Depois que o Megaupload foi fechado, Kim Dotcom criou o Mega, mas não ficou muito tempo no negócio por motivos até hoje pouco claros. Mas ele não desiste. O excêntrico empresário aposta agora no K.im, outro serviço de armazenamento de dados, só que descentralizado e “amigável” aos direitos autorais.

Mesmo nos dias atuais, é estranho o copyright fazer parte do discurso de Kim Dotcom. Vale lembrar que uma das razões que levaram o FBI a encerrar as operações do Megaupload foi o fato de o serviço facilitar enormemente o compartilhamento de filmes, séries e outros materiais protegidos.

Kim Dotcom

Era uma mina de ouro. O Megaupload e serviços similares tinham modalidades gratuitas, mas as pagas não eram caras e ofereciam várias vantagens, como downloads simultâneos e mais velocidade, razão pela qual possuíam muitos adeptos. A indústria do entretenimento ficou furiosa, afinal, não ganhava nada com esses downloads.

A nova empreitada promete ser bem diferente. O K.im não será exatamente um serviço de armazenamento, mas uma espécie de gerenciador: os arquivos serão distribuídos entre vários serviços online, como Dropbox, Google Drive, Storj e até sites de torrents.

Os usuários controlarão os downloads a partir desses serviços e definirão valores por eles: o material baixado só poderá ser desbloqueado via aplicativo ou extensão do K.im, que checará se o usuário que fez o download realizou o pagamento.

K.im

Não está claro se os pagamentos poderão ser feitos via modalidades convencionais, como PayPal e cartão de crédito, mas sabe-se que o K.im terá plena integração com o Bitcache, outra ideia de Kim Dotcom: basicamente, o serviço está sendo criado para permitir compra e venda de conteúdo com bitcoins.

O que impedirá alguém de usar o K.im para distribuir conteúdo protegido por copyright e, ainda por cima, ganhar dinheiro com isso? De acordo com Dotcom, os detentores dos direitos poderão reivindicar o conteúdo a qualquer momento e, assim, receber a receita gerada com a sua distribuição.

Mas há vários pontos que tornam essa proposta duvidosa. Para começar, o K.im poderá, de alguma forma, ferir os termos de uso dos serviços de armazenamento externos. Além disso, os usuários não serão identificados, mesmo quando um conteúdo for reivindicado, o que pode fazer o K.im ter problemas com a lei (o que também levanta a suspeita de que métodos de pagamento tradicionais não serão suportados).

Outra possível fonte de problema: aparentemente, o serviço terá um programa de afiliados que recompensará os participantes mesmo quando o conteúdo indicado por eles for reivindicado.

Por fim, a pergunta mais importante: o que levará um usuário acostumado a baixar conteúdo de graça (via BitTorrent, por exemplo) a pagar pelo download? Para Dotcom, a principal razão para a existência da pirataria é a falta de disponibilidade de conteúdo, por isso, ele acredita que muita gente estará disposta a pagar se encontrar aquilo que deseja consumir.

Vai demorar um pouco para sabermos se o K.im dará certo ou se não passará de mais um projeto utópico de Kim Dotcom: por enquanto, o serviço é um "beta" fechado, disponível apenas via convite. A abertura ao público está prevista para a metade de 2018.

Com informações: TorrentFreak

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gabriel
Acho que não viu, se fosse Br certeza que custaria um rim.
Bruno Vieira
Nunca tive nenhum problema com o Mega. Ele tem limite de download nas contas gratuitas, mas só isso. Se tiver um plano pago, dá pra usar de boas. Pelo menos a minha experiência foi bem boa lá.
Tiago Gabriel
O mega é um verdadeiro sequestrador de dados, depois que você coloca algo lá conseguir baixar é uma missão quase impossível. Caí na besteira de fazer um backup lá uma vez e me arrependi.
João

E lá vamos nós....

Joaomanoel
E lá vamos nós....
Mario Junior ?????????
Só adiantando o que acontecerá com esse serviço: https://uploads.disquscdn.com/images/a6b30831c293f665c2962c99e317f7e5593c6eb05dacd2e4eeaf1349617fe00c.png
Ligeiro
E com isso o mercado de Bitcoins acorda hoje com mais baixas depois deste anúncio :p
Bruno Reis
aproveitador...
David
Sem dúvidas os detentores dos direitos vão passar o rodo e reivindicar tudo que acharem, logo cobrarão o mesmo que em outras plataformas, como no googleplay ou itunes... Acho que esse serviço não vai durar muito não.
vin
Única coisa que pensei, foi: imagina a bolada que ele pagou pelo domínio.
Abraão Caldas
Fadado ao fracasso.