Início » Carros » O ônibus elevado da China era mesmo uma fraude

O ônibus elevado da China era mesmo uma fraude

Por
19 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

No ano passado, a China começou a testar um ônibus elevado para transportar passageiros acima dos carros em uma avenida. No entanto, o projeto levantou suspeitas de fraude e ficou paralisado desde então. Agora, ele está chegando ao fim.

O Transit Elevated Bus, ou TEB, é um veículo que se desloca ao longo de trilhos para levar até 300 passageiros acima do trânsito de uma avenida. Ele foi testado em agosto de 2016 na cidade de Qinghuangdao.

Na época, o projeto já parecia questionável. De acordo com fotos tiradas pelo site Car News China, parece que tudo foi feito às pressas: a tinta da estação de embarque já estava descascando, e o veículo usava um ar-condicionado residencial.

O TEB não é tão prático porque roda em trilhos, apesar dos pneus de borracha — isso requer infraestrutura adicional. Além disso, ele impede a passagem de caminhões e carros mais altos.

A pista de 300 metros deveria ter sido desmontada pouco tempo após o teste, o que não aconteceu. Segundo a CNN, o veículo está piorando o trânsito da cidade: “carros viajando em ambos os sentidos têm que se aglomerar para evitar os trilhos de teste e o ônibus com 8 m de largura”. Autoridades locais dizem que os trilhos serão removidos até o final de julho.

E, segundo o Quartz, a polícia de Pequim anunciou esta semana que está investigando a empresa por trás do TEB; mais de 30 pessoas foram detidas. Agências de notícias da China dizem que o veículo era um golpe publicitário para um programa de empréstimos peer-to-peer.

A plataforma de investimento se chama Huaying Kailai, e foi usada para arrecadar dinheiro de investidores individuais para desenvolver o ônibus. Ela é comandada por Bai Zhiming, que também é diretor executivo da TEB Technology Development — ele se descreve como “o pai do TEB” no Weibo (serviço chinês semelhante ao Twitter). Zhiming foi detido pela polícia.

Com informações: Quartz.

  • Bruno Pinho

    Empresas corruptas? Como assim? Pensei que só os políticos fossem corruptos e que deveríamos privatizar tudo e deixar os empresários cuidarem de tudo…

    • Guilherme Macêdo da Cruz

      Quando a empresa é corrupta, o próprio mercado acaba com ela. Já o governo usa o dinheiro tirada a força pra se manter..

      • Bruno Pinho

        Pesquise um pouco sobre o que o Governo americano fez para salvar as empresas automobilísticas, de seguro e construção civil recentemente… E constate que esse papo de “próprio mercado” não existe. No fim, quem paga a conta grande são os mesmos contribuintes.

        • Victor Moreira

          A utopia mercadológica dessa galera, é hilária.

        • Guilherme Macêdo da Cruz

          Ue.. Você só reforçou o que eu falei cara.. O governo usando dinheiro tirado a força pra manter o que ele acha certo.
          Não existem motivo pra salvar nada, pelo simples motivo de que enquanto existir demanda, vai existir oferta.

          • Bruno Pinho

            Antes de me esforçar para explicar meu ponto, deixa eu perguntar (pra ver se vale à pena): imposto é roubo?

          • Guilherme Macêdo da Cruz

            Antes de responder sim ou não, se eu digo que você deve me dar 100 reais em nome da paz mundial e em prol das crianças da Africa e caso não dê eu vou lhe obrigar a isso, qual o nome dado a isso?

          • Bruno Pinho

            Cara, antes de mais nada, é preciso compreender a origem do Estado e, mais do que isso, a origem das nações. O que faz o Brasil ser diferente de, sei lá, da Argentina, etc. Dentro desse conceito, a origem de um governo democrático constituído de representantes do povo, para decidir coisas em nome de todos (e com aplicabilidade a todos, inclusive àqueles que não concordam). A partir daí, chegamos no pacto federativo e no conceito de impostos. Enfim, sua argumentação não é válida porque despreza um conceito muito importante que é o direito da coletividade em prevalecer sobre o indivíduo.

          • Guilherme Macêdo da Cruz

            Se você acha que em nome da coletividade, você pode ser agredido, então boa sorte. “A menor minoria é o indivíduo”.

          • Bruno Pinho

            Jamais disse ou diria isso. Para defender os indivíduos e garantir os direitos de todos existem as leis.

