grande problema nem é o Java em sí, mas toda aquelas pastas cheias de arquivo que tornam o desenvolvimento android uma confusão só… pra mim a plataforma ideal para desenvolvimento android seria alguma coisa tipo o App Inventor mas ao invés de vc colocar aquelas caixinhas vc poderia escrever o código como uma IDE tipo a do Delphi por exemplo….

        • Gertrudes, a Lhama

          Todo mundo odeia.

        • Gaba

          Melhor perguntar quem nao odeia…

        • Gustavo Rotondo

          odeia java quem não sabe usar

          flw

          • Leandro

            Gustavo, eu sei e odeio mesmo assim, eai?

          • Veritas

            Na verdade, péssimos programadores acham que JAVA é a solução para tudo.

        • Lucas Ambrosio

          C# + Visual Studio = Alegria eterna de viver <3

        • JunioDBL

          Como o amigo ali disse, Odeia quem n sabe usar, e se odeia e diz que sabe, na verdade não sabe…

          • Leandro

            JunioDBL, não, é só odeio mesmo. lide com isso, eu sei que vc ama essa linguagem e quer defendê-la com unhas e dentes, mas eu odeio cara… odeio… chupa esse artigo aqui explicando o porquê eu e muitos odeiam:
            https://www.quora.com/Why-do-some-programmers-hate-Java-1

          • JunioDBL

            artigo de 2002, com MUITAS, mas muitas coisas que não são mais verdades nos dias de hoje. Aprenda mais e volte aqui para discutir os pontos de forma adequada.

          • JunioDBL

            outra coisa, se você ler o mesmo artigo, existem mutias respostas com data mais atualizada, explicando exatamente o contrario também, o por que muitos gostam.

      • Diego F. Duarte

        “Sem falar que desenvolvedor que não quer aprender coisa nova, não tem que ser desenvolvedor.”

        Discordo um pouco dessa colocacao, isso depende mto. Nao e falsa mas depende mto.

        • Gertrudes, a Lhama

          Sim, não quis dizer que tá errado o cara não querer aprender Assembly em 2017, ou algo do tipo. Hehe

          Dei uma generalizada na frase, mas era só pra expor a ideia.

          É que do jeito que foi falado, parecia que tinha medo de algo novo surgir e ter que aprender. Se for algo melhor, tem que aprender mesmo.

        • Leandro
      • Veritas

        Você é desenvolvedor?

        E acha realmente que a ferramenta do Google permite criar algo do mesmíssimo código para uma plataforma que será bem diferente?

        Se migração de aplicativos fosse algo tão simples ou mágico assim…

        • Gertrudes, a Lhama

          Sim, sou desenvolvedor. Sei que não é mágico assim. Mas também é diferente de ter que refazer/aprender tudo.

          Tem dev que parece que não gosta de trabalhar…

    • Nícolas Wildner

      Não precisa(ainda).Num primeiro momento o Fuchsia vai manter compatibilidade com apps de Android.

  • É, pelo visto a Apple vai ficar sozinha no seu sistema não híbrido.

    • Jack Silsan

      A Apple tem o Swift to rule them all

  • Tales Cembraneli Dantas

    Quem sou eu pra questionar a Google, mas sendo o Android lider na plataforma móvel qual a vantagem de substituir ele por outro? (em time que esta ganhando não se mexe, correto?), outra coisa que não entendi é pq mudar o Kernel do Linux? Isso não tornará os aplicativos já desenvolvidos para android incompatíveis com o novo sistema?

    • Leandro

      eles vão dar a opção de migrar amigo. cê acha? e provavelmente, será uma kernel otimizada para mobile, já pelo nome diz tudo LK

    • AI que está. O Android é excelente, mas nao é hibrido, como o Windows 10 é. Acho que o caminho do Google será o mesmo da Microsoft. Facilita-lo para as fabricantes implantar em diversos dispositivos, como a Microsoft está fazendo com o Windows. Tenho certeza que o futuro será este.

      • Nisso aí a Microsoft acertou em cheio, a diversidade de plataformas que conseguem rodar facilmente o sistema operacional Windows 10 é algo realmente fantástico.

    • Bruno Santos

      Time que está ganhando não se mexe? o que aconteceu com o orkut?

      • True!

        • ludiaz

          False. Orkut só vingou na terra da banânia.

      • Felipe

        Exato, Google tem um dedo podre, tem que fazer terapia pra descobrir porque esse culto ao fracasso.

      • Yago Oliveira

        Ele só ganhava no Brasil, cara. Resto do mundo, tirando a Índia que tinha bastante usuário também, outras redes sociais eram mais utilizadas.

    • Felipe

      Android é um fenomeno, se estes burros matarem o Android vão ficar fracassados em sistema operacional assim como são (estão) em rede social e messaging app.

    • Tem tecnologias que já surgem ‘natimortas’. Esperamos que não seja o caso, e que se possível for, melhore alguns problemas do atual sistema operacional dela – Android.

