Início » Inteligência Artificial » Inteligência artificial transforma mockups de interfaces em código-fonte

Inteligência artificial transforma mockups de interfaces em código-fonte

Por
2 anos atrás

Quando um aplicativo ou site é desenvolvido, normalmente funciona assim: o designer projeta a interface, ainda em formato de imagem, e depois repassa o desenho para o desenvolvedor front-end, que então transforma o mockup em código-fonte para ser interpretado pela máquina. É um processo que leva várias horas de trabalho. Só que a inteligência artificial pode reduzir (ou até eliminar) o tempo gasto nessa tarefa.

Código

A startup dinamarquesa UIzard Technologies está trabalhando em um software com inteligência artificial que utiliza redes neurais para transformar screenshots em interfaces de aplicativos ou páginas da web, tudo automaticamente. O pix2code, como foi batizado, é capaz de “programar” para Android e iOS, além de “escrever” código em HTML e CSS.

Em um artigo, o fundador Tony Beltramelli explica que o processo é semelhante a criar descrições em texto a partir de imagens, algo que o Facebook já começou a fazer para ajudar pessoas com deficiência visual. O algoritmo é treinado com uma série de exemplos já prontos, e a partir daí consegue relacionar um botão, texto ou controle em uma screenshot a um código-fonte na linguagem desejada.

Este vídeo mostra o pix2code em funcionamento:

A UIzard diz que o modelo já é capaz de transformar mockups em código-fonte com 77% de precisão, o que está longe da perfeição, mas pode ser “drasticamente melhorado” com uma base maior de treinamento. No estágio atual, a tecnologia suporta poucos parâmetros e foi treinada com um conjunto de dados “relativamente pequeno”, com algo entre 80 e 140 mil exemplos para cada linguagem.

A expectativa, segundo o The Next Web, é que o pix2code seja liberado ao público até o final do ano.

Tecnocast 049 – O Futuro do Trabalho

A história se repete: sempre que aparece uma novidade, que altera o mercado de trabalho, as centrais sindicais promovem greves, alegando que é necessário proteger os empregos. O governo (pelo menos o brasileiro) costuma ceder a essa pressão, e cria leis absurdas, como a que obriga a presença de um cobrador em todos os ônibus.

O problema é que, com a chegada das máquinas super inteligentes, a mão de obra humana será cada vez mais desnecessária. E isso vale para trabalhos criativos e intelectuais, também! Não pense que estamos imunes à mudança. Os algoritmos são desenvolvidos para aprenderem de forma similar ao cérebro humano. Então se a gente consegue, “eles” também vão conseguir – só que farão melhor e mais rápido.

Não acredita? Então dá o play e vem com a gente.

Mais sobre: ,