          • Guilherme Macêdo da Cruz

            “…um conceito muito importante que é o direito da coletividade em prevalecer sobre o indivíduo.”
            Eu não sou especialista, mas pelo que você falou, o bem estar da coletividade é mais importante que o seu bem estar.
            Ta meio contraditório o que você falou..

          • A.I. de Pirocoptero

            Contraditório, mas compreensível, pois estamos em um dilema aqui. O bem estar de cada um não pode ser o mal estar alheio. Esse é o ponto principal.

            Quando se fala em “direito da coletividade prevalecendo sobre o individuo”, é relativo ao que o coletivo possa estar confortável perante outro que tiver pensamento diferente deste coletivo. Se as pessoas querem algum conforto e segurança, o conceito é geralmente padronizado a um coletivo.

            No entanto, lembrando que cada individuo tem seus direitos e deveres também, o tratamento perante a lei do Estado é o mesmo para todos. Pode se agir como quiser, mas a partir do momento que sair das condições legislativas, é considerado criminoso.

            Por exemplo: você tem direito de se divertir, mas a partir do momento que a diversão incomoda o outro ou um coletivo, você responde por isso.

            Indo para a questão econômica: você tem o direito de vender o que quiser, no entanto tem responsabilidade pelo que oferece.

            Em um “liberalismo”, como você coloca, pessoas que vendem péssimos produtos vão se atrofiando economicamente. Isso teoricamente, pois na prática a pessoa pode continuar vendendo um péssimo produto enquanto houver demanda. E existe, pois geralmente pessoas compram dependendo de seu interesse ou bolso.

            Em um controle mínimo estatal, como esta nossa democracia cujo Estado é o fabricante e ofertante inicial do dinheiro, uma pessoa que vende um péssimo produto e é localizado por um fiscalizador, pode ser punido e ter parte de seus recursos originais devolvidos ao Estado ou a quem comprou e se sentiu lesado. Isso falando teoricamente e simples.

            Na prática sabemos que o Estado em si tem interferência de pessoas do mercado ou políticos que influenciam o mercado. Isso falando de Brasil (As relações entre políticos e empresas) e Estados Unidos (o lobby oficial).

            As empresas como entidades tem direito de usufruir do Estado ou denensfreta-lo. Mas lembrando que a origem do dinheiro é do Estado, e que justamente uma empresa deve operar de forma a justamente como entidade não prejudicar o coletivo.

            Pirâmides financeiras são exemplos plenos disto. A Lava-Jato é outro exemplo disto.

          • Guilherme Macêdo da Cruz

            Cara.. No fim tudo se resume a você não agredir as pessoas. Não existe mal estar de coletivo sem algum indivíduo ter sido afetado. Então esse papo de bem coletivo é apenas conversa fiada. É impossível agredir o coletivo sem agredir o indivíduo, porém, é possível agredir o indivíduo sem agredir o coletivo.Se alguém acha que pode ser agredido por um “Bem Maior”, eu só posso desejar boa sorte a essa pessoa.

            Na questão econômica, continua a mesma regra de você realizar trocas voluntárias e não agredir ninguém. Ponto. Se eu pago 10 reais num teclado Multlaser e ele não vale nada e de péssima qualidade, eu tenho duas opções. Não comprar mais teclado Multilaser de 10 conto ou continuar comprando já que eu só tenho 10 conto pra gastar no teclado. E o valor de tudo na vida é baseado em seu interesse e/ou no bolso. Eu tenho interesse de comprar um Razer Blackwidow Chrome foda pra caralho, mas meu bolso só me permite o MultiLaser. E não entendi a parte ruim disso. Bem vindo ao mercado.

            “Controle mínimo estatal” e “Nossa democracia” não fazem sentido uma com a outra. O que mais tem aqui é “Orgão regulador” para “Formentar a concorrência”. Estado é fornecedor de dinheiro por hora. Criptomoeda ta ai pra provar que até nisso alguém já consegue fazer sem ele numa boa.
            Nunca disse que o estado não deve existir pois judiciário é um campo que não vejo como funcionar de forma eficiente fora de um conjunto de leis comuns a todos. Meu problema com estado é que ele se mete demais na minha vida e a cada dia arranca mais dinheiro do meu bolso não pra me prestar serviço, mas sim pra controlar questões da minha vida que só se referem a minha vida e de mais ninguém. Quem dera que o estado aqui no Brasil fosse um “Controle mínimo”.

