Anunciado no começo do mês, o Windows 10 S é a aposta da Microsoft para enfrentar os Chromebooks (pelo menos nos Estados Unidos). Mas as políticas da Microsoft referentes aos aplicativos que podem rodar na plataforma são bastante rígidas e, por conta disso, justamente o navegador do Google poderá ficar de fora da Loja do Windows.

Com o Windows 10 S, a Microsoft espera ampliar a base de usuários do seu ecossistema. O alvo principal são os estudantes: nos Estados Unidos, os Chromebooks ganharam bastante popularidade nas escolas por terem custo baixo e facilidade de gerenciamento.

Imagem por geralt/pixabay

O plano da companhia é oferecer o mesmo tipo de conveniência entregue pelos Chromebooks, mas com um cuidado maior com a segurança e o desempenho. É por essa razão que o sistema só roda apps baixados da Loja do Windows. Eles podem ser universais (UWP) ou Win32 — neste caso, é necessário fazer a portabilidade para a loja com a ferramenta Ponte de Desktop (antigo Project Centennial).

É aqui que a situação começa a complicar para o Chrome. De acordo com o ZDNet, as mais recentes políticas da Loja do Windows trouxeram uma restrição que, muito provavelmente, vai impedir o navegador do Google de ser disponibilizado ali. Na prática, isso significa que não haverá Chrome para Windows 10 S.

A política de número 10.2 diz que o aplicativo não pode comprometer a segurança do sistema ou o funcionamento do dispositivo. Vinculada a esta, como a numeração indica, está a política 10.2.1, que determina que aplicativos para navegação na internet devem usar motores para HTML e JavaScript da própria plataforma do Windows.

Bom, o Chrome tem seus próprios motores. Se o Google quiser levar o navegador para o Windows 10 S, usar uma ferramenta de portabilidade não será suficiente: a empresa terá que desenvolver uma versão específica para o sistema operacional praticamente do zero e que contemple os tais motores.

Como essa política é recente, uma pergunta vem logo à mente: será que, no fundo, essa não é uma manobra da Microsoft para deixar o Edge reinar soberano na plataforma?

windows 10 s

Um representante da companhia afirmou que a preocupação é mesmo com a segurança. Segundo nota enviada ao ZDNet, todo o conteúdo da Loja do Windows está certificado pela Microsoft para garantir experiências positivas e segurança. Nesse sentido, um navegador — qualquer um, não só o Chrome — precisa corresponder às condições da plataforma para ser aprovado

Há mesmo um cuidado especial, digamos assim, com os navegadores: em fevereiro, um desenvolvedor chegou a converter um browser próprio baseado no Chromium e o enviou para aprovação da Microsoft, mas o aplicativo foi rejeitado.

Pelo menos a companhia deu uma explicação clara: os navegadores disponibilizados na Loja do Windows só podem ser classificados como seguros se forem apps universais autênticos, ou seja, se rodarem em uma sandbox isolada do sistema operacional. No entanto, apps convertidos, mas não adaptados podem ter capacidade de executar certas operações fora da sandbox, abrindo espaço para atividades maliciosas.

Somente converter o aplicativo não basta, portanto. É necessário fazer o software respeitar todas as regras. O Google não se pronunciou sobre o assunto, então ainda há a possibilidade de a empresa lançar uma versão do Chrome que use os motores de HTML e JavaScript da plataforma.

Mas é pouco provável: como não existe nada indicando que o Windows 10 S será um grande sucesso, a empresa pode acreditar simplesmente que o esforço não vale a pena.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rodrigo Brasil

Eu até pensei em instalar num note limitado que tenho, mas quando vi que ele não tem browser de internet eu desisti

Cortana ?
Por isso mesmo qualquer um pode fazer o upgrade gratuito para a versão Pro.
Keaton
Meh.
Carlos Pacheco
Já disse aqui para outra pessoa que os programas poderiam ser convertidos via desktop bridge, então não é desculpa. Aliás, ontem na apresentação da conferência que a MS tem realizado, Build 2017, eles demonstraram uma tecnologia nova de emulação conhecida como Colbat, um Windows 10 para arquiteturas ARM rodando 7-zip para plataformas x86. Dê uma olhada neste vídeo, é muito massa! https://youtu.be/DRBMBkL7SCM?t=5m
Pio ?
É,esses gigantes sabem o q fazem.
Theo Queiroz
Pô bixo, vc acha mesmo que se não tivesse relevância a Microsoft iria gastar tempo, dinheiro e mão de obra com isso?
Theo Queiroz
É só o modelo de referência. Jajá aparecem à venda os de 199 dólares de outras empresas. O Chromebook Pixel (que é o modelo de referência pra ChromeOS) também custa cara pra cacete.
Sckillfer
O lado bom é que assim os browsers baseados no Chromium não poderão ser um simples port... Não sendo então mais pesados que um mamute e, caso sejam um port adaptado usando o engine do Edge, quebra a bosta do monopólio do webkit/blink sobre a web.
fausto atilio
Uma criança de 10 anos entenderia a sua explicação...ele não. Hater não entende nem o q vê no espelho.
fausto atilio
Pois é !!! Nego não vê a parada por completo e fica "cagando na mão e esfregando na cara". Sem sacar que, entre $189,00 e $ 998,00, teremos N opções de, digamos, "netbooks". E quem quiser o TOP (surface), basta atualizar pra WIN PRO, quase de graça.
fausto atilio
Errado !!! Upgrade pro Win Pro, quase de graça.
João Calandreli Filh
mas fica tranquilo que isso nem vai chegar ao Brasil....
Ward'z de Souza
Isso mata qualquer possibilidade de Firefox, Opera e Chrome na loja... Tks, Nadella... ?
Carlos Pacheco
Entendi. Infelizmente ocorre muita confusão...
Carlos Pacheco
Não, ele é focado em estudantes, que poderão atualizar a licença para Windows 10 Pro por US$49,99. Se fosse um Windows RT, que atende uma família específica de processadores, o Windows 10 S não faria upgrade de licença, pois seria ilógico. Outro fator que se deve destacar, esta é uma licença gratuita. Um sistema que atende estes requisitos, na minha humilde opnião, é uma grande jogada. Pois destaca o uso da loja, e possibilita de maneira democratica a aquisição da licença por um valor acessível. Outra informação, na loja há aplicativos compativeis com as plataformas tradicionais, x86 e x64. Novamente, diferente do Windows RT, aonde a limitação é maior do que se imagina.
Exibir mais comentários