    • Trovalds

      Android não tem mais pra onde ir. Cada versão nova é apenas um cosmético aqui, uma mudança ali mas nos bastidores tudo continua praticamente na mesma.

    • O Google paga milhões de dólares a várias empresas, Microsoft inclusa, por utilizar tecnologias patenteadas no Android. O sistema tem algumas falhas estruturais, como gerenciamento ruim de RAM e uso extensivo do Java, então esse novo SO pode ser uma tentativa de mitigar esses problemas, começando “do zero”.

    • Nícolas Wildner

      – Maior controle nos fontes
      – Menos tempo perdido enxugando o Kernel Linux(Lembre-se, enquanto sai o Linux 4.11, a maioria dos fabricantes e a própria Google usam um fork do 3.18, por ser muito custoso manter sua árvore alinhada com a main-tree do Linux)
      – Maior otimização para dispositivos com bateria(consumo x desempenho)
      – Maior controle em módulos do Kernel que poderão ser proprietários
      – Maior controle caso um OEM deseje fechar sua firmware

      Os Aplicativos de Android teoricamente vão continuar funcionando, já que eles não são “binários” do Linux, mas softwares que dependem de uma vm(dalvik ou art.)

  • Henrique Queirós

    Se não desistir do nada, de boas

  • Jack Silsan

    Adeus open source (?)

    • leandrofiore

      Não mesmo. Vocês usuários esquecem que a força real do Linux e do Open Source em geral está nos servidores, não no lado do usuário.

      • Vinícius Araújo

        Que nada, 2018 é o ano do Linux nos desktops. (sic)

      • Jack Silsan

        Desenharei:
        “Adeus (ao Android, não aos outros sistemas ligado ao Linux) open source (?)” (Este ponto de interrogação entre parênteses no fim da sentença indica que eu tenho duvidas sobre a minha própria conclusão).

    • Vinícius Araújo

      Não. O Google Fuchsia também tem código aberto! 🙂

    • Nícolas Wildner

      Não. Adeus a GPL apenas.

      O Fuchsia usa licenças opensource BSD e Apache. A diferença aqui é que a Google terá menores “impasses” para fazer módulos e coisas proprietárias dela em cima deste novo Kernel, e não precisarão fazer aquela “limpeza” do Linux, tirando a gordura daquilo que não é útil para celular.

      🙂

      • Yago Oliveira

        E nem sofrer processos por uso indevido de software proprietário.

        • Nícolas Wildner

          Exatamente.

          Apesar de eu gostar da filosofia que envolve a licença GPL e o Software Livre, as empresas ainda querem guardar alguns segredos sem liberar os códigos fonte, enquanto permanecem “amigas” do OpenSource.

          Licenças mais permissivas(que até permitem a troca de licença), parecem ser mais adequadas para elas. Não que eu concorde, mas entendo a estratégia e a posição delas.

  • Felipe

    Vão trocar um kernel com mais de 20 anos de melhorias por um software recem saidos das fraldas, parabéns google, tá querendo repetir o sucesso do Google+ e do Allo.

    • Matheus

      fanboyzice. o lk já é o kernel usado no bootloader do Android há tempo.

    • Na verdade está mais para trocar algo de 20 anos atrás por algo moderno 🙂

      • Felipe

        As novas versoes dos kernels sao lançadas varias vezes aos ano, a ultima versao ja eh de 2017, o que voce falou eh ignorancia, eh a mesma coisa que falar que computaçao eh algo antigo porque começou na decada de 60 portanto ja tem 50 anos, tsc tsc tsc.

        • Leandro

          é = eh, ta serto!

          • O uso do “eh” pra denotar acento é antigo na internet, vem da época dos IRC etc quando não dava pra colocar acento. Acabou se difundindo até hoje e ficar implicando com isso é só babaquice e não entender nada do uso da linguagem.

  • Será que não será mais uma barca furada que a Google pretende lançar… ultimamente os caras estão fracos em ‘inovação’. É sempre mais do mesmo.

    • André G

      Até esses dias tinha um comercial do Allo, aquele WhatsApp do Google que ninguém usa.
      Até parece que alguém iria utilizar, sendo que o Hangouts é bem antigo, era melhor e ninguém usava.

    • marcos

      Quando li novo sistema operacional achei que era novo mesmo. Isso me parece uma versão a frente do Android apenas. Continua com a mesma essência

    • Johnny Walker Junior

      Se for nativo, bem, pode ser mais rápido que o Android, apesar que sua máquina virtual já está bem otimizada, mas chega uma hora que não tem mais jeito.

      Eu espero que possa ser um SO multitarefa, o Android peca demais neste quesito, aliás nem tem, visto que é uma multitarefa em que dá prioridade somente para a aplicação que se está utilizando no momento. É tipo, ou eu escuto música ou leio um livro, os dois não dá.