            As empresas pra mim tem o direito de fazer trocas voluntárias e aceitando as cláusulas de venda entre as partes. Eu posso trocar duas galinhas por um litro de coca-cola. Basta que a tia da barraca aqui queira duas galinhas e esteja disposta a me dar um coca-cola por elas. Dinheiro e valor são conceitos distintos.E novamente, não tem como você prejudicar coletivo sem prejudicar o indivíduo. O indivíduo sempre será a menor minoria.

            Piramide financeira é só gente que não sabe gerir seu próprio dinheiro. A Lava-Jato é que nem você retirar a mama de uma mulher com câncer em estágio avançado. É melhor ficar sem a teta do que continuar piorando. Um mal necessário.

          • A.I. de Pirocoptero

            Ancap é cego… desisto…

          • A.I. de Pirocoptero

            Ou melhor, não desisto:

            – Se criptomoeda funcionasse do jeito que os ancaps querem, hoje as pessoas comuns usariam criptomoedas.

            Não usam porque no final muitos ditos ancaps no final não diferem de um negociador violento de bolsa de valores, usando dinheiro feito por um Estado para trocar por criptomoedas (acho esquisito ancaps trocarem moedas próprias com àqueles que eles mesmos condenam, a propósito).

            – Acho que você não conhece o significado (ou nunca teve) de EMPATIA . Esta palavra talvez lhe teria mais valor se você compreendesse, aí sim você entenderia o porque de agredir um individuo também pode agredir um coletivo ou que a agressão de um individuo pode incomodar um coletivo.

            Meu problema com estado é que ele se mete demais na minha vida e a cada dia arranca mais dinheiro do meu bolso não pra me prestar serviço, mas sim pra controlar questões da minha vida que só se referem a minha vida e de mais ninguém.

            Estranho… estamos no Brasil, não em Cuba ou Coreia do Norte. Que eu saiba aqui, só se paga imposto (a rodo) se ou tem uma empresa ou ganha mais de três salários mínimos. De fato temos problemas sérios quanto a impostos, mas aí é outra coisa e você provavelmente nunca quis discutir política a fundo para justamente entender o porque dos impostos e como reduzi-los.

            E que eu saiba, o Estado (brasileiro) não controla a vida de ninguém, exceto se:

            * A pessoa cometeu algum tipo de crime (lembrando que ofensa é crime também)
            * A pessoa tem alguma dívida com o Estado

            Ou seja, você pode fazer o que quiser, só não pode ir contra a Constituição existente. E a constituição Brasileira até que é legalzinha e não pune fácil (e se pune, na verdade falta mesmo é fiscalização).

            QUando comparei lava jato com pirâmide financeira, quis dizer que ambas são crimes financeiros. (não a investigação, mas as situações investigadas).

            E um PS: na moral? Se você usa o Real Brasileiro, então não tem moral para ser ancap. Viva só de Bitcoins e seja feliz então. passar bem.

          • Guilherme Macêdo da Cruz

            Antes de tudo, eu não sou anarcocapitalista, mas gostaria de um estado bem mínimo, mas mínimo mesmo.
            Criptomoeda tanto funciona que o nosso estado já está querendo ver meios de controlar o que foi criado para não ser controlado por nenhum estado. A cada dia que passa mais locais e pessoas aceitam bitcoin e outras moedas digitais como forma de pagamento. Não é porque algo não é usado pela maioria da população que ele não funciona.
            Novamente você confundeos conceitos de valor com dinheiro falando que se troca dinheiro estatal por criptomoedas como se fosse algo errado. Se a corretora quer dinheiro estatal e eu quero bitcoin, eu faço a troca numa boa. Não tem nada demais nisso. E eu apenas comentei que até o fornecimento de algum tipo de moeda agora é totalmente possível sem a ajuda do estado. Eu não falei que pego meu salário todo e troco por bitcoin porque o dinheiro estatal é ruim.

            Não conheço empatia mesmo não. Eu conheço fatos.
            “Indivíduo A foi atingido por uma faca.
            Indivíduo B não foi atingido por uma faca.
            Individua A reclama porque foi agredido.
            Indivíduo B fica na dele porque ele não tem nada a ver com a vida do indivíduo A.”
            Não tem essa de “Ai meu Deus, fulano foi agredido, estou me sentindo agredido também.”.

