Início » Inteligência Artificial » Elon Musk quer regular a IA antes que seja tarde demais

Elon Musk quer regular a IA antes que seja tarde demais

Por
18 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Elon Musk alcançou um nível tão respeitável de sucesso em suas audaciosas empreitadas que, quando ele diz que “robôs poderão fazer tudo melhor do que nós”, a gente tende a acreditar. Ciente da confiabilidade que possui, o empresário vai além e frisa que esse cenário gera boas expectativas, mas também oferece riscos. É por isso que ele alerta: a inteligência artificial (IA) precisa ser regulamentada.

No sábado (15), Musk participou de um evento da National Governors Association para conversar sobre esse e outros assuntos. Como fundador da Tesla e da SpaceX, ele lembra que têm acesso às tecnologias mais vanguardistas, especialmente no que diz respeito à IA. Como tal, o empresário argumenta que deveríamos ser proativos no estabelecimento de uma regulamentação. Se formos reativos, poderá ser tarde demais.

O apelo de Musk pode parecer exagerado, mas, para ele, a IA atingirá um nível de sofisticação tão grande que permitirá que robôs atuem absolutamente em todas as áreas que, hoje, são mantidas com trabalho humano.

É óbvio que a IA deve continuar sendo aprimorada. Com ela, teremos carros autônomos circulando sob as mais diferentes condições, diagnósticos e tratamentos médicos serão feitos com mais precisão e nossas casas serão inteligentes, só para citar as vantagens mais destacadas.

Elon Musk

Em contrapartida, Musk acredita que esse poder também permitirá que a IA comece, por exemplo, a manipular informações gerando notícias falsas ou distorcidas, assim como convencendo as pessoas a dizerem qualquer coisa para uma máquina, o que não é tão difícil: basta lembrarmos que pesquisamos de tudo no Google, mesmo assuntos que não temos coragem de tratar com outras pessoas.

Não raramente, a indústria tecnológica explora ideias cujos efeitos colaterais são remediados só mais tarde. Não deveria ser assim com a IA, mas a verdade é que os maiores nomes do setor se esforçam para desenvolver a tecnologia rapidamente, o que pode dar margem para problemas de segurança.

Como a IA será capaz de lidar com demandas críticas — o controle do espaço aéreo, por exemplo —, prevenir é melhor do que remediar, no ponto de vista de Musk. É por isso que ele defende a regulamentação: o papel fundamental dos reguladores seria o de paralisar o desenvolvimento de um projeto de IA, examinar a sua segurança e então liberá-lo ou, se necessário, exigir mudanças.

Mas esse controle não poderia ser feito pelos próprios desenvolvedores? Tecnicamente, sim. Porém, Musk lembra que as companhias sofrem pressão de investidores. Eles podem se queixar de que os concorrentes estão criando projetos de IA mais rapidamente, por exemplo. Com a regulamentação cobrindo todo o setor, nenhuma empresa que teme contrariar acionistas poderá pular as etapas de controle, portanto.

Não é tão simples assim, certamente. Uma regulamentação exige trabalho em conjunto de empresas, governos, centros de pesquisas e instituições diversas. Mas, para Musk, esse trabalho realmente precisa ser feito, do contrário, a civilização ficará sob grande ameaça.

É um tom dramático, daquele tipo que a gente ignora por padrão. Mas, no evento, Elon Musk abordou a questão com a mesma convicção com a qual fala dos projetos da Tesla e SpaceX, por exemplo. Assim, fica difícil não levar o assunto pelo menos um pouco mais a sério.

Com informações: The Verge

Mitos e verdades sobre a IA

Existe uma certa afobação na comunidade em torno da Inteligência Artificial. E isso tem acontecido principalmente porque a ideia de máquinas inteligentes gera muita mídia, além de ser um prato cheio para filmes e séries de ficção científica.

Mas a IA ainda está longe de se tornar um ser autônomo, que pensa como um ser humano. O que temos hoje são várias IAs restritas, desenvolvidas para tarefas específicas. Esse é o tema do Tecnocast 064. Dá o play e vem com a gente!

  • Musk só não pode esquecer que, quanto mais leis, mais pessoas estarão dispostas a quebra-las. E não falo só de laboratórios de porão.
    Mas ainda vai demorar muito para os Reploids andarem ao nosso lado (ou não, se forem infectados com o vírus)

    • farias

      É melhor ter leis que uma pequena porcentagem quebra do que não ter leis para serem quebradas. É bem lógico que com as leis o número de pessoas agindo indesejavelmente diminui, se não zera.

      Agora se o seu argumento é que as leis de alguma forma incentivam o comportamento indesejado que elas deveriam prevenir, bom, isso é mais complexo.

  • CtbaBr©

    Já faz tempo que o Musk e o Hawking vem fazendo esse alerta.
    Essa questão é muito seria!

  • Ricardo – Vaz Lobo

    Daí a IA revoga as 3 leis da robótica, então full-dell com a humanidade.

  • Jose X.

    musk alimentando o hype…acho que podemos ficar tranquilos, não acredito que antes de ele enviar gente a Marte possamos ter problemas com IA /s

  • Eu achava que os visionários de tecnologia haviam morrido, mas Musk está trabalhando bem no que diz respeito a tecnologia no futuro, juntamente com Hawking.

  • C. Herrera

    O Elon Musk deve ter razão. As empresas parecem tão DESESPERADAS em desenvolver a tecnologia que poucas estão parando para perguntar se DEVEM desenvolvê-la, ou, pelo menos, em como desenvolvê-la com critérios mais seguros para nós.

    Sou cética, no entanto. Acredito que o desenvolvimento seguirá pelos caminhos que mais convenham às empresas, acionistas, governos, militares… com regulamentação que pouca (ou talvez nenhuma) influência prática tenha sobre a “segurança da civilização”. Imagino que a IA será plenamente desenvolvida (só para ver se é possível) até que tenhamos que enfrentar os efeitos colaterais desse “avanço”, talvez sem qualquer opção que garanta controle efetivo.

    Foi assim, por exemplo, com a energia nuclear. Na criação da primeira bomba atômica, os cálculos indicavam que existia a possibilidade (pequena, reconheço) de destruir a atmosfera de todo o planeta (o que eliminaria, portanto, a “civilização”). Mesmo assim, o artefato foi detonado (só para ver se era possível). A civilização prevaleceu, mas lida muito mal com, por exemplo, um dos efeitos colaterais: o “lixo” nuclear.

    Ao contrário da energia nuclear, a IA parece ter um potencial muito superior de ficar fora de controle (e, portanto, de destruição) do que qualquer tecnologia nuclear (lembrando que a engenharia genética também tem grande potencial, especialmente se aliada à… IA).

    O Elon Musk deve ter razão. Não podemos ignorar o problema.

  • Adriano

    O único perigo para a humanidade é ela mesma.

  • robertha fechativa

    (é bem random mas eu acho esse homem um gato AAA), sobre o post: não sou capaz de opinar

  • Hemerson Silva

    Deixe da forma que estar. Ninguém merece estar debaixo do pé do estado.

    • André

      E deixar arriscarem criar uma IA que possa aniquilar a civilização? Nesse caso eu acredito que o melhor a ser feito, é ter regulamentação da tecnologia em especifico.

  • Ben-hur

    bullshit