Início » Negócios » Tecnocast 071 – Vale a pena investir em bitcoin?

Tecnocast 071 – Vale a pena investir em bitcoin?

Por
17 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Não é por acaso que tanta gente vem falando sobre Bitcoin. A criptomoeda já chegou a valorizar mais de 10.000% em apenas um ano e bateu recordes históricos em 2017: um único bitcoin passou a valer mais de dez mil reais. E muita gente acredita que o Bitcoin não apenas continuará essa subida exponencial, como um dia poderá substituir a moeda que nós temos.

Calma! Será que vale a pena investir em bitcoins? O que é minerar? O Bitcoin será a moeda corrente mundial? Como uma blockchain vive, se alimenta e se reproduz? Dá o play que a gente conta tudo!

No YouTube

Participantes

Links citados no programa

Oferecimento: Easynvest

Investir é fácil, difícil é ter que ficar compilando programa. A Easynvest lançou um aplicativo de renda fixa que é super simples de usar. Ele tem algumas playlists de investimento para diferentes perfis de pessoas, seja para quem está começando a investir e ainda não entende muito dos inúmeros tipos de investimentos que existem; ou para quem já investe pensando na aposentadoria.

No aplicativo da Easynvest você investe a partir de 30 reais, e os investimentos em renda fixa têm taxa zero. Para saber mais, entre no canal da Easynvest no YouTube que eles explicam tudo sobre finanças.

Serviço:

Caixa Postal

Mande a sua mensagem: [email protected]

Assistente de Compras do TB

Comprar pelo melhor preço é muito mais fácil com o Assistente de Compras do Tecnoblog. Nossa extensão monitora milhões de produtos em centenas de lojas e te avisa se ele está em seu melhor preço. Ela ainda conta com um módulo Testador de Cupons que coleta e aplica automaticamente cupons de desconto no seu carrinho de compras.

Usando o Assistente de Compras no seu Chrome você também ajuda o TB a produzir o melhor conteúdo de tecnologia do Brasil. Baixe agora!

Assine o Tecnocast

Edição e Sonorização

O Tecnocast é editado por Rádiofobia Podcast e Multimídia.

Arte da Capa

Arte da capa por Ilustrata.

  • Eduardo José Effgen

    Rpz, não entendi foi nada! kkkkk

    • Guilherme Macêdo da Cruz

      É mais simples do que parece… Só prestar atenção..

  • Hoje?
    Esse assunto me dá depressão, vi essa coisa surgir bem no comecinho, vi que era algo que eu podia comprar, era baratíssimo, mas… não deu atenção. Atualmente quando vejo essa notícias de preços absurdos e anomalia no mercado de GPUs e penso que naquela época eu poderia ter tirado o troco do bolso e comprado um bocado dessas moedas… como disse, dá depressão.
    Hoje vejo isso como algo mais para especuladores, a não ser que você aposte em gastar um trocados em uma nova moeda recém criada para ver se consegue lucrar um pouco.

    • Flávio Fearn

      Cara, achar que é tarde para investir em Bitcoin é como achar que é tarde para usar a Internet. Bitcoin está apenas começando, tem nem 10 anos de criada e começou a se estabelecer nos últimos 2 anos. Então relaxa, compra uma fração mesmo e curte! As moedas digitais baseadas em blockchains são o futuro!

      • Não é a mesma coisa, falo de ter pensado e decido não comprar quando valia ZERO. Apenas R$100 naquela época hoje seria uma pequena fortuna.

        • maxguzenski

          Sim, e em alguns anos pode estar valendo 50mil e tu dizendo “poderia ter comprado por 3mil”… Nunca se sabe.

          • Para ser preciso não é “poderia ter-“, o que aconteceu foi “decidi não-“.
            E existe uma diferença bem grande entre gastar pelo menos R$3 mil e gastar apenas R$100 ou menos.