            Enquanto a o governo querendo controlar minha vida, basta dar um Google nas leis mais absurdas do Brasil.
            Aqui um exemplo:https://goo.gl/3x8ush
            Deputados gastando tempo e dinheiro para discutir a presença de saleiro em cima de mesas.
            E isso são apenas algumas do ano passado que mesmo que não tenham entrado em vigor, geram custos que vão pelo ralo da mesma maneira. Ou seja, eu to pagando pra um cara decidir se eu devo ou não ter acesso fácil a sal num restaurante. Se isso não é pagar pra que controlem minha vida eu não sei o que mais pode ser. Mas vai ver que você pode achar isso normal por sentir empatia.

            Quanto a lava-jato, Ok. Entendido.

            Eu não sou ancap, mas mesmo que fosse, sua frase não faz sentido. Eu pago por todos os serviços que o governo provê. Inclusive o de impressão de dinheiro. Se eu já sou abrigado a pagar, nada mais lógico que eu utilizar o serviço, mesmo ele não sendo bom, afinal, não existe como não contratar esses serviços.E isso é só um ponto.
            “E um PS: Na moral. Se você usa de tecnologia barateada pelo livre mercado, e seu celular não é produzido pelo estado e se sua internet não é o estado que provê, então não tem moral pra ser estatista. Viva só do que o estado provém e seja feliz então. Passar bem.”. Viu como não faz sentido algum?

          • A.I. de Pirocoptero

            Não, eu sou uma pessoa que entende o meio de campo.

            Acho que deveria ler mais sobre Estados Unidos para entender o que é um Estado Mínimo na prática. Acho que além dele, talvez Austrália também seria uma boa referência sobre Estado Mínimo, não sei.

            Acho que este discurso de Estado Mínimo que muitos compram por aí com chatomentaristas e “influenciadores” ignora muito o fato que vivemos em uma sociedade de controle estatal médio, cujo Estado tenta (Em vão graças aos seus cidadãos) manter um equilibrio para um conforto aos cidadãos.

            Do jeito que vive a reclamar, é um anarcocapitalista ou compra a ideia de um Mamãe Falei ou Olavo de Carvalho por exemplo. Deveria ver outros caras, coisa que muita gente aqui diz que faz e não faz. Inclusive se for de “esquerda”. Não porque eles estão certos ou errados, mas para entender todos os pontos.

            Se você troca bitcoins por moedas do Estado, então de alguma maneira você depende do Estado. Você não é teoricamente obrigado a seguir as regras de um Estado – isso se chama desobediência civíl e é prevista em uma democracia. No entanto, indo de encontro ao que tu diz sobre “respeito comum”, você não deve fazer mal ao alheio. Isso é comum tanto em uma visão democrática comum atual quanto em qualquer outra visão de espectro político.

            Se uma pessoa for esfaqueada, se você acompanha e não denuncia, é cúmplice. Esse é o ponto. Essa realmente é sua falta de empatia. “Só acompanho fatos”. Sim, e uma pessoa pode ver você sendo esfaqueada
            e não fazer nada – isso é um fato. Sociedades que se cuidam tem mais qualidade de vida. No Brasil, infelizmente é um deus-dará por causa de visões como a sua, isso mesmo misturado com pessoas em comunidades carentes ou regiões densas, e por vários motivos. Seja por medo do crime, seja por realmente ignorar o arredor. Se não são as pessoas com empatia, não teríamos uma Santa Casa (ou tu acha que ela foi criada com intuíto de fazer lucro?) ou transporte público (quem idealizou como tal hoje pensou justamente em evitar problemas).

            Outro ponto ignorado é que sem um Estado, ou sem justamente uma regência de leis, as pessoas ficam apenas sobre o limite dos próprios abusos. E isso significaria por exemplo cidades poluidas devido ao excesso de uso de automóvel particular por exemplo. Se não há um Estado regulando o que eu ou você faz com um automóvel, no final nós dois estaríamos contribuindo para nos matar no trânsito ou com a poluição que adensa o ar.

            E leis absurdas existem pois existem pessoas como você, que pensam que não podem fazer nada pela política e que ela já está suja. Aviso: política é o que fazemos aqui nestes comentários quando discutimos sobre “se fazer A é um caminho melhor que B”. Se você não faz política, é omisso. Se você não vota em alguém de confiança, você é cumplice do que acontece no país. Não adianta reclamar que “ah, mas não votei nestes caras aí / votei nulo”. Política é fazer pessoas confluirem interesses e fazer um resultado positivo para ambos os lados.