      • Allan Bonfim

        “ou eu escuto música ou leio um livro” acho que usou um péssimo exemplo para seu argumento,já que dá sim para executar essas ações simultaneamente…mas vá lá,a primeira parte entendi.

      • Benício Pereira

        Forçou nessa de “ou escuto música ou leio livro”. Não é perfeito, mas dá pra fazer bem mais que isso, até com 1 GB de RAM.

        Ou talvez a limitação more nos apps que você está usando (faria algum sentido para a experiência do usuário não permitir música nos alto falantes enquanto ele lê).

  • Erik Silveira

    Isso aí tem cara de que é sistema para os devices da IoT.

    • Ramon Gonzalez

      Achei “avançado demais” pra isso. Nao teria necessidade de um multitask como aquele, por exemplo. Mas certamente, seja qual for o proximo SO deles, será usado TAMBEM em devices da IoT, seguindo a ideia de usar o mesmo SO em literalmente tudo.

  • Breno

    Acho bem provavelmente isto substituir o Android no futuro. E ainda, ele parece quê tão visando o futuro: um SO com uso híbrido (desktop e mobile) através de algum dock station.

    • Paulo

      Isso eu já ouvi em algum lugar… Seria o Continuum?

      • Breno

        Isso! Essa ideia é bem antiga. Quando os smartphones se tornaram mais potentes, muita gente já apostou isto pro futuro.

        E desde então muitas empresas já tentaram algo híbrido, mas nunca dá muito certo pq o SO sempre é otimizado apenas pra um lado (ou PC ou mobile).

        Com esta nova proposta da Google já pensando nos 2, é capaz dele ser o primeiro que vai dar certo. Ou menos, servirá de inspiração prá outros SO.

      • Luciano Rosa

        Ou o Ubuntu, bem antes do continuum… vai saber

      • Seria… Ubuntu? Que deu rollback na tal “CONVERGÊNCIA OP”?

    • Felipe
  • Trovalds

    Será que é a saída pra finalmente se ter um SO que de fato funcione em vários dispositivos sem maiores precariedades?

  • Ramon Gonzalez

    Eu no lugar do Google faria o mesmo… Já ir trabalhando num sistema novo e tals. Espero que saia do papel e seja realmente bom.

  • Patrick Lobo

    Podia usar TypeScript como linguagem padrão 🙄

  • Louis

    Parece que alguns designers da LG foram sequestrados para trabalhar nesse projeto.

  • Molinex

    Quero ver pronto, mas acho que vem coisa boa por aí

  • Eduardo Guedes

    LK não seria uma abreviação para Linux Kernel e dessa forma significaria que o kernel Magenta é uma variação do Linux kernel?

    • Victor Mello

      “O kernel do projeto se chama Magenta e tem como base o LK”

    • André Vergílio

      Não, LK é abreviação Little Kernel.

      https://github.com/littlekernel/lk/wiki/Introduction

      O LK é um microkernel, enquanto linux é monolítico 🙂

      • Eduardo Guedes

        Valeu pela informação!

    • Nícolas Wildner

      Tu só leu o título né?! Citando a matéria:
      “Ao contrário do Android e do Chrome OS, o novo sistema não é baseado no Linux, vale relembrar. O kernel do projeto se chama Magenta e tem como base o LK. ”

      Porque não é possível ler a matéria e ainda fazer uma pergunta destas…

      • Eduardo Guedes

        Quem pelo visto não leu o título foi você, já que no mesmo não há menção nem a Magenta e nem a LK. Antes de ser “o bonzão” reflita sobre seu ataque. Fiz apenas uma indagação sobre o que poderia ser o significado da sigla LK. Se não sabe ou se acha-se bom demais para responder, apenas ignore o post e siga em frente.

        • Nícolas Wildner

          Li a matéria por completo. Claro que não há menção do LK no Título porque TÁ NA MATÉRIA e LK ainda é um LINK externo pra que você leia…

          Se o título tivesse todas as informações mastigadas, pra que fim serviria a matéria? Toma aqui a definicão de TÍTULO de acordo com o dicionário: https://www.dicio.com.br/titulo/

          “Na imprensa, dizeres que encimam uma matéria (reportagem, artigo etc.), resumindo em uma ou poucas palavras o assunto nela tratado.”

          Você podia ter deduzido que LK não é Linux Kernel apenas se deixasse de ser preguiçoso e fizesse o dever de casa…
          …mas fazer o que né? Estamos na era digital onde gente compartilha matéria só pelo título nas redes sociais.

          • Eduardo Guedes

            Poxa, você realmente é “o cara”! Valeu mesmo pelos esclarecimentos. 🙂

  • Seria o Fuchsia o “amadurecimento” daquilo a tempos nós discutíamos, que seria a fusão do Android e do Chrome OS? Porque muita gente sempre achou estranho o Google ter dois sistemas operacionais, e desde que o Chrome OS começou a rodar aplicativos Android (nativamente ou não, disso já não me lembro) que essa bola da “fusão” é cantada.