Este ano, o Google Classroom ficou mais interessante porque qualquer pessoa pode usá-lo para criar salas de aula virtuais. Você adiciona seus alunos, anexa arquivos e elabora tarefas em um local mais organizado que um grupo do Facebook, por exemplo.

A ferramenta atingiu um marco: desde seu lançamento há três anos, alunos já entregaram mais de um bilhão de tarefas. Para celebrar, o Google anunciou diversas atualizações para o Classroom.

Agora o professor pode acessar uma página dedicada para cada aluno e acompanhar seu progresso. Ela mostra o status de cada tarefa (entregue, parcial ou pendente) e permite ver quem está deixando de entregá-las.

Ficou mais fácil transferir uma turma para outro professor, em vez de recriá-la: o novo proprietário terá uma visão completa dos trabalhos anteriores, e poderá controlar os recursos armazenados no Google Drive.

Além disso, o professor também pode dar nota com pontos decimais:

Alunos e professores podem reorganizar as turmas da forma que quiserem, já que cada pessoa dá prioridade diferente a assuntos diferentes:

Há outras novidades também, como importar a nota de testes feitos no Google Forms; e aproveitar a integração do Classroom com mais parceiros educacionais — Quizizz, Edcite, Kami e Code.org.

O Classroom é aberto para qualquer usuário e não exige apps adicionais — tudo funciona a partir da web — mas o Google avisa que escolas “precisam se inscrever em uma conta gratuita do G Suite for Education”.

Com informações: Google, VentureBeat.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

J_Eduardo
Desculpe, não sei a sua área de atuação, mas em educação, o resultado e ou retorno é um processo lento e que por vezes nem é sinalizado para nós professores. Posso afirmar que em avaliações percebo quando o aluno cita um texto complementar, mas já verificava isso no uso e-mail da turma (como expliquei antes), logo não é um, digamos, resultado. Por outro lado, vejo o classroom, como uma ferramenta tecnologica/pedagogica de melhoria da interação entre professor (escola) e aluno, até pq estamos na geração do App e não mais do email. (Muitos alunos sequer se dão conta de que o email que usavam no cadastro da conta do smartfone tinha alguma outra função além do cadastro em si e olha que não leciono em escola pública ou de alunos de classe baixa). Ainda neste sentido, uma mudança efetiva só vem com mudança de cultura, por parte dos jovens sobre o valor do conhecimento, que muitas vezes é papel da família também e do modelo educacional vigente em nosso país. Para concluir, posso dizer que também não o utilizo plenamente, logo existem funcionalidade que poderiam ajudar e Ainda não faço uso, mas vale muito a pena, por diversos outros motivos que apresentei acima, mas que não são mensuráveis.
Renan
Foi possível notar melhoria no desempenho dos alunos?
J_Eduardo
Mandei meu relato para o autor do texto, basta procurar entre os comentários anteriores ao seu.
J_Eduardo
Sou atualmente professor de Ensino Fundamental 2 e Médio, na disciplina de Geografia. Uso com as minhas três turmas de EM, sendo a maior a do 3º ano, com 50 alunos (não sei se o classrrom tem limites quanto a isso). Este processo para cadastrar os alunos é simples e basta eles acessarem o app pelos seus smartfones e inserir a senha gerada pelo app para a sua turma epecifica. Criar turmas tb é simples. Estou fazendo por iniciativa própria e inserindo o uso das funcionalidades do app aos poucos. Minha ideia inicial era substituir o "email da turma" no qual todos os professores enviam textos e atividades complementares aos alunos. Percebi que requer também a adesão (motivação) dos alunos, o q é difícil, pois eles gostam da tecnologia para acessar redes sociais não para estudar...Mas este é outro debate... Estou usando para enviar textos complementares e materiais de aprofundamento ou das matérias dadas em aula. Por exemplo, usei um ppt em aula, no final da mesma, envio para eles do meu proprio iPad (que uso em sala acoplado ao datashow da sala de aula). Outro exemplo: Li uma materia na internet e ela tem relação com a aula, mando o link para eles via classroom. Uma funcionalidade interessante é que todos podem trocar mensagens pelo próprio app, como um mensageiro, tipo whatsapp e o professor pode liberar ou não determinadas funcionalidades para os alunos. Por enquanto, é este meu uso, mas como disse estou aos poucos testando as funcionalidades. Espero em breve mandar tarefas e depois cobra-las realizadas, mas está é uma nova etapa. Espero ter ajudado e que meu exemplo sirva aí de motivação para que outros façam.
Eric Viana
Também me interessei. Seria bacana um relato mais detalhado professor!
Felipe Ventura
Você usa para quais matérias, e para quantos alunos? Como vem sendo a sua experiência?
J_Eduardo
Estou usando com meus alunos de EM e recomendo a quem busca uma ferramenta digital para trocar arquivos ou indo além, realizar tarefas em grupo...