            Infelizmente hoje se vota em Caras, não em Idéias. Vota-se em promessas, não em históricos e atitudes. Vota-se em ilusões, não em realidade. O aumento de números de “eleitores do Bolsonaro” é um grande exemplo disto: Bolsonaro não tem um histórico político relevante (apesar de teoricamente não ter acusações severas de corrupção), e o pessoal só está indo na onda de apoia-lo por causa de piadinhas e comentários simples como o seu, que não veem a profundidade das coisas que acontecem em um país, em uma sociedade. PRomete-se um voto em alguém que quer mais segregação do que união. E sim, isso vale também para Lula, que apesar das coisas que ele fez, deveria pagar pelos erros cometidos e promessas não cumpridas. E a qualquer outro político “das antigas”. E novos, caso o seja.

            Enfim, seja mais político e menos “chatomentarista de internet” como o Pau-lo R e muitos outros irônicos por aí. Passar bem.

          • Foi um belo fatality

          • ddiego

            O estado existe para que o povo seja controlado.

          • A.I. de Pirocoptero

            O Estado existe pois o povo pediu algum nível de controle, pois se não quisesse, reis teriam morrido e estaríamos em algum nível social diferente, dependendo o quão utópico ou distópico a mente estaria em nível. No nível atual, infelizmente distópico.

          • ddiego

            O governo existe para controlar exercito e policia e manter o status coo da elite privada.

          • A.I. de Pirocoptero

            Apenas em governos onde “a elite é amiga do governo” (Brasil e Estados Unidos por exemplo).

            Na teoria, um governo é um equilibrista social, tentando equalizar necessidades e ações.

        • Rafael

          Agora você acabou de se contradizer totalmente.

      • Luis Henrique

        Sim, a polícia, que é do Estado que prendeu os caras, mas vc dizendo que é o próprio mercado que acaba com ela. Vai se ferrar…, cara!

        • Guilherme Macêdo da Cruz

          Se o produto deles é uma fraude, não funciona. Se não funciona não vende. Se não vende a empresa não ganha dinheiro. Se não ganha dinheiro ela vai a falência. O Estado é totalmente desnecessário nesse caso.

          • Thiago

            Nesse meio tempo os donos já estão ricos , então pouco importa a existência da empresa pra eles.

            A partir do momento que existe um estado , existe imposto. Roubo é a maneira que o estado utiliza o imposto é não o imposto em si

          • A.I. de Pirocoptero

            Roubo é a maneira que o estado utiliza o imposto é não o imposto em si

            Bingo! O Estado não difere de uma empresa como gestora, a diferença é que o Estado é um ente político também que tenta evitar conflitos na população e deve criar meios de deixar a sociedade de forma mais “confortável”.

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Difere sim. No estado você em teoria pode mandar se f… quem está na chefia. tenta fazer o mesmo numa empresa.

          • A.I. de Pirocoptero

            Na empresa pode mandar alguém se f* se a pessoa quiser ser demitida ou a empresa tiver chefes que lidam com críticas, mesmo as mais estúpidas (e existem, diga-se de passagem).

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            E como vc é “demitido” num estado? exílio? pena de morte?

          • A.I. de Pirocoptero

            Se o estado tem leis, bota fora como qualquer outra empresa em caso de falhas do profissional à serviço da entidade governamental. Apesar da “estabilidade de carreira”, nada impede um funcionário de ser demitido.

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            “e o produto deles é uma fraude, não funciona. Se não funciona não vende.”
            Cigarros, bebidas alcoólicas, Pulseirinhas energéticas…

      • Meganegão

        Isso ai gente. Me encham de orgulho…

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        A JBS não foi eliminada do mercado. Seu argumento é…?

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Idéia falha: tem muita empresa aí que vende produto cancerígeno e se dependesse delas essa informação seria abafada fortemente. E são empresas grandes, bicho. seriam maiores se o estado malvadão não fizesse o trabalho de alertar as pessoas.

    • Trovalds

      Na China você tem que ter aval do Governo pra qualquer coisa. Não é só “vou fazer” e pronto.

      • Bruno Pinho

        Certo, certo… E nos EUA? Lá as empresas não fraudam, não? É tudo por conta do mercado?

        • Trovalds

          Lá existe o lobby. Inclusive é regulamentado. Se o seu lobby é convincente o suficiente você consegue o que quer. Por que indústrias como a de armas e a de petróleo não são atingidas por medidas mais duras do Estado? Lobby! Inclua na conta um modelo em que os Estados e cidades tem mais autonomia do que nós (Brasil). Recomendo 2 filmes que falam claramente sobre 2 dos maiores lobbys mundiais: Senhor das Armas (Lord of War)(implícito sobre qual lobby) e Siryana sobre o lobby do petróleo.