  • Jack Silsan

    Olá tecnoblogueiros. Resolvi não mandar email pois já mandei antes e vocês não leram lol
    Bastante interessante o assunto, e o Tecnocast foi bem elucidativo, como sempre. Uma curiosidade sobre o ouro (e outros minerais em geral): eles não estão presentes só na Terra. Há algumas empresas que pretendem explorar os NEA, Nearby Earth Asteroids (Asteroides Próximos da Terra) e eles podem conter quantidades colossais de ouro. http://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Espaco/noticia/2016/06/mineracao-de-asteroides-pode-deixar-o-mundo-ainda-mais-desigual.html
    Não sei até que ponto trazer esse ouro espacial influenciaria no preço do metal, mas certamente terá algum impacto, e com chances de ser desvalorizador. E pelo que vocês disseram, a Bitcoin tem analogamente seu próprio cinturão de asteroides, que são as outras criptomoedas.
    Parabéns pelo trabalho, continuem assim e até uma próxima.

  • Quando se inicia a conversa com “Investir em Bitcoin”, não tem
    como não descredenciar o Bitcoin. O preço deveria ser tratado apenas
    como um efeito e não como o principal objetivo.

    Bitcoin não é investimento justamente porque não é uma empresa.
    Ele não produz nada, é uma ferramenta e tem sua utilidade. No dia que
    perder a utilidade, vai perder todo o seu valor. Quem compra pensando no
    rendimento está especulando e não tem interesse em Bitcoin. Lembrando
    que 1 BTC vale 1 BTC, hoje e sempre. Ela varia em relação a outras
    moedas, quem compra BTC querendo ter mais R$, está com a mentalidade
    errada.

    52:13 – Completamente errado. O limite de 21 milhões é sim um valor
    arbitrario. Ele vai terminar em 2140 porque ele foi feito assim. O
    número poderia ser 10 milhões ou 500 trilhões.

    56:00 – Houve uma confusão de conceitos. Uma moeda ser deflacionária é ruim quando se vive em um mundo onde há inflação (mesmo que pequena). Cada dinheiro impresso, retira o valor daqueles que estão em circulação. É justamente por isso que os salários tendem a aumentar, para corrigir essa desvalorização gerada. Pelo mesmo motivo, a deflação da moeda não é ruim. Pelo contrário, ela vai favorecer aos polpadores, ao contrário da moeda inflacionário estimula os gastadores (gastar hoje faz todo sentido, quando eu sei que a moeda vai valer menos amanhã). Não vou me alongar nesse ponto pra não escrever um texto maior ainda, mas já adianto que estimular o gasto é **muito** ruim.
    Resumindo: A deflação em é algo bom e desejável. O seu dinheiro valer mais amanhã do que vale hoje, o preço das coisas cairem ao longo do tempo é sim positivo. O problema é quando infla a moeda (imprimindo) o que naturalmente geraria aumento de preço e se tem o efeito inverso.

    58:00 – Essa visão que a deflação faria com quem ninguém comprasse as coisas é errada. Na maioria as pessoas compram as coisas que elas querem comprar. Ninguém deixa de comprar algo que precisa hoje, porque o preço vai estar mais barato amanhã. Isso só acontece no supérfluo. Se isso fosse verdade, ninguém compraria nada no lançamento (onde o preço é o mais caro). O fato do preço alterar não muda em nada o fato de querer consumir.

    1:00:00 – A descentralização do Bitcoin não está apenas na mineração. Usuários, Mineiradores, Exchanges, Nodos. Todos tem sua parte de poder. Controlar a mineração, não te da controle ao Bitcoin.

    1:03:00 – O cara que vendeu a pizza vendeu todos os Bitcoin na época.

    Esse texto já ficou gigante e nem sei se vão ler, mas fico a disposição (mesmo sabendo que tem pouca chance de acontecer) para esclarecer os pontos ditos, em especial, sobre o Bitcoin.

    • Vou responder só porque você se colocou na posição de especialista, mas falou umas abobrinhas, aí. Vamos lá.

