A polêmica envolvendo James Damore, engenheiro demitido após criticar as políticas de diversidade do Google, ganhou um novo capítulo. O CEO Sundar Pichai iria fazer uma reunião de grande escala nesta quinta-feira (10), mas decidiu cancelá-la após ameaças aos funcionários.

Pichai explica em um e-mail que as perguntas dos funcionários foram vazadas, assim como a identidade de alguns deles.

Foto por Nguyen Hung Vu/Flickr

“Nós esperávamos ter uma discussão franca e aberta hoje… mas nossas perguntas apareceram externamente esta tarde, e Googlers estão sendo nomeados pessoalmente em alguns sites”, escreve Pichai no e-mail. “Os Googlers estão preocupados com a segurança deles, e preocupados que possam ser ‘expostos’ publicamente por fazer uma pergunta na reunião.”

Ele diz: “a grande maioria de vocês é muito favorável à nossa decisão; uma porcentagem menor gostaria que fizéssemos mais; e alguns estão preocupados em não poder falar livremente no trabalho. Todas as suas vozes e opiniões são importantes, e eu quero ouvi-las”. Em vez de uma grande reunião, grupos menores devem se encontrar no futuro.

Segundo o The Verge, uma conta do Twitter relacionada ao 4chan reuniu, nesta terça-feira (8), catorze perfis de funcionários do Google. O tweet foi amplamente divulgado por pessoas ligadas ao movimento alt-right, como Milo Yiannopoulos. A vice-presidente de diversidade Danielle Brown estava inclusa na lista, e teve que trancar a própria conta depois de receber uma enxurrada de mensagens abusivas.

No domingo (6), o blogueiro Theodore Beale (conhecido como Vox Day) publicou capturas de tela do Google+ interno, mostrando funcionários criticando o manifesto de Damore, sem apagar os nomes nem as fotos de perfil. O site Breitbart publicou mais imagens no dia seguinte, também sem ocultar os autores.

O manifesto de Damore argumenta que o Google deveria reduzir sua empatia em relação à diversidade, e que a disparidade entre homens e mulheres na tecnologia se deve parcialmente a fatores biológicos. A demissão do engenheiro gerou uma reação entre funcionários mais conservadores do Google, bem como de ativistas alt-right fora da empresa.

Inclusive, um movimento está se formando para realizar manifestações na frente dos escritórios do Google. A #MarchOnGoogle está programada para ocorrer em 19 de agosto em pelo menos cinco cidades americanas, incluindo Mountain View — onde fica a sede da empresa, e onde Damore trabalhava.

O engenheiro deu suas primeiras grandes entrevistas para Stefan Molyneux e Jordan B. Peterson, duas figuras conhecidas na alt-right; e fez uma sessão de fotos com Peter Duke, fotógrafo famoso por fotografar pessoas desse grupo.

Em uma das fotos, Damore segura uma placa dizendo “despedido por dizer a verdade”:

https://twitter.com/Fired4Truth/status/895790315675582464

Em outra imagem, ele usa uma camisa com a palavra “Goolag”, uma referência aos gulags — campos de trabalho forçado para inimigos políticos na União Soviética.

Tenho a sensação de que essa história só tende a piorar.

Com informações: CNN, Ars Technica, The Verge, Business Insider.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gerson Dias

Certamente o acaso é um componente bastante importante, porém eu colocaria como um dos mais importantes o ambiente. Por isso, se continuarmos a propagar ideias de um ambiente fechado, exclusivo, esta cultura perpetuará. Se temos um ambiente inclusivo e convidativo, mesmo que tenhamos que usar uma certa "força" (como a hierarquia de uma empresa) para quebrar um padrão de ambiente já estabelecido, teremos uma cultura mais diversa. Aí vem questões como: O grupo que faz parte do grupo dominante num ambiente fechado e exclusivo, eles vão lutar para manter seus privilégios (esse é o bicho humano) como lidar com isso?; Quem não se adapta ao novo ambiente será jogado para fora dele (evolução das espécies pura e simples), mas como lidamos com isso se realmente queremos a inclusão e incluir ideias divergentes também é ser inclusivo?

