Início » Demais assuntos » União Europeia ocultou estudo que mostra que a pirataria não reduz vendas legais

União Europeia ocultou estudo que mostra que a pirataria não reduz vendas legais

Por
47 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Encomende um estudo. Pague caro por ele. Receba o resultado. A conclusão é diferente do esperado. Melhor jogar tudo para debaixo do tapete, então. Nenhum órgão sério faria isso, certo? Mas a Comissão Europeia fez: a entidade pagou € 360 mil por um estudo que concluiu que a pirataria não prejudica as vendas de músicas, filmes, livros, entre outros materiais protegidos por direitos autorais, e resolveu esconder tudo.

O estudo foi encomendado no início de 2014 e realizado pela Ecorys, empresa de consultoria e pesquisa baseada na Holanda. O objetivo era justamente o de mensurar o impacto da pirataria online sobre as vendas de materiais com copyright. Mais de 30 mil pessoas em países como Alemanha, França e Reino Unido foram entrevistadas para o estudo.

Bandeira pirata (Por Public Domain Pictures)

Em um documento com 307 páginas (PDF) entregue pouco mais de um ano depois, a Ecorys detalhou com riqueza de detalhes todas as nuances da pesquisa e concluiu: “os resultados não mostram evidências estatísticas sobre queda nas vendas por conta das infrações online de copyright”.

Tem mais: o estudo ainda sugere que a pirataria pode, na verdade, estimular as vendas de jogos por meio de downloads e o streaming legal de vídeos. A pesquisa constatou que apenas a indústria do cinema é impactada negativamente: de cada dez filmes obtidos ilegalmente, apenas quatro resultam na compra de cópias legais.

Essa exceção tem explicação: a Ecorys constatou que os preços de filmes são cerca de 80% mais caros do que os valores que os consumidores estão dispostos a pagar. Com relação a músicas, livros e jogos, os preços (na Europa) correspondem aos valores que os cidadãos consideram adequado.

Chama atenção a constatação de que a indústria de games é bastante beneficiada pela pirataria: muitas pessoas começam pirateando um jogo, gostam dele e, depois, compram versões originais ou conteúdo adicional para aproveitá-lo melhor.

Um estudo amplo como esse é interessante porque pode ajudar toda a indústria do entretenimento a moldar as suas estratégias para não só coibir a pirataria, como também vender mais. De modo geral, a pirataria é efeito da falta de disponibilidade, seja por dificuldade de acesso a determinado conteúdo (um filme que não está disponível em nenhuma plataforma, por exemplo), seja por conta dos preços elevados.

Se é assim, por que o estudo ficou tanto tempo escondido? É uma pergunta que segue sem resposta oficial. O assunto só veio à tona porque Julia Reda, representante do Partido Pirata no Parlamento Europeu, usou o princípio do acesso à informação para analisar o documento e publicá-lo integralmente.

De acordo com a European Digital Rights, grupo que defende os direitos dos usuários na internet, o documento foi ocultado deliberadamente pela Comissão Europeia. Como se não bastasse, a entidade divulgou, no ano passado, um relatório que descreve apenas os efeitos negativos sobre a indústria cinematográfica apontados pelo estudo da Ecorys.

Como não há, pelo menos até o momento, posicionamento oficial sobre o assunto, é de se presumir que a União Europeia não quis confrontar os líderes da indústria do entretenimento ou temeu que a divulgação do estudo sugerisse um enfraquecimento da entidade no combate à pirataria digital.

Com informações: TorrentFreak