O Mi Mix chamou atenção pelo design quase sem bordas e aproveitamento de espaço acima da média. A Xiaomi acaba de anunciar a segunda geração do smartphone: ela está mais compacta, promete tirar fotos melhores e simplifica alguns componentes, como o alto-falante de chamadas.

Enquanto o Mi Mix tinha um painel de 6,4 polegadas, aqui estamos falando de um smartphone de 5,99 polegadas (também conhecido como 6) de 2160×1080 pixels. O Mi Mix 2 está mais esbelto, já que a proporção de tela mudou de 17:9 para 18:9 e a parte inferior ficou 12% mais compacta.

Há um pequeno detalhe na borda superior porque a Xiaomi trocou o alto-falante piezoelétrico (que funcionava por meio de vibrações na estrutura de metal do aparelho) por um speaker tradicional de chamadas, mas a grade da saída de áudio é bem discreta. A conexão é USB-C, o leitor de impressões digitais está na traseira e o conector de 3,5 mm para fones de ouvido foi removido (boo!).

No hardware, a Xiaomi colocou tudo o que esperamos em um flagship: processador octa-core Snapdragon 835, 6 GB de RAM LPDDR4X, 64, 128 ou 256 GB de armazenamento e bateria de 3.400 mAh com tecnologia de carregamento rápido (18 watts). Também há uma edição especial: ela tem 8 GB de RAM, 128 GB de espaço, anel de ouro 18K em volta do sensor biométrico e corpo único de cerâmica em vez de metal.

Mi Mix 2 Special Edition

A câmera frontal é de 5 megapixels, enquanto a traseira tem resolução de 12 megapixels (no lugar dos 16 do Mi Mix) e promete capturar mais luz. A lente traseira com cinco elementos possui abertura f/2,0 e estabilização óptica de imagem de 4 eixos. Alguns veículos já colocaram as mãos no aparelho; o Engadget diz que “as imagens de ambas as câmeras são notavelmente melhores que as do Mi Mix original”.

O Mi Mix 2 será vendido na China a partir de 15 de setembro. Ele custa entre 3.299 yuans (R$ 1.583) e 3.999 yuans (R$ 1.919) para as versões comuns de 64 a 256 GB, ou 4.699 yuans (R$ 2.255) no caso do Mi Mix 2 Special Edition. Como a Xiaomi saiu do Brasil, quem quiser comprá-lo terá que pagar um pouquinho mais no importador mais próximo.

Mi Note 3

A Xiaomi também revelou o Mi Note 3, um intermediário premium com design mais tradicional. Ele tem tela de 5,5 polegadas, processador octa-core Snapdragon 660, 6 GB de RAM, 64 ou 128 GB de armazenamento e bateria de 3.500 mAh. A câmera dupla na traseira permite zoom óptico de 2x e efeito de desfoque de fundo em retratos.

O Mi Note 3 custará 2.499 yuans (R$ 1.199) para a versão de 64 GB, 2.899 yuans (R$ 1.391) para quem quiser o dobro de armazenamento, ou ainda 2.999 yuans (R$ 1.439) para a versão de 128 GB na cor azul. Ainda não há data de lançamento.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

João Malaquias
- Diminuir 1000mah de bateria: ruim - Especial com metade do armazenamento do anterior: neutro, ninguém aqui vai comprar mesmo - Design com bordas maiores E borda menor E cantos mais arredondados: positivo - Sem câmera dupla: neutro PARA MIM (acho câmera dupla dispensável e esteticamente feio). Nem cogitei comprar o Mix 1, esse eu já estou pensando.
Arthur Soares
Praticidade... Vc pluga o fone e já tá funcionando. Não precisa ligar o fone, ver se ele tem carga e sincronizar. Fora que a bateria do fone Bluetooth é mais um problema para usos longos como viagens e etc. Tbm sou a favor dos fones com fios. Ou começam a fazer fone usb-c ou deixam a entrada.
Elton Paulo
reconheço o seu ponto de vista, mas concordo em parte. o que eu quero dizer é que alguns usuarios seriam prejudicados com isso, por exemplo, quem tem todos os fones de ouvidos (como eu, que aliás nenhum deles foi barato) com esse plug ficaria frustrado ao perceber que os mesmo seriam inuteis com esses novos aparelhos.
Jack Silsan
Em ternos de design é muito bonito e elegante. Nesse quesito, compete com o Galaxy Note 8, e acho que dele.
Matheus
mais um gadget para se lembrar de carregar diariamente.
Lucas Oliveira
Concordo plenamente!
Felipe Chagas
Tenho o mesmo questionamento sempre que leio essas reclamações. hahaha
Daniel
Litografia faz uma baita diferença sim, em aquecimento, performance e consumo. Só que o consumo do processador é só uma fração do consumo geral do aparelho. Precisa ver o quanto isso reflete em diferentes testes de bateria. O lance do alto falante é que por ele não ter um duto direcionado o áudio vazava em volta do aparelho. É um detalhe pequeno, mais uma questão de privacidade.
Wendel F De Freitas
Opinião - Puro bla bla bla, lançam um processador e sempre falam que é 25, 30, 50% mais econômico que o anterior, na pratica nunca se vê essa diferença toda. No antigo mi mix já fiz quase 12hrs de tela, duvido esse novo chegar nas 9hrs, 1000mah é muita coisa pra não fazer falta. E nunca tive problema algum com esse sistema de som por vibração, só via pessoas que nunca virão um de perto reclamando disso.
Wendel F De Freitas
Poderia dizer o mesmo, mas não deve ter cura...
Daniel
A bateria vale a pena esperar por uns testes pra ver quanto isso afetou. Não dá pra jogar em numero bruto assim. O Snapdragon 835 é bem mais econômico que o 821 (10nm vs 14nm) A tela é menor. Talvez o alto falante antigo também consumisse mais, além de vazar o áudio...
Nepomucc
Vai se tratar...
Nepomucc
O que estraga o Mi Mix é a camera
Jhon
Tô usando um iPhone 7 há uns 9 meses e a entrada não faz falta nenhuma. Depende do uso de cada um, mas acho que pra maioria não faz tanta falta assim.
Wendel F De Freitas
E não apontou sua opinião em que acertou... não é possível que seja alguma das que eu disse!
Exibir mais comentários