Início » Brasil Mobile » Moovit estreia serviço de caronas em São Paulo

Moovit estreia serviço de caronas em São Paulo

Por
19 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Boa notícia para quem usa o Moovit para planejar trajetos no transporte público de São Paulo: a modalidade Moovit Carpool acaba de entrar em operação na cidade. Isso significa que, a partir de agora, também será possível usar o app para conseguir carona de carro. As corridas são pagas, mas a ideia aqui não é criar mais um rival para serviços como Uber e Cabify.

A proposta é permitir que um motorista que irá percorrer determinado trajeto possa disponibilizar lugares vagos no veículo para usuários que queiram ir ao mesmo destino. Os valores pagos pelos passageiros servirão para que o motorista consiga cobrir pelo menos parte dos gastos resultantes, como o combustível consumido.

Moovit Carpool

Trata-se de um serviço concorrente ao Waze Carpool, que foi anunciado em março, mas ainda não está operando oficialmente em São Paulo. Os benefícios são óbvios: o motorista utiliza a capacidade ociosa do seu carro para cobrir parte de suas despesas; já o passageiro consegue se deslocar via carro até determinado lugar pagando uma tarifa acessível.

Não há preço fixo. O valor a ser cobrado será calculado pelo aplicativo com base em parâmetros como distância percorrida e estimativa de gastos com combustível. O motorista não é obrigado a aceitar o valor sugerido, podendo reduzí-lo ou aumentá-lo, mas dentro de um limite. Obviamente, uma tarifa alta demais afastará passageiros, por isso, o bom senso é essencial aqui.

Para evitar que o Moovit Carpool se transforme em um Uber disfarçado, o aplicativo tem duas importantes limitações: cada motorista só pode fazer até dois percursos compartilhados por dia; além disso, há um limite de até três passageiros em cada corrida.

É claro que um serviço como esse gera preocupações com a segurança. Por conta disso, tanto motoristas quanto passageiros devem cadastrar número de celular e perfil do Facebook com foto e nome real. Os perfis podem ser verificados pelas duas partes. O serviço de carona só será ativado se ambas concordarem em fazer a corrida. A partir daí, é possível trocar mensagens, se necessário.

Moovit Carpool app

Os motoristas ainda terão que cadastrar dados do veículo e, claro, informações bancárias — o pagamento das caronas é realizado uma vez por mês. Os condutores interessados devem baixar o app Moovit Carpool (para iOS e Android) e fazer o cadastro por lá.

Note, porém, que os passageiros não precisam baixar esse aplicativo: é possível solicitar caronas pelo app convencional do Moovit. Dá até para montar trajetos combinando corridas com transporte público.

Por enquanto, o serviço está operando apenas na cidade de São Paulo. Para ajudar a promover a modalidade, a Moovit estará oferecendo corridas gratuitas nos primeiros dias (mas os motoristas serão remunerados normalmente pela empresa).

Mais sobre: ,
  • Bem bacana a iniciativa!

  • legal. ja uso o blablacar mas ele tem a proposta um pouco diferente. legal ter mais essa iniciativa.

    • Daniel Belini

      Também uso o Blablacar, mas ultimamente a galera tem explorado os passageiros, cobrando valores que visam o lucro ou pelo menos fazer com que os caronas paguem o custo total da viagem.

      • nas minhas viagens o recomendado pelo blabla car a ser cobrado é 85. eu aumento pra 90 pois esse ano teve aumento dos pedagios (pego 9). mas nao viso nenhum lucro…

    • emersonalecrim

      Yep. Eu acho que, no fundo, ambos se complementam. O Blablacar me parece mais focado em caronas de uma cidade para outra, enquanto o Moovit Carpool vem para ocupar espaço em grandes centros urbanos.

      • Exatamente!

  • Tom

    Quanto mais opções melhor.

  • Burajirujin Man

    Acho que dá até pra escutar os estupradores e psicopatas vibrando.

    • Marsupial radical

      Nº de telefone, perfil de facebook com possível verificação antes da corrida, e a corrida só acontece se ambos aceitarem… Acho difícil dar problema. Também pensava isso quando surgiram os mais antigos neste modelo, mas acaba funcionando bem legal sem dar muito problema.

  • Um comentarista chato sem nick

    Imagino o seguinte futuro:

    – Aumenta o número de automóveis nas ruas
    – Diminuí os serviços de transporte público graças a “serviços disruptivos” como estes.
    – Aumenta os congestionamentos causados pelos “serviços disruptivos”.
    – Transporte público faliu de vez.
    – Todo mundo começa a morar no próprio carro.

    • Onde que carona aumenta o número de carros? Um espaço que estaria sendo desperdiçado com uma única pessoa passa a ser ocupado por 4, considerando que cada um desses 4 antes estariam em um carro…

      • Um comentarista chato sem nick

        O problema é que muitos estão meio que “sendo fãs cegos” deste tipo de serviço e ignorando o transporte público algumas vezes. Do jeito que muitos fazem propaganda ou defendem este tipo de serviço, ignoram que o ideal seria um transporte público mais eficiente.

        E serviço de caronas não é bem um transporte público, apesar de agir como complemento.

        • CtbaBr

          Cara… Estamos a “trocentos anos” esperando um transporte publico descente, e a cada ano a qualidade piora um pouco mais!

          • Um comentarista chato sem nick

            Uma coisa é esperar. Outra é exigir. Vocês não exigem, não correm atrás, não procuram saber como é. Dá nisso. Vendem o voto e ainda reclamam. Não dá.

      • Zé das Covi

        Pruuh

    • Sempre tem um pra reclamar e por defeito. Onde que carro compartilhado vai piorar o trânsito?? Não vai ser fabricado nenhum carro pro serviço, e em vez de ter 4 carros pra 4 pessoas, tem 1 carro pra cada 4.
      O país não muda pq todo mundo é negativo com tudo, ninguém aposta, acredita, investe. Vamo arriscar, uai! Se não ser, pensa outra coisa.
      Só não pode mesmo é ficar parado no tempo.

      • Um comentarista chato sem nick

        Se não é essa gente para reclamar e por defeito, as coisas não mudam ou adaptam-se para equilibrar-se nas necessidades reais das coisas. Vamos lá:

        – Sim, não discordo que você vai ter muita gente compartilhando. Mas quantos realmente? Quantos estão realmente dispostos a serem compartilhadores? Depende muito da mentalidade do lugar. E lembrando que dependendo do lugar, esta cultura de compartilhamento já existe sem aplicativo.

        – A ideia de caronas compartilhadas é válida, o ponto aqui é que as pessoas veem isso tudo como um novo transporte público. Temo por isso. Transporte público é diferente de algo temporariamente público. As pessoas tem um preconceito gigante com o transporte público (não nego que tem suas razões) – isso também é algo muito negativo. Só que este tipo de discussão na verdade é bem mais longa – tem a haver com ocupação de espaço, de mobilidade urbana. As pessoas não vão atrás do transporte público, não brigam por ele (ou não sabem brigar – vide MPL em 2013). Esperam soluções que caiam do céu, como Uber.

        – O pessoal ficou parado no tempo até agora. O que o Moovit tá fazendo não é diferente do que o antigo Tripda fazia, só que este último faliu.

    • Eu concordo contigo, o sistema de transporte público poderia (e deveria!) ser mais eficiente.

      Mas enquanto esse tempo não chega, não vejo problema algum de testarmos alternativas. Meu medo é só que esse ‘quebra galho’ seja tão bom que impeça as autoridades de ver o quanto de investimento o transporte público ainda precisa.

      • Um comentarista chato sem nick

        Quebra-galho é “gambiarra”, e no país das gambiarras…

      • Ricardo – Vaz Lobo

        Aqui no Rio, a discussão é que o ônibus têm que ter ar refrigerado. Beleza, nesse Senegal sulamericano, é justo. Mas a galera esquece que ficar duas horas trancada no busão, imóvel, pegando um ventinho frio no cangote, não adianta P.N.. Melhor seria ir do barraco até o trampo em meia hora,com transito fluindo na boa, mesmo no calor, do que horas parados “no fresquinho”.

        • Um comentarista chato sem nick

          Quanto centenas de pessoas pensam igual e usam carro ao invés de ônibus, já sabe o que acontece.