Na empresa que trabalho, vamos atrás ativamente de mulheres, negros, trans e qualquer outra minoria quando temos vagas de trabalho. Quando duas pessoas tem a capacidade de fazer o trabalho, damos preferencia para a pessoa que representa uma minoria. E assim, aos poucos fazemos nossa parte. Queremos uma empresa assim e usamos nossa força para fazer ela ser assim, inclusiva. Quem não se adapta acaba saindo com o tempo. Fazemos questão de manter pessoas que acham determinado "tipo" de pessoa é melhor que outro bem longe, pq queremos que nosso ambiente seja inclusivo e isso acaba se refletindo na mudança da cultura da empresa como um todo e de cada individuo que está lá (eu mudei MUITAS de minhas ideias e comportamentos depois que convivi com homossexuais, trans, mulheres e negros em meu trabalho)

Mas mudando de assunto um pouco, certa vez eu vi um documentário sobre os vaqueiros do nordeste. Eles falavam: "Deus quis que eu virasse vaqueiro". Mas é bem engraçado que Deus só quer pessoas vaqueiras no sertão nordestino! Aqui em SP ele não quer criar nenhum vaqueiro! O homem é fruto do meio...

Paulo
Uma pesquisa biológica obviamente não levaria em conta o presente de cada gênero, um estudo psicológico sim. São áreas diferentes e não há mal nenhum nisso. O problema é analisar algo tão complexo como o ser humano considerando apenas um desses aspectos. É justamente sobre isso que a carta fala. Depois, influências culturais são efeito antes de se tornarem causa. Ou o que levou a formação da cultura? Acaso?
Paulo
Só uma observação: não tem nada de liberal nisso. Liberal é um pensamento que valoriza a liberdade, inclusive a de pensamento. A doutrinação ideológica é uma pratica do pensamento anti-liberal.
Paulo
Qual o raio de relação você encontrou entre uma coisa e outra? Está afirmando que é a "maldita agenda" que promove a inovação? Não é a estratégia de inovação aberta? As tecnologias empregadas? O alto poder da marca, que dá confiabilidade as inovações? A grande capacidade de captação de investimentos? A cultura de não punir erros? A visão de negócios que permite projetar cenários futuros? A capacidade de elaborar modelos de monetização competitivos e viáveis? Tu acha mesmo que inovação é apenas capacidade inventiva estimulada pela felicidade? Invenção é invenção. O que mais existe é invento que não serve para nada ou não foi para o mercado. Inovação é fazer acontecer: inova-ação. Há muitas competências e detalhes que favorecem um ambiente inovador. Esse é um dos campos mais estudados na administração da atualidade e não tem relação com a literatura de aeroporto, com o empreendedorismo de palco ou os livros de auto-ajuda que falam de felicidade.
Alecsandro Milani
Ai Gabriela cala essa boquinha de cu, vai, pq dela só sai merda!!!
Alecsandro Milani
Que tipo de drogas um cara desses deve usar pra falar esse tipo de debil-mentalidade!!!
Alecsandro Milani
Cara arranque seu pau e sua boias e bata no liquidificador!!! Vc com certeza não serve nem pra esterco nesse planeta!!! Feministo bom é feministo morto!!!
Meganegão
Caraca. Coloca uma peruca loira nesse cara, e o napoleon dynamite.
Jose X.
acho engraçado o mimimi e o vitimismo desse pessoal que reclama de feminismo e "SJW"...quanta infantilidade :)
Jose X.
por isso a globo tem todo esse poder...
Alexandre Roberto
A partir do momento que uma galera aleatoria da as caras em um site de tecnologia para dizer que ciencia e uma ferramenta do machismo, tenho a certeza de o futuro dessa galera sera bem nebuloso, triste e frustrante. A realidade um dia ensina algo
Pereira
Rodrigo
http://i0.kym-cdn.com/photos/images/facebook/001/007/243/eff.jpg
Gerson Dias
Seguindo esse raciocínio, as mulheres seriam bem mais aptas que os homens, biologicamente falando, para a política. Mas acho que elas são bem subrepresentadas nesse meio... Homens não são mais tarados que mulheres por tecnologia. Quem vc acha que inventou a agricultura? Qual o genero da pessoa que escreveu o software do Apolo 11? Uma pesquisa cientifica nos moldes que você descreveu não coloca tanto em conta o fato que damos uma boneca para a menina e um kit de quimica para um menino. Também não da pra negar que somos machistas para caralho (não individualmente, mas no geral), já viram as diversas histórias de meninas gamers e como elas são escrotizadas pelos meninos nas comunidades ou jogos online? Como uma _pessoa_ continuaria em determinada área se ela é mal tratada lá? por mais amor que tenha pela área, as vezes é foda aguentar tudo isso...
Rafael Gil
Se entram mais homens do que mulheres, a participação de mulheres cai (percentualmente, como mostra o gráfico) mesmo que nenhuma mulher desista da área. Isso é matemática, nem cabe discussão.
Exibir mais comentários