      1. Bitcoin não é um investimento porque não é um empresa. É EXATAMENTE o que argumentamos no episódio. Não sei se você ouviu ele inteiro, ou prestou atenção no que foi dito, mas meio que concordou com a gente nesse ponto.

      2. Não houve confusão nenhuma de conceitos. Se você acha um preço bom de um produto que está querendo, com certeza aproveita a oferta naquele momento, porque sabe que amanhã não estará mais o mesmo valor, certo? Isso também vale para o contrário. Em uma economia que está em deflação, as pessoas tendem a gastar menos dinheiro, porque sabem que amanhã estará mais barato.

      “A deflação privilegia os poupadores e pune os devedores”

      Da mesma forma, fábricas que fazem dívidas para comprar maquinários são prejudicadas, porque o preço do maquinário vai cair dia após dia, mas a sua dívida será mais alta do que o preço de mercado.

      Produtos usados viram lixo e são abandonados no Japão, porque depois de um tempo de uso, um novo pode valer o que você cobraria no seu usado (com base no valor que você pagou quando era novo).

      Outro ponto é a escassez da moeda. Imagine que a moeda é um produto que precisa ser distribuído entre todos. Porém alguns tem mais e outros menos. Agora leve em conta que a população mundial cresce exponencialmente.

      O lastro da moeda é a produção mundial, que também aumenta exponencialmente. Quanto mais produtos no mercado, mais moedas você precisa pra absorver os produtos.

      Mesmo com o fracionamento da bitcoin, vai chegar em um momento em que 4,1 quatrilhões de satoshis não serão suficientes pra fazer a economia girar. E se não tiver moeda pra todo mundo, isso (encurtando a história) pode gerar mais pobreza.

      Deflação gera pobreza e inflação demais também. É preciso um equilíbrio, e esse equilíbrio é lastrear a quantidade de dinheiro em circulação com a produção do país. Isso foi explicado no programa.

      Não confunda deflação com estabilidade econômica, são coisas diferentes.

      3. Não é uma “visão”, é um fato. É o que já acontece em países com deflação. O consumo cai tanto, que o governo coloca juros negativos. Juro negativo significa que você PAGA juros quando investe o seu dinheiro. E o governo faz isso que é pra ninguém investir, pra ver se as pessoas gastam o dinheiro. Economias deflacionárias ficam paralisadas, isso trava o crescimento econômico e se o PIB não cresce, tem menos riqueza para distribuir.

      Se você já tem dinheiro guardado, tanto faz. Mas quem é pobre e vive de pagamento em pagamento sofre muito com isso. Menos consumo significa menos emprego. Significa fábrica diminuindo produção porque as pessoas não estão comprando, lojas diminuindo a equipe e por aí vai.

      4. Conforme explicamos no programa, ela é descentralizada, porém você tem como ter mais poder de voto, que é pelo poder de processamento que os seus dólares compraram. E a maior parte do poder de processamento está nas mãos de poucas empresas. Logo, elas centralizam a maioria do poder de voto.

      É como ser sócio majoritário de uma empresa. Todos os sócios tem direito a voto, mas você tem a palavra final porque é dono da maior parte dos votos. Isso também foi explicado no programa, amigo. Você ouviu, mesmo?

      Enfim, fico à disposição para esclarecer os pontos, em especial sobre economia e bitcoin.

      • Antes de mais nada, desculpa se pareci ser um especialista em qualquer coisa. Apenas argumentei, se pareceu algo diferente, erro meu.

        2,3 – Eu quis resumir o que escrevi e acabei deixando de falar um ponto importante do que eu quis dizer:
        A deflação só é ruim quando a economia é baseada na inflação e a deflação acontece. Ou seja, tudo é feito para estimar o consumo. A moeda é inflacionada. Se os preços caem, é um desastre.

        (Acho esse modelo ruim, predatório. E terrível para os mais pobres, mas isso é outra discussão)

        Uma economia baseada em Bitcoin teria que ser deflacionária por força do protocolo.