    • Diogo Nóbrega

      Interessante que praticamente todos os casos de empresas corruptas são aquelas que estão associadas com políticos e com o governo (afinal, nestes casos o dinheiro é “infinito”). Não sou de dar razão ao pessoal ancap que diz “imposto é roubo” e que “o mercado regula tudo”, mas no final das contas, empresas cujo lucro depende exclusivamente do consumo precisam ser o mais eficientes possível. Ou seja, corrupção significa a morte delas. A não ser, como falei antes, que tenham uma ajuda do governo/políticos.

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Seu argumento está enviesado. Se estão sendo mostradas empresas corruptas que tem envolvimento com políticos, não significa que as que não estão ligadas com politicos não sejam corruptas.

        • Diogo Nóbrega

          Talvez. Mas eu não consigo não suspeitar de algum político que possui algum parente ou conhecido (por exemplo) em alguma empresa/indústria ou (principalmente) na mídia.

          • A.I. de Pirocoptero

            Pesquise sobre:

            – Irmã do Aécio
            – Gamecorp
            – Igreja Universal
            – João Dória

            :3

          • Diogo Nóbrega 🌳💺😂

            Então. Por isso mesmo.

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Vide exemplos na outra resposta. Existe corrupção sem estado. E geralmente a corrupção vai de interesses privados sobre o interesse público, não o contrário. É como culpar a pessoa pela gripe, ao invés do vírus.

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Exemplo claro de que mercado não pune “naturalmente” a corrupção: Suponhamos que eu vendo um produto que dá cancer. Não aviso isso aos compradores – pelo contrário, tenho a meu serviço outra empresa que fabrica a idéia de que usar o meu produto é algo legal. Eu não ser claro com meus consumidores é corrupção.

        • Diogo Nóbrega

          Esse contra-exemplo é interessante, mas eu estava pensando em uma corrupção mais ligada a roubo/desvio de dinheiro diretamente. Por exemplo, alguém da área financeira de uma empresa que está envolvido em superfaturar os contratos ou na compra de insumos. Uma hora ou outra, essa empresa vai quebrar. Isso é mais difícil de acontecer em um governo (ou vai demorar mais pra acontecer).

          • Gesonel o Mestre dos Disfarces

            Ou ela pode sacanear e não pagar direitos trabalhistas e enrolar o processo – será que é por isso o lobby para o fim da CLT? Entra também sonegação de impostos (e isso não é culpa de governo, é safadeza do empresário). tudo que envolve o seu “Atirador do Texas”, sem implicar que o problema é o governo.

    • Gaba

      Esquerdista detected…

  • Juan Lourenço

    Era bem óbvio que um projeto tão idiota como esses não podia ser coisa boa…

    • Bruno Pinho

      Olhando por esse ângulo… Não tinha como dar certo.. hehehe

    • Amazing! hahaha

  • É um troço tão zuado, tão vagabbundo, tão zueira que eu acho que quem perdeu dinheiro com isso mereceu. (não que isso inocente os golpistas)

  • Vanderlei Gomes Fotografia

    Pelo menos lá são presos , geralmente continuam presos e até mortos.

  • Pera… Há anos se houve falar desse troço, se vê na Discovery, nos cacetete a quatro… E foi tudo fraude? Olha… Meus parabéns, devem ter feito curso com um certo governador e um certo secretário de obras de um certo partido com mascote de passaro em um certo país verde amarelho.

  • Wololo ✔

    Engraçado, da ultima vez que saiu uma noticia deste projeto eu disse que seu funcionamento seria inviável, logo apareceu uma galera dizendo que era verídico porque investidor só coloca dinheiro onde tem comprovadamente possibilidade de sucesso.

    Com isso foi o prego final no caixão.

  • O projeto era uma fraude, mas a ideia é boa. Por que não levar pra frente?

    • LekyChan

      como ele anda em trilhos, teria de reformar todas as ruas e avenidas por onde ele passaria, além de como dito na matéria ele não permitia a passagem de carros altos e caminhões. oq tornava a idéia inviavel.

      • sim, mas de repente ela pode ser aproveitada de alguma forma.

  • Keaton
  • Marcvs Antonivs

    Parece coisa de Cunha ou Geddel ou Aécio ou Temer