Sem fazer alarde, o Spotify começou a testar um novo formato de obtenção de receita com as contas gratuitas: a disponibilização de músicas patrocinadas. Com a novidade, gravadoras e artistas poderão promover canções individuais na parte superior de playlists.

Até certo ponto, o formato em teste lembra a velha prática do jabá, quando gravadoras ou artistas pagam rádios para tocar determinadas músicas com mais frequência. Mas, no Spotify, o formato está sendo desenvolvido para ser minimamente invasivo ou incômodo.

Spotify - Imagem por freestocks.org

Começa pelo estilo musical: as canções patrocinadas são condizentes com as preferências do usuário (ou pelo menos devem ser). Assim, se você gosta de música eletrônica, por exemplo, não verá na sua playlist uma faixa de heavy metal. Além disso, há preocupação com a quantidade: o usuário se deparará apenas com uma música patrocinada aqui, outra ali, sem excessos.

Não está claro se a remuneração da modalidade ocorrerá por visualização da faixa nas playlists, pela quantidade de reproduções ou por outro meio. De qualquer forma, todas as músicas patrocinadas são marcadas com os dizeres “Sponsored Content” ou com alguma forma de identificação. O tweet abaixo mostra um layout em que a faixa patrocinada (Call Me) aparece destacada acima da playlist.

Além da reprodução de áudio com comercial e exibição de anúncios, o Spotify também vem permitindo que marcas patrocinem playlists populares. As músicas patrocinadas, se aprovadas, se juntarão a esses modelos para dar à empresa um pouco mais de fôlego para o caixa. É fácil compreender: o serviço já atingiu a marca de 140 milhões de usuários, mas o número de contas pagantes é de 50 milhões, de acordo com dados divulgados em março.

Por enquanto, as músicas patrocinadas estão sendo testadas apenas com alguns usuários. Pelo menos na fase atual, o dono da conta pode desabilitar a inserção dessas músicas em playlists nas configurações.

Pode até ser que as músicas patrocinadas apareçam, opcionalmente, nas contas Premium — até porque o formato não deixa de ser um meio que permite ao usuário descobrir novas músicas. Mas, ao menos durante o período de testes, a ideia será avaliada apenas nas contas gratuitas.

Com informações: TechCrunch, The Verge

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rafaelnds
Eu resolvi criar playlists por gênero, quando descobri os DailyMix (pra mim são 4) apaguei as playlists e estou sendo muito feliz, até assinei o spotify.
Juliotenorio
DailyMix é bom, mas Descobertas da Semana ou o Radar, geralmente é nada a ver comigo, pelo menos no início, nunca voltei lá.
Isaias Barboza
Kkkkkkk. Acho que eh isso mesmo. Eu já não aguentava mais essa propaganda que assinei. 3 meses dois reais. Após esses 3 meses vou comprar um gift card no Mercado Livre. 100 reais por um ano, vale a pena.
Italo F.
Tem uma nova, então... "Pra quem pede um x-tudo sem tomate, sem cebola, sem bacon..." É tão insuportável que estou quase assinando pra não ter que ouvir. É a propaganda cumprindo seu papel kkkkkk.
Valdinei Ferreira
Como se já não bastasse estar ouvindo um alternativo/rock e do nada aparecer um anúncio de uma playlist sertaneja. kkkkkk É pior do que "Sábado a tarde na casa do Léo..." kkkkkkk
Magnosama
Parece uma boa ideia.
Felipe
Se seguir o robô que faz o DailyMix não deve aparecer não, sempre gosto das que aparecem lá haha
Anayran Pinheiro
Nada contra este modelo. Os artistas fazem isso nas rádios, e pode ser uma bela maneira de descobrir bandas legais e poder apoiá-las depois comprando suas músicas ou até mesmo indo aos shows. Só tomara mesmo que os robôs do spotify não vacilem e mandem um funkzão ou sertanejo pra mim enquanto estou escutando meus heavy metal e alternativos...