No ano passado, o Brasil recebeu uma série de concorrentes ao UberX. Um deles era o EasyGo, oferecendo um serviço de motorista particular com tarifas competitivas. Ele será encerrado na próxima segunda-feira (18).

A Easy confirmou a mudança à revista Exame; e já avisou os motoristas por e-mail. Ela está consolidando suas operações com a Cabify, após ser adquirida em junho por R$ 500 milhões.

Como a Cabify tem maior presença entre serviços de motorista particular, e o EasyGo nunca fez muito sucesso, ele vai acabar. Daqui para a frente, a Easy (antes Easy Taxi) vai se concentrar em seu foco original — os taxistas.

No Uruguai, a situação é inversa: a Cabify deixará de atuar no país em outubro, dando mais espaço para a Easy, que é mais forte por lá.

As opções de transporte sob demanda, via aplicativo, estão diminuindo no Brasil. No ano passado, fizemos um comparativo entre Uber, Cabify, WillGo, Televo e EasyGo; desses, praticamente apenas dois continuam operando.

O Televo era uma alternativa brasileira ao Uber, mas encerrou silenciosamente suas operações: o app para Android não está mais disponível na Play Store; o site televo.me e a página oficial no Facebook não existem mais; e os perfis no Twitter e Instagram não são atualizados desde outubro de 2016.

O WillGo estreou no ano passado com preços baixos e sem tarifa dinâmica. Ele ainda existe, mas cobra uma taxa fixa dos motoristas — isso acabou restringindo seu crescimento.

Atualmente, o transporte sob demanda é uma disputa entre o Uber, que planeja investir R$ 200 milhões no Brasil; a Cabify, que vai investir US$ 200 milhões para se expandir no país; e a 99 (antes 99Taxis), que recebeu US$ 200 milhões em investimentos este ano.

Com informações: Exame.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Ricardo Farias

Utilizem o 4Move, sem tarifa dinâmica e sem carro compartilhado! https://www.4move.me/user/s...

Hique o terror
No Easy Go a maioria dos passageiros eram chineses.......uma vez perguntei pra uma moça chinesa pq eles só chamam o Easy, ela me disse que é o unico app que tem uma versão em mandarim,falar portugues eles aprendem na marra mas ler em portugues,ingles,espanhol ou qquer lingua ocidental é muito dificil pra eles.......Os chineses agora vao ter que andar de taxi =(
Ligeiro
Mas é isso que a galerinha tem que entender. É que tou com preguiça, mas um exemplo é pegar as histórias sobre a origem dos táxis: se voltar lá para mais de 100 anos atrás, quando os automóveis começaram a se popularizar, havia algo parecido com o que o Uber é hoje: pessoas que aproveitavam seus novos veículos para oferecer serviços de transporte. Tal como na época cavaleiros e charreteiros faziam. Em um resumo: lembrando que na época da revolução industrial e da produção em massa, automóveis começaram a se popularizar rapidamente. Mais pessoas tinham automóveis, mais pessoas congestionavam as antigas vias feitas para cavaleiros, e também por consequência, tiravam o mercado dos charreteiros. Ao mesmo tempo, a concorrência se acirrava: sem uma regulação, qualquer um poderia "ofertar um frete" e ganhar dinheiro, não importa o valor, muitas vezes sendo este valor bem inferior ao que a pessoa precisa para ao menos fazer a manutenção e abastecimento do próprio veículo. Em um dado momento, os preços estavam tão baixos que quem realmente trabalhava como motorista se irritava com a então "concorrência". Se organizaram, buscaram meios de melhorar seus serviços e mensurar melhor isso (gerando o taxímetro) e após ações políticas (e também os políticos verem o caos do transporte), o resultado foi a regulação do serviço de transporte particular, gerando os táxis. O Uber chega em um vácuo onde os táxis tem problemas devido aos excessos de regulações e movimentos políticos internos que travam suas melhorias (a adoção de tecnologias como Easy e 99 demoraram e ainda houve muita relutância). Soma-se a agressividade de ações no mercado, e a propagandas que tentavam conquistar os outros com promessas de ganhos rápidos e fáceis, e vemos o resultado em seu comentário. Há pessoas que eram táxistas de frota, que pagavam no mínimo 200 reais por dia para rodar com seu carro nas ruas para tentar ganhar pelo menos 100 reais a mais. Estes são os exemplos de pessoas que foram para o Uber (e similares) e ganham os 300 - pela experiência e dedicação, sabem como se comportar, conduzir e trabalhar. Ganham boas pontuações e recompensas. Lembrando também que Uber tem mecanismos internos para outros tipos de recompensa, como indicação de novos profissionais por exemplo (tal como o pessoal de "marketing multinível faz"). Quem acaba no prejuízo, em uma generalização burra, geralmente são pessoas que viram no Uber uma forma de lucro rápido (tal como ancap comprando Bitcoin por causa de anúncios nos comentários e perde 100 reais logo de cara com o anúncio de "caça as bruxas" na China). Há também bons profissionais que também ficam no prejuízo, depende das condições. O Uber (não sei outras empresas) acaba tratando o sistema como um jogo onde as pessoas ganham dependendo da "caçada" que faz ao então futuro passageiro. Regiões mais densas e que há uma demanda são como pescaria de peixes para estes. Existe matérias que falam por exemplo de pessoas que ficavam em uma região próxima ao Aeroporto para esperar passageiros que pagam viagens longas. Não duvide que isso ocorra em eventos e outras situações onde há uma alta demanda de pessoas.
PAULÃO 2017
tem motorista da Uber que diz que ganha 300 reais livres por dia, outros que ficam no prejuizo, acabam com o carro e não ganham nada. Vai saber???
Richardson
Eu estou quase largando o Uber por conta dos preços ridículos que estão sendo ofertados atualmente. Um trajeto que sempre fiz duplicou, às vezes é até o triplo do valor sem motivo algum, quer dizer, há manipulação da frota disponível pelos próprios motoristas o que afeta a fórmula de cálculo, mas também houve a alteração na tarifa por ela. Se ameaçar chover então acham que podem multiplicar por um fator maluco deles. Estão dando tiro nos pés e nas mãos, tanto empresa quanto motoristas. Do jeito que está vou tentar utilizar o 99 mesmo. O problema do Táxi não é nem o preço - às vezes, nos casos do Uber caro eu podia ter pedido um Táxi, mas só de lembrar da qualidade do serviço péssima, de quando te deixam na mão constantemente (preferem uma arriscar esperar uma corrida longa do que uma mais curta não aparecendo quando combinado) e ainda tratar a gente como se estivesse fazendo um favor, sendo que estão prestando um serviço pago.
Diego
Agora ta explicado porque a 99 manda SPAM TODO DIA, via SMS. Tem que torrar USD200 milhõeszinhos.
Ligeiro
O problema no caso do Uber e similares é que depende de um fator extra - seu colaborador. Conversei com amigos tempos atrás e muitos já reclamaram do Uber e suas condições de trabalho. Só poucos que conheço que ainda estão no Uber. Outros (inclusive ex-taxistas) migraram para serviços como Cabify e outras. Em uma época onde a gente vê a marca como uma entidade, um ser, acabamos depositando nela - e não no seu colaborador - a responsabilidade do serviço.
Ligeiro
Na verdade ela adéqua a oferta e a demanda conforme as condições. Não dá para sair ofertando em excesso com baixa demanda. Os preços abaixam e a qualidade abaixa junto. No caso de transportes, o ponto de equilíbrio é a oferta adequada a demanda conforme a necessidade da sociedade. Vide: São Paulo tem problemas com sua infraestrutura de transporte pois até hoje é um dilema ofertar serviços com alguma qualidade e intervalos baixos, sendo que a população faz mais uso do serviço de forma "pendular" - o velho movimento casa - trabalho. Os serviços de motorista particular (ou melhor, de fretamento eletrônico) atendem de forma mais diversa, mas ao mesmo tempo gera o dilema de que como muitas pessoas fazem uso de forma mais exclusiva e individual, um excesso destes veículos gere um congestionamento, que gera atraso para outros como este. Isso explica porque táxis são regulamentados a operar em um limite de número de veículos e porque a cidade limitou também o número de veículos de fretamento eletrônico. Sem regulamentação, os serviços ficam sem uma linha base de onde pode trabalhar e ganhar. E também não são criados mecanismos de substituição ou reorganização em casos necessários.
Porto Velho

Aqui só temos o velho taxi. Mas é loteria. Se chamar um, pode vir um Mille 2003 ou um Corolla 0 Km. Não tem padrão nenhum.

Emanuel Schott
Aqui só temos o velho taxi. Mas é loteria. Se chamar um, pode vir um Mille 2003 ou um Corolla 0 Km. Não tem padrão nenhum.
Porto Velho

Impedir a concorrência não é algo bom. Você por exemplo não deve sentir falta de um buscador pra concorrer com o Google né? Não há concorrente forte para ele, mas nada impede de surgir um. Por isso a qualidade dele não cai.

Emanuel Schott
Impedir a concorrência não é algo bom. Você por exemplo não deve sentir falta de um buscador pra concorrer com o Google né? Não há concorrente forte para ele, mas nada impede de surgir um. Por isso a qualidade dele não cai.
Porto Velho

Regulamentação é o que faz diminuir a oferta de serviços.

Porto Velho

Mas isso é normal. Significa que algumas não conseguem se sobressair, seja por qualidade, preço ou por qualquer outra coisa. Quem não se adapta tem que pular fora mesmo.

Emanuel Schott
Regulamentação é o que faz diminuir a oferta de serviços.
Exibir mais comentários