O HoloLens é a maior aposta da Microsoft na realidade mista: o dispositivo fica no seu rosto e projeta objetos virtuais no mundo real. A empresa está preparando a próxima versão do headset, e ele terá um chip dedicado para inteligência artificial.

O coprocessador será usado para analisar dados visuais diretamente no dispositivo, em vez de enviá-los para a nuvem. Ele será incorporado ao HPU, sigla para “Unidade de Processamento Holográfico” — este chip recebe dados de todos os sensores no HoloLens, incluindo o rastreamento de cabeça e as imagens das câmeras infravermelho.

Como nota o The Verge, os dispositivos móveis de hoje não foram feitos para lidar com programas de inteligência artificial. Ou eles ficam lentos, ou a bateria acaba rápido, ou ambos.

Por isso, o chip da Microsoft traz algumas vantagens. Ele tem um desempenho superior; ajuda a manter os dados seguros, pois não precisa enviá-los para serem processados na nuvem; e dispensa uma conexão contínua à internet, minimizando o impacto na bateria. O coprocessador é projetado pela Microsoft e fabricado por parceiras.

Outras empresas já oferecem tecnologia de chips dedicados à inteligência artificial, como a ARM e a Qualcomm. Rumores dizem que a Apple também fez seu próprio coprocessador de IA para o próximo iPhone, chamado “Apple Neural Engine”.

A próxima geração do HoloLens ainda não tem data prevista de lançamento; segundo o Thurrott.com, que costuma adiantar detalhes sobre a Microsoft, ele virá somente em 2019.

Com informações: Microsoft, The Verge.

Comentários

Envie uma pergunta