        Se toda a sua argumentação não levou em consideração isso ai, eu concordo com o que disse. Do contrário, o seu pensamento está errado.

        Outro ponto é o número de satoshis não conseguir representar as riquezas do mundo. 1 BTC = 100.000.000 satoshis ou seja, 21M de BTC daria 2.1 quatrilhões de satoshis. Não sei porque isso não daria pra ser usado em uma economia.

        1 – Não acho que vá existir “One coin to rule them all”.
        2 – A riqueza do mundo somada hoje é em torno de $40 trilhões. 2.1×10^14 de satoshis daria de sobra pra representar tudo que precisamos.

        Ou seja, mesmo se fosse só o Bitcoin, aliado ao carater deflacionário, não acho que seria um problema.

        4 – Sim, eu ouvi. E o que escreveu me pareceu que eu não fui claro.

        Você ter o maior poder computacional no Bitcoin te dá influência, sua voz vai ter peso, mas não é nem de longe como um sócio majoritário. Ao contrário de uma empresa (acho que não cabe a comparação), se os nodos não concordarem, a rede se divide e o majoritário vai ficar sozinho, com suas regras que ninguém segue, com sua moeda que não vale nada… e a outra rede vai continuar separada levando todo o valor com ela (pensando que é o majoritário computacionalmente, contra todos)

        Ou seja, para conseguir que qualquer regra seja aplicada, o minerador tem que convencer as exchanges (que por sua vez vão na direção que os usuários querem ir). Tem que convencer os nodos que fazem parte das distribuições das transações. Tem que convencer os responsáveis pelas carteiras (que também são guiados pelos usuários). Tem que convencer os outros mineradores.

        Você deve estar acompanhando, e essa briga do Bitcoin hoje em dia mostra justamente que ter o maior poder computacional não impõe nada. 80% do poder computacional está querendo aumentar o tamanho do bloco e estão com uma mega dificuldade pra conseguir… tem grandes chances de não conseguir.

        Chama protocolo de consenso justamente por isso. Ninguém manda, mas o todo manda.

        Abrs

  • Mago Erudito®

    Olá pessoal,
    Acompanho o blog há muito tempo, ouço todos os tecnocasts possíveis e gostaria de tentar contribuir com alguns pontos. Também acredito que seria interessante ter algum integrante que acredita no potencial do Bitcoin para contrabalançar os argumentos pós e contras da moeda.

    O fato dos amigos não perceberem valor na Bitcoin não significa que ela não o tenha. Isso é importante: Bitcoin não é pirâmide, mas piramideiros usam ela como chamariz por se tratar de algo desconhecido e complexo para a grande massa. Posso aqui listar algumas vantagens:

    1. Descentralização, ou seja, não são os EUA que determina a quantidade de moeda em circulação e, consequentemente, o dinamismo das trocas internacionais. Lembrem-se que se o Trump resolver aumentar a taxa de juros americana a economia brasileira sentirá o efeito disso e o Real vai se desvalorizar.
    2. A taxa de transação é baixa sim. Considerando que você não precisa de intermediários pagar um fee de 1 a 2% é um valor pequeno.
    3. Ela pode ser usada em qualquer lugar do mundo sem grandes restrições ou dificuldades.
    4. A blockchain é extremamente segura.
    5. Ninguém pode confiscar suas bitcoins.
    6. Por ser descentralizada, e portanto não atrelada a governo algum, não sofre com crises e falta de controle como o que acontece, por exemplo, no Brasil e em maior escala na Venezuela. Cada vez que os Governos gastam mais do que podem geram inflação, deterioração das contas pública e da moeda nacional.

    Posto isso, uma parte dos meus investimentos para aposentadoria continuam em criptos e vão muito bem obrigado, abraço!

    • Frink, o cientista

      Concordo com você que Bitcoin no seu propósito não é piramide, mas sim um meio de troca de valores, como qualquer moeda. Desde que ambas as partes (quer está emitindo e quem está recebendo a “moeda”) tenham mútua confiança, até um pedaço de papel escrito “vale 1.000 reais” pode ser considerado uma moeda. A questão, que acho que foi umas das pautas do podcast, é que o bitcoin passa a ser considerada uma pirâmide financeira no momento que pessoas e grupos recomendam-a como uma opção de investimento (até a Empiricus já está recomendando), já que nenhum valor agregado está sendo gerado nessas operações. Pra quem está comprando bitcoins pra utilizar como um meio de troca que num futuro possa se tornar algo normal e de massas é algo muito interessante (mesmo tendo que pensar 2x se vale a pena). Pra quem apenas está “por trás” dando o suporte, ganhando com cada transação realizada ou quem está minerando os biticoins (já que o valor do bitcoin aparentemente está maior do que o valor gasto pra minerar) está se dando bem. Para aqueles que estão pensando em ficar rico do dia pra noite “investindo” em bitcoins, estes podem ter dor de cabeça no futuro. Tenho a sensação de uma “Telexfree 2.0”

      • Mago Erudito®

        Muitos esquemas de pirâmide estão sendo criados usando a Bitcoin como chamariz, mas não é isso que fará a moeda deixar de ter valor.

        Telexfree e similares são apenas pirâmides para iludir pessoas ingênuas e ignorantes de que existe dinheiro fácil e enriquecer meia dúzia de pilantras. Bitcoin, ao contrário, não é controlada por alguém ou Governo seu preço vem de quanto as pessoas acreditam que ela vale e é aí que está o pulo do gato.

        Pergunte para os venezuelanos, argentinos e chineses se veem valor no Bitcoin e muitos vão responder que vale a vida, pois conseguem fugir da hiperinflação, do controle de capitais e do Estado.

  • Windson Mateus

    Foi importante alertar aos ouvintes sobre essa febre atual de bitcoins. Muita gente achando que vai ficar rico dando all-in em algo que ainda é muito incerto.
    Mas acho que o debate poderia ser mais rico se houvesse alguém com um parecer contrário, mostrando que existe um potencial em algumas criptomoedas. A meu ver as comparações com pirâmides foram infelizes.
    Não dá para ignorar empresas como Microsoft investindo no Ethereum, vários bancos apostando no Ripple, etc.
    Resumindo a minha opinião, não vejo problema da pessoa alocar um pequeno percentual da sua carteira (no meu caso, tenho 1% divididos em BTC, XRP e ETH) em criptomoedas, baseado nessa perspectiva. Se não der certo, a perda será mínima.
    Recomendo esse e-book de um especialista da área, Fernando Ulrich, do Instituto Mises: http://www.mises.org.br/Ebook.aspx?id=99
    Parabéns pelo ótimo trabalho. Acompanho sempre o podcast.

    • As empresas que estão apostando nas criptomoedas não fazem por especulação. Elas estão realmente utilizando a tecnologia para resolver problemas. E aí é outra questão.

      O objetivo do podcast foi abordar apenas o lado econômico da BTC, ou se vale ou não como um investimento. E até falei isso no programa, isso não desqualifica a tecnologia, a ferramenta. São coisas diferentes.

      A comparação com pirâmide foi justamente pras pessoas entenderem que não existe um valor intrínseco na Bitcoin como os entusiastas defendem cegamente. E que esse comportamento de culto à moeda é muito similar sim ao que acontece nas pirâmides: quem aconselha a compra é porque ganha com a valorização e quem entra está pagando os lucros de quem entrou antes. Isso é insustentável.

      Mas novamente, isso é só uma análise da moeda como investimento. Não estou chamando bitcoin de esquema ou desqualificando a *tecnologia*. São coisas separadas.

    • Ah, o livro é realmente muito bom! Já li e recomendo. 🙂

  • Rafael Nolasco

    Ótimo cast! Decidi definitivamente não comprar bitcoins… pode valer a pena só pra quem gosta de especulação e riscos mesmo. Além do mais a questão de não ter nenhum valor intrínseco me incomoda demais, pois parece não haver nada que possa indicar como vai se comportar o “consumo” ou “investimento” nisso.

  • Highlander

    Parabéns pelo programa! Foi muito bom. Muito bom mesmo. O conhecimento de vocês de economia é ótimo para quem não é da área e os poucos erros de conceito que vocês cometeram são tão pontuais e não influenciam em nada no raciocínio que nem vale a pena corrigir.

    Mas para não passar o comentário sem acrescentar nada vou deixar aqui algumas breves considerações:
    – deflação é um problema grave, pior do que inflação.
    – bitcoin não é nem de perto uma pirâmide. O que pode ser dito é que, como analogia, pode ser tão ruim quanto uma pirâmide. Mas o que está acontecendo com o bitcoin é mesmo uma bolha especulativa.
    – qualquer coisa pode ser um investimento. O que determina se é ou não é o seu objetivo. Se você compra uma TV para sua casa não é investimento, mas se você compra a TV para colocar no seu bar com o objetivo de trazer mais pessoas e assim vender mais, essa TV é um investimento.

    Novamente, parabéns pelo programa e fico no aguardo do Tecnocast sobre o blockchain.

    • 868686

      Alguns espertinhos aqui no Brasil já trataram de criar sistemas de pirâmide para enganar os ignorantes no assunto. Por isso muita gente vincula bitcoin à um sistema ponzi.

  • Ótimo episódio pessoal. É o primeiro episódio que escuto de vocês. Finalmente assinei o feed do podcast e percebi que estava perdendo um ótimo conteúdo, em paralelo ao “blog”.
    Até hoje eu só observo o bitcoin de longe. Sempre fiquei com receio de “comprar por comprar”, ou até mesmo pra investir (até porque sempre ouvi que bitcoin é um investimento arriscado), mas quando olho pra trás e vejo quanto vale um 1BTC hoje, em dólares, bate aquela sensação “se eu tivesse comprado…”. Mas é sempre o “se”, assim como “se” eu não estiver disposto a arriscar, não tem como ganhar. Mesmo assim, continuo sem interesse de comprar bitcoins.

    Abraço
    EddieTheDrummer (PADD)

  • Bruno Avanco

    Pessoal, minha humilde opinião de quem começou acompanhar o cast há pouco tempo, talvez corroborando construtivamente para próximas dicussões:
    1. Parcialidade: Eu acho que é muita responsabilidade recomendar ou não a compra de bitcoins para uma massa tão grande de pessoas. O entendimento desse assunto é tão subjetivo quanto a bíblia e tem portanto, diversas esferas de interpretação. Vcs foram categóricos ao falar “não” a recomendação de compra e isso vai muito além do bitcoin em si. Deve-se considerar o perfil desde o investimento de cada um até o quanto cada um pode dispor pra se arriscar com isso. Fica bem difícil recomendar essa empreitada pra alguém sem ter esse pano de fundo.
    2. Contra argumentação: Concordo com outros comentáristas que afirmaram que faltou alguém pra ir contra à posição de vcs. Talvez seja um combustível para um segundo debate onde vcs podem apegar-se exclusivamente ao investimento e como isso se desdobrará no futuro. É inquestionável o fato que a tecnologia em si é disruptiva, então esse ponto já foi.
    3. Investimento: Nos comentários abaixo foi falado que bitcoin não é investimento. A definição da palavra é (Wiki): Em economia, investimento significa a aplicação de capital com a expectativa de um benefício no futuro[1]. Sendo assim, qualquer lugar que se enfia dinheiro aguardando valorização é sim um investimento. Não tem nada a ver se é ou não empresa. Agora, se esse ativo é ou não sustentável ou legal a história é outra.
    Abs

  • 868686

    Exchange é uma bolsa (de valores) e não uma corretora como dito no programa.

  • Ludyson Klayn

    Como bostejaram tanto em relação aos assuntos econômicos. Deveriam, pelo menos, ter chamado um economista.

    Falar que deflação é recessão